Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Terceira idade

21 de julho de 2016 0

De repente me dou conta de que cheguei na idade que tinha meu avô. Faço, hoje, 65 anos. Claro que lembro vagamente dele também com outras idades, mas, quando penso nele, ele tem 65 anos. Não adianta ver aquelas fotos formais dele jovem. Quando ele morreu, em 1964, poucos anos depois do falecimento da minha avó, eu tinha 13 anos. Ele, algo mais que 65 anos. Existe alguma dúvida quanto à data exata do seu nascimento, mas é certo que veio de Morano Calabro, onde nasceu, com oito anos de idade. Aqui, casou-se com minha avó Firmina, calabresa como ele. Eles são os pais de minha mãe, Nilce. Os pais do Hamilton, meu pai, não conheci.

 

00bc215b
Seu Natale e dona Firmina, no batizado da primeira neta Maria Teresa

Recordo do vô Natale (Di Leone), esse era seu nome, trabalhando atrás do balcão de mármore do Açougue Duque de Caxias, no Alto da Bronze, no centro de Porto Alegre. Ali, havia um trilho preso à parede, com pontudos ganchos que se deslocavam, onde se penduravam grandes pedaços de carne. Havia também um enorme cepo, com três pés, em forma de mesa, onde ele serrava os ossos ou cortava, manualmente, a carne. Tinha, ainda, uma balança com pratos de metal e tampo também em mármore. Seu Natale reclamava de reumatismo, e não existiam próteses, como as que instalei nos joelhos alguns anos atrás. Ele gostava de bitter. Talvez para não despertar a ira e suspeita de dona Firmina, guardava a bebida numa garrafa de Coca-Cola, na geladeira.

00bc2156
Natale, com a filha Nilce, no trenzinho do Corcovado, em 1951

 

Um dia, garoto ladino e equivocado, tomei um grande gole achando que era refrigerante. Desceu queimando garganta adentro. Talvez tenha começado aí minha paixão por Underberg. Meu avô, como eu, gostava muito de ferramentas. Convivemos pouco, mas o dia em que ele aproveitou a enxurrada, na sarjeta, para girar um moinho de brinquedo feito por ele, foi o máximo. Ainda não tenho netos, mas, o que é ser idoso? É andar de moto, como faço e amo? Ou é calcular cada gesto, para evitar imprevistos (como, agora, sou obrigado a fazer)? Ou, melhor dizendo: tentando evitar, na verdade, os previstos. Por pudor, deixo livre as vagas de estacionamento para os mais velhos? Ou seria porque ainda não caiu a ficha? Ser idoso, entre outras coisas, é dizer coisas como “caiu a ficha”. Pode parecer estranho, mas, não gostaria de ter nem sequer um ano a menos. Acho lindo, mas não invejo os jovens. Talvez seja apenas por uma curiosidade em saber como acaba isso…

 

00bc215a

00bc2158

Envie seu Comentário