Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Pescador está dividido entre Gabriel e Fernando

03 de abril de 2012 2

Durante a partida contra o Estrela Azul, ficou claro que o Pescador está dividido entre o meia Gabriel e o atacante Fernando. Logo aos 13 minutos do primeiro tempo, os dois atletas da equipe de Governador Celso Ramos começaram a trocar ofensas. Até o árbitro Altair Schmitt chamou a atenção dos atletas.

Em determinado momento da partida, Fernando chegava ao lado do banco de reservas e reclamava do meia. Em seguida, Gabriel se aproximava e fazia observações negativas sobre o atacante. Ficou claro que os dois não têm condições de vestir a mesma camisa. O técnico Kikinho e o presidente Célio precisam tomar uma providência!

Comments

comments

Comentários (2)

  • Paulo Roberto diz: 3 de abril de 2012

    Tomada de decisão do árbitro
    Em uma partida de futebol, é de interesse particular do árbitro ser imparcial, enquanto os torcedores querem o sucesso de seu time e, portanto, deveriam ter interesse em trabalhar por um objetivo comum, entretanto contestam as decisões do árbitro que não favorecem seu time e aprovando somente as decisões favoráveis, em uma atitude totalmente parcial e irracional.
    Andersson (1983) examinou os motivos que levam os árbitros de futebol a continuarem arbitrando partidas de futebol apesar de ser um trabalho aparentemente ingrato. Este estudo incluiu 36 árbitros de futebol da Associação da região de Göteborg, Suécia, para os quais foi pedido que respondessem perguntas organizadas na forma de um questionário. Os resultados indicaram que dois terços dos árbitros tiveram intenção de desistir do seu trabalho como árbitro. A razão mais comum para isto era que arbitrar ocupava muito de seu tempo e que eles tinham se cansado de toda a crítica que eles tiveram que aceitar no papel de árbitro. Geralmente, eles também percebiam as exigências feitas a eles como sendo irracionais. Vinte por cento dos respondentes (7 entre 36) tinham ficado tão chateados por causa das críticas que consideraram a possibilidade de renunciar ao trabalho. Vários árbitros (aproximadamente 30%) queriam que os jogadores e os treinadores recebessem uma formação melhor e ensinamentos a respeito das regras e regulamentos do jogo. A razão principal pela qual os árbitros continuaram arbitrando, apesar de tudo, foi o amor que tinham pelo jogo.
    Em um estudo que examinou as razões dos árbitros de futebol e seus motivos para atuar como árbitro (Isberg, 1978); 80 árbitros de associação e de distrito participaram do estudo. Os resultados mostraram que a razão mais importante para se tornar um árbitro de futebol era manter o contato com o esporte depois de uma carreira ativa como um jogador de futebol. Um forte interesse pelo jogo também foi um fator crítico. O desejo contínuo de se tornar um árbitro melhor era um dos motivos para eles continuarem atuando como árbitros de futebol. Foram listadas oportunidades de contato humano e chances de melhoria na função de árbitro entre as experiências positivas deles. Entre as experiências negativas deles figurou o nível elevado de crítica gerada pela mídia e pelos técnicos.
    As regras do jogo constituem a base de cada esporte. Os jogadores poderiam conhecê-las e os árbitros deveriam apenas supervisioná-las durante o jogo, pronunciar julgamentos com o intuito de apenas sancionar as ações permissivas. Contudo, uma vez que o árbitro sofre influência intra e extracampo, o que inclui jogadores, treinadores e torcida, ele deve apresentar um nível de tolerância para a condução de uma partida. A tarefa dos árbitros é de difícil execução, pelo fato de que cada decisão tomada não pode ser explicitada por escrito. Os árbitros devem controlar a partida, a qual inclui interações sociais e psicológicas (fatores como dinâmica de grupo e liderança) (Praschinger et al., 2011). Possivelmente, porque um jogo de futebol requer administração do jogo ao invés de uma simples aplicação das regras pelo árbitro.

  • Observador diz: 3 de abril de 2012

    Só o glorioso árbitro Altair Schmitt e seu enorme ego não viu/ouviu essa áspera discussão que teve vários palavrões. Se tivesse visto/ouvido teria que ter aplicado cartão, não é mesmo Sr. Árbitro, tem que aplicar a regra.

Envie seu Comentário