Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Melhores momentos de Ponta das Canas x Vila

31 de julho de 2012 1

Comments

comments

Comentários (1)

  • Schmitt diz: 31 de julho de 2012

    PLANEJAMENTO TÁTICO DA PARTIDA

    sex, 13/01/12
    por Gaciba |
    categoria Teses e Conceitos

    Em época de pré-temporada, recordei-me de um post que realizei no clic Rbs falando a respeito do planejamento de uma partida por uma equipe de arbitragem.

    Engana-se quem pensa que um árbitro de futebol trabalha somente 90 minutos (mais acréscimos). Apitar futebol é uma tarefa delicada, detalhista e para poucas pessoas. O resultado do trabalho dentro do campo de jogo está diretamente relacionado a preparação feita antes da partida.

    Tenho falado muito dos 4 pilares da FIFA (Técnico, tático, físico e psicológico). No pilar tático está incluso um planejamento que procurará minimizar a faliabilidade da equipe no campo de jogo. Obesrve o teor do post feito em Março passado para que possam ter uma noção da complexidade que é apitar futebol.

    PLANEJAMENTO

    Uma equipe de arbitragem, comandada pelo árbitro central, deve planejar em detalhes suas atuações antes do início do jogo. Aqui vão algumas dicas dos fatores a ser observados quando da palestra feita com seu time planificando a partida.

    Campo de jogo: Gramado (alto, baixo, artificial ou natural – tipo de chuteira – velocidade da bola no gramado), Acessos (controle – ações preventivas), Tamanho do campo (Largura – impedimento passivo, comprimento – lançamentos longos, área quadrada – mais ou menos contato físico), Distância da linha lateral para a torcida (segurança dos assistentes e quarto árbitro);

    Burocrático: Preenchimento de borderôs (Atenção com documentos e valores), contato com o comandante do policiamento (como age, onde fica, qual o efetivo, nome do comandante, auxílio ao reserva), contato com gandulas (documentos, quem fará? quais orientações?São menores, adultos, neutros…), maqueiros (sinais e documentos), conversa com o delegado do jogo (particularidades do estádio, verificação de ambulâncias e serviço médico);

    Fardamentos: Utilizar roupa adequada (longa ou curta, neutra – verificar rivalidades locais), cores das equipes (Atenção especial com goleiros) – preferencialmente, até mesmo como auxílio ao trabalho dos assistentes, uma equipe com cores claras e outra com escuras; pré-inspeção de joias nos vestiários, antes do início do jogo e anterior ao procedimento de substituição;

    O jogo: Tipo da competição (pontos corridos, mata-mata, eliminatório), caso seja um jogo de “volta” saber como foi o placar, particularidades do primeiro confronto, procurar saber se houve algo de “ruim” que possa ter vindo da partida de ida, rivalidades históricas entre os clubes, situação dos clubes na tabela (lutam pelo título? Estão na zona de rebaixamento?);

    As equipes: Características dos treinadores (participativos, vibrantes, motivadores?), sistema tático (4-3-3, 3-4-2-1, 3-5-2…), táticas defensivas (zagueiro na espera, defesa em linha, fazem linha de impedimento), táticas ofensivas (jogam principalmente pelo meio ou pelas pontas, realizam cruzamentos para um centroavante de referência ou usam a velocidade como arma, jogadas ensaiadas, cobranças de falta (quem bate, direto ou indireto, destro ou canhoto – importantíssimo para definir sua colocação no campo de jogo), estudar atletas (dribladores, velocistas, zagueiros estilo “xerife”, jogador cai-cai), são equipes que usam o recurso de muitas faltas (atenção com rodízios);

    Tática: Como a equipe de arbitragem pretende conduzir a partida, gestos e sinais (repassar todas as convenções – sempre), área de atuação, conduta do quarto árbitro perante os bancos, informar aos assistentes um resumo das características principais do árbitro central (quando não se usa trio fixo);

    Documentação: Súmula do jogo (Preencher com calma, verificar anotações no intervalo e após o jogo com a equipe de arbitragem, antes de finalizar solicitar que um assistente leia e omita opinião), regulamento da competição (Ter sempre dentro da bolsa, repassar itens relevantes à equipe – tempos de WO, abandonos, cancelamentos ou suspensões temporárias por chuva, segurança…), regra do jogo (ESSA É SUA BÍBLIA, NÃO EXISTE ÁRBITRO DE FUTEBOL QUE NÃO TENHA A LEI DENTRO DE SUA MALA DE VIAGEM!);

    Essa relação acima pode, e deve aumentar! Quanto mais fatores forem controlados, maior a probabilidade de êxito da arbitragem. Como falam nossos “hermanos”:

    “ÊXITO, PORQUE SORTE NECESSITA O QUE NÃO TRABALHA!”

Envie seu Comentário