Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de fevereiro 2009

Mesmo amor que não compensa vale mais que solidão

28 de fevereiro de 2009 18

Recebi esse vídeo de uma amiga. Nossa, quanta coisa a falar sobre ele. Mesmo amor que não compensa vale mais que a solidão. É triste, mas parece que é o que mais anda por aí, cada vez me convenço mais disso.

Postado por ana mariano

Bookmark and Share

O Oscar e as guerras

28 de fevereiro de 2009 11

Assisti a alguns dos filmes que concorreram ao Oscar. Não, ainda, ao Quem quer ser milionário. No programa que antecedeu à cerimônia de entrega dos prêmios, um dos apresentadores disse que esse era um feel good film , ou seja um filme que nos faz acreditar que tudo termina sempre bem, basta acreditar.
Não passei por nenhuma das duas grandes guerras mas lembro do meu pai dizendo que o pós-guerra era um tempo de “futilidades” de “supérfluos”. Um tempo no qual as pessoas estavam tão cansadas do lado pesado da vida, do sofrimento que se voltavam para o que embeleza: cosméticos, roupas charmosas, sedas, rendas.
Não estou menosprezando nem o filme nem as rendas, a beleza pela beleza é parte da vida. Querem coisa mais inútil que a poesia? Poesia, tecnicamente, não serve para nada. E, no entanto, não imagino o mundo sem.
Com a crise econômica que estamos atravessando, equiparável à de 29, as muitas guerras, a fome, a pobreza, a violência urbana e rural, um feel good film teria mesmo que ganhar.  A vida não é apenas choro.

Postado por ana mariano

Bookmark and Share

Coragem de viver

25 de fevereiro de 2009 8

Algumas praias aqui no Uruguai têm trocadores de roupa parecidos com esses de loja. Algo simples, bem europeu, e muito prático. Num desses trocadores há uma propaganda dos óculos Oakley, patrocinadores de Lance Armstrong, aquele ciclista americano que venceu várias vezes o Tour de France.
Desde o início do veraneio essa propaganda me chamou a atenção.  Em preto, sobre fundo branco, uma foto de Lance e algo que ele disse ou escreveu.
Como vocês deve saber,  Armstrong lutou contra um câncer de testículos, com metástases no pulmão e cérebro. Contra todas as previsões, conseguiu não apenas vencer a doença mas voltar a competir. 
Por ter tido esse problema sério e pelas dores que devia sentir também como atleta, imagino que, na citação, ele se referia a dores do corppo mas, o que disse,  pode muito ser ampliado para dores do espírito, uma metáfora para a coragem  não apenas física mas também emocional. Coragem de viver.
Olhem como é bonito, especialmente o final.

” El dolor es temporal, este puede durar un minuto, una hora, un dia, un año, pero eventualmente pasará y otra sensation tomará su lugar. Si desisto, el dolor durará para siempre. “

Nada mais verdadeiro, viver pode ser dolorido mas a dor eventualmente passará.
Se desistimos, a dor durará para sempre.

Postado por ana mariano

Bookmark and Share

Saudade de antigos carnavais

24 de fevereiro de 2009 5

Talvez, ouvindo Bethânia, a gente, mais que entender, consiga sentir  a saudade de outros carnavais de que falou Drummond.

 

Postado por ana mariano

Bookmark and Share

Para cinquentões

22 de fevereiro de 2009 7

Carnaval, carne dada aos vermes
(diz a falsa etimologia)
como pode o cronista inerme
cronicar em plena folia?

Como esquivar-se a teu império
que é serrano em Vila ou Mangueira,
se em mim ri aquilo que é sério
e séria, mesmo, é a brincadeira?

Carnaval, já não sou tão moço
para emilinguir-me no frevo
e sair de guizo ao pescoço
(riso, quatripétalo frevo).

Também inda não sou tão velho
que não ouça o ronco na cuíca.
E da razão o bom conselho
(má rima) não me mortifica.

Entre duas águas, meu caro,
meio-lá-maio-cá me sinto
como um animal semi-raro
divagando no labirinto.

Carnaval, magia do samba!
Fígado, fiscal do consumo…
Para dançar na corda bamba
tanto faz, serpentina, o rumo.

Não fugirei para a montanha
nem pescarei na Marambaia,
pois ante confusão tamanha,
quedemos (Posto 6) na praia,

perto-longe da farra, ouvindo
e vendo, imaginando, enquanto
um carnaval muito mais lindo
dentro de nós eleva seu canto;

carnaval de delícias longas
e cabriolas arlequinais,
feito de caras songamongas
se esbaldando no nunca-mais;

carnaval antigo e futuro
baile de outro Municipal
ou Praça 11 acesa no escuro
da saudade do carnaval.

E é o melhor de tudo, afinal.

                                                   Carlos Drummond de Andrade

Postado por ana mariano

Bookmark and Share

Cierra tu ojos y escucha

20 de fevereiro de 2009 6

Um pouco de paz, mas uma paz inteligente, criativa, não apenas ausência.

Postado por ana mariano

Bookmark and Share

Um poema em busca do autor

20 de fevereiro de 2009 5

Alguém sabe quem é o autor(a) deste poema? Aparece como de autoria desconhecida, mas é bom demais para isso.

Postado por ana mariano

Bookmark and Share

Murgas

19 de fevereiro de 2009 2

Murga – Foto de Marcelo Hernandez

 

 

  

Eu achava que era em Recife ou na Bahia mas, segundo os uruguaios,  o carnaval mais comprido do mundo é o daqui. Começa em fevereiro e entra março adentro. São mais ou menos 40 dias de carnaval.

As Murgas, uma espécie de teatro popular satirizando os acontecimentos sociais e políticos, por estranho que pareça, são de origem espanhola. Há concursos de Murgas em vários locais mas especialmente no  Teatro de Verão. Nesses concursos são valorizados não apenas a apresentação, a dança, a maquiagem mas o texto, as letras mais inteligentes.

 De origem negra e ao som dos tambores ele têm a Llamada e o Candombe. Esses, mais populares, recordam os encontros dos antigos escravos fora das cidades. A maneira de dançar e o ritmo são totalmente diferentes dos nossos.

Cultura inútil? Até pode ser, mas é carnaval e eu estou melancólica.  

 

Postado por ana mariano

Bookmark and Share

Mensagem

17 de fevereiro de 2009 1

 

Quem tem amigos na web pode morrer pagão mas não ignorante. Já recebi a resposta  e a letra completa da música. Obrigada. A canção chama-se Mensagem, foi composta por Aldo Cabral e Cícero Nunes em 1946. Era cantada por Isaurinha Garcia.

Quando o carteiro chegou e o meu nome gritou
Com uma carta na mão
Ah! De surpresa, tão rude,
Nem sei como pude chegar ao portão
Lendo o envelope bonito,
O seu sobrescrito eu reconheci
A mesma caligrafia que me disse um dia
“Estou farto de ti”
Porém não tive coragem de abrir a mensagem
Porque, na incerteza, eu meditava
Dizia: “será de alegria, será de tristeza?”
Quanta verdade tristonha
Ou mentira risonha uma carta nos traz
E assim pensando, rasguei sua carta e queimei
Para não sofrer mais


Postado por ana mariano

Bookmark and Share

Cartas

17 de fevereiro de 2009 3

Maria Bethânia declamando Fernando Pessoa e cantando …. Alguém sabe me dizer de que música é e qual o autor desse trecho de melodia que ela canta ?

Postado por ana mariano

Bookmark and Share