Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Crónica de Natal

24 de dezembro de 2012 4

 Nesta altura do ano quando chega o Natal lembro-me sempre do meu avô. Quer dizer lembro-me muitas vezes do meu avô mas lembro-me imenso no Natal porque enquanto o meu avô viveu foi a época mais feliz da minha vida. Eu era o filho mais velho do seu filho mais velho, chamo-me António Lobo Antunes por ser o nome dele.

……

Depois o meu avô morreu, venderam a casa, a família dispersou-se e os Natais acabaram. Os Natais agora são o que vejo nas montras das lojas: as Boas-Festas das gerências, as pastelarias com notas de quinhentos escudos  presas aos pinheiros com molas de roupa, um Pai Natal triste à porta do supermercado a distribuir prospectos de margarinas e telemóveis. Os Natais agora sou eu atrás das palavras de um romance, de bloco nos joelhos, a cozinha sem mujique nenhum, os meus irmãos com cabelos brancos, sobrinhos que nunca ouviram falar de Cisco Kid. Mas pode ser que para o ano me ofereçam uma pistola de fulminantes e ao disparar o primeiro o meu avô reapareça, me volte a pousar a mão no ombro, me faça aquela festa que ele me fazia com o polegar na nuca

( —  O meu netinho )

          e eu sinta de novo a sua força e ternura, sinta de novo, como sempre senti, que estando junto dele nunca nenhuma coisa má, nenhuma coisa triste, nenhuma coisa reles me poderia acontecer porque o meu avô não havia de deixar.


                                ( António Lobo Antunes – As coisas da vida)

Bookmark and Share

Comentários (4)

  • Sharize diz: 24 de dezembro de 2012

    Voilá Ana,
    bacana essa crônica natalina que você elegeu pra ornamentar
    seu blog neste Natal! Parabéns!
    Não tive a ventura do autor, de desfrutar do amor de um avô… Imagino a delícia que teria sido…
    Lobo Antunes é um dos meus escritores favoritos no além-mar!
    Feliz Natal pra você e sua família, Ana!
    Que 2013 traga renovadas inspirações para sua literatura!
    Abraço
    Sharize

  • Sharize diz: 28 de dezembro de 2012

    Obrigada, duplamente!
    Aproveito para dizer a você, Ana, que não me considero boa leitora (ainda leio pouco!) mas na prosa, praticamente só leio os lusos, pois, pois. A literatura de L. Antunes, de fato, não é pra bobo como costuma dizer meu amado e sábio pai. Mas curto o Lobo creio que porque ele é psicanalista tb e eu sou vidrada nessa área. Meu pai me diz sempre que vira mexe, vou me tornar psicanalista nesta vida…
    Sabes qual foi o livro dele de que mais mais gostei?
    - “Memória de Elefante”. Adoro este trecho, Ana:
    “onde,desde sempre, passeava a sua solidão, porque pertencia à classe de pessoas que só sabem sofrer acima dos seus meios”. pp. 86.
    E você, Ana qual o seu preferido do Lobo?
    Abraço da,
    Sharize

Envie seu Comentário