Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Jô Soares"

CRÍTICA - Atreva-se uma comédia de mistério

27 de outubro de 2014 0

Por Priscila Andreza de Souza

A cena é esta: casa mal assombrada e pequenas pistas para descobrir o mistério. Acrescenta uma pitada de humor e temos a peça de comédia que mistura suspense e riso: “Atreva-se”. É nesse clima sombrio que a história se passa em uma mansão com divas e astros do cinema nas paredes que encanta e assusta. É com suspense que “Atreva-se” promove uma série de gargalhadas em Joinville.

Foto: Divulgação/ Agência RBS

Na peça nada é o que parece ser. Tem uma atmosfera explicitamente inspirada nos filmes noir, gênero usado no anos 20 que priorizava o contraste do preto e branco para enfatizar os mistérios dos personagens. O espetáculo dirigido por Jô Soares destaca a performance do grupo de atores que transitam pelo humor e pelo exagero. Os atores da peça são conhecidos do público por fazerem humor na internet e TV: Fabio Rabin, Mariana Santos, Júlia Rabello e Beatriz Morelli. Apesar do elenco formado por artistas ligados a projetos de humor, o espetáculo coloca a plateia em constante suspense.

O texto escrito por Maurício Guilherme faz referência a clássicos do cinema de diretores como Alfred Hitchcock. A cenografia, a iluminação, o cenário e o figurino não são apenas bonitos e construídos nos mínimos detalhes, mas são inteligentes na medida em que interagem com o texto e com as interpretações. No palco, tudo é preto, branco ou cinza, permitindo pensar que a intensão é fazer parecer que estamos assistindo a um filme em preto em branco. Estes se completam com o texto, quando o personagem pergunta:- Você vai com este casaco amarelo? (o detalhe é que no palco a atriz coloca um casaco preto). Fica claro para o público estar inserido em um filme em preto e branco.

A protagonista de “Atreva-se” é uma mansão construída no início do século 20 em algum lugar dos Estados Unidos. Os acontecimentos que a narrativa expõe se passam em três décadas diferentes: em 1929, em 1942 e em 1963. Dividido em quatro partes: A Mansão, O Medo, O Pacto e De Volta à Mansão. Em cada um deles, os personagens têm seus objetivos distintos e a tarefa do espectador é unir as peças.

Para ajudar o público a desvendar o mistério, a peça conta com uma personagem que aparece no início e entre as cenas para junto com o público tentar entender a história do casarão. A personagem é uma “Lanterninha” do cinema antigo e garante boas risadas enquanto o cenário é preparado para a mudança de cenário.

Na minha opinião, a peça mostra as emoções da condição humana, ampliada pela ótica exagerada da comédia. O texto ganha destaque para os nomes estrangeiros e afetados, de um outro país e de uma outra época. Procura também associar o mundo misterioso de um local desconhecido ao desconhecimento da mente humana.

O espetáculo é uma sátira àquelas obras de suspense que nunca se explicam direito. Os diálogos são inteligentes e afetados fazem referência aos antigos filmes dublados. As personalidades dos personagens junto com as reviravoltas a cada cena deixa claro a complexidade do lado escuro da alma humana temperados com o humor. Em um emaranhado de situações absurdas, o controle vai se desfazendo nas mãos das personagens e o impacto dos sustos vai tomando conta da lógica.

Foto: Divulgação/ Agência RBS

As falas dos personagens provocam a reflexão de situações da vida como quando o cadeirante diz que uma vez que se tem o primeiro medo é impossível parar de sentir medo. Ou quando a Sara em um excesso de lucidez e loucura diz que quer ter controle sobre a vida dela sem que experiências externas interfiram como chegar atrasada devido ao trânsito, por exemplo. Ou ainda o comentário da futura proprietária do casarão comenta que tem a sensação de estar dentro um filme.

Quem é fã de cinema noir, tramas de mistérios e gosta de rir sobre a complexidade da existência humana a peça está mais do que indicada. “Atreva-se” é uma comédia de mistérios dessas imprevisíveis a cada gesto e um susto a cada risada.

O espetáculo “Atreva-se” iniciou a turnê pelo Sul do País no início de outubro passou por Florianópolis, Porto Alegre, Londrina e encerrou em Joinville, no último domingo.

Espetáculo Atreva-se em Florianópolis é uma boa atração para o domingo à noite

05 de outubro de 2014 0

FAbio Rabin e Veridiana 1 atreva-se-fernando-favoretto-3

Em cena Fabio Rabin, Veridiana Toledo.  Foto: Fernando Favoretto/Divulgação

Há dois anos em cartaz, incluindo uma passagem por Florianópolis no período, o espetáculo Atreva-se, dirigido por Jô Soares, volta este final de semana de eleições para a cidade. Duas apresentações ocorreram no sábado. Na noite deste domingo, às 19h, a comédia volta ao palco do Teatro Pedro Ivo e é, sim, uma boa opção de programação para a noite de hoje.

Assisti a peça no sábado e posso dizer que é um bom espetáculo, ou seja, você não vai chorar de rir, se emocionar ou sair do teatro estarrecido. Não dirá: uau, que peça! Tampouco terá uma moral da história que  ampliou sua visão de mundo, permitiu-lhe um outro ponto de vista sobre algum assunto, enfim, ensinou-lhe algo como a ARTE muitas vezes nos proporciona.

Confira outras opções de programação para o final de semana

Não é o caso. Atreva-se dedica-se a outra função do escopo cultural: entretenimento. E, aqui, fico com Mariana Santos. Vestida de paquita, a atriz, que acumula 18 anos de experiência e tem no currículo uma boa dose de teatro além de passagem pelo humorístico Zorra Total da Rede Globo, conduz os quatro atos de Atreva-se: A Mansão, O Medo, O Pacto e De Volta à Mansão.  Com sua atuação segura e divertidérrima, o espectador não perde o fio da meada. Mariana é praticamente uma narradora. Aparece sozinha entre um ato e outro e faz destes momentos um stand up particular em meio a trama. Interage com o público, distribui pipoca e conquista cada um de nós, fazendo com que fiquemos esperando o próximo retorno dela .

 

MAriana Santos 4  credito foto Priscila Prade

Mariana Santos está impagável na trama. Foto Priscila Prade/Divulgação

Fabio Rabin, Veridiana Toledo e Beatriz Morelli são os atores em cena nos 4 atos. Têm boas cenas, mas também momentos de marasmo em que a gente fica só esperando a paquina Mariana voltar. Não tente entender a história. Não dá. A trama mistura humor e suspense num enredo que se desenvolve num casarão antigo, voltando no tempo em alguns momentos histórico como a crise de 1929 e a Segunda Guerra do Mundial. Clássicos do cinema também ajudam a compor a trama.

fabio rabin e veridiana Cr_dito_Fernando_Favoretto_7_

Vale a pena. Certamente, você dará boas risadas, irá se entreter e terminará o domingo de uma maneira mais leve e divertida do que se ficar acompanhando a apuração das eleições voto a voto.

 

Atreva-se

O quê: espetáculo Atreva-se, com direção de Jô Soares.

Quando: domingo, às 19h

Onde: Teatro Pedro Ivo (Rod. SC-401, 4.600, Saco Grande, Florianópolis)

Quanto: R$ 80 e R$ 40 (meia), à venda no Blueticket e nas bilheterias dos teatros Pedro Ivo, TAC e CIC

Informações: teatropedroivo.sc.gov.br