Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Sobre a exibição de "O Sabiá" em HISTÓRIAS CURTAS

25 de novembro de 2010 0

Gravação de “O Sabiá” em Rincão do Inferno, interior de Bagé (RS) – foto de Barbara Lucin.

Bastidores da TV recebeu e divulga com satisfação o texto que Lisandro Moura, professor de Sociologia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-Riograndense – Campus de Bagé (RS), escreveu sobre a exibição de “O Sabiá”, dirigido por Zeca Brito, apresentado em HISTÓRIAS CURTAS no sábado passado na RBS TV.

O Sabiá e os destinos da cidade

O curta-metragem bageense O Sabiá, exibido no programa Histórias Curtas da RBS TV, surge como oportunidade para pensarmos um modelo alternativo de desenvolvimento para a cidade. O filme, talvez, não tenha sido feito com esta intenção, mas depois que ele chega aos olhos dos espectadores, o diretor não tem mais o controle do destino e do significado de sua obra. Podemos fazer da imagem aquilo que compreendemos dela, podemos construir significados múltiplos a partir de uma referência única. Através das narrativas visuais, podemos até reconstruir nossa própria história.

É o que acontece quando ouvimos as estórias e vemos os gestos do senhor Alcíbio e da Dona Onélia, personagens reais do filme dirigido por Zeca Brito. O que nos surpreende na oralidade e nas expressões corporais desses remanescentes de quilombos não é a simplicidade da vida cotidiana, mas a memória social que ali se torna visível: a cultura, os ritos, os ritmos, a fala, enfim, um saber-fazer que foi praticamente apagado pela história oficial, pela crença numa sociedade puramente racional e instrumental que nega a dimensão simbólica e mágica da experiência humana. Por muito tempo pensou-se que o termo “desenvolvimento” era simplesmente sinônimo de crescimento econômico, ideia esta que reduzia a complexidade da vida aos valores de mercado.

Na contramão dessa concepção está o artigo 68 das Disposições Transitórias da Constituição Federal de 1988, que assegura aos remanescentes das comunidades dos quilombos a propriedade definitiva das terras ocupadas, cabendo ao Estado a emissão dos títulos. O termo quilombo assume novos significados, diferentes da concepção arcaica produzida pelo discurso escravista. Os Quilombolas expressam a resistência étnica e política por meio da reprodução dos seus modos de vida singulares e da reivindicação de um território próprio. A organização social desses grupos e as técnicas produtivas tradicionais estão vinculadas aos seus valores culturais e, por isso, não podem estar ameaçadas pelo modelo hegemônico de desenvolvimento.

Outra perspectiva de futuro, não associada ao simples fator econômico, busca olhar para a sociedade em sua totalidade. Busca reconhecer que existem outras formas de produzir, de viver e de interagir com o outro, e que isso também deve ser levado em conta nas decisões políticas e econômicas. São formas de desenvolvimento ajustadas às necessidades do presente e sustentadas por uma cultura solidária, participativa e coletiva.

No dia da Consciência Negra, o filme O Sabiá resgata com sensibilidade a memória social da cidade de Bagé, e coloca em cena novos atores e sujeitos políticos, novos heróis, permitindo à população bageense reconstruir sua história e ampliar o horizonte de expectativas.

Envie seu Comentário