Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de agosto 2011

Entrevista Paola Daniele Simão

31 de agosto de 2011 3

Sempre fui apaixonada por moda, por esse motivo em 2008 fiz um curso de costura com a minha tia.
No final de 2008 sai do meu emprego por problemas de saúde. Nesse período fiz cursos de pintura e participei de algumas feiras de artesanato. Acabei me apaixonando!
Em 2011 durantes minhas pesquisas pela internet, conheci as casquetes e os fascinators. Foi paixão a primeira vista! Então decidi juntar duas coisas que eu amo: o artesanato e a moda, e criei o Atelier By Paola Daniele.
Deus me mostrou o caminho e aqui estou!  Atualmente trabalho com a criação de acessórios para o cabelo. O enfoque da loja são as peças para festas e para noivas. Todas as peças são vendidas na loja virtual.

Você busca inspiração, onde?
Minhas fontes de inspiração são as revistas de moda, filmes e sites de moda de rua.
Misturo todas essas informações e faço desenhos dos acessórios pensando em quem vai usá-los.

E os materiais, você encontra onde?
Compro o material aqui na minha cidade e na região. Porém a variedade não é muito grande e por esse motivo já deixei de criar alguns acessórios que eu havia desenhado.

Como é a sua rotina?
Não existe uma rotina pré-estabelecida. Tudo depende dos pedidos que são feitos.
Porém, sempre procuro trabalhar uma parte do dia no blog e no contato com clientes e outra parte na fabricação dos produtos.

Qual peça significa/significou mais pra você?
Eu tenho um carinho especial pelas casquetes para festas Grace. Elas são muito “chics”! São de cetim e renda, um charme! Foi uma das primeiras que eu fiz para a linha de festas.

No processo de criação de uma peça, qual a parte que mais dá trabalho,e qual a parte que mais te envolve, o que prefere?
A parte que mais dá trabalho é a que eu monto as peças que estavam desenhadas nos projetos. Muitas vezes o trabalho pronto fica muito diferente do desenho do projeto.
Já a parte que eu mais me envolvo é a da pesquisa, ás vezes gasto muito tempo nela!
Porém todo o conjunto é gratificante, principalmente depois que você vê as avaliações positivas dos clientes.

Já teve algum dia, em que não teve inspiração? O que você fez?
Claro! Têm momentos em que as ideias não fluem… Nesses dias eu começo a fazer outras atividades no Atelier ou entro em blogs que me inspiram.

Quando está desenvolvendo uma peça, você costuma assistir tv, ouvir música ou prefere o silêncio?
Eu adoro ouvir música. Elas são um tipo de bateria para o trabalho render!

O que te motiva a ser crafter?
A paixão por criar! Trabalhar na criação de acessório e deixar os clientes satisfeitos também me motiva.

Dica para iniciante
Tenha confiança em Deus, seja persistente e seja muito paciente, pois muitas vezes os resultados demoram.
Ter os objetivos bem definidos (e anotados) também é muito importante!

Nome: Paola Daniele Simão
Marca: Atelier By Paola Daniele
Cidade: Panambi/RS
Onde encontrar:
Loja virtual: www.bypaoladaniele.elo7.com
Blog: www.bypaoladaniele.blogspot.com

E na coluna Baú de Ideias de hoje, no jornal A Notícia, Paola nos ensina a fazer a tiara abaixo.

Entrevista Patrícia de Oliveira

29 de agosto de 2011 8

O artesanato é uma veia que fazia parte de mim,mas ainda não pulsava. Desde criança via minha mãe fazendo uma coisa ou outra no artesanato e eu sempre por perto para tentar captar algo, pois aquilo tudo me interasava e me fascinava. O grande “start”  foi dado em 2003 na minha última gestação, onde tive um início de depressão e por orientação médica fui orientada a fazer alguma atividade voltada a arte! Foi aí que me dediquei ao artesanato e hoje vendo meus produtos até para fora do País! Também dou aulas de artesantato, tanto na TV e em casa.

Você busca inspiração, onde?
Procuro sempre por novas tendências e estar viva é uma inspiração e tanto!
Este é um mercado que não se pode parar, tem que estar antenada no que o mercado pede, nas feiras e eventos de artesanato.

E os materiais, você encontra onde?
Hoje devido a grande procura pelos materiais, temos facilidade em encontrar tudo nos grandes centros. Até mesmo nas pequenas cidades pode-se encontrar muitos produtos.

Como é a sua rotina?
Rotina, o que é isso?! Quase não tenho, costumo dizer que o dia deveria ter pelo menos 38 horas para eu me organizar e produzir com mais tranquilidade. Estou sempre em constante variação tanto de ambiente como de pessoas, isso devido ao meu trabalho, mas amo tudo isso…
Mas tento seguir um cronograma  quando o dia está mais folgado, afinal tenho 2 filhas e marido para dar atenção,pois a vida não é só trabalho.

Qual peça significa/significou mais pra você?
Aí você me pegou! Seria a mesma coisa que perguntar a uma mãe pela preferência de um filho. Dedico e dispenso um carinho igualmente a todas as peças, já que cada uma ocupa seu espaço e tem o seu momento único para mim.

No processo de criação de uma peça, qual a parte que mais dá trabalho, e qual a parte que mais te envolve, o que prefere?
Não consigo citar que parte ma dá mais trabalho pois toda vez que sento para criar e produzir uma peça ali fico até terminar e poder vê-la pronta, é nesta hora em que me vejo totalmente envolvida pela arte e sem dúvida alguma o toque final na hora do acabamento é único, pois é neste momento que todo artesão dá a sua característica ao trabalho.

Já teve algum dia, em que não teve inspiração? O que você fez?
Sim claro!Ai desligo a máquina, guardo os tecidos e agulhas e vou procurar fazer outra coisa…quando menos espero lá está ela de volta, a tal da inspiração (risos).

Quando está desenvolvendo uma peça, você costuma assistir tv, ouvir música ou prefere o silêncio?
Não ligo para barulho e movimentos ao redor, o que eu gosto mesmo é de estar desenvolvendo!Aí uma boa música, a TV ligada ou o silêncio são só detalhes.

O que te motiva a ser crafter?
O prazer que tenho quando vejo algo que minutos atrás só estava na minha ideia e somente eu o idealizava e logo depois ocupa um espaço físico e tem formas e características reais. Isto é sem dúvida mágico e motivador.

Dica para iniciante
Procurem sempre terminar um projeto nunca o deixando incompleto e é claro, deposite muito amor e dedicação sempre no que se dispôs a fazer, assim não dará errado e tudo que colocamos amor e dedicação é garantia de sece$$o e valorização!!!

Nome: Patrícia de Oliveira
Marca: Paty’Arts
Cidade: São José dos Campos/SP
Onde encontrar: tecidosqueencantam.blogspot.com
(12) 8829-3915 / (12) 3905-5505
Facebook e orkut como: Patricia Oliveira
Email: patricia.oliveira1521@hotmail.com

Para alguns pode parecer cedo, mas para outras já está na hora de começar a organizar a decoração para o Natal.
Abaixo um passo a passo que Patrícia nos ensina: um ótima sugestão para enfeite de natal.

Material
1 CD  que você não use mais
Linhas para bordar de acordo com as cores do feltro escolhido
Retalhos de feltro colorido
Fita de cetim e um laço de fita aramada ou com fita simples

1º Passo:
Escolha um motivo natalino e transfira para o feltro, corte 2 círculos com 1cm a mais da circunferência do CD,monte em um dos círculos o motivo escolhido e separe.


2º Passo:
Com o motivo já montado e centralizado faça um alinhavo para fixá-lo.
Pode-se utilizar também o ponto caseado,o pesponto,ponto palito ou se não souber fazer ponto algum sem problemas, não vai ser isto que te impedirá de fazer, utilize a cola quente.


3º Passo:
Depois de já ter alinhavado a figura , pegue a outra parte do círculo e faça um caseado na volta,quando já estiver feito uma meia lua é hora de introduzir o CD
no meio dos  2 círculos!

4º Passo: Com o CD já  entre as 2 partes do círculo de  feltro, termine o caseado em toda a circunferência.

5º Passo: Agora é só fazer um gancho com a fita de cetim e colar com cola quente no verso do teu  trabalho ,na parte que ficará  voltada para as costa ok! Com uma fita aramada ou uma  fita de cetim mais larga faça um lindo laço  para finalizar o teu trabalho.E pronto ,você tem um lindo enfeite para decorar tua árvore de natal,tua porta ou onde quiser e lembrando que você contribuiu com o meio ambiente,pois reciclou um CD que certamente iria parar no lixo.


Entrevista Luiza Cavalcante

24 de agosto de 2011 15

Em 2009 buscava um novo estímulo, então decidi começar um curso de patchwork. De lá pra cá, não parei mais de costurar.

Você busca inspiração, onde?
Busco em revistas, blogs, vitrines. Tenho um olhar atento, onde quer que eu esteja. O mundo está cheio de estímulos visuais muito inspiradores.

E os materiais, você encontra onde?
Em lojas e armarinhos aqui no Rio, ou importando tecidos dos Estados Unidos.

Como é a sua rotina?
Trabalho fora 8 horas por dia de segunda a sexta, tenho os afazeres de casa, marido e filho, quando tenho disposição, malho. Então fico buscando qualquer tempinho para me dedicar às costurinhas, seja um pouco antes de trabalhar, ou um pouco à noite… nos finais de semana costumo trabalhar umas 10 horas entre sábado e domingo.

Qual peça significa/significou mais pra você?
A almofada de coração. Estava começando, fiquei com medo de não conseguir, mas felizmente, o resultado foi super positivo.

No processo de criação de uma peça, qual a parte que mais dá trabalho, e qual a parte que mais te envolve, o que prefere?
Todas as etapas são prazerosas, me sinto igualmente envolvida em todas elas, mas prefiro a hora da execução, por está mais próximo de ver o resultado final. As corujinhas por exemplo, fiquei dias desenhando, pensando nas misturas de cores, até que cheguei num molde que achei satisfatório. Quando chegou a hora de fazer a primeira, foi uma alegria só!

Já teve algum dia, em que não teve inspiração? O que vc fez?
Quando não tenho inspiração, revejo minhas revistas antigas, meus caderninhos com desenhos,  ou fico passeando na internet.

Quando está desenvolvendo uma peça, vc costuma assistir tv, ouvir música ou prefere o silêncio?
Nos finais de semana sempre com música. Durante a semana, dado ao agito natural, prefiro o silêncio.

O que te motiva a ser crafter?
Uma motivação muito importante, é a troca que há na minha relação com os clientes. É maravilhoso ter uma encomenda, ou fazer algo pensando em alguém e quando essa pessoa recebe, abre um sorriso enorme de satisfação. É muito gratificante!! Revigorante!
Não menos importante, o prazer de produzir, de ver algo nascendo, não consigo ficar sem fazer nada por muito tempo.

Dica para iniciante
Geralmente quando estamos começando, ficamos ansiosas em demasia, querendo respostas urgentes. É importante centrar. Facilita nas compras, na execução das peças e os resultados virão com o tempo. Dedicação sem aflição!

Nome: Luiza Cavalcante
Marca:
LULUZINHA
Cidade:
Rio de Janeiro – RJ
Onde encontrar:
www.flickr.com/luizacavalcante
No Rio, fazendo contato com cavalcanteluiza@yahoo.com.br
Demais localidades, através do www.luluzinha.tanlup.com ou ainda, em São Luis – MA na VESTE E DECORA -  Av. Projetada, Qd.01 – Loja 10C – Cohajoli. Tel:  98 3083-3592.

 

E no jornal A Notícia de hoje, Luiza nos ensina a fazer um lindo penduricalho de coração na coluna Baú de Ideias.

Entrevista Faby Carvalho

17 de agosto de 2011 2


Comecei pintando camisetas com 14 anos, sempre tive facilidade para desenhar e isso me ajudou. Trabalhei em outras atividades que não tinham nada a ver com artesanato, até que minha filha nasceu, então comecei a trabalhar em casa. Fiz cursos de pintura básica em MDF, cursos de técnicas diferentes, curso de desenho e com o tempo me dediquei também à modelagem em biscuit. Criei meu blog e divulgo tudo que faço nas redes sociais.


Você busca inspiração, onde?
Eu adoro o que faço e trabalhar com o que se gosta é uma grande inspiração, mas sem dúvida pesquiso muito na internet e adoro sair e ver o que está nas vitrines, além de colecionar várias revistas sobre o assunto.


E os materiais, você encontra onde?
Em lojas especializadas, quando preciso comprar grandes quantidades vou em Porto Alegre porque tem uma variedade maior de produtos.


Como é a sua rotina?
Pela manhã faço faculdade de design e o resto do dia passo trabalhando, faço várias peças ao mesmo tempo e vou coordenando com a rotina diária da casa e família. Conforme a demanda de encomendas trabalho inclusive nos finais de semana.


Qual peça significa/significou mais pra você?
Recentemente fiz bonecas para uma festa de 15 anos, baseada em fotos, cada boneca representava uma fase da menina. Foi uma forma que a mãe da debutante encontrou de homenageá-la, mostrar seu orgulho e representar seu crescimento. Achei a idéia linda e o resultado ficou bem legal. É um prazer fazer parte de momentos tão especiais.


No processo de criação de uma peça, qual a parte que mais dá trabalho,e qual a parte que mais te envolve, o que prefere?
O que mais dá trabalho é o início, as bases e a montagem, o melhor é o acabamento e a pintura e tudo precisa de um envolvimento muito grande para ter qualidade que o cliente espera.


Já teve algum dia, em que não teve inspiração? O que você fez?
Nessas horas é sempre bom dar um tempo, eu vou fazendo outras coisas e daqui a pouco a inspiração aparece. O importante é ser persistente e não desistir nas primeiras dificuldades.


Quando está desenvolvendo uma peça, você costuma assistir tv, ouvir música ou prefere o silêncio?
Sempre gosto de ouvir música, mas quando faço lembrancinhas que são várias peças iguais preciso de uma distração maior, para não lembrar quantas ainda faltam fazer, então, geralmente assisto um filme. Mas tenho meus momentos que preciso de silêncio.


O que te motiva a ser crafter?
Eu acho que a magia de criar, transformar materiais sem forma em arte e principalmente ver a reação positiva das pessoas em relação ao meu trabalho.


Dica para iniciante
O importante é fazer o que se gosta, procure a técnica que mais se identifique, pesquise sobre o assunto, faça cursos e coloque a mão na massa. Inove sempre e procure ter um estilo próprio. Fazer do artesanato uma renda fixa precisa de muito trabalho, criatividade, tempo e paciência.

Nome: Faby Carvalho
Marca: Faby in Arte
Onde encontrar: http://artesanatofabyinarte.blogspot.com

E no jornal A Notícia de hoje, confira o passo a passo deste potinho para guardar caldo de galinha!

Entrevista Glorinha Fischer

10 de agosto de 2011 10

Comecei ainda criança, fazendo tricô. As vizinhas da minha mãe faziam e eu acompanhava estes momentos. Não demorou muito para eu ter vontade de fazer também. Aos dezessete anos meu pai me colocou num curso de corte e costura. A aula era teórica e todas as informações eram registradas num caderno de capa preta, que guardo até hoje. O detalhe é que eu jamais cortei, fiz molde ou  costurei qualquer peça de roupa na aula. O curso durou o tempo necessário para eu copiar o caderno da professora, ou seja, nem quinze dias. Quando cheguei em casa e falei para o meu pai que havia concluído o curso ele confeccionou uma placa de vidro, pintada e com luminoso com o seguinte dizer: COSTUREIRA. Vocês podem imaginar o que aconteceu: isso mesmo!! Tive que pagar alguns cortes de tecido para minhas clientes.  Mas foi assim que eu de fato aprendi! Desmanchava uma peça de roupa para a partir dela fazer outra. Ao longo dessa trajetória costurei muita roupa e confesso que o bom acabamento sempre foi a minha marca registrada. Confeccionei também muitos vestidos de noiva e de festa. Paralelo a isso sempre gostei de fazer artesanato, só me faltava tempo. Mas agora, com as filhas crescidas, posso dedicar mais tempo em especial, a confecção de bonecas, bolsas, patchwork em geral.

Você busca inspiração, onde?
Busco inspiração nas peças que vejo em revistas, internet e nas lojas de artesanato. Sou meio autodidata (como vocês já sabem, tive que aprender na marra). Então se vejo algo que me agrada, estudo bem, crio o molde e confecciono. Às vezes peço algumas dicas para minha filha Beth, que também é crafter.

E os materiais, você encontra onde?
Aqui em Joinville tem uma loja que eu adoro, de uma saudosa amiga da família. Uma loja que começou pequena mas que atualmente dispões de muito material destinado ao patchwork. Quando trata-se de um material mais específico para um determinado trabalho procuro outras lojas.

Como é a sua rotina?
A rotina de uma dona de casa com muita energia e vontade de criar coisas novas. Acordo cedo e logo que meu marido sai para o trabalho dou uma geral na casa. Como cuido de uma neta no período da manhã, é à tarde que posso me dedicar ao trabalho.

Qual peça significa/significou mais pra você?
Todas têm um significado especial, pois cada uma representa um momento diferente. Mas se for pra eleger uma em especial, considero o meu vestido de noiva e também os das minha três filhas.

No processo de criação de uma peça, qual a parte que mais dá trabalho,e qual a parte que mais te envolve, o que prefere?
Para mim, a mais trabalhosa é a combinação das cores. Considero que a escolha certa das cores é fundamental para a beleza de um trabalho, por isso é maior desafio.
Sou muito perfeccionista, então primo pelo acabamento. Refaço quantas vezes forem necessárias, até que o resultado final de acordo com aquilo que espero.

Já teve algum dia, em que não teve inspiração? O que você fez?
Tem dias que estou com uma super vontade de criar mas a ideia  não surge de imediato. Não adianta insistir, o negócio é parar. Um tempinho de descanso, uma novelinha muitas vezes já resolve este problema.

Quando está desenvolvendo uma peça, você costuma assistir tv, ouvir música ou prefere o silêncio?
Durante o dia costumo trabalhar em silêncio, mas reservo para noite o serviço de mão. Então o faço no aconchego da sala com a TV ligada e o bate papo com o marido.

O que te motiva a ser crafter?
O que me motiva é o prazer de fazer as peças e o resultado do trabalho pronto.

Dica para iniciante
Fazer o que gosta, usar bons materiais e dar prioridade ao acabamento.

Glorinha Fischer
Cidade: Joinville/SC
Onde encontrar: glorinha.fischer@hotmail.com
www.filckr.com/photos/glorinhafischer
www.glorinhafischer.blogspot.com
www.elo7.com.br/glorinha fischer

Na coluna Baú de Ideias, desta quarta-feira, no jornal A Notícia, Glorinha nos ensina esses lindos penduricalhos! Não perca…

Entrevista Daniela Fioriti - atualizado!

03 de agosto de 2011 2

Comecei na minha infância, quando brincava com as máquinas de costura da minha avó e minha mãe. Brincava de fazer roupas de boneca . Sempre fui auto de data, tentava fazer tudo que achava interessante, bijuteria, crochê, tricô, biscuit.
Daí o tempo passou, eu  mudei para Joinville ( sou de Birigui, interior de São Paulo), engravidei  e conheci uma pessoa maravilhosa que me deu muita força e algumas dicas para começar meu artesanato, a Renata do Ateliê  Candy Baby. Na minha licença maternidade  resolvi que tentaria iniciar no artesanato. Foi ai que deu certo, pesquisei produtos que não encontrava para minha filha, como capa para o bebê conforto, porta-fraldas entre outros. Olhava fotos e tentava fazer os moldes. Graças a Deus esta dando certo até hoje. Trabalho na escola Aldeia do Sol de a tarde e de manhã faço o artesanato. É uma renda complementar ótima, além da terapia.

Você busca inspiração, onde?
Gosto de procurar em sites americanos e europeus, pois os produtos são bem diferentes dos que encontramos aqui, por exemplo o porta-fraldas que faço que tem um compartimento para lenço umedecido.

E os materiais, você encontra onde?
Compro meus materiais em  várias lojas de Joinville.

Como é a sua rotina?
De manhã faço o artesanato e a tarde trabalho na escola Aldeia do Sol, onde também dou aula de artesanato para as crianças e quando estou com muita encomenda também costuro a noite a aos sábados de manhã.

Qual peça significa/significou mais pra você?
A capade bebê conforto é uma das peças mais importantes pois foi a primeira que fiz. Desmontei a capa da minha filha, fiz o molde e montei uma de feltro. Assim que vi que se ajustou no bebê conforto fiz uma capa marrom com rosa de poá. Ficou linda!

No processo de criação de uma peça, qual a parte que mais dá trabalho,e qual a parte que mais te envolve, o que prefere?
Quando vou criar uma peça nova, começo pelo molde em papel e após em um tecido mais em conta, faço e refaço quantas vezes for preciso para acertar o molde. Esse processo dá muito trabalho. Gosto de quando já consigo visualizar a peça quase pronta e quando termino e vejo que ficou como imaginei.

Já teve algum dia, em que não teve inspiração? O que você fez?
Como também trabalho na escola, há dias em que fico cansada, quando isso acontece não faço nada, pois não gosto de fazer arte quando não estou bem. Apesar do artesanato fazer parte da minha renda, faço por amor e gosto de colocar minha energia nas peças que faço, para que a pessoa que receba, também receba energia boa, então se não estou bem não quero passar isso para minhas clientes. Simplesmente não faço.

Quando está desenvolvendo uma peça, você costuma assistir tv, ouvir música ou prefere o silêncio?
Gosto de assitir TV, ou melhor ouvir TV

O que te motiva a ser crafter?
A liberdade de criar o que quiser, o prestígio de trabalhar com as mãos, de ser capaz de fazer uma coisa tão simples e tão bela que deixará uma cantinho mais aconchegante.

Dica para iniciante
Ame tudo o que fizer, quando colocamos amor tudo fica mais prazeroso.  Desfrute cada momento de sua arte, faz muita diferença no produto final.

Nome: Dani Fioriti
Marca: Pecinhas de Pano
Cidade: Joinville/SC
Onde encontrar: www.elo7.com.br/pecinhasdepano/

E na coluna Baú de Ideias no Jornal A Notícia, Dani Fioriti nos ensina a fazer este lindo cachorrinho.

Abaixo, os moldes necessários para o pap do cachorrinho: