Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Nova Zelândia"

Queenstown, a capital de aventura ao ar livre da Nova Zelândia

10 de abril de 2014 1

Beto Conte do STB que já percorreu 126 países nos 5 continentes apresenta sua recente viagem à Nova Zelândia.

vista-do-top-da-gondola
Nesta viagem com o Grand Tour STB Nova Zelândia, retornei a um dos países de maior beleza natural do planeta. Com destaque para sua ilha sul com geleiras, fiordes, montanhas e florestas intocadas que podem ser desvendadas a partir de Queenstown.

Queenstown é centro turístico da região com ótimos restaurantes, hotéis e empresas de turismo.  Além adrenalina das atividades de aventura a cidade esta em uma posição super cênica com montanhas deslumbrantes com picos nevados em torno do Lago Wakatipu.

IMG_5317

IMG_5478

IMG_5431

HISTÓRIA

A região começou a ser ocupada em meados de 1850, apesar de existirem evidências de prévios acampamentos Maori. Os navegadores vieram primeiros, mas em 1862 tosquiadores de ovelha encontraram ouro no Shotover River, transformando-a em cidade mineira com ruas e edifícios permanentes. O lago era o principal meio de transporte e, no auge do boom da mineração havia quatro barcaças e 30 outras embarcações que operavam nas suas águas.

IMG_5307

Em seguida, o ouro se esgotou e em 1900 a população caiu de vários milhares a menos de 200 habitantes. Hoje, uma cidade dinâmica com uma população de 20 mil habitantes – entre eles 3 mil brasileiros trabalhando na hotelaria, construção e prestação de servicos.

IMG_5221

Atividades

Atividades esportivas são abundantes em torno de Queenstown. Rafting em águas cristalinas, trenós, canoagem, rapel e jet-boating são grandes maneiras de se molhar, enquanto bungee jumping e paraquedismo são maneiras interessantes para voar. Atividades de montanhas incluem esqui, escalada e mountain bike.

 Bungy Jumping

A partir de 1988 Kawarau Bridge, a 23 km do Queenstown, se tornou o primeiro local de bungee jumping comercial do mundo, o salto é de 43 metros acima do deslumbrante Rio Kawarau. No local inclui o teatro multimídia Bungy Dome, um museu e café/bar.

IMG_5205

Jet-Boating

O Mundialmente famoso passeio de barco a jato de Queenstown chama-se Shotover Jet e faz viagens de meia hora pelo rio Shotover que percorre um canyon rochoso. Muita emoção e adrenalina em cada curva a centímetros das rochas e com giros de 360 graus. No rio Dart é menos percorrido, mais demorado e mais cênico.

SHJT402201515844

Lake Cruises

Recomendo o passeio pelo Lago Wakatipu no barco TSS Earnslaw – Construído há um século atrás, e autorizado a transportar mais de 800 passageiros, queima uma tonelada de carvão em uma hora e foi outrora principal meio de transporte do lago e tem sido usado para cruzeiros no lago desde 1969.  Além de cruzeiros de 90 min pelo lago aconselho excursão a Walter Peak Station, que inclui demonstrações de tosquia de ovelhas e de cão-pastor, além de jantar em um local super bucólico.

IMG_5482

IMG_5373

Milford & Doubtful Sounds

Outro passeio de dia inteiro imperdível é até o parque dos Fjords, passando por Te Anau, para navegar pelo Milford Sound – um braço de mar que se estende por 16 km das montanhas ate o Tasman Sea. Para quem tem tempo e bons joelhos aconselho a renomada trilha de 4 dias entre florestas e montanhas junto ao fjord. Outro fjord de grande beleza e acesso mais restrito é o Doubtful.

IMG_5207

O senhor dos anéis

Em função de toda essa beleza natural virgem que o pais foi escolhido para as filmagens do filme “O senhor dos anéis”, e foi muito legal fazer um passeio em um jeep 4×4 pelos locais que serviram de cenário para o filme.

IMG_5362

Viaje com Beto

Em agosto de 2014, Beto Conte acompanha o Grand Tour STB Irlanda. Oportunidade de desvendar a Ilha Esmeralda, com seus castelos, paisagens deslumbrantes, e a peculiar cultura irlandesa. Um roteiro de duas semanas de Cork à Galway, da Irlanda do Norte a Dublin, conhecendo os quatro cantos dessa ilha de origem celta, terra de James Joyce, Oscar Wilde, Yeats e da banda U2. Ainda há vagas! Inscrições em uma das cinco unidades do STB no Estado.

Site: www.stbrs.com
Telefone: (51) 4001-3000

===================

SAIBA MAIS

Acontece na terca-feira, dia 29 de abril às 19h30, mais uma edição do BELEZAS do MUNDO promovido pelo STB na BAZKARIA.

Beto Conte do STB, que já percorreu 127 países nos 5 continentes, apresenta sua recente viagem à NOVA ZELÂNDIA.

Oportunidade de conferir a cênica Auckland e a peculiar cultura Maori em Rotorua na ilha Norte, e as belezas naturais no entorno de Queenstown, na ilha Sul.

Atividade gratuita, porém com lotação limitada.
Confirmar presença: 3346-1088.
A Bazkaria fica na rua Comendador Caminha, 324.

Bookmark and Share

Auckland - A cidade das velas

24 de fevereiro de 2014 0

Nesta viagem pelo Pacifico iniciamos por Auckland, a maior cidade e ponto de entrada na Nova Zelândia. Desvendamos depois a cultura Maori em Rotorua e as belezas naturais de Queenstown, a capital dos esportes de aventura. Na Austrália desfrutaremos de Melbourne, a Grande Barreira de Corais e a fascinante Sydney. Terminando na paradisíaca Bora Bora na Polinésia Francesa, para começar o ano energizado com tanta beleza natural.

Nesta viagem comemorando os 20 anos de Grands Tours STB retornei a um dos países mais cênicos do planeta. A Nova Zelândia com suas geleiras espetaculares, fiordes pitorescos, montanhas acidentadas, vales, floresta subtropical, planalto vulcânico, além de uma costa recortada por belas praias.

Localizada no sudoeste do pacífico, a Nova Zelândia é constituída por duas ilhas principais. Auckland fica na ilha norte que é cortada por uma cadeia de montanhas em um planalto vulcânico.

Auckland é a entrada principal da Nova Zelândia, e o centro de comércio e indústria. Com um milhão e meio de habitantes, é a maior área urbana da Nova Zelândia com um terço da população do país. Auckland se desenvolve em torno golfo de Hauraki com muitas ilhas e mais de 250 quilômetros de baias e enseadas, com praias e marinas entre as áreas residenciais de casas com jardins. Apenas no centro a cidade se verticaliza com edifícios concentrando as atividades comerciais e culturais. A maioria da população utiliza eficiente transporte público e ferries para vir de seus bucólicos bairros até a “waterfront” no centro da cidade. Conhecida como a cidade das velas, um em cada quatro habitantes tem um barco, embelezando com seus mastros e velas as marinas de Auckland.

Atrações

A paisagem diversa, com baias e montanhas, proporciona lugares atrativos para todos os gostos. No “waterfront” ótimos restaurantes oferecem o melhor da gastronomia local e internacional, incluindo frutos do mar e vinho de alta qualidade. Auckland oferece todas as atrações de uma cidade cosmopolita, incluindo galerias de arte, ótimos museus, teatros e concertos, mesclando temas Polinésios e Ocidentais.

Trata-se de uma cidade multicultural que concilia a herança nativa Maori com a do colonizador Britânico e das diferentes ondas migratórias sucessivas – Europeus no pós-guerra, Asiáticos e das ilhas vizinhas. O mosaico étnico é composto por 15% de Maoris e 8% de povos das ilhas do Pacifico – constituindo a maior comunidade Polinésia do mundo.

Vale a pena conferir

1) Um cruzeiro pela baia de Auckland, partindo do porto e circulando por suas ilhas navegando por águas com golfinhos e baleias. Na volta uma boa pedida é o  happy hour em um dos restaurantes da “waterfront” apreciando o por do sol.

2) Legal fazer um lanche no café da Auckland Art Gallery conferindo a arte contemporânea local, e depois uma caminhada pelo vizinho Albert Park.

3) A Harbour Bridge oferece ótimas vistas da cidade e da marina – com capacidade para três mil barcos.

4) Saindo do centro recomendo tomar a rota cênica Tamaki Drive junto ao mar no caminho da praia de Mission Bay. No caminho passar pelo charmoso bairro de Parnell com casario do período colonial e o Auckland Museum, em um belo prédio Neoclássico no topo de uma colina com ótima seleção de arte Maori e Polinésia.

5) Confira no Kelly Tarlton’s Antarctic Encounter o mundo subaquático com pinguins, arraias, tubarões e uma replica da antiga estação da Nova Zelândia na Antártica.

6) De volta ao centro vale a pena jantar no alto dos 328 m da Sky City Tower em seu restaurante giratório com vista de 360o  da cidade desenhada por baias e enseadas.

Auckland, envolta nas águas, é um ponto de entrada perfeito as terras do Pacífico.

aacl

acel

acl

acll

aclll

acllll

acwl

VEJA MAIS
Acompanhe toda a viagem no blog  http://wp.clicrbs.com.br/betonomundo

 

 

 

Bookmark and Share

Casa paterna de James Cook - eternizada aqui em Melbourne

24 de fevereiro de 2014 0

Capitão James Cook navegou pelo Canadá na época das disputas com os franceses e depois comendou 3 grandes expedições pelo Pacífico. Na sua primeira circunavegação explorou toda a costa leste da Austrália e circulou ambas ilhas da Nova Zelândia, colocando-as sob domínio Britânico, e retornando via estreito de Magalhães para Europa. Na segunda viagem foi mais ao sul tentando chegar na Antártida, sem sucesso, mas mapeando grande parte do Pacífico Sul. Na terceira tentando achar um caminho do Pacífico ao Atlântico via Alaska, acaba morrendo no Hawaii. Um dos maiores exploradores de todos os tempos e grandemente reverenciado por aqui.

família

família1

Beto, Idi, Elisa e Dirce (abaixo) personificam a familia Cook

Bookmark and Share

James Cook

24 de fevereiro de 2014 0

Visitamos aqui em Melbourne a casa da família de James Cook. Trasladada da Inglaterra em 1935 na comemoração do centenário da cidade. O grande navegador inglês que mapeou a costa da Austrália e Nova Zelândia e colocou ambas sob domínio Britânico em 1770.

james cook

Bookmark and Share

Navegando pelo lago Wakatipu, que se estende por 80 km em torno de Queenstown

22 de fevereiro de 2014 0

navegando1

navegando

navegando2

navegando3

navegando4

Bookmark and Share

Grand Tour STB em ação!!

22 de fevereiro de 2014 0

stb ação

stb ação1

stb ação2

Bookmark and Share

Um rebanho de parar o trânsito

22 de fevereiro de 2014 0

rebanho

Bookmark and Share

Milfordsound

22 de fevereiro de 2014 0

Passamos um dia no Parque Nacional dos Fjords aqui na ilha do sul da Nova Zelândia – são 2,6 milhões de km² de montanhas, lagos e florestas intocadas – Patrimônio Natural da Humanidade. Navegamos pelos 25 km do Fjord Milfordsound que desemboca no Mar da Tasmânia. Incrível!

fjord

fjord1

Bookmark and Share

Grand Tour Radical

22 de fevereiro de 2014 0

Quenstwon – capital dos esportes radicais – foi onde surgiu o Bungee jump, onde se percorre de lancha a jato desfiladeiros rochosos e aventura-se de 4×4 por cenários de rara beleza.

esportes radicais

esportes radicais 1

esportes radicais 2

Bookmark and Share

Queenstown

22 de fevereiro de 2014 0

A vista de nossa “casinha” em Queenstown – Centro de ski na ilha do sul da Nova Zelândia.

8

Bookmark and Share