Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Praia do Forte em São Francisco do Sul

16 de fevereiro de 2015 2

 Por Leo Munhoz

DCIM791GOPRO

Estrada para chegar às praias

Iniciei o pedal com destino à praia do Forte no posto do trevo de acesso ao Centro de São Francisco do Sul, entre a avenida Nereu Ramos e a BR-280. Na verdade, fui em dois dias para chegar lá porque, devido ao mau tempo no primeiro, cheguei até a entrada das praias do Forte e do Capri, quando a chuva não me deixou ir adiante.

DCIM791GOPRO

Essa estrada de acesso às praias é muito movimentada por caminhões porque ela leva direto ao porto e existem muitos terminais de cargas onde são armazenados os contêineres. Então cuidado redobrado, pois somos uma formiguinha perto deles e geralmente não nos enxergam. Na dúvida, sempre pare e espere o caminhão passar, nunca acredite que estão lhe vendo e preste atenção ao pedalar muito perto da rodovia, pois a força do vento de um caminhão em alta velocidade pode fazer você perder o equilíbrio.

São mais ou menos 15 km até a estrada que dá acesso ao Forte. É muito fácil de achar porque o local é bem sinalizado. E mais seis quilômetros até a entrada da praia. Nesse segundo trecho, quase não há acostamento e muito menos algum tipo de ciclofaixa. Para chegar lá, é preciso dividir o espaço com os outros veículos e dobrar a atenção.

DCIM791GOPRO

Forte Marechal Luz

No segundo dia do pedal, fui direto ao Forte Marechal Luz, local que dá nome à praia e é um dos principais pontos turísticos da cidade. A entrada para turistas no local custa dois reais por pessoa. O forte é de comando do Exército Brasileiro, que faz tudo por lá, desde a segurança até a conservação. O horário de visitação é das 8h às 18h todos os dias.

DCIM791GOPRO

Logo na entrada, já podemos ver uma placa indicando que, para chegar ao forte, temos que pedalar mais 1.800 metros morro acima. No início, vale um passeio bem devagar para apreciar cada detalhe do local histórico e a vista, que é maravilhosa. Passando os prédios da administração, começa a subida, nada muito desafiador. Logo à frente, temos o primeiro pequeno mirante no canto esquerdo da estrada, onde vale uma parada para curtir a vista da imensidão do mar azul.

DCIM791GOPRO

Mais algumas curvas e a subida um pouco mais forte, não demora muito e já avistamos os canhões da bateria de artilharia. Encostei a bike e fui conhecer o museu. O local é pequeno, mas diz tudo o que tem que dizer, com fotos antigas, um pouco de história e artefatos usados na época ativa do local.

DCIM791GOPRO

 

Vista que compensa

A vista de todos os lados do morro recompensa qualquer esforço para chegar ali. Para aqueles que quiserem, é permitido o acesso de carro, moto e micro-ônibus. A descida de volta é sempre mais fácil, só cuidado com os freios e com carros subindo no sentido contrário. Não é permitido a turistas entrarem na praia pelo Forte, somente para hóspedes, que, no caso, são militares e suas famílias.

DCIM791GOPRO

Praia do Forte

Para se chegar à praia, só existe um acesso e que é bem precário. A faixa de areia é enorme e permite até dar uma circulada com a bike. O local surpreende porque na chegada é possível ver duas faixas de areia, devido à formação de um lago com água do mar. Dependendo da maré, é possível atravessar pela água ou fazer o contorno para se chegar ao mar propriamente dito, pois não é longe.

DCIM791GOPRO

 

O local é totalmente familiar, perfeito para crianças, devido ao mar ser muito calmo, com poucas ondas. A estrutura do local é que está em baixa. Na orla, existe um quiosque que, quando fui, estava fechado. A opção é o restaurante do Forte, que é aberto ao público, ou outros estabelecimentos um pouco distantes da faixa de areia.

 

Confira mais algumas fotos:

Comentários (2)

  • Ricardo Borges Neto diz: 18 de fevereiro de 2015

    Parabéns pela escolha deste belo lugar para passear. Servi no Forte em 1969, na 1a bateria do 5 Grupo de Artilharia de Costa Morotizada. Se existe realmente paraiso, este é um. Abraço

  • Gilberto diz: 19 de fevereiro de 2015

    É um Paraiso! Minha frustração é não ter servido lá como OF. Temporário após o NPOR. Muita Panelinha! Aliás há anos tento passar um temporada de férias lá, mas, a panela na 5ª RM é grande. Não se consegue vaga de jeito nenhum.

Envie seu Comentário