Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Bike Repórter na Índia – Pedal pelas ruínas e templos hindus em Hampi

13 de março de 2015 0

Por Carol Macário

bike reporter india

Hampi é um lugar que parece coexistir no passado e no presente. Diz a história que foi capital de um dos maiores impérios hindus da Índia, o mais poderoso de toda a região sul:Vijayanagara. O que ficou é ruína. Os templos não, esses ainda estão de pé e são muitos. Há templos em homenagem à Shiva, Ganesha, Vishnu e tantos outros deuses na enorme cartela de 300 mil deidades hindus.

A vila fica ao norte do estado de Karnataka e a melhor maneira de conhecer é de bicicleta. Demanda precisão no pedal para passar por rochas enormes e ruas de terra. Sobretudo demanda atenção, pois o trânsito é à moda indiana, ou seja, mão inglesa e muitos tuc-tucs que buzinam o tempo inteiro. E as vacas, claro, que são sagradas e andam soltas por todos os lugares. Dá para alugar bikes para o dia todo por 150 rupias (R$ 7) ou juntar-se a algum grupo guiado por moradores. Eu fiz as duas coisas. O passeio guiado (450 rupias / R$ 22) vale a pena porque as explicações do guia dão mais sentido às ruínas.

hampi bazar 2 P1060557

O passeio durou 4h30 e percorremos 4 km entre templos e o antigo palácio do Maharaja. Segundo o guia, no século 16, o auge, a cidade tinha uma população igual ou maior que a de Delhi, sem contar a população de 100 mil elefantes, 200 mil cavalos, e ainda camelos… hoje é uma vila de 2 mil pessoas.

Há pelo menos 500 templos, fortificações e traços do que no passado foi um império rico concentrados numa área de 26 km². O local foi declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco desde 1986, quando a maior parte das escavações , principalmente  da cidade real, começaram. Nas ruínas do palácio, por exemplo, há narrativas de como era a vida na época cravadas em pedra. Há desde as danças, as roupas até a morte por esmagamento por elefante.

templo shiva macaquinhos

O interessante é que há um número grande de turistas ocidentais, mas o maior número, mesmo, é de turistas indianos, já que é um lugar sagrado para quem segue a religião hindu. No sábado a vila e os templos estavam abarrotados e a maneira a fé se manifesta no hinduísmo é comovente.

Envie seu Comentário