Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Os apuros de pedalar pelo Centro de Florianópolis

13 de março de 2015 1
Velha figueira da praça XV. Foto: Alvarélio Kurossu/Agência RBS

Velha figueira da praça XV. Foto: Alvarélio Kurossu/Agência RBS

Na contramão das cidades turísticas, como o Rio de Janeiro, que incentivam o uso da bicicleta pelos visitantes, Florianópolis deixa quase inviável o trajeto a quem deseja conhecer os pontos turísticos sobre duas rodas.

O Bike Repórter tentou chegar em alguns dos principais pontos turísticos centrais de Florianópolis. A falta de ciclovias prejudica o passeio e além disso, nos locais onde elas existem, os motoristas usavam as faixas para estacionar e descarregar. A solução foi arriscar e dividir o asfalto com os automóveis. Depois de chegar no Centro, se chega com facilidade na Catedral Metropolitana, Praça 15, Mercado Público, museus e teatros que ficam próximos.

Motoristas usam ciclofaixas  como estacionamento para carga e descarga. Foto: Alvarélio Kurossu/Agência RBS

Motoristas usam ciclofaixas como estacionamento para carga e descarga. Foto: Alvarélio Kurossu/Agência RBS

Para chegar a Ponte Hercílio Luz e visitar o Museu Lara Ribas, que fica junto ao Forte Santana, é mais complicado. Chega a ser perigoso para inexperientes. Além da falta de ligação entre ciclovias é preciso atravessar vias rápidas, entre elas a Avenida Beira Mar Norte em um ponto em que não há semáforo. Para chegar ao Centro Integrado de Cultura (CIC), outro desafio. Não há nenhuma ligação com a ciclovia da Beira Mar, então é preciso atravessar novamente a avenida em ponto onde não há semáforo ou passarela.

Fim de tarde na ponte Hercílio Luz. Foto: Alvarélio Kurossu/Agência RBS

Fim de tarde na ponte Hercílio Luz. Foto: Alvarélio Kurossu/Agência RBS

Além de muita atenção, vale levar junto com os equipamentos de proteção, um patuá, um trevo de quatro folhas ou algo do tipo. Afinal, contar com a sorte nunca é demais.

Comentários (1)

  • Filipe diz: 13 de março de 2015

    Well, chegar no centro de bike pela ciclovia da beiramar não é tão difícil assim. A ciclo faixa da agronomica é suicidio, não adianta, mas indo pela beiramar e pegando os pontos de semáforo para atravessar de um lado para outra não há problema. Para ir no CIC, a partir da beiramar tem uma passarela logo depois do elevado.

Envie seu Comentário