Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Iprev pede corte de aposentadoria de 33 inválidos

15 de maio de 2012 13

Serão divulgados oficialmente nesta quarta-feira os resultados dos processos do Instituto de Previdência de Santa Catarina (Iprev) envolvendo 62 dos 114 aposentados por invalidez da Assembleia Legislativa suspeitos de fraude. Adriano Zanotto (PMDB), presidente do Iprev, vai entregar o material ao presidente da Assembleia Gelson Merisio (PSD). No material, a recomendação de que 33 aposentadorias sejam suspensas porque os beneficiados não conseguiram comprovar a existência da doença que os incapacitou para o serviço público.

Na edição de quinta-feira, dia 10 de maio, o Diário Catarinense antecipou que seriam pelo menos 30 aposentadorias suspensas nessa primeira leva de julgamentos.

Cabe à Assembleia cortar os pagamentos e abrir os processos internos, que podem levar à exclusão dos inválidos irregulares do serviço público. O material também será entregue ao Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) que investiga as fraudes e pode abrir processo criminal contra os envolvidos no esquema. Outro órgão que espera pelos relatórios é a Receita Federal, já que boa parte dos inválidos tem isenção de imposto de renda — e pode ter que pagar os valores relativos aos últimos cinco anos.

A propósito, um dos 33 inválidos que terá a aposentadoria suspensa é aquele que corria maratonas.

Bookmark and Share

Comentários

comments

Comentários (13)

  • Aloisio Antoni diz: 15 de maio de 2012

    O grave problema da Administração Pública é a banda podre do funcionalismo que luta a vida inteira para tirar do erário o meio de vida fácil. Com isto sai prejudicada a parte sã e correta do funcionalismo e as instituições essenciais do Estado, como a Educação, a Saúde e a Segurança. Creio que , uma vez provadas as fraudes, depois de serem dados amplos direitos de defesa, os autores deverão ser punidos severamente, com devolução corrigida dos valores indevidamente recebidos e a inabilitação perpétua à qualquer cargo ou serviço público.

  • Liaseal diz: 15 de maio de 2012

    Se não cassarem das viúvas dos que já morreram, vai ser uma injustiça sem tamanho. Como não podem mais se ‘apresentar’ para nova perícia…Um deles não morreu da suposta cardiopatia que o aposentou, viveu anos muito bem, sem pagar IR e com quitação de imóvel. Se foram quatro, segundo matéria do DC, que já faleceram e não forem alcançados pelas perdas dos benefícios e/ou devolução de alguma coisa, então, não seria justo só os vivos pagarem pelos erros.
    Quero é saber como vai ficar a questão dos falecidos.

  • Carlos Pommer diz: 16 de maio de 2012

    Nada vai acontecer.
    Não vão abrir precedentes.
    Isso vai rolar por anos, como tem rolado.

  • Gilmar diz: 16 de maio de 2012

    Estão esquecendo de cobrar a responsabilidade de quem mandou aposentar estes para beneficiar seus afilhados…
    Muitos entraram nesta época pela janela, sem concurso… e quem botou pra dentro???
    É um absurdo a quantidade de funcionários na assembléia, seus salários e benefícios… aquilo é um buraco negro… uma vergonha…

  • Sérgio diz: 16 de maio de 2012

    Pô !!!Se não fosse a pressão da imprensa,provavelmente,tudo terminaria no mais absoluto silêncio.Mas,o maratonista também? Chegou a fazer avaliação médica para comprovar a invalidez? Esse cara de pau,assim como outros, que apareciam na reportagem da RBS desenvolvendo atividades não precisavam nem de avaliação médica.
    Bastava,que na época da reportagem, que a Assembléia Legislativa abrisse um processo.
    Se uma pessoa está inválida,como pode estar desenvolvendo outra atividade? Parabenize os autores da reportagem sobre os inválidos da Assembleia. Excelente!!!!

  • Tony Lony diz: 16 de maio de 2012

    Parabéns pelo deputado do Jailson que levantou mais essa imoralidade da AL. Parabéns pelo trabalho apresentado pelo IPREV. Parabéns pela imprensa e opinião pública que cobraram pela moralidade do serviço público. Porém, tenho certeza, de que nenhuma aposentadoria será cassada, pois sempre aparecerá a justiça para passar a mão na cabeça da pilantragem, dizendo que não puderam se defender, que não tem culpa, que já passou muito tempo, etc, etc.

  • carlos diz: 16 de maio de 2012

    Temos que punir e com severidade e com corretivo exemplar; cortando todo e qualquer rendimentos do culpado (s ), pelas aposentadorias????Eu também sou cardíaco e não podia estar trabalhando.Quero me aposentar pela assembléia.Sou contribuinte de impostos, tenho esse direito como catarinense.Quem aposentou??quem era na época o responsável.Onde ele esta.Mamando nas nossas costa..procurem,e deem uma boa sova e deixem só de cuecas.

  • Antonio diz: 16 de maio de 2012

    Isto aqui é Brasil e neste País nada funciona, a não ser a iniciativa privada, que ainda consegue trabalhar para pagar altos imposto para esta cambada de ladrões, fazer o que somos 3º mundo a vamos continuar muito tempo neste rumo, pois nem a justiça é séria, a tempos atrás tinha um partido que fazia oposição a tudo, más agora está no poder , juntando-se na mesma teta. tudo farinha do mesmo saco.

  • Marciana diz: 16 de maio de 2012

    Gostei Gilmar, precisa cobrar também de quem assinou a papelada! E as obras públicas quando são mal feitas, também deveriam ser cobradas do arquiteto, do engenheiro, do secretário, do prefeito, do pedreiro, etc. Aqui em Jaraguá do Sul começaram a construir os pilares de uma ponte e só depois descobriram que a ponte iria encostar nos fios elétricos e pasmem, continua tudo assim! E o engenheiro, tirou diploma por telefone?
    Que pena o nosso país é maravilhoso e o nosso povo batalhador, mas com esses caras tá difícil virar uma nação desenvolvida

  • Salete Mello diz: 16 de maio de 2012

    PARABENS A IMPRENSA, porque somente por meio da imprensa é que a população toma conhecimento das arbitrariedades praticadas pelas pessoas que deveriam nos representar. Espero que nas eleições que se aproximam a população não se esqueça dos fatos expostos e tenha discernimento para separar o joio do trigo!
    Especifcamente no caso dos funcionarios da ALESC depois de comprovado pelos setores competentes, aqueles funcionarios que usaram de má fé e “se houver justiça” os mesmos devem devolver cada centavo! Afinal quanta economia e ate necessidade a população passou para contribuir com seus impostos a compor os supersalarios dessas pessoas???????????????????????

  • mariana de souza diz: 16 de maio de 2012

    Enquanto isso a saúde, a educação e a segurança pedem socorro e ninguém faz nada. Só ouvimos dos governantes justificativas para o injustificável. Um absurdo. Mobiliários sucateados nos hospitais pois para aquisição de um móvel é uma burocracia danada, enquanto reformas milionárias na assembléia,por exemplo, são autorizadas com a maior facilidade. Estão invertendo as prioridades.

  • Liliane diz: 17 de maio de 2012

    Não se iludam com a imprensa… Ainda precisa ser divulgado os nomes dos responsáveis por essas aposentadorias, com certeza por trás dessa avalanche inválidos, havia o interesse de pessoas em liberar vagas para serem preenchidas por não concursados, parentes de políticos, assessores.. . Entrou boi, entrou boiada…

  • André diz: 21 de maio de 2012

    Queria parabenizar a RBS e o jornalista Upyara pela excelente cobertura deste assunto. Meu conceito em relação à RBS mudou muito. Essa é uma verdadeira demonstração de independência e autonomia de um veículo de comunicação, tão fundamental para a construção da democracia e para a valorização da coisa pública.

    Mutio obrigado.

Envie seu Comentário