Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

Perguntado por Vignatti, Luiz Henrique evitar dizer se disputaria o governo

03 de junho de 2014 3

No encontro com o senador Luiz Henrique (PMDB), na tarde de hoje, o petista Claudio Vignatti fez a pergunta que todos os interessados no cenário político catarinense queriam fazer: afinal, o peemedebista está disposto a concorrer ao governo?

— Cheguei a fazer a provocação sobre se ele poderia ser o candidato a governador, mas ele não considerou — revela Vignatti.

Luiz Henrique voltou a dizer que a eleição de 2010 teria sido sua última e não avançou no tema. Vignatti admite que a entrada do senador e ex-governador no jogo poderia levar o PT a seu palanque.

Vignatti ouviu do senador a mesma argumentação sobre a importância do PT participar da chapa de Raimundo Colombo (PSD) à reeleição com a candidatura ao Senado. Uma conversa que tem dificuldades de prosperar, considerando que Colombo já acertou com a presidente Dilma Rousseff (PT) que a apoiaria sem os petistas no palanque. Para o PSD, a vaga do PP.

Além disso, o próprio Vignatti falou que a aliança com os pessedistas também é complicada.

— Ele falou das dificuldades que o PMDB tem para votar em um candidato do PP ao Senado e que seria mais simples se fosse um candidato do PT. Eu falei que temos dificuldades semelhantes para apoiar um candidato do PSD — conta Vignatti.

Bookmark and Share

Comentários

comments

Comentários (3)

  • CONRADO diz: 3 de junho de 2014

    Cambada de safados.Pelo poder vendem até a alma ao diabo.Principalmente este crápula do Luiz Henrique.
    Não tenho receio em afirmar:Antes de dar o meu voto a algum candidato do “PT” ou do famigerado “PMDB”prefiro (…) encima do meu título.

    comentário editado

  • Noris Santana diz: 4 de junho de 2014

    Nossa, que coisa podre.Tá na hora de Santa Catarina reagir e expelir pelo cano de descarga essa gentalha.

  • Pedro Mariano diz: 4 de junho de 2014

    Interessante que em nenhum momento destes diálogos políticos não há qualquer menção e nem indício de que exista o interesse na candidatura por uma convicção e fundamentada em propostas inovadoras a fim de corrigir os tantos problemas que a sociedade enfrenta. São apenas urubus a dividir a carniça tentando se impor com meias palavras.

Envie seu Comentário