Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Líder em patrimônio, Vignatti provoca Colombo

08 de julho de 2014 2

As declarações de bens dos candidatos a governador surpreenderam ao colocar o petista Claudio Vignatti com o maior patrimônio entre os concorrentes. O valor declarado dos bens de Vignatti cresceu cerca de R$ 1 milhão desde a eleição de 2010, quando concorreu ao Senado – chegando aos atuais R$ 1,51 milhão.

O petista afirma que a evolução é resultado do período em que ficou sem mandato e sem cargo político, entre 2011 e o final do ano passado, quando se dedicou à atividade privada. Mas não deixa de provocar o adversário e governador Raimundo Colombo (PSD) ao enfatizar que fez questão de atualizar os valores de todos os bens.

- Tudo que declarei está com valor atualizado. Mas eu troco tudo que tenho por aquele apartamento na Beiramar que o Colombo diz que vale R$ 70 mil.

Vignatti se refere ao apartamento que Colombo tem em Florianópolis, na Avenida Rubens de Arruda Ramos, conhecida como Beiramar, avaliado nesta e em outras eleições por R$ 73 mil.

A assessoria do governador afirma que os bens do pessedista estão declarados pelos valores da época da compra. O total do patrimônio de Colombo somou R$ 1,4 milhão – cerca de R$ 400 mil a menos do que em 2010.

Bookmark and Share

Comentários

comments

Comentários (2)

  • Jefferson dos Santos diz: 8 de julho de 2014

    Mais uma prova de que Vignatti não sabe o que fala. Todos sabemos que em nossas declaraçõesd e Imposto de Renda, o valor a ser declarado é o da compra, independentemente da época que foi adquirido, o mesmo serve para Justiça Eleitoral.

    Como uma pessoa que não sabe o suprasumo da declarção de bens próprios quer ser governador do estado?

  • José Germano Cardoso diz: 8 de julho de 2014

    O documento da receita indica e solicita a atualização.
    Eis que ao operar-se a mesma pode gerar-se débito de imposto por causa da variação patrimonial e dependendo da sua especificidade algum tipo de renda. De formas que ao repetir passa batido… Ainda… não é a troco de nada que o senador Luiz Henrique tem um projeto que mexe nisso, não sei a quantas anda. Casos de diminuição de patrimônio líquido podem acontecer com baixa na cotação de ações na bolsa de valores, por exemplo. É o tipo de comentário que poderia ser dispensado sem nenhum prejuízo a ninguém nem mesmo ao que comenta pois o aliviaria da soberba nada socrática. Da sacanagem politiqueiro-palanqueira-demarenista.
    Para tecer comentário nesta matéria é necessário conhecimento vastíssimo e atualizado em direito tributário. 99% da população não tem nem poderia. Acrescento ainda o direito de família, de heranças, de transmissão de bens, financeiro. Além de legislação contábil. Raciocinar por exemplo na linha comparativa de preços… isso não dá para comprar um apartamento na Beirar Mar Norte ou uma casa em Jurerê. O que é assustador é o pequeno valor divulgado. Quanto valeria uma manada de búfalos ? Uma estrada de sessenta km atravessando uma fazenda ? Uma microempresa dependendo do ramo ? São questões que não se pode arriscar fazer a mínima hipótese. O fato é que até um professor da rede pública estadual pode cair na malha fina do IR. É frequente ouvir tais reclamações. Abraço fraterno.

Envie seu Comentário