Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Papo de Redação com Rafael Martini e Upiara Boschi

26 de abril de 2016 3

Bookmark and Share

Comentários

comments

Comentários (3)

  • Curió diz: 26 de abril de 2016

    Por mais que eu queira e torça para que nosso estado tenha mais dinheiro para investir em educação, segurança, saúde, saneamento e infraestrutura não posso concordar com o que chamam de tese de Santa Catarina. Ao próprio Temer, golpista de marca maior, não desejaria isso, um estado de anarquia jurídica. Não posso crer que o Supremo irá sufragar tamanha façanha em pleno século XXI. Ao Colombo desejo apenas ver pelas costas, massacrou os professores, nunca gostou de lei alguma para cumprir. Sempre interpretando tudo conforme seu interesse e conveniência. Vamos ver a atuação do Supremo.
    E tem garotos por aí querendo lançar o homem no nível nacional… cá para nós… convenhamos! Credo em crux! Esconjuro excomungado !

  • Miguel diz: 27 de abril de 2016

    Upiara

    O estado de SC voltou a fazer propaganda caríssima e enganosa justamente qdo fala que os recursos para o funcionalismo, por ex, estão escassos e os salários e contratações da área de segurança , por ex ,estão proibidos.

    Essa nova propaganda feita em horários nobres da TV dá a entender que a segurança em SC é excelente.

    Pura enganação pois se a segurança realmente fosse boa a secretaria que cuida dos presídios estaria nas TVs divulgando isso. Mas na realidade ela sumiu pois a situação da segurança no estado é lastimável, e ela não quer perder votos.

    Upiara, esses dois assuntos, publicidade e segurança em SC , dariam algumas reportagens esclarecedoras. Aproveita a dica.

  • Curió diz: 28 de abril de 2016

    Empurrando 60 dias adiante a decisão sobre o golpe contra a união os magistrados deixaram claro pelo menos que os juros são os compostos. Todos que falaram deixaram claro isso.
    Ora a negociação está emperrada exatamente porque a união já cedeu a sua parcela de contribuição e os estados estão forçando a barra com essa história de pacto. É misturar alhos e bugalhos.
    Se o pacto se faz necessário não é tratorando AS CARTAS JURÍDICAS do país.
    E não será daquele mato lá do Supremo, justo de lá, que sairá coelho.

Envie seu Comentário