Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Do DC"

O blog agora é página

14 de junho de 2017 0

Quem acompanhava o Bloco de Notas neste endereço agora pode encontrar meus textos na página Upiara Boschi no site do Diário Catarinense.

IMG_1754

Bookmark and Share

Colombo defende eleições gerais este ano, inclusive para parlamento e governos estaduais

05 de abril de 2016 6

No anúncio do acordo sobre o salário mínimo estadual, o senhor falou na necessidade de criar consensos. Acredita na possibilidade de consensos em Brasília, nessa crise política que vivemos?
O modelo brasileiro ruiu, não acredito mais que se consiga, com as propostas existentes, evoluir. Por isso tenho defendido uma posição de fazer eleições gerais. Acho sinceramente que nós todos precisamos ter consciência do desafio, ter a humildade de reconhecer que precisamos evoluir como sociedade e como lideranças. Teríamos que construir um processo que não apenas mudasse as pessoas, mas mudasse o sistema. Na minha visão, tem que haver uma reestruturação completa.

Quando o senhor fala em eleições gerais, inclui Congresso e governadores?
Congresso, governadores, todos.

Leia a entrevista completa no site do DC

Bookmark and Share

SC vai ao STF para zerar a dívida com a União

18 de fevereiro de 2016 0

O governo do Estado deve protocolar nesta sexta-feira no Supremo Tribunal Federal (STF) a ação judicial em que questiona os critérios do Ministério da Fazenda para recalcular a dívida de Santa Catarina com a União e que pode levar à quitação do débito que hoje está na faixa de R$ 8,5 bilhões.

Leia a reportagem completa no site do DC

Bookmark and Share

Quem pode trocar de partido na janela

17 de fevereiro de 2016 2

Aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional, a emenda constitucional que vai criar uma janela de 30 dias para que deputados estaduais e federais mudem de partido sem perder os mandatos tem potencial para provocar uma revoada nas bancadas catarinenses. O período de liberdade partidária começa a valer a partir da promulgação da emenda, prometida para quinta-feira pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Em Santa Catarina, as especulações envolvem os nomes de pelo menos nove parlamentares.

Leia a reportagem completa no site do DC.

Bookmark and Share

A entrevista de Gelson Merisio ao DC

13 de dezembro de 2015 4

A edição de final de semana do DC traz uma entrevista com o presidente da Assembleia Legislativa, Gelson Merisio (PSD). A íntegra (um pouco maior do que publicada no jornal impresso) pode ser lida neste link. Destaco abaixo algumas frases do pessedista.

Aprovação relâmpago das mudanças na previdência
Quanto mais tempo de discussão, maior seria a discussão sobre a Casa, especialmente dos poderes, os segmentos afetados e que legitimamente reagem. Agora, a Assembleia tem que pensar no 1% da população que é servidor público e nos 99% que não são. Lá na galeria estavam os representantes desse 1%. A população estava representada pelos deputados.

Acesso limitado do público à Alesc
Eu tinha a preocupação de que se houvesse galeria aberta, alguém pulasse dentro do plenário e teríamos que inviabilizar as sessões. Tudo foi feito para preservar a integridade do plenário. Não é para impedir pressão, não tem nada disso. A parte externa está toda liberada. Só não tínhamos os 120 lugares liberados em cima porque é muito exposto. Vamos inclusive mexer na estrutura da galeria para permitir ficar aberto nesses momentos com segurança

Plano de carreira dos professores
Vou ser bem sincero. Matéria relevante para mim, no que diz respeito à necessidade de aprovação, foi votada hoje (quinta-feira). O plano de carreira é uma matéria importante, que não está com o prazo vencido e que tem um encaminhamento para ser votado na próxima semana, não uma decisão.

Fim da aliança com o PMDB
Tenho muito respeito pelo partido, temos um governo que ganhamos juntos, vamos tratar com respeito até o final. Agora, tenho uma compreensão pessoal de que uma aliança tem um prazo de validade. Começa a ficar muito longo, constrói vícios, constrói grupos e isso não é bom para o Estado. O rompimento dessa aliança e a construção de uma nova aliança do PMDB com outro grupo, nós em outra construção, acho que é uma contribuição para o Estado. Maior do que se estivéssemos juntos.

Se fosse para eu ser o candidato (a governador), eu preferia ser candidato em uma coligação diferente. Teria condição, depois da posse, de também fazer diferente. Mexer nas secretarias regionais, estruturar de forma diferente as indicações de comissionados. Com o PMDB isso é impossível.

Gestão da Alesc
Nós temos uma questão consolidada de licenças-prêmio a serem pagas. Agora em janeiro vou começar a chamar os que tem tempo (para aposentadoria) e antecipar o pagamento para quem se aposentar. Vou parcelar o pagamento para os demais. Vou reduzir 350 ano que vem.

Concurso público
Sinceramente, eu só vou fazer concurso quando não tiver nenhuma outra alternativa. Eu não gosto de concurso. Não pelo concurso em si. Quando for fazer, vou fazer com um grau de exigência de ter no mínimo mestrado. No último concurso da Assembleia, a maioria das vagas era de nível médio. Isso é um absurdo.

Bookmark and Share

Deputados de SC em destaque no processo de impeachment? Só se for por acaso

05 de dezembro de 2015 2

O impeachment de Fernando Collor teve a participação de um parlamentar catarinense em um momento emblemático. Foi o então senador Dirceu Carneiro o responsável por entregar ao ex-presidente a notificação oficial de seu afastamento do cargo. A função coube ao caçadorense que se notabilizou na política como prefeito de Lages nos anos 1970 porque era, na época, primeiro-secretário do Senado.

Foi um lance de acaso, do qual anos depois Carneiro dizia não se orgulhar, por causa da “frustração de ver que depois de tantos anos sem eleições diretas, foi preciso retirar alguém eleito democraticamente do poder”. Neste início de processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), apenas um lance de acaso pode dar a algum parlamentar catarinense uma posição de destaque.

Falta peso político à bancada catarinense na Câmara dos Deputados, que neste momento decide os nomes dos 65 parlamentares que vão formar a comissão especial para analisar o pedido de afastamento da presidente. Não seria surpreendente se nenhum deles fosse de Santa Catarina.

Não é só a condição de baixo clero que pesa sobre nossos deputados que cria essa situação. Com seis deputados, o PMDB catarinense tem a segunda maior bancada do partido na Câmara. A maior parte deles, alinhada à oposição. Como a escolha cabe ao líder da bancada, o governista Leonardo Picciani (PMDB-RJ), eles devem ser riscados. A história se repete em partidos da base aliada, como o PP — antes de ser vetado, o experiente Esperidião Amin já antecipou que não deseja participar.

Entre os deputados catarinenses que fazem parte da oposição formal — Carmen Zanotto (PPS) e os tucanos Marco Tebaldi e Geovânia de Sá — será difícil furar o bloqueio da principal vitrine que os anti-governistas terão. O raciocínio, curiosamente, vale para os petistas Pedro Uczai e Décio Lima, embora este ainda tenha o nome cogitado. O PT vai colocar seus principais guerreiros em campo.

No fim das contas a formação da comissão especial será uma mistura do primeiro time da Câmara, com uma ou outra conveniência das cúpulas partidárias. Neste momento, a bancada catarinense não integra nem o primeiro time, nem as cúpulas.

Bookmark and Share

A reforma da reforma: governo apresenta emenda para extinguir fundo previdenciário criado em 2008

03 de dezembro de 2015 0

O governo do Estado encaminhou nesta quinta-feira uma mudança radical nas proposta de reforma previdenciária apresentada à Assembleia Legislativa no final de novembro. Por emenda ao texto já em tramitação no parlamento, o governo vai extinguir o fundo previdenciário criado em 2008, juntar os 13,7 mil funcionários contratados depois dessa data aos demais 54,6 mil servidores em um único grupo e utilizar os R$ 800 milhões em caixa no Iprev para pagar aposentadorias ao longo de 2016.

Leia a reportagem completa no site do DC

Bookmark and Share

Surge um impasse no reajuste das alíquotas da previdência

30 de novembro de 2015 1

Um impasse jurídico pode levar o governo estadual a modificar o projeto que aumenta de 11% para 14% até 2018 as alíquotas de contribuição dos servidores públicos para a previdência. A proposta já está em tramitação na Assembleia Legislativa e seria analisada na reunião de hoje da Comissão de Constituição e Justiça, mas voltou para o Centro Administrativo diante da interpretação de que não podem ser cobradas alíquotas diferenciadas dos funcionários contratados antes e depois de 2008, como prevê a proposta.

Leia o texto completo no site do DC

Bookmark and Share

Série eleições 2016: o cenário em Lages

11 de outubro de 2015 2

Qualquer avaliação sobre os cenários da disputa de 2016 pela prefeitura de Lages deve levar em conta dois episódios marcantes. O primeiro aconteceu em 5 de dezembro do ano passado, quando o prefeito Elizeu Mattos (PMDB) foi preso preventivamente e afastado do cargo por suspeita de ter recebido propina de uma empresa contratada pela administração municipal. O segundo episódio foi na última segunda-feira, dia 5, quando ele reassumiu o cargo do qual foi alijado por 10 meses.

Leia reportagem completa no site do DC

Outras reportagens da série:
Itajaí: Fim de ciclo político e candidatos importados marcam eleição
Blumenau: Em meio a indefinições, só o atual prefeito está garantido
Chapecó: Pesos pesados miram 2018 e abrem espaço na disputa
Criciúma: Destino de Clésio Salvaro mantém aberta disputa pela prefeitura
Florianópolis: Disputa repete rivalidade de 2012, mas abre espaço para surpresas
Joinville: Sem Luiz Henrique, lideranças buscam protagonismo na eleição de 2016

Bookmark and Share

Série Eleições 2016: o cenário em Itajaí

11 de outubro de 2015 0

Três fatos convergem para que a eleição para a prefeitura de Itajaí em 2016 seja marcante: o fim do ciclo do prefeito Jandir Bellini (PP), eleito quatro vezes nas últimas cinco disputas; a migração de nomes de peso estadual para participar da corrida eleitoral na cidade; a distância entre o crescimento econômico que levou a cidade a se tornar a maior economia do Estado e a falta de força política que a deixou sem deputados federais ou estaduais nas últimas eleições.

Leia a reportagem completa no site do DC

Outras reportagens da série:
Blumenau: Em meio a indefinições, só o atual prefeito está garantido
Chapecó: Pesos pesados miram 2018 e abrem espaço na disputa
Criciúma: Destino de Clésio Salvaro mantém aberta disputa pela prefeitura
Florianópolis: Disputa repete rivalidade de 2012, mas abre espaço para surpresas
Joinville: Sem Luiz Henrique, lideranças buscam protagonismo na eleição de 2016

Bookmark and Share