Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de março 2009

Dom Dadeus e líderes judeus celebram a paz

31 de março de 2009 0

 

Após a polêmica, a paz. Uma semana após a distribuição da Revista Press e Advertising, na qual o arcebispo de Porto Alegre, dom Dadeus Grings, relativizava o número de mortes de judeus no Holocausto, o chefe da Igreja Católica na Região Metropolitana selou a paz com líderes da comunidade judaica.

Em reunião na manhã de ontem, na Capital, dom Dadeus e o presidente da Federação Israelita do Rio Grande do Sul, Henry Chmelnitsky, emitiram uma nota em que reafirmam a “tradição de convivência harmoniosa e pacífica” das religiões.

No texto conjunto, prometem rejeitar qualquer tentativa de negação ou de relativização do Holocausto que matou mais de 6 milhões de judeus na Europa e repudiam a utilização de ideias que possam incentivar o anti-semitismo e a discriminação étnica, religiosa ou racial contra qualquer indivíduo ou coletividade.

Fonte ZH.

Postado por Prof. Guershon Kwasniewski

Nem todos os Católicos pensam como Dom Dadeus

28 de março de 2009 0

Prezado amigo Guershon,

Com dor muito profunda soube ontem da infeliz manifestação de nossa autoridade católica D. Dadeus Grings. Antes de mais nada quero expressar minha absoluta solidariedade com a comunidade judaica de Porto Alegre e dizer que entre nós, na Faculdade de Teologia existe desconforto e decepção com a pertinácia de um erro. No recente episódio do erro de Bento XVI ele mesmo pediu desculpas e condenou toda forma de anti-semitismo explícito ou implícito. Aceite, por isso, minha solidariedade e meu abraço extensivo a toda comunidade e todas as pessoas feridas pela insensibilidade.

Ontem, em homilia, na celebração da Eucaristia na Universidade insisti na permanência da aliança do Senhor com o povo judeu e na vinculação intrínseca entre cristianismo e judaísmo para evidenciar a contradição com as palavras do Arcebispo. Pretendo abordar o tema também em sala de aula hoje, tanto na Teologia como em Humanismo e Cultura Religiosa.

Com afeto e admiração,

Padre Erico João Hammes

 

Caro Erico João Hammes
 
Palavras como as suas fazem que possamos sentir que não todo está perdido entre Católicos e Judeus.
Após de tantos anos de perseguição e inimizade não podemos nem devemos abrir as feridas para voltar ao passado.
Sabemos e lamentamos que existam pessoas neste mundo que insistem em negar ou mudar a história, o que doi mais é quando se trata de um referente de uma importante instituição como a Igreja Católica, que tanto respeitamos.
Shabat Shalom!
 
Guershon


Postado por Prof. Guershon Kwasniewski

"Não falei nada contra eles"

27 de março de 2009 6

Entrevista: Dom Dadeus Grings, arcebispo de Porto Alegre

No começo da tarde de ontem, dom Dadeus Grings, concedeu entrevista a Zero Hora:

Zero Hora – Sua entrevista causou muito desconforto. O senhor não imaginava que isso ocorreria?

Dom Dadeus Grings – Eu não falei contra o Holocausto, pelo contrário, acho que os judeus fazem muito bem em lembrar as suas vítimas. É justo. Sofreram uma dor terrível. O que não acho justo é que se esqueçam todos os demais. Os ciganos foram dizimados, os homossexuais, e não se fala nada. A União Soviética, em 70 anos de domínio, matou 110 milhões de pessoas, isso não se pode esquecer. Em defesa de um grupo, esquecer os demais, não me parece muito justo. Não estou diminuindo a lembrança que os judeus fazem com muita garra. Mas temos de lembrar também dos demais. Ninguém fala quase da tragédia do marxismo. No nazismo, foram 26 milhões de vítimas.

ZH – Para ressaltar as outras vítimas é necessário fazer comparações com o Holocausto, já que é um assunto…

Dom Dadeus – Não, não, os judeus, com muita razão, prezam e homenageiam os seus mortos. Mas nós não podemos omitir os nossos.

ZH – Mas os judeus foram mortos por serem judeus…

Dom Dadeus – E os cristãos, por serem cristãos. Na Iugoslávia, se alguém fizesse um batizado, era morto. Então, também temos de denunciar com muita clareza que os regimes totalitários que fazem prevalecer ideias sobre a vida são sempre muito prejudiciais à humanidade.

ZH – O senhor acha que foi mal interpretado?

Dom Dadeus – Acho que sim, eu não falei nada contra eles.

ZH – Em 2003, o senhor já havia dito que haviam morrido 1 milhão de judeus, não 6 milhões.

Dom Dadeus – Em 2003, republicaram um artigo que era de 1990 e poucos. Reeditaram aqui.

ZH – Mas o senhor escreveu…

Dom Dadeus – Quando publicaram aqui em Porto Alegre é que repercutiu.

ZH – Isso não pode estremecer as relações inter-religiosas?

Dom Dadeus – Não, pelo contrário, até é bom para esclarecer os pontos.

Repercussão
Henry Chmelnitsky, presidente da Federação Israelita do Rio Grande do Sul
“Parece-me que dom Dadeus deve refletir sobre o estrago que foi feito e a melhor forma de recompor esse estrago. É evidente que uma figura pública, quando se manifesta, representa uma população muito importante. Ele se expressou como arcebispo, e isso é muito impactante e muito negativo para as relações em geral. Foi um comentário completamente desnecessário, vai contra o que hoje acontece no mundo. Todos buscam a paz, não resgatar coisas do passado de forma incorreta. Tenho convicção de que essas declarações contradizem relações estabelecidas ao longo da história.”
Guershon Kwasniewski, líder religioso da Sociedade Israelita Brasileira de Cultura e Beneficência (Sibra)
“Não desconhecemos vítimas de outros povos e religiões, mas não podemos negar que os judeus foram massacrados como povo, com planejamento. Os católicos que morreram, morreram em seus países, lutando por seus exércitos. No Holocausto, não tivemos possibilidade de defesa. Fomos o bode expiatório dos nazistas. O próprio Hitler escreveu que, se os judeus não existissem, seria preciso inventá-los. Devemos ter cuidado com as vozes do revisionismo, e quero acreditar que dom Dadeus, meu grande colega, não é um revisionista. Se fosse assim, eu ficaria muito triste.”
Alfa Buono, coordenadora do Grupo de Diálogo Interreligioso de Porto Alegre
“Temos nove representações, inclusive um católico e um judeu, além de zen budista, espírita, umbandista, fé ba’hai, entre outros. Temos uma relação muito boa com dom Dadeus. Sempre que convidado, ele frequenta os nossos eventos. É a primeira vez que ouço isso. O princípio do grupo é respeitar as diferenças e se opor a qualquer tipo de motivo para desentendimento. Deveremos discutir esse assunto na quarta-feira.”

Postado por Prof. Guershon Kwasniewski

Dom Dadeus desagrada a líderes judeus

27 de março de 2009 0

O Arcebispo afirmou que judeus não foram principais vítimas do nazismo

Ao sustentar que os judeus não foram as principais vítimas do nazismo, o arcebispo de Porto Alegre, dom Dadeus Grings, reabriu esta semana uma antiga ferida religiosa e estremeceu as relações da Cúria com a comunidade judaica.

Dom Dadeus afirmou à Press & Advertising, revista sobre imprensa e publicidade no Estado, que os católicos e ciganos foram mais sacrificados na II Guerra Mundial, “mas isso não aparece porque os judeus têm a propaganda do mundo”. A Federação Israelita do Rio Grande do Sul (Firs) divulgou nota repudiando as declarações.

Em seis páginas de uma entrevista concedida ao longo de quase duas horas e publicada na edição que começou a circular na quarta-feira, dom Dadeus responde a seis questões específicas sobre o Holocausto. Ao avaliar quem foi mais sacrificado pela máquina nazista, sustenta que os católicos foram “muito mais” vitimados do que os judeus.

– Os judeus falam em 6 milhões de mortos. O nazismo matou mais de 20 milhões de pessoas – compara.

Em outro trecho, comenta:

– Os judeus se dizem as maiores vítimas do Holocausto. Mas as maiores vítimas foram os ciganos. Foram exterminados. Isso eles não falam. Os judeus têm a propaganda do mundo.

A Firs lançou nota lamentando o teor da entrevista: “Não é a primeira vez que o religioso se refere ao Holocausto de forma distorcida. Nós, brasileiros de todas as origens, construímos através de décadas uma tradição de convivência pacífica e harmoniosa”. O texto diz ainda que dom Dadeus reproduz “estereótipos criados pelos nazistas”. Ao citar que não é a primeira vez que o líder católico faz referência ao Holocausto, a nota oficial remonta a um artigo de dom Dadeus de 2003.

Em fevereiro, bispo inglês questionou Holocausto

Além de mencionar a tese de que os cristãos foram as vítimas preferenciais do nazismo, defendeu que, em vez dos 6 milhões de mortos contabilizados pelos judeus, o número correto seria 1 milhão. O episódio era dado como superado pelas autoridades religiosas judaicas gaúchas, mas agora acabou reavivado.

– Morreram muitos católicos, mas não morreram por serem católicos, essa é a diferença do Holocausto. No caso do massacre da população judaica, estava implícito que estavam sendo mortos por serem judeus – opina o historiador Voltaire Schilling.

Em fevereiro, o bispo inglês radicado na Argentina Richard Williamson provocou polêmica mundial ao questionar a veracidade do Holocausto. Ele teve de deixar o país e, mais tarde, pediu perdão publicamente sob pressão do Vaticano.

Fonte ZH Geral  26/3/09

Postado por Prof. Guershon Kwasniewski

Parabéns Porto Alegre

26 de março de 2009 0

O Grupo de Diálogo Inter-religioso parabeniza a cidade e aos seus moradores pelos 237 anos de Porto Alegre.

Aproveitamos para cumprimentar também a CORSAN e os seus funcionários pelos 43 anos da vida completados hoje.

O Padre João Tadeu Silva, e Pastor Carlos Dreher e o Prof. Guershon participaram de um culto Inter-religioso no prédio da CORSAN para comemorar a data.

Postado por Prof. Guershon Kwasniewski

Polêmica com o Arcebispo

26 de março de 2009 0

Arcebispo de Porto Alegre faz declaração polêmica sobre Holocausto

Líder religioso também defendeu o celibato e condenou as pesquisas de células-tronco embrionárias

O arcebispo de Porto Alegre, Dom Dadeus Grings, fez uma afirmação polêmica em entrevista à revista Press. Segundo ele, “morreram mais católicos do que judeus no Holocausto, mas isso não aparece porque os judeus têm a propaganda do mundo”. Na entrevista, o arcebispo também defende o celibato, condena as pesquisas de células-tronco embrionárias e a distribuição de camisinhas pelo governo e defende a neutralidade da Igreja durante o período militar no Brasil e durante a II Guerra Mundial.

Fonte ZH, página 10

Não li a matéria, mas gostaria acreditar que tudo passa por um mal entendido.

Sabemos que dentro das fileiras da Igreja existem revisionistas e se for o caso de Dom Dadeus ficaria particularmente muito triste.

Prestigiei a posse de Dom Dadeus na Catedral Metropolitana, convidei o Arcebispo a rezar na sinagoga, ele me convidou para rezar na Catedral e em outros ámbitos, participamos juntos em encontros junto ao Grupo de Diálogo Inter-religioso, na última segunda-feira trocamos um abraço na posse da nova Diretoria da Federação Israelita, por tanto é difícil acreditar nestas declarações.

Católicos e Judeus já brigaram bastante ao longo da história, convivamos com respeito e lutemos juntos por um mundo melhor.

Postado por Prof. Guershon Kwasniewski

Seder de Pessach

25 de março de 2009 0

Seder Comunitário  da SIBRA 2009-5769
 
Hotel Plaza São Rafael, terça-feira 14 de abril, 19:30 horas.
 
 
Os nossos filhos perguntam: Por que esta noite é diferente de todas as noites?
 
Está em nós adultos responder.
 
Desejamos que sejam muitas as vozes que perguntem e as que respondam.
 
INTERAGIR, uma forma inteligente de crescer.
 
Comemorar: o caminho que temos como povo para fortalecer a nossa identidade.
 
Reserve já o seu lugar!!
 
Crianças e Jovens até 17 anos R$ 30 
 
(valor válido até 31 de março, depois desta data R$ 45)

 
Sócios:  R$ 70  - valor válido até 31 de março, após desta data R$ 80)

 
Não Sócios R$ 90


Quem se associar até o dia 14/04, paga R$ 70, e é isento da primeira mensalidade.
Ligue para 3331-8133 ou escreva para secretariasibra@terra.com.br

 
A SIBRA deseja a todos um Chag Kasher ve Sameach!

 

Postado por Prof. Guershon Kwasniewski

Quem é valente, rico, digno de respeito? respostas

24 de março de 2009 0

Continuamos com os ensinamentos dos sábios do Talmud.

Sobre as perguntas quem é valente, Ben Zoma, no século II respondeu: ” aquele que domina os seus impulsos”.

Quem é rico?

Aquele que se contenta com o que tem.

Quem é digno de respeito?

Aquele que respeita a seu próximo.

Está na simplicidade das respostas a profundeza do ensinamento.

Obrigado a todos os leitores que se aventuraram com as suas respostas.

 

Postado por Prof. Guershon Kwasniewski

Quem é sábio: Resposta

23 de março de 2009 1

Conforme o Talmud, Pirkei Avot – Tratado dos Pais – 4:1, Shimon Ben Zoma respondeu no século II:

é sábio aquele que aprende de todas as pessoas.

deixo para vocês caros leitores, outras tres perguntas de Ben Zoma

Quem é valente?

Quem é rico?

Quem é digno de respeito?

As respostas no dia de amanhã; a pensar… e se quiser, compartilhe conosco as sua respostas.

Postado por Prof. Guershon Kwasniewski

Quem é sábio?

22 de março de 2009 2

Esta mesma pergunta foi feita a muitos séculos atrás e respondida pelos sábios do Talmud.

A idéia que lanço aos leitores do Blog é que possam dar a sua resposta.

No dia de amanhã publicarei a resposta dada no século II.

Desafio lançado, até amanhã!

Postado por Prof. Guershon Kwasniewski

Há 17 anos do atentado na embaixada de Israel

17 de março de 2009 5

Me encontro em Buenos Aire, onde estou completando os meus estudos rabínicos.

Na tarde de hoje participei do ato de lembrança do atentado contra a embaixada de Israel, acontecido há 17 anos atrás.

Alem de ouvir o clamor pela Justiça, fiquei pensando em profunda meditaçao sobre a brutalidade humana.

O embaixador de Israel na Argentina, um conhecido de todos nós, Daniel Gazit – quem se desenvolveu como Cônsul Geral de Israel no Brasil poucos anos atrás – falou sobre o terrorismo e o seu objetivo de acabar com o normal desenvolvimento do dia a dia de qualquer sociedade.

Porque tanta brutalidade?

É lamentavel que tenhamos nesta terra pessoas que nao dignificam a vida.

Quanto mais perto estamos do epicentro do atentado, mais pensamos e mais refletimos.

Os atentados que acontecem no dia a dia no Irak, nao mudam a  nossa rotina, mas como se tornaram cotidianos já ninguem mais liga a este fato terrivel.

Sem distinçao de pais, nacionalidade, religiao, lhes convido a condenar esta manifestaçao de irracionalidade e brutalidade por parte do homem.

Nas palavras de Rabbi Akiva, matar uma pessoa equivale a matar um mundo.

Nao deixemos a humanidade morrer.

Justiça! para que os mortos descansem em paz.

Justiça! para nao ter que lamentar novos atentados.

Postado por Prof. Guershon Kwasniewski

Aborto: Vaticano critica excomunhão

16 de março de 2009 4

Em artigo publicado pelo jornal da Santa Sé, o Osservatore Romano, neste sábado, o presidente da Academia Pontifícia para a Vida, Monsenhor Rino Fisichella afirma que os médicos que praticaram o aborto na menina de 9 anos, grávida de gêmeos após ter sido estuprada pelo padrasto, não mereciam a excomunhão.

“São outros que merecem a excomunhão e nosso perdão, não os que lhe permitiram viver e a ajudarão a recuperar a esperança e a confiança, apesar da presença do mal e da maldade de muitos”, escreve Monsenhor Rino Fisichella, um dos mais próximos colaboradores do papa Bento 16 e maior autoridade do Vaticano em bioética.

Na avaliação do prelado, o arcebispo de Recife e Olinda, José Cardoso Sobrinho, foi apressado e deveria ter se preocupado primeiro com a menina.

“O caso ganhou as páginas dos jornais somente porque o arcebispo de Olinda e Recife se apressou em declarar a excomunhão para os médicos que a ajudaram a interromper a gravidez. Uma história de violência que, infelizmente, teria passado despercebida se não fosse pelo alvoroço e pelas reações provocadas pelo gesto do bispo.”

Segundo Monsenhor Fisichella, o anúncio da excomunhão por parte de D. Jose Cardoso Sobrinho colocou em risco a credibilidade da Igreja Católica.

“Era mais urgente salvaguardar a vida inocente e trazê-la para um nível de humanidade, coisa em que nós, homens de igreja, devemos ser mestres. Assim não foi e infelizmente a credibilidade de nosso ensinamento está em risco, pois parece insensível e sem misericórdia”, escreve o bispo.

`Como um machado`

Na avaliação do prelado, a prática do aborto neste caso não teria sido suficiente para dar um parecer que “pesa como um machado”, porque houve uma contraposição entre vida e morte.

Ele reconhece que, devido à idade e às precárias condições de saúde, a menina corria serio risco de vida por causa da gravidez. E justifica os médicos, que em sua opinião, merecem respeito profissional.

“Como agir nesses casos? É uma decisão difícil para os médicos e para a própria lei moral. Não é possível dar parecer negativo sem considerar que a escolha de salvar uma vida, sabendo que se coloca em risco uma outra, nunca é fácil. Ninguém chega a uma decisão dessas facilmente, é injusto e ofensivo somente pensar nisso.”

De acordo com o presidente da Academia Pontifícia para a Vida, segundo a moral católica a defesa da vida humana desde sua concepção è um principio imprescindível.

O aborto não espontâneo sempre foi e continua sendo condenado com a excomunhão, que é automática.

“Não era, portanto, necessária tanta urgência em dar publicidade e declarar um fato que se atua de forma automática, mas sim um gesto de misericórdia.”

Fonte BBC Brasil

 

Postado por Prof. Guershon Kwasniewski

Os 13 principios da Fé Judaica

13 de março de 2009 0

 

Moshê Maimônides (1135-1204) é reconhecido como o mais famoso dos comentaristas judeus. Escritor aclamado, estimado filósofo, médico de renome e mestre talmúdico – este é seu legado. Sua obra magna, Mishnê Torá, é considerada até hoje como a mais conceituada e completa codificação da lei judaica, na qual explica nos fundamentos da crença judaica que a Torá é verdadeira.

 

Se uma pessoa negar qualquer preceito ou conceito da Torá é como se ele estivesse negando a Torá inteira, pois a Torá é uma unidade, uma só essência. Se uma pessoa desconhece algum princípio da Torá, ele é simplesmente considerado ignorante. Mas se alguém é ignorante em um dos Treze Princípios de Fé de Maimônides, então ele deixou de conhecer o que é judaísmo.

Ao formular os Treze Princípios de Fé, Maimônides percorreu a literatura judaica sagrada, estabelecendo os principais pontos de afirmação e crença no D-us único e em Sua revelação a Moshê, o líder de nosso povo.

 

Postado por Prof. Guershon Kwasniewski

O QUE ESTÁ ACONTECENDO COM NOSSAS CRIANÇAS?

12 de março de 2009 3

  Nossa amiga GLADIS PEDERSEN DE OLIVEIRA, Presidente da Federação Espírita do Rio Grande do Sul, Pedagoga e Professora, preocupada com o momento atual, escreveu o que transcrevemos:

As crianças são os seres que Deus envia em novas existências com a aparência da inocência, da pureza e da fragilidade para que os pais e adultos que as cercam possam educa-las, ampara-las e protege-las.

Na fase infanto-juvenil a criança precisa de proteção e segurança, carinho fraternal e educação adequada à formação de uma personalidade sadia e equilibrada e terá sempre por modelo o adulto que convive com ela.

O que nos disse Jesus sobre a infância? – “Deixai vir a mim as criancinhas e não as impeçais, por que o reino dos céus é para aqueles que se lhes assemelham”(Marcos, Cap. X :13 a 15).

O lar deveria ser um local sagrado onde os filhos estivessem protegidos contra a violência e o desrespeito do mundo. Mas não é isto o que está acontecendo.

A missão sagrada da maternidade e da paternidade está sendo descumprida. Muitos pais e mães são imaturos e irresponsáveis. Não tem estrutura moral ou material para amparar, educar e proteger a prole.

Na análise de muitos casos de estupro contra a criança, dentro do lar, pelo pai, padrasto ou parente próximo, muitas vezes, constata-se a conivência e negligência da mãe, que se omite de sua tarefa de vigiar e garantir a proteção dos filhos menores. Fato esse que ocorre em todas as classes sociais, das mais pobres às mais abastadas.

Muitos casos são encobertos e a criança cresce sofrendo o abuso sexual, tornando-se um adulto desequilibrado emocionalmente que tenderá a praticar a mesma perversidade sexual que sofreu na infância contra outras crianças e até contra os próprios filhos.

Infelizmente a pedofilia sempre esteve presente na história da humanidade. Hoje ela vem á tona pelo escândalo que provoca por sua divulgação. Levantou-se o véu do camuflar deste ato hediondo.

Jesus alertou-nos: “Ai do mundo por causa dos escândalos, por que é necessário que venham escândalos, mas ai do homem por quem ele vier”(Mateus, Cap. XVIII: 6 a 10).

Precisamos parar e buscar analisar o perfil do pedófilo, questionar: quem é essa pessoa que tem satisfação com essa prática sádica? Como prevenir-se contra sua ação? Como ajuda-la a tratar-se?

O pedófilo está junto de nós, dentro de nossos lares, nas nossas escolas, nas pracinhas, nos consultórios médicos, na internet, em todos os lugares, desrespeitando nossas crianças, envolvendo-as, seduzindo-as, muitas vezes com a complacência de outros adultos que fazem de conta não verem e permitem que a criança seja molestada sexualmente com a sua omissão.

Os fatos divulgados pela imprensa, ocorridos em Pernambuco e Rio Grande do Sul, que revelam a gravidez precoce das meninas abusadas, ocorrem seguidamente no Brasil e no mundo. Os pedófilos estão em todas as classes sociais, muitas vezes são pessoas de grande projeção social, cidadãos considerados impecáveis…

Precisamos, sim, trazer à discussão pública esse problema, debate-lo, alertar as pessoas, preveni-las para que as crianças sejam protegidas contra a investida desses desequilibrados que necessitam de tratamento adequado urgente.

Os meios de divulgação, a mídia, não devem somente basear-se no escândalo, mas socializar informações especializadas que ajudem a combater esse mal.

No caso da gravidez precoce, oriunda de estupro, que coloca em risco a vida da gestante cabe à medicina preservar a vida da menina e coloca-la a salvo, interrompendo a gestação, conforme preconiza a Lei vigente em nosso país, pois é, na verdade, um procedimento terapêutico.

Na questão 359 de “O Livro dos Espíritos”, Allan Kardec questionou a posição dos Espíritos Superiores sobre a seguinte orientação em relação ao perigo de morte que corre a mãe se prosseguir a gestação: “É preferível sacrificar o ser que não existe ao ser que já existe”.

Que possamos refletir profundamente sobre essa problemática que está presente ainda hoje na humanidade e, reunindo forças, nos unir aos diversos segmentos da sociedade organizada para, com o bom combate, através da educação do cidadão comum, buscarmos caminhos de solução para coibirmos a pedofilia.

Postado por CristinaCanovasdeMoura

Sexta-feira 13 e o Judaísmo

12 de março de 2009 0

Prezados supersticiosos.

Chega mais uma sexta-feira 13.

Tenho o meu vôo marcado para voltar a Porto Alegre, às 23:50 de hoje, quer dizer que estarei voando na sexta-feira 13.

Viajar ou nao, se casar ou nao, passar por baixo de uma escada ou nao, gatos pretos sim o nao.

O Judaísmo nao acredita na superstiçao do número 13.

Muito pelo contrário temos motivos de sobra para considerar o 13, um número de sorte, um número bom.

Aqui os exemplos: quando um jovem judeu chega a sua maioridade religiosa acontece aos 13 anos.

É um dos momentos religiosos mais importantes da vida de todo judeu antes do momento do casamento.

Outro ponto importante sobre o 13, é o número no qual acabam os preceitos e mandamentos que todo judeu deve cumprir ao longo da sua vida.

Conforme o sábio judeu-espanhol Rambam – Maimónides -, o número de mandamentos e preceitos da lei judaica somam 613.

Alcançar este número implica perfeiçao e erudiçao.

O próprio Maimónides acabou escrebendo sobre os 13 principios de Fe.

Estes sao entre muitos outros, bons motivos para considerar o número 13, um número bom.

No próximo post compartilharei com vocês os 13 principios de Fe do Maimónides.

Para os que acreditam e os que nao acreditam em superstiçao, boa sorte na sexta-feira 13!

 

Postado por Prof. Guershon Kwasniewski