Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de março 2011

Felicidades Porto Alegre!

26 de março de 2011 0

A cidade completa hoje 239 anos de existência.

O Grupo de Diálogo Inter-religioso de Porto Alegre sente orgulho de levar o teu nome.

Saúde Porto Alegrenses!

Embaixador da Alemanha em Porto Alegre

25 de março de 2011 0

Gostaria agradecer ao Sr. Cônsul Geral da Alemanha Norbert Kürstgens pelo convite que me fez para participar da recepção ao Embaixador da República Federal da Alemanha Wilfried Grolig e esposa acontecida ontem em Porto Alegre.

Na oportunidade presentei o Embaixador com o livro Em Terras Gaúchas, que narra a história da imigração alemã ao Rio Grande do Sul.

O livro foi escrito por um grupo de associados da SIBRA e traducido ao alemão e inglês, alem da sua versão em português.

O embaixador deixou as portas da embaixada em Brasilia abertas para a nossa comunidade.

A SIBRA foi fundada por judeus de origem alemão em 1936.

Para conhecer mais da nossa história visite o site www.sibra.org.br

Desejamos ao Embaixador e esposa uma boa estada em Terras Gaúchas.

Young Jewish Connection

23 de março de 2011 0

Católicos e Israel: uma questão de valores

21 de março de 2011 0


POR GEORGE WEIGEL

A Igreja Católica vem refletindo sobre a ética e as relações internacionais desde que Santo Agostinho escreveu “A Cidade de Deus”, no século 5. Já os fundamentos morais das sociedades modernas e liberais sofrem a influência católica desde que o Papa Leão XIII estabeleceu a doutrina social católica através da encíclica “Rerum Novarum”, em 1891. Portanto, as teorias contemporâneas de democracia e do entendimento clássico de ordem mundial devem inspirar os católicos de todo o mundo a se solidarizarem com o Estado de Israel, que enfrenta uma campanha global de deslegitimação.

Democracia

Os laços católicos com a democracia foram reforçados pelo saudoso Papa João Paulo II. Dadas as alternativas disponíveis no século 21, a Igreja prefere democracias porque as democracias baseiam-se na proteção constitucional dos direitos humanos e respeitam as instituições da sociedade civil, tais como família, associações, grupos econômicos e culturais e entidades religiosas. As democracias encarnam a superioridade do Estado de Direito sobre a coerção e abrem aos cidadãos a oportunidade de debater o bem comum, a participação no governo e, assim, cumprir com as suas responsabilidades cívicas. Somente os métodos democráticos de autogoverno possibilitam mudanças políticas pacíficas.

Nenhum dos 192 países membros da Organização das Nações Unidas encarna perfeitamente a concepção católica de democracia. No Oriente Médio, somente um país tem um projeto razoavelmente eficaz em torno dos valores políticos e morais em que se baseia a idéia católica de democracia. Esse país é o Estado de Israel.

Durante décadas, o Líbano se esforçou num projeto parecido, mas este foi destruído pela Síria e pelo Irã, em nome de uma compreensão muito diferente da política do que a aprovada pela doutrina social da Igreja Católica. O Iraque, esperamos, está se movendo na direção de uma democracia pluralista, mas este processo é ameaçado por ataques dos jihadistas contra os cristãos remanescentes.

Já Israel não é apenas o único país da região com um projeto democrático estável. É o país do Oriente Médio que mais se aproxima da visão católica sobre o que a política do século 21 deve ser. Ainda que imperfeita, é uma versão da sociedade virtuosa elogiada pelo Concílio Vaticano II e por João Paulo II e Bento XVI.

Em uma região marcada pela intolerância religiosa e étnica, Israel, um país constantemente ameaçado por seus vizinhos, tem feito grandes esforços para honrar os princípios da democracia pluralista. Os árabes israelenses – tanto muçulmanos quanto cristãos – têm direito a voto; o parlamento de Israel possui sua bancada árabe e um árabe cristão é juiz na Suprema Corte de Justiça. A vida para os cristãos árabes em Israel ainda não é a ideal, mas a vida cristã em Israel é muito melhor do que a vida cristã em Gaza ou sob a Autoridade Palestina. A perseguição estatal aos cristãos é comum no Egito, mas inexistente no Estado Judeu, onde a liberdade religiosa – que grande parte do mundo árabe e islâmico considera uma heresia – é legalmente garantida. Esta realidade (muitas vezes despercebida) explica um fato marcante: a população cristã de Israel tem crescido desde 1948, enquanto a população de cristãos nos demais países do Oriente Médio vem diminuindo.

Ordem Mundial

Ao longo do século 20, os bispos de Roma propuseram uma visão da ordem mundial alicerçada sobre o reconhecimento dos Direitos Humanos fundamentais. João Paulo II e Bento XVI transpuseram esta visão para o século 21, em que a Igreja muitas vezes parece ser a última crente na possibilidade de uma comunidade global regida pela ética.

A campanha para deslegitimar o Estado de Israel é um ataque direto sobre os princípios da ordem ética mundial. O Estado de Israel surgiu como resultado de um ato da Assembleia Geral da ONU. A sua destruição – via ataque nuclear do Irã, campanhas de pressão internacional ou através de mudanças demográficas – seria um duro golpe contra a visão de um mundo no qual a política e o Direito substituem a violência das massas.

Sozinho entre os seus vizinhos, Israel trocou terras por paz. Todos os partidos políticos relevantes em Israel aceitam a ideia de um Estado palestino. Já a maioria dos estados islâmicos se recusa a aceitar a simples existência de Israel, mesmo quando discretamente apoiam os esforços israelenses em conter o terrorismo jihadista e os clérigos apocalípticos de Teerã. É situação bizarra e, francamente, hipócrita.

Uma Questão de Valores

Uma visão católica de Israel não se baseia em leituras fundamentalistas da Bíblia, tampouco envolve uma visão romântica do Estado Judeu. Um compromisso católico com Israel não implica em lhes dar um cheque em branco, assim como o empenho dos católicos em defesa de Israel pode e deve coexistir com uma profunda preocupação para com os cristãos do Oriente Médio. A visão católica sobre Israel deve se basear em verdades sobre a Liberdade, a Razão e a Justiça – verdades cuja compreensão está ao alcance de todos os homens e mulheres de boa vontade. Ela também reflete um juízo prudente de que a destruição do único Estado do Oriente Médio que leva a sério a liberdade religiosa seria um golpe fatal para a causa da liberdade religiosa em todo o mundo.


George Weigel é Membro Sênior do Centro de Políticas Públicas e Éticas de Washington, onde mantém a cátedra de Estudos do Catolicismo, e autor da biografia do Papa João Paulo II.


(Fonte: http://www.friendsofisraelinitiative.org/article.php?c=78. Tradução: Victor Grinbaum.)

Maçons do país e do mundo se reúnem em Porto Alegre

21 de março de 2011 0

A Maçonaria do Brasil se reunirá em Porto Alegre.

Nesta segunda-feira (21) a Confederação da Maçonaria Interamericana – CMI estará reunida no Hotel Embaixador em Porto Alegre.

O evento será coordenado pela Grande Loja Maçônica do estado do Rio Grande do Sul – GLMERGS que possui mais de 7 mil membros no estado.

Oração para o povo do Japão

19 de março de 2011 0

Rompida rompeu-se a terra, em pedaços despedaçou-se a terra, movida move-se a terra feito bêbado. (Isaías 24:19) Sua aflição passará para o mar cujas ondas serão atacadas e secarão todas as profundezas… (Zacarias 10:11)

Soberano do Universo, cujo espírito paira sobre tudo, que criou os céus com sabedoria e estendeu a terra sobre as águas. Tu concedeste o Teu arco-íris nas nuvens e nos informaste que não haveria mais inundações. As forças da terra a estremeceram, as ondas do mar quebraram amargamente e nossos irmãos japoneses foram acometidos pelas forças da natureza. O temor da ameaça nuclear somou mais sofrimento ao sofrimento deles. Nós nos enlutamos por seus mortos, nossos corações estão com os sobreviventes em suas dores.

Envie conforto aos familiares das vítimas de modo que possam retomar suas vidas. Cure seus corpos e envie restabelecimento para suas almas. Envie Tua sabedoria às forças de resgate, boa vontade e bom coração para todos os que tiverem condições de ajudar. Mostre a eles a Tua luz, orienta-os em seus caminhos, proteja-os. Juntamente com os japoneses, os filhos do Teu mundo se voltam a Ti:

Em nossa aflição clamamos ao Eterno e Ele nos respondeu. Gritamos, e Tu escutaste a nossa voz. Quando dentro de nós desfaleciam nossas almas, recordamo-nos do Eterno e nossas orações Te alcançaram. Expressaremos nossa gratidão ao oferecermos a Ti nossos sacrifícios e cumpriremos o que prometemos (conf. Jonas 2:8-9)


Rabino Yehoram Mazor

Trad.: Uri Lam

Brasil condena intolerância religiosa em sessão na ONU

11 de março de 2011 0

Entre os pontos citados, está a discriminação contra a fé Bahai, cujos membros são perseguidos no Irã. É o segundo movimento da semana que mostra um distanciamento do Itamaraty em relação ao regime dos aiatolás.

Mulheres participam de protesto contra o regime iraniano, na praça das Nações Unidas, perto da sede da ONU em Genebra (Fabrice Coffrini/AFP).”O Brasil deplora veementemente todas as ações de discriminação e incitação ao ódio religioso que vêm ocorrendo em várias partes do mundo. Muitas vidas inocentes foram perdidas por causa da intolerância e da ignorância”. A missão brasileira na Organização das Nações Unidas (ONU) em Genebra fez nesta quinta-feira uma declaração enfática, condenando a intolerância religiosa no mundo. O posicionamento foi manifestado durante a sessão sobre “liberdade de religião e crenças” do Conselho de Direitos Humanos, cuja 16ª reunião ocorre desde o final de fevereiro. A condenação foi trazida a publico três dias após o Brasil prestar uma homenagem à iraniana e ferrenha opositora do regime dos aiatolás Shrin Ebadi. Ambos os atos demonstram que o Itamaraty está mudando a política externa adotada pelo governo anterior, que se aproximava de regimes islâmicos ou ditatoriais – e do Irã em particular – ignorando suas violações aos direitos humanos.

A declaração oficial, lida na sessão principal do dia no Conselho de Direitos Humanos e obtida pelo site de VEJA, diz: “O Brasil deplora veementemente todas as ações de discriminação e incitação ao ódio religioso que vêm ocorrendo em várias partes do mundo. Muitas vidas inocentes foram perdidas por causa da intolerância e da ignorância”. O documento afirma que o Brasil está preocupado com a situação dos seguidores de certas religiões que são alvos de discriminação em diversas partes do mundo, como as crenças de origem africana e a fé Bahai, um dos maiores grupos não muçulmanos, perseguido no Irã.  ”O Brasil reitera seu compromisso de assegurar uma sociedade plural, tolerante e livre. A liberdade de religião e de crenças é um direito fundamental garantido pela Constituição do país”.O texto é uma das ações mais representativas do Brasil em um importante fórum internacional nos últimos anos.

Fonte CJM

Catedral de Fortaleza

09 de março de 2011 0

Durante o período de férias estive visitando Fortaleza, obviamente que visitei a sinagoga dos amigos da Sociedade Israelita de Ceará, onde fui muito bem recebido, mas sou um profundo admirador de arquitetura, e cada vez que visito uma cidade tento conhecer a Catedral.

Fiquei impressionado com a beleza da Catedral de Fortaleza, que fica do lado do Mercado Público outro ponto imperdível de visitar.

Queria compartilhar com vocês leitores do Blog o que a minha câmera registrou.

Também lhes convido a começar a enviar fotografias de templos, igrejas, sinagogas e outros santuarios que tenham visitado, assim damos inicio a mais uma categoria dentro do nosso blog fotografias de locais sagrados.

Agradeceremos o envio de fotografias em baixa resolução.

Voltando a Fortaleza compartilho estes dados históricos:

A construção da Catedral Metropolitana de Fortaleza iniciou-se em 1939, e levou quase 40 anos para ser concluída (a inauguração oficial foi em 22 de Dezembro de 1978).
O autor do projeto foi o arquiteto francês George Mounier.

A igreja, construída em estilo gótico-romano, abriga 5.000 pessoas, e é a terceira maior no Brasil.




Conhecer locais sagrados de outras religiões faz parte do Diálogo Inter-religioso, e do respeito pela cultura do próximo.

Espero tenham gostado tanto como eu.

Aguardo as vossas fotografias e uma pequena explicação do local.

Shalom!

Prof. Guershon Kwasniewski

Feliz Ano novo irmãos Budistas!

07 de março de 2011 0

Assim como existe o calendário gregoriano, o calendário chinês, o calendário judaico, desta vez os nossos irmão budistas celebraram o ano novo 2136 no calendário tibetano.

Budistas celebraram ano-novo tibetano em Três Coroas

Três mil pessoas participaram do evento neste domingo no Vale do Paranhana

Letícia Barbieri, Três Coroas, fonte ZH

O Centro de Budismo de Três Coroas, o Chagdud Gonpa Khadro Ling, deu boas-vindas, no último domingo, ao ano-novo tibetano que começou oficialmente na quarta-feira, dia 25, seguindo o calendário tibetano, mas que foi celebrado oficialmente, no alto do topo do morro Águas Brancas, no Vale do Paranhana. 

A fim de purificar eventuais energias negativas somadas no ano que passou, criar um símbolo de proteção contra a negatividade e evocar a compaixão para todos, bailarinos apresentaram um ritual de danças a todos os visitantes. 

O Corpo de Bombeiros da cidade estima que cerca de 3 mil pessoas tenham circulado pelo centro de budismo durante todo o dia. 

A cerimônia que se iniciou às 10h durou cerca de duas horas e encerrou as atividades de nove dias de retiro e oferenda entre os praticantes do budismo, em Três Coroas. 

Desde as 3h30min de domingo todos estavam reunidos para meditação na busca de energia positiva para recepcionar os visitantes na chegada do ano 2136, o ano do Boi na Terra — um dos 12 animais do horóscopo chinês, que para eles significa o trabalho, o esforço e o sucesso.

Inauguração da Maternidade no Hospital Moinhos de Vento

04 de março de 2011 0

Participei com grande alegria da inauguração da nova Maternidade do Hospital Moinnos de Vento.

Cumprimentei o Pasto Ivo Lichtenfeld – na foto a direita -, cumprimentei equipe médica e o pessoal da Diretoria, assim como membros da família Gerdau.

Esta magnífica obra em prol  da vida e dos cuidados de mães e recém nascidos merece todo o nosso reconhecimento.

Fiquei feliz também em saber que com o apoio da família Gerdau o bairro da Restinga – em dos mais pobres de Porto Alegre – vai receber um hospital  para atender a população local com todo o apoio do Hospital Moinhos de Vento.

Estas obras dignificam a qualidade de vida.

Parabéns amigos e obrigado por abrir as portas do Hospital para que este líder religioso possa fazer a visita aos doentes da sua comunidade, assim também visitar os recém nascidos.

Agradeço a fotografia de Camila Cunha.



Livro do papa diz que judeus não têm culpa pela morte de Cristo

03 de março de 2011 0

Bento XVI repudia conceito de culpa coletiva que afasta cristãos e judeus.
Trecho está no 2º volume de ‘Jesus de Nazaré’, que ainda será lançado.

Em um novo livro, o papa Bento XVI exime pessoalmente os judeus das acusações de que foram responsáveis pela morte de Jesus Cristo, repudiando o conceito de culpa coletiva que tem assombrado há séculos as relações entre cristãos e judeus.

O papa faz a complexa avaliação teológica e bíblica numa seção do segundo volume do livro “Jesus de Nazaré”, que será publicado na semana que vem. O Vaticano divulgou trechos breves nesta quarta-feira (2).

O papa Bento XVI acena durante audiência no Vaticano nesta quarta-feira (2)  (Foto: Tony Gentile / Reuters)O papa Bento XVI acena durante audiência no Vaticano nesta quarta-feira (2) (Foto: Tony Gentile / Reuters)

A Igreja Católica Romana oficialmente repudiou a idéia da culpa coletiva judaica pela morte de Cristo em um importante documento produzido pelo Segundo Concílio do Vaticano em 1965.

Acredita-se que seja a primeira vez que um papa tenha feito uma análise tão detalhada e uma comparação entre os vários relatos do Novo Testamento sobre a condenação de Jesus à morte pelo governador romano Pôncio Pilatos.

“Agora precisamos perguntar: quais foram exatamente os acusadores de Jesus?”, questiona o papa, acrescentando que o Evangelho de São João diz apenas que foram “os judeus”.

“Mas o uso dessa expressão por João não indica de forma alguma – como o leitor moderno poderá supor – o povo de Israel em geral, menos ainda tem um caráter ‘racista’”, escreve ele.

“Afinal, o próprio João era etnicamente judeu, assim como Jesus e todos os seus seguidores. A comunidade cristã antiga inteira era formada por judeus”, escreve ele.

Bento XVI diz que a referência era à “aristocracia do Templo”, que queria Jesus condenado à morte porque ele havia se declarado rei dos judeus e violara a lei religiosa judaica.

Ele conclui que o “grupo real de acusadores” foram as autoridades do Templo e não todos os judeus da época.

Elan Steinberg, vice-presidente da Reunião Americana de Sobreviventes do Holocausto e de seus Descendentes, saudou as palavras do papa.

“Esse é um avanço importante. É o repúdio pessoal ao fundamento teológico de séculos de antissemitismo”, disse ele.

Fonte Reuters.