Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de julho 2012

Não perca a II Mostra Cultural do Grupo de Diálogo Inter-religioso de Porto Alegre

27 de julho de 2012 1

ORAÇÃO INTER-RELIGIOSA PARA A PAZ ATRAVÉS DO TCA, TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS

16 de julho de 2012 0

Esta oração será recitada durante a entrega das declarações e da petição geral em favor de um tratado de comércio de armas forte e eficaz ao Secretário Geral da ONU, Ban Ki Moon, no dia 3 de julho no começo das negociações entre os governos da ONU, e será usada em várias ocasiões durante o mês das negociações. O pedido é que seja usada ao redor do mundo também neste tempo, no dia 3 e durante o mês, em cultos, missas, celebrações, encontros, estudos, reuniões para que juntemos nossas vozes clamando a Deus, ao Poder Transformador, que transforme e converte os corações e as mentes dos e das líderes que estão negociando o tratado para que assinem um tratado de fato forte e eficaz que impeça que armas sejam transferidas para países onde há grande risco de serem usadas para graves violações de direitos humanos e da lei humanitária internacional ou para minar o desenvolvimento socioeconômico do país. Enfim, que o tratado possa erradicar ou pelo menos diminuir consideravelmente o comércio irresponsável e o tráfico ilegal de armas convencionais pelo mundo afora.

Ó Deus do céu e da terra!

Nós, de várias crenças religiosas, reunidos e reunidas, estamos felizes em estarmos reunidos no teu nome pela Paz e harmonia da sociedade.

Agradecemos-te por teu lindo mundo.

Tu desejas que vivamos todos e todas em alegria e que façamos este mundo mais feliz através de nosso serviço a outros/as na nossa sociedade e à toda criação.

Infelizmente desenvolvemos inimizade com nossos próximos, com nossos países vizinhos e aumentamos nossas armas em vez da nossa comunhão.

Tem crescido nossa desconfiança um para com o outro e construímos barreiras e muros.

Gastamos mais dinheiro para comprar armas do que para investir em Paz e diálogo.

Como indivíduos e como cidadãos e cidadãs responsáveis dos nossos estados, lamentamos por ter falhado na nossa missão de Paz na terra.

Desejamos e oramos pela conversão das nossas mentes e dos nossos corações e das mentes e dos corações dos nossos líderes para denunciar a corrida armamentista e optar pela Paz.

Como um primeiro passo em direção a isso nossos/as líderes estão reunidos/as para serem transparentes e prestarem contas através de um Tratado de Comércio de Armas.

Portanto juntos, como membros de diferentes crenças, oramos que tu possas inspirar todos/as os/as nossos/as líderes nas Nações Unidas para optarem por um Tratado de Comércio de Armas Robusto e Eficaz.

Fortaleça nosso esforço unido de permanecermos unidos/as pela Justiça, Paz e Bem Estar de toda a criação!

COMÉRCIO INTERNACIONAL DE BANANAS É REGIDO POR TRATADO INTERNACIONAL COMÉRCIO DE ARMAS CONVENCIONAIS NÃO!!

15 de julho de 2012 0

PAÍSES-MEMBROS DA ONU NA TERCEIRA SEMANA DE NEGOCIAÇÕES PARA UM TRATADO INTERNACIONAL DE COMÉRCIO DE ARMAS

A cada minuto, em algum lugar do mundo, morre uma pessoa, vítima de violência armada! Uma grande porcentagem das armas usadas nestes atos é de posse ilegal. Mais de 14 mil pessoas já foram mortas no conflito na Síria, uma grande parte destas civis, mulheres, crianças, em gritante desprezo aos direitos humanos e à Lei Humanitária Internacional. As armas para estas atrocidades provêm, principalmente, da Rússia, que diz que não está agindo ilegalmente. Ela tem razão, pois existem tratados internacionais para regulamentar o comércio de muitos produtos, como das bananas, mas não existe um tratado internacional que proíbe a transferência de armas para países onde acontecem abusos graves dos direitos humanos.

Para regulamentar este mercado que movimenta em torno de US$ 70 bilhões anuais e cujas armas matam ao redor de 750.000 pessoas por ano, é que 193 países membros da ONU estão em negociações por um Tratado de Comércio de Armas. Este acordo deverá proibir transferências para países onde existem grandes riscos de abusos graves da Lei Internacional Humanitária ou da Lei Internacional de Direitos Humanos ou onde o desenvolvimento socioeconômico é colocado em risco por causa do comércio irresponsável de armas.

Chamado de “a mais importante iniciativa na história das Nações Unidas na área de controle de armas convencionais”, o ATT (Arms Trade Treaty (inglês) ou TCA – Tratado de Comércio de Armas) vem sendo discutido na ONU desde 2006, após anos de campanha da sociedade civil que começou nos anos 90, impulsionada por um grupo capitaneado por Oscar Aras, ex-presidente da Costa Rica e prêmio Nobel da Paz de 1987, por critérios mínimos para a transferência de armas, desde pistolas e munições até caças, mísseis e tanques.[1]

O Brasil defende o Tratado, mas está sendo muito tímido na defesa de certos critérios. Enquanto, em outros fóruns, o Brasil dá prioridade para o respeito aos direitos humanos, o controle de armas e a transparência, nas negociações do TCA está aparecendo muito tímido quanto a estas questões. Precisamos que o Brasil insista em incluir todos os tipos de armas, sem exceção, e munições. O Brasil também deve aceitar e dar forças para

incluir mecanismo de transparência que determine que países compartilhem anualmente e publicamente as informações básicas das suas transferências de armas, que na realidade são poucas.[1]

Alegações que um TCA irá infringir nos direitos dos cidadãos em possuir armas legalmente (referente à segunda Emenda da constituição dos Estados Unidos, mas também se aplica aos cidadãos em todos os países) se constituem em demagogia irresponsável. Este Tratado tratará somente das transferências e mediações de armas internacionalmente, não infringirá nas leis nacionais sobre posse de armas. Ninguém, a não ser, talvez, traficantes de armas ilegais e abusadores dos direitos humanos, deveria se opor à existência de padrões internacionais para a regulamentação do comércio global de armas.[2]

Para reforçar a mensagem para nosso governo brasileiro e todos os outros governos que os cidadãos do mundo querem um Tratado robusto, eficaz e humanitário, a ONG SERPAZ, situada nesta cidade, fez várias ações nestes meses que antecederam a estas negociações. Recolhemos, até este momento, 1.747 assinaturas na Petição Global offline da Control Arms – coalizão de várias entidades, como OXFAM e Amnesty International entre muitas outras, e indivíduos mobilizando para este Tratado. Um evento de coleta de assinaturas foi feito em parceria com o CEPROL na Semana de Ação Mundial em Favor da Educação Infantil de Qualidade, no dia 16 de junho na praça da Biblioteca Pública, onde distribuímos bananas e recolhemos assinaturas para conscientizar que existe tratado internacional para o comércio de bananas mas não para armas convencionais. Neste trabalho de coleta de assinaturas também tivemos o apoio do Comitê Leopoldense por um Brasil sem Armas, de estudantes da Faculdades EST e da Igreja de Cristo da IECLB, além de vários outros indivíduos e entidades. Assinaturas ainda podem ser colocadas no link:  www.controlarms.org/petition, até o dia 25 de julho.

Conseguimos o apoio integral dos e das vereadores/as da nossa cidade registrado em assinaturas na Declaração Parlamentar Global e também em uma moção feita no Legislativo, no dia 14 de junho, de Apoio ao Tratado de Comércio de Armas.


No âmbito religioso, cabe ressaltar que o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC) como entidade ecumênica, junto com outras entidades brasileiras de várias religiões e denominações, assinaram a Declaração Inter-religiosa de apoio para um Tratado de Comércio de Armas forte, eficaz e humanitário. A Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), mesmo sendo membro do CONIC, assim, assinou a Declaração Inter-religiosa como entidade denominacional.

Todas estas declarações e a petição assinada até o momento foram entregues ao Secretário Geral da ONU – Ban Ki-Moon, no dia 3 de julho, no início das negociações em Nova Iorque. Ele agradeceu à sociedade civil com as seguintes palavras: “Também quero expressar meu agradecimento especial às muitas organizações da sociedade civil aqui hoje por seu apoio vigoroso por um Tratado de Comércio de Armas. Vocês ajudaram a captar a imaginação e a energia de milhões.”[3]

Que possamos continuar pressionando para os governos assinarem um Tratado de Comércio de Armas forte, eficaz e humanitário.

Por: Marie Ann Wangen Krahn, coordenadora do SERPAZ, profª na Faculdades EST e representante da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB) na Campanha Ecumênica do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) pelo Tratado de Comércio de Armas.

E-mail: mariekrahn@gmail.com



[1] Brasil adota visão comercial-militar sobre venda de armas – Estadão.com.br http://www.estadao.com.br/noticia_imp.php?req=impresso,brasil-adota

[2] ACA Issue Brief Masthead, Volume 3, Issue 11, July 11, 2012 – The Global Arms Trade Treaty and Why the NRA’s Misleading Rhetoric Misses the Mark by Daryl G. Kimball and Wyatt Hoffmann. (trad. Marie A. W. Krahn)

[3] Extraído da declaração acessado no site: http://www.un.org/sg/statements/index.asp?nid=6169 no dia 8 de julho, 2012.



Operação Deus Tá Vendo prende cinco pastores evangélicos

12 de julho de 2012 1

A Delegacia de Polícia de Veranópolis, no Rio Grande do Sul, deflagrou na quarta-feira a Operação Deus Tá Vendo, em três Estados. De acordo com informações da Polícia Civil do RS, a ação prendeu cinco pastores evangélicos ligados a Assembleia de Deus em Itajaí (SC), Ponta Grossa (PR) e São Gonçalo (RJ), por fraude em venda de veículos.

Segundo o delegado Alvaro Luiz Pacheco Becker, da 2ª DP de Bento Gonçalves (RS), os presos atuavam em associação criminosa, vendendo os veículos por preços abaixo do valor de mercado. Eles alegavam que a Igreja havia recebido os automóveis por meio de uma doação da Receita Federal, por isso poderiam vendê-los por preços menores.O valor aproximado do golpe gira em torno de R$ 1,2 milhão, tendo mais de 40 vítimas só na cidade de Veranópolis.

ABORDAGEM DE CRENÇAS E VALORES

05 de julho de 2012 2

Na tarde de 03 de julho de 2012, estivemos presente ao Encontro Aberto às comunidades que o Hospital de Clínicas de Porto Alegre, através de LUCIANA DEZORZI, enviou aos componentes do DIRPOA. A Capacitação sobre Abordagem de Crenças e Valores Espirituais aconteceu no Anfiteatro Carlos Cesar de Albuquerque, no HCPA, Rua Ramiro Barcellos 2350. Apesar de morar há muito tempo nesta cidade, pela primeira vez entramos no Hospital de Clínicas. Subindo os degraus da escada que leva ao 1º andar onde se encontra o Anfiteatro, vimos um mundo se descortinando a nossos olhos. É uma imensa quantidade de pessoas que circulam por todos os lados, em silêncio, com destinações quase programadas. O Anfiteatro foi aos poucos sendo preenchido por profissionais da saúde, que traziam junto à seriedade e no branco de seus uniformes, a alegria do sorriso do novo e da construção. Desde antes de 2006 LUCIANA DEZORZI, que abriu o evento, e MARCIA WEISHEIMER que continuou a explanação, como operadoras da saúde, sentiram necessidade de conjugar a espiritualidade ao cuidado físico. Estes desejos agregaram outras pessoas, colegas e chefes, em trabalho voluntário, que pensaram e vivenciaram o conceito de espiritualidade e religião, partindo de suas visões sobre espírito = sopro, e espiritualidade a habilidade de mover o sopro, religando ao sagrado, instrumentalizando com fé e crença, a influenciação sobre a comunidade médica, paramédica, e pacientes. Criou-se, então, o NEISE, Núcleo de Estudos Interdisciplinares de Saúde e Espiritualidade, que vê o sentido maior não da doença, mas do doente, como um mundo que deve ser ouvido, descoberto e respeitado.  Na ocasião assistimos a um vídeo do GWISH(George Washington Institute of Healtf and Spirituality), com a apresentação da Dra. Christina Puchalski, MD, ensinando aos cuidadores a maneira de abordagem de crenças e valores, não como imposição, mas com o intuito de tratar o paciente com mais do que tolerância, com compaixão. Esta visão atual de espiritualidade e crença encontrada em um nosocômio nos deixou simplesmente maravilhada. O Hospital de Clínicas de Porto Alegre, através de seus cuidadores, médicos, enfermeiros, auxiliares, só nos merecem os maiores aplausos. A visão das pessoas como pessoas humanas, sendo vistos cristãos, católicos, espíritas, umbandistas, evangélicos, budistas, anglicanos, israelitas, muçulmanos, como pessoas humanas, a serem tratadas com humanidade na extensão da palavra, sentindo e buscando estes cuidadores o profundo de cada um, faz que nossas almas sintam que vale a pena viver, vale a pena chegar a um momento em que nos afastamos da imposição de culto, de crença ou de ideologia, e com liberdade buscamos nos irmanar na espiritualidade. A capacitação a que assistimos só merece os nossos parabéns, parabéns à iniciativa, ao desenvolvimento, e ao tornar realidade o anseio de todas as pessoas de aceitação, inclusão, compreensão e afeto, que todos os seres humanos merecem, pela simples razão de serem seres humanos.

Cristina Canovas de Moura

Novo encontro

04 de julho de 2012 0

O DIRPOA- Grupo de Diálogo Inter –Religioso de Porto Alegre, foi convidado e participará pela segunda vez, no próximo sábado dia 07 de julho, de uma reunião com a Associação dos Professores do Ensino Religiosos do Rio Grande do Sul.

O tema abordado pelos professores da Associação é relacionado à questão de como garantir efetivamente o ensino religioso para os alunos das escolas gaúchas .

O Ministério Público se fará  presente através do Centro de Apoio Operacional da Infância e do Centro de Apoio Operacional de Direitos Humanos.

Convite aberto à comunidades

02 de julho de 2012 0


A Enfermeira Luciana Dezorzi, informa  que Hospital de Clínicas de Porto Alegre está elaborando um cadastro com o objetivo de atender as solicitações de assintência espiritual/religiosa de pacientes e suas famílias.
No dia  03/07/12, das 14:00 às 16:00, no anfiteatro Carlos Albuquerque,do HCPA o Núcleo de Estudos Interdisciplinares de Saúde e Espiritualidade  (NEISE)fará seu encontro de estudo.
Neste dia o tema será “Abordagem de Crenças e Valores Espirituais”.
Será apresentado também um vídeo do trabalho do GWISH (George Washington Institute of Health and Spirituality) e a divulgação do cadastro das instituições religiosas que já estão parceiras no atendimento espiritual /religioso aos pacientes e suas famílias.
Os profissionais de saúde compartilharão suas experiências a cerca do tema. Este é um convite a todos que quiserem compartilhar  este espaço de diálogo e estudo.