Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Breve Histórico do Grupo

BREVE HISTÓRICO DO GRUPO DE DIÁLOGO INTER-RELIGIOSO DE PORTO ALEGRE

Porto Alegre-RS, 1994, mês de julho: Ahmad Ali, Diretor do Centro Cultural Islâmico do Rio Grande do Sul, preocupado com os conflitos religiosos em várias partes do planeta, faz um primeiro contato com a Igreja Católica, representada pelo Padre Roberto Paz, a fim de discutir esse tema preocupante e que de certa forma poderia atingir comunidades mais próximas.

Porto Alegre-RS, 1995: com o apoio do Padre Roberto Paz, pároco da Igreja Nossa Senhora da Paz e presidente da Comissão de Ecumenismo da Arquidiocese de Porto Alegre o tema avança já com a adesão do representante do judaísmo, Rabino Mendel Liberow. Forma-se então a primeira célula para diálogo, composta pelos representantes locais do islamismo, cristianismo e judaísmo.

Porto Alegre-RS, 1996: Acontece o primeiro encontro para o Diálogo Inter-religioso, na Praça XV de Novembro, número 21, sala 201.

O encontro durou dois dias e teve como tema central: “AS RELIGIÕES E OS DESAFIOS NO TERCEIRO MILÊNIO”.

Os conflitos religiosos que aconteciam em muitas partes do mundo, especialmente na África, motivaram a abordagem dos assuntos tratados.

Esse pequeno grupo colocou como objetivo construir um caminho para a paz e para o entendimento, buscando soluções pacíficas e dando o exemplo a partir de Porto Alegre.

Os temas, para debate nesse encontro foram:
1- Relação entre Islamismo, Cristianismo e Judaísmo.
2- Como enfrentar os conflitos religiosos
3- Como viver pacificamente entre as três religiões.
4- Como evitar a perseguição religiosa das minorias.
5- Como criar fórum religioso para evitar conflitos.
6- Como cobrar e atuar sobre os governos que criam situações que incentivam os conflitos religiosos.
7- Quais os meios disponíveis para iniciar implantação da resolução da nossa conferência.
8- Com a criação do Mercosul, como iniciar o nosso trabalho religioso.
9- A posição sócio-religiosa quanto ao surgimento de novas manifestações racistas.

A comunidade judaica desta vez através da SIBRA, dá seguimento à proposta de diálogo inter-religioso, juntamente com o representante islâmico e o representante católico.

Junta-se mais adiante o Conselho da Umbanda e dos Cultos Afro Brasileiros, representado por seu conselheiro maior Babalorixá Adalberto Pernambuco, pessoa inteligente, possuidora de grande e extensa cultura geral e religiosa. Sempre que promovia eventos e seminários de sua religiosidade, incluía na programação um espaço para a participação do Grupo de Diálogo Inter-religioso.

Esses quatro personagens dos primórdios do grupo, que crescia aos poucos, deram a sustentação necessária par que outros representantes fossem agregando-se.

Cada um que ingressava, vinha por acreditar na possibilidade de manter-se em diálogo com os diferentes, respeitando as diferenças de cada religião, de cada credo.

Dessa forma, juntaram-se aos representantes do islamismo, do catolicismo, do judaísmo e da Umbanda e Cultos Afro-Brasileiros, a Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, a Federação Espírita do Rio Grande do Sul, o Budismo Zen, a Fé Bahái e o Budismo Tibetano.

Os primeiros representantes se reúnem, a partir de setembro de 1999, na Associação Cristã de Moços do Rio Grande do Sul, que simpatizando com a proposta ofereceu espaço para as reuniões–almoço que passaram a acontecer mensalmente.

No ano seguinte, em 2000, o DIRPOA, já com a maioria dos componentes, redige a Carta de Princípios, traduzida para o espanhol e para o inglês, carta essa que já foi distribuída em várias partes do mundo e repartida com participantes de congressos, em encontros internacionais ou acontecidos em Porto Alegre e em outras partes do Brasil.

O DIRPOA tem sido requisitado para muitas atividades e cerimônias. Escolas e Universidades o convidam para discorrer sobre o tema da diversidade religiosa e a importância de tal entendimento em função do respeito pelos diferentes.

Tornou-se tradição em Porto Alegre realizar uma Benção Inter-Religiosa conduzida pelo DIRPOA em homenagem às mães. Essa benção acontece anualmente, desde 2005, na Catedral Metropolitana, promovida pelo município, hoje fazendo parte do calendário de eventos da cidade.

Também se deve ao Grupo a inauguração do Espaço Inter-Religioso criado pela INFRAERO no Aeroporto Internacional Salgado Filho e do espaço Inter-religioso existente no Barra Shopping Sul.

Muitos convites são feitos ao Grupo para que se manifeste em programas de televisão e rádio, opinando sobre vários temas de interesse da comunidade, na visão de cada representação religiosa.

O Blog das Religiões, espaço oferecido pela Zero Hora, é mantido pelo DIRPOA, recebendo muitos acessos, opiniões e troca de experiências.

Também o evento “Construtores da Paz”, promovido anualmente para alunos de escolas particulares e públicas conta tradicionalmente com a participação do Grupo de Diálogo Inter-religioso de Porto Alegre, que é convidado para realizar a Benção de abertura da cerimônia.

Eventos promovidos pela Câmara de Vereadores de Porto Alegre, especialmente relacionados à preservação do meio ambiente sempre contaram com a participação do DIRPOA para promover a benção comemorativa.

O Grupo também repudia agressões e injustiças manifestando-se contra o atentado sofrido por um jovem judeu no Bairro Cidade Baixa em Porto Alegre, contra o atentado da AMIA em Buenos Aires e contra a violência no esporte, especialmente no futebol.

O repudio à intolerância e a defesa da liberdade religiosa demonstram a maturidade do Grupo, bem como a isenção de suas ações.

Da forma como existe, reunindo-se sistematicamente, colaborando para a promoção do entendimento e da paz entre os diferentes e atendendo as demandas da comunidade, é considerado um Grupo inédito, ainda sem precedentes não só no Brasil mas no exterior.

Em 25 de Janeiro de 2008 por proposta do Vereador Eloy Guimarães o Grupo é reconhecido pela Lei Municipal nº. 10.372, assinada pelo então Prefeito José Fogaça.

Hoje, respeitado por suas intenções, fiel à Carta de Princípios que o norteia, aguarda novos integrantes e é considerado patrimônio espiritual de Porto Alegre.

- Alfa Scavone Buono

. Ler Também: A Mística da Origem do DIRPOA