Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts com a tag "Série B"

Tigre empata com o Paraná no Couto Pereira mas continua líder da Série B

20 de outubro de 2012 38

Crédito: Antônio Rosa / Agência Gazeta do Povo

O Criciúma empatou com o Paraná no Couto Pereira, em Curitiba, na tarde deste sábado, mas continua na liderança da Série B do Campeonato Brasileiro.

Primeiro tempo

O primeiro tempo de jogo entre Paraná e Criciúma no Couto Pereira na tarde deste sábado foi de muita dificuldade para o Tigre. A equipe da casa, empurrada por uma torcida que cantou o tempo inteiro para apoiar o time, não deixou muito espaço para o líder da Série B jogar. A equipe do Criciúma, entretanto, não recuou em nenhum momento.

Os primeiros momentos do primeiro tempo foram “lá e cá”, com contra-ataques dos dois lados do campo. O Paraná apresentou maior posse de bola, mas o Criciúma teve melhor toque de bola e tinha a seu favor o ataque mais eficiente da competição. Aos sete minutos de jogo, Giovanni Augusto chega com perigo na meta adversária, mas não consegue converter. Com 15 minutos, o meia realiza uma bela cobrança de falta que é defendida pelo goleiro Luís Carlos.

O primeiro gol do jogo saiu em um vacilo do Tigre: de cabeça, o zagueiro Anderson coloca a bola para dentro do gol do Criciúma e abre o placar da partida. A partir daí o Criciúma ficou mais zeloso na criação das jogadas e menos afoito nas finalizações — mas não se fechou para o jogo. Esta postura não tardou a surtir efeito. Com 32 minutos de jogo, o goleiro Luís Carlos erra a saída de bola e a zaga entrega a bola para o meia Kléber, que dribla um zagueiro e toca para Zé Carlos, que esperava sozinho. Gol do Criciúma, que empata a partida com o artilheiro da competição.

O restante da primeira etapa foi de muita disputa de bola dos dois lados. Duas equipes com vontade de jogar fizeram um primeiro tempo de bom futebol no Couto Pereira. Ao Tigre, faltou maior precisão nas finalizações. Ao Paraná, uma melhor marcação das jogadas no meio-campo e no lado direito, aonde o Criciúma soube explorar a ausência do Paraná.

Segundo tempo

O vestiário não fez bem às duas equipes, que voltaram mais nervosas para o jogo. Durante a segunda etapa, alterações foram feitas nas duas equipes. Do lado do Criciúma, duas alterações: Diego Oliveira no lugar do meia Giovanni Augusto e Rodrigo Tiuí no lugar do atacante Gilmar. Do lado do Paraná, Douglas Packer no lugar de Vandinho, Geraldo, no lugar de Luizinho e Wendell no lugar de Arthur.

Com disputas de bola ainda mais truncadas diante da partida disputada no primeiro tempo, as duas equipes conseguiram levar perigo à meta adversária. O Paraná, tentando fugir do rebaixamento, conseguiu lances de perigo, mas não o suficiente para virar a partida e levar os três pontos. Já o Criciúma, teve lances perigosos com Kleber e Zé Carlos, mas também não o suficiente para marcar. No último minuto, Lúcio Flávio quase marca para a equipe da casa, mas a bola, de cobrança de falta, passa por cima do gol de Michel Alves.

Com este empate, o Criciúma ainda não carimba matematicamente o passaporte para a Série A do Brasileiro em 2013, mas se mantém no topo da tabela da Série B. O próximo confronto do Tigre será em casa contra o Grêmio Barueri na próxima terça-feira.

Ficha Técnica

PARANÁ CLUBE (1)

Luís Carlos; Angelo, Anderson, Alex Alves, Wendell Borges; Vandinho (Douglas Packer), Ricardo Conceição, Lúcio Flávio, Fernandinho; Luizinho (Geraldo), Arthur (Wendell)
Técnico: Toninho Cecílio

CRICIÚMA (1)

Michel Alves; Éric, Ozeia, Matheus Ferraz, Marlon; Fransérgio, França, Kléber, Giovanni Augusto (Diego Oliveira); Gilmar (Rodrigo Tiuí), Zé Carlos
Técnico: Paulo Comelli

Gols: Anderson (PAR) Zé Carlos (CRI),
Amarelos:  Zé Carlos, Eric (CRI),  Fernandinho (PAR)

Zé Gol quer ser o "Zé do Brasil" e espera alcançar concorrentes neste sábado, contra o Paraná

20 de outubro de 2012 2

Marcelo Becker
marcelo.becker@diario.com.br

José Carlos Ferreira da Silva, o Zé Carlos “matador” do Criciúma na Série B, o Zé Gol, tem chances de chegar ao final da temporada como principal artilheiro do ano no Brasil. Com 37 gols marcados na atual temporada, o goleador do Criciúma espera neste sábado, na partida contra o Paraná, alcançar, ou quem sabe superar, os concorrentes Neto Baiano (ex-Vitória), Lúcio Maranhão (ASA) e Neymar (Santos), todos com 38 gols.

Pelo menos nesta Série B o camisa 9 do Tigre tem um diferencial em relação aos demais postulantes: dos 23 gols marcados nenhum foi de pênalti ou de falta. Zé Carlos balançou as redes adversárias sempre com a bola rolando, de cabeça, em chute de pé direito, esquerdo, na pequena e grande área e também de fora dela.

Outra curiosidade é que dos 37 gols anotados em 2012 dois não foram comemorados e por “razões sentimentais”. Zé Carlos balançou a rede do CRB no primeiro turno em Criciúma e no returno em Alagoas, mas como havia prometido iria ficar, e ficou, sem fazer festa se levasse a melhor contra o clube que torce desde criança.

Ser o número 1 do Brasil em número de gols não chega ser uma das prioridades do principal jogador do Tigre. Sempre quando questionado sobre a “disputa” com Neto Baiano, Lúcio Maranhão e Gilmar ele reafirma que o mais importante é fazer o Criciúma chegar a Série A.

- Quero apenas ajudar meus companheiros para subirmos para a Série A. Ser o principal artilheiro é um grande prêmio, mas o Criciúma está em primeiro lugar – afirma.

Com o gol de terça-feira sobre o ABC, Zé Carlos também chegou a marca de 50 gols com a camisa do Tigre e agora está em oitavo lugar na lista dos principais artilheiros do clube. Em sétimo lugar está Jairo Lenzi, com 51 gols. Vanderlei Mior, com 84 gols marcados entre 1985 e 1992, é o número 1 do Criciúma.

OS ARTILHEIROS DO TIGRE

1º – Vanderlei Mior – 81 gols (1985 a 1992) 2º – Soares – 78 gols (1989 a 1994) 3º – Jorge Veras – 64 gols (1984 a 1987 e 1989) 4º – Edmílson – 60 gols (1983 a 1988) 5º – Laerte – 54 gols (1978 a 1981) 6º – Luiz Carlos Oliveira – 53 gols (1995 a 1996 e 1998) 7º – Jairo Lenzi – 51 gols (1990 a 1994) 8º – Zé Carlos – 50 gols (desde 2011) 9º – Everaldo – 49 gols (1990, 1992 a 1994, 1996) 10º – Dejair – 48 gols (2002 a 2003, 2006)

Fonte: historiador Celso Bazzi

FICHA TÉCNICA

PARANÁ CLUBE

Luís Carlos; Angelo, Anderson, Alex Alves, Wendell Borges; Vandinho, Ricardo Conceição, Lúcio Flávio, Fernandinho; Luizinho, Arthur
Técnico: Toninho Cecílio

CRICIÚMA

Michel Alves; Éric, Ozeia, Matheus Ferraz, Marlon; Fransérgio, França, Kléber, Giovanni Augusto; Gilmar, Zé Carlos
Técnico: Paulo Comelli

Arbitragem: Francisco Carlos do Nascimento, auxiliado por Carlos Henrique Selbach e Maurício Silva Penna
Início: 16h
O jogo no ar: a RBS TV transmite ao vivo para todo o Estado
Local: Estádio Couto Pereira, em Curitiba

Lucca fará cirurgia e fica pelo menos seis meses afastado

19 de outubro de 2012 33

O Criciúma ficará sem o atacante Lucca para o restante da temporada e o possível acesso à Série A. A lesão do joelho esquerdo do atleta foi confirmada ao DC por Valdecir Rampinelli, diretor de futebol do Tigre, que estava em Curitiba com o atleta.

Segundo Rampinelli, o jogador vai fazer uma cirurgia no ligamento cruzado do joelho esquerdo e por conta disto deve ficar pelo menos seis meses longe dos gramados.

O Criciúma deve detalhar a informação ainda na tarde desta sexta-feira.

Zé Carlos pode bater recorde de gols em uma única edição da Série B

18 de outubro de 2012 20

Zé Carlos e Lucca os dois destaques do Criciúma na Série B. Foto: Maurício Vieira

Zé Carlos chegou ao Criciúma em 2011, no meio da Série B. Em pouco tempo o atacante mostrou qualidade e no Heriberto Hülse recuperou a motivação para fazer gols, seu ponto forte. Após um Catarinense fraco de toda a equipe Tricolor, com mudanças de técnicos e gerentes de futebol, a Série B mostrou o time consistente e preparado para brigar pelo acesso. Os destaques do elenco são Lucca, revelação, e Zé Carlos, artilheiro.

A fase de Zé Gol é tão boa que o artilheiro está prestes a bater um recorde histórico na Série B. Com 23 gols, se o atacante do Tigre marcar mais três ele se torna o maior artilheiro em uma única edição da segunda divisão.

Maiores artilheiros da história da Série B são Uéslei, ídolo do Bahia no final da década de 1990 e Alessandro, atacante que se destacou no Ipatinga. Uéslei foi artilheiro da competição em 1999, marcando 25 gols. Já Alessandro repetiu o mesmo feito da Série B de 2007, ao marcar os mesmos 25 gols.

A sina de matador de Zé Carlos não é de hoje. Quando o atacante jogava na Coréia do Sul, no Jeonbuk Hyundai Motors, ele já tinha essa qualidade. O meia-armador Botti, atualmente no Figueirense, jogou com Zé na Ásia e lembrar na qualidade do centroavante.

— Ele é muito bom. Eu lembro que teve uma época que ele estava um pouco acima do peso, mas marcava gols em todos os jogos, era incrível — lembrou Botti, em uma entrevista para o Diário Catarinense em 29 de julho.

Botti e Zé Carlos no Jeonbuk Hyundai Motors, na Coréia. Foto: Arquivo Pessoal/Botti

O que pode dificultar o atacante do Criciúma a bater esse recorde é a forte marcação. As equipes adversárias estão de olho em Zé Carlos e com isso existe uma atenção redobrada em cima do artilheiro. Porém, mesmo com toda a marcação em campo, a bola sempre procura Zé Carlos. Um bom exemplo foi o gol contra o ABC, após um jogada do próprio artilheiro, ele tocou para Gilmar que chutou cruzado, o goleiro do ABC defendeu e no rebote ela sobrou para Zé Carlos empurrar para o fundo das redes.

— Ele está sendo marcado, é normal. Ele tem um outro problema que ele esteve machucado e ainda está recuperando a melhor forma física. As vezes você volta e não tem o mesmo ritmo. E o Zé é assim, se não está muito bem fisicamente é difícil jogar bem, no entanto continua marcando gols — explicou o técnico Paulo Comelli sobre a atuação de Zé Carlos contra o ABC.

Crédito: Arte sobre foto de Maurício Vieira

Comelli valoriza vitória sobre o ABC, mas alerta para o desgaste físico da equipe

17 de outubro de 2012 2

Com a Série B entrando na reta final, o técnico Paulo Comelli começa a ter uma outra preocupação além dos adversários dentro de campo: o desgaste físico. O treinador do Criciúma explicou que a logística de deslocamento do time é um pouco mais difícil e que isso acaba dificultando na recuperação dos atletas. Na vitória da última terça-feira sobre o ABC, Comelli ressaltou que foi um jogo muito difícil, até pela rodada passada, disputada em Varginha, no interior de Minas Gerais. Apesar das diversidades, segundo o comandante, o Tigre saiu merecedor do resultado.

- É uma preocupação. São viagens desgastantes, nossa logística é muito difícil, todos os jogos temos que ir para Florianópolis. Foi um jogo difícil, como a gente imaginava, pensava. Eu tinha uma preocupação grande com o desgaste físico. Jogamos no sábado à tarde. O ABC jogou na sexta, teve mais tempo de recuperação. Depois a viagem para Varginha, ida e volta, tudo muito desgastante – disse.

Segundo Comelli, o Tigre não fez uma grande apresentação no Estádio Heriberto Hülse, principalmente na segunda etapa do confronto.

- O ABC é um time que está na zona de rebaixamento, que fez outros dois jogos apertados. Não foi um jogo brilhante no segundo tempo, mas o importante foi a vitória. A equipe errou muito, querendo fazer jogadas, mas não conseguia. O Fransérgio fez uma grande partida, talvez a melhor dele. Ele estava inteiro, não jogou o último jogo, não viajou, foi muito bem, mas o importante foi vencer.

Sobre o Paraná, adversário da próxima rodada, sábado, 16h, em Curitiba, Comelli espera mais um confronto complicado. O treinador ainda espera os resultados dos exames de Lucca e França, que saíram lesionados no jogo contra o ABC, para saber se contará com os dois atletas.

- Temos o Paraná pela frente e dois jogadores por contusão. É uma preocupação. Temos o França, esperando a avaliação, e a preocupação maior pelo Lucca. Vamos torcer para não ser nada muito grave para termos os jogadores para as próximas partidas.

O técnico encerrou a entrevista coletiva, falando do diferencial da equipe do Tigre, pela campanha que tem feito até o momento na Série B do Brasileiro. Para Comelli, a condição de trabalho oferecida ao grupo e a comissão técnica, serve para estimular ainda mais.

- É uma equipe que não tem uma estrela, é homogênea, todos procuram dar o máximo, a união desse grupo, o trabalho, aceitação do comando técnico, compromisso com a entidade Criciúma, todos gostam daqui. Trabalho forte da diretoria também, o presidente que também dá uma contribuição importante, que paga em dia. Essa condição de trabalho é importante. Com esse comprometimento, vamos conseguir nosso objetivo.

Criciúma recebe o ABC às 21h50min, no Heriberto Hülse

16 de outubro de 2012 9

Marcelo Becker
marcelo.becker@diario.com.br

Falta bem pouco para o Criciúma chegar ao topo da montanha onde está o acesso ao Campeonato Brasileiro da Série A. Hoje, contra o ABC, às 21h50min no Estádio Heriberto Hülse, o Tigre pode subir mais alguns metros nessa escalada e colocar um dos pés no valorizado terreno da Elite do futebol nacional.

Com 98% de chances de chegar a Série A, o Criciúma vai para mais uma batalha com tudo que é de mais positivo ou otimista. O time está completo, joga em casa e terá o apoio de uma fanática torcida que já se dá ao luxo de comemorar, ainda que de maneira discreta, o acesso.

O técnico Paulo Comelli prefere não abusar dos bons ventos e afirma que, por enquanto, nada está ganho.

- O futebol tem muitas surpresas, vamos pensar jogo a jogo – afirma.

Para o torcedor, no entanto, tudo é festa. Gente como o pequeno Vinícius Baggio Costa, de cinco anos, já está no espírito da Série A.

- Vamos ganhar mais uma – garante o torcedor-mirim, fazendo com as mãos o formato da letra que representa a série mais cobiçada do futebol brasileiro.

CRICIÚMA NAS ALTURAS E CHEIO DE SEGURANÇA NA ESCALADA

Time completo – o zagueiro Matheus Ferraz e o volante Fransérgio cumpriram suspensão automática na última rodada e estão de volta. O Tigre vai com força total para cima do ABC

Estádio lotado – a liderança, a sequência de cinco vitórias seguidas e a promoção de ingressos para sócios formam um cenário que prevê o Heriberto Hulse lotado hoje.

Tabela generosa – depois do compromisso de hoje o Criciúma ainda tem oito jogos pela frente. E entre os adversários está o praticamente rebaixado Barueri, em partida no Heriberto Hulse.

Artilheiro em estado de graça – no treinamento de ontem o artilheiro Zé Carlos era o retrato do momento tranqüilo vivido pelo Criciúma. O atacante brincou com os companheiros, imitou personagens de histórias engraçadas e deu uma de “samurai” ao cobrir o rosto com uma camisa de treino.

FICHA TÉCNICA

CRICIÚMA

Michel Alves, Eric, Matheus Ferraz, Ozeia, Marlon, Fransérgio, França, Kleber, Giovanni Augusto, Lucca, Zé Carlos
Técnico: Paulo Comelli

ABC

Andrey, Pedro Silva, Ivan, Alison, Renatinho Potiguar, Guto, Bileu, Jérson, Raul, Adriano Pardal, Washington
Técnico: Ademir Fonseca

Arbitragem: Wagner dos Santos Rosa, auxiliado por Pablo Almeida da Costa e Marcos Vinícius Gomes
Início: 21h50min
Local: Estádio Heriberto Hulse, em Criciúma

Criciúma goleia o Boa Esporte e assume a liderança da Série B

13 de outubro de 2012 16

Marlon comemora o primeiro gol do Tigre. Foto: Pakito Varginha/Futura Press

O Criciúma está a seis pontos da Série A. O Tigre venceu na tarde deste sábado o Boa Esporte, em Varginha (MG), por 4 a 0, com gols de Marlon, Giovanni Augusto, França e Eric. Além de ficar mais próximo do acesso, o Criciúma também assumiu a liderança do campeonato, já que o Vitória perdeu para o Paraná por 3 a 1.

Apesar der ser o favorito, o Tigre foi muito pressionado no primeiro tempo. Resultado dos espaços que a equipe catarinense deixava no campo de defesa. Paulo Comelli não quis saber de defender e fora de casa foi para cima da equipe mineira. Assim, o time de Varginha (MG) teve espaço para contra-atacar. Porém, as finalizações do Boa Esporte não tinham a qualidade necessária para vencer o goleiro Michel Alves.

A pressão do Boa começou aos cinco minutos, com Vanger que aproveitou uma bola que passou pela zaga do Tigre e sobrou para o atacante, caído no chão ele tentou chutar, mas Michel Alves foi mais rápido e ficou com a bola. Logo em seguida, foi a vez do centroavante Marcelo Macedo tentar. Após o cruzamento de Olívio desviar na zaga, Marcelo tentou de cabeça, mas a bola parou nas mãos do goleiro.

O Tigre tentava atacar, mas o esquema com três zagueiros montado por Sidney Morais não deixava Zé Carlos e Lucca invadir a área adversária. A defesa que era o maior mérito do Boa Esporte no jogo foi a responsável pelo primeiro gol do Criciúma. Aos 37 minutos do primeiro tempo,  Marlon cobrou a falta levantando a bola na área, e Olívio tenteou tirar a bola de cabeça, mas acabou marcando o gol. Apesar do jogador do Boa ter desviado a bola para o gol, o árbitro Wagner Reway deu a autoria do para o lateral-esquerdo do Tigre.

A segunda etapa prometia ser mais fácil para o Tigre, e realmente foi. Logo no início, aos sete minutos, Giovanni Augusto ampliou marcando de falta. Aos 11 minutos, Zé Carlos driblou dentro da área e chutou de direita o goleiro espalma para  a linha de fundo. Na cobrança de escanteio, França desviou de cabeça a bola bateu na defesa e no rebote o volante do Tigre colocou para dentro marcando o terceiro gol do Tigre.

A partida que já estava fácil, ficou ainda mais tranquila para o Criciúma. Neste momento o Vitória já estava perdendo para o  Paraná, assumindo a liderança o Tigre não corria perigo em campo. De sangue doce, aos 39 minutos Éric recebeu na direita e entrou na área e, na cara do goleiro, soltou a bomba de perna direita. Assim, o Tigre terminou o sábado perfeito, goleada e liderança.

Ficha técnica

Boa Esporte

Wilson; Toninho, Neylor e Neilson; Robert (Siloé), Everton (Petros), Olívio, Radamés e Francismar; Marcelo Macedo (Fernando Karanga) e Vanger

Técnico: Sidney Morais

Criciúma

Michel Alves; Éric, Ozéia, Nirley, Marlos; Diego Oliveira, França (Dalton), Kléber, Giovanni Augusto (Rodrigo Possebon); Lucca e Zé Carlos (Douglas)

Técnico: Paulo Comelli

Gols: Marlon, aos 37 minutos do 1º tempo, Giovanni Augusto, aos 7 minutos do 2º tempo, França, aos 12 minutos do 2º tempo, e Éric, aos 39 minutos do 2º tempo
Amarelos: Toninho (B) e Fernando Karanga (B)
Arbitragem: Wagner Reway, auxiliado por Luiz Claudio Regazone e Pedro Santos de Araújo
Local: Estádio Dilzon Melo, em Varginha (MG)

Válber sente dores e desfalca o Tigre contra o Boa

12 de outubro de 2012 3

Marcelo Becker
marcelo.becker@diario.com.br

O Criciúma enfrenta o Boa Esporte neste sábado, em Varginha (MG), sem Válber. O meia sentiu dores na coxa esquerda e foi vetado pelo Departamento Médico. Giovanni Augusto deve ser o substituto.

Com isso o Tigre enfrenta os mineiros na busca pela liderança da Série B sem três titulares. Matheus e Fransérgio, suspensos pelo terceiro cartão amarelo, dão lugar a Nirley e Diego Oliveira, respectivamente.

Enquanto a comissão técnica e jogadores viajavam para Minas Gerais, a direção e departamento de marketing do Tigre planejavam uma promoção de ingressos para a partida de terça-feira, contra o ABC, às 21h50min. Os sócios com as mensalidades em dia poderão comprar um pacote de dois ingressos ao valor de R$ 50.

Diretoria do Tigre lança promoção de ingressos para jogo contra o ABC

11 de outubro de 2012 1

O Criciúma conta com uma nova promoção para atrair os torcedores ao Heriberto Hülse. Para o jogo de terça-feira, às 21h50min, contra o ABC, os sócios em dia poderão comprar um pacote de dois ingressos por R$ 50. As entradas podem ser adquiridas na secretaria do estádio.

Na promoção, não é possível comprar apenas um ingresso. O associado pode adquirir quantos pacotes quiser. Os bilhetes já estão à venda.

Com gol de Zé Carlos no fim do jogo, Criciúma vence o Ceará e assume a liderança

06 de outubro de 2012 25

Foto: Maurício Vieira

Quem foi embora mais cedo do Heriberto Hülse na noite desta sexta-feira perdeu o fim de jogo emocionante. Zé Carlos não deixou o Tigre empatar a partida e no fim do jogo, faltando 22 segundos, marcou o gol da vitória do Criciúma.

Agora dentro de casa o Tigre já disputou 14 partidas e venceu 13, perdendo apenas uma partida. Assim, o Criciúma é o líder provisória da Série B.

• Galeria de imagens da vitória do Criciúma em cima do Ceará

PRIMEIRO TEMPO

A primeira etapa da partida no Heriberto Hülse foi marcada pela tensão e discussões. A quantidade elevada de faltas impediram um jogo bonito. O tempo de bola rolando no primeiro tempo foi de apenas 46%. Apesar disso, o Tigre teve chances de abrir o placar. Foi assim logo no início da partida, aos 10 minutos, o zagueiro Ozéia cabeceou uma bola com perigo e deu trabalho ao goleiro Dionantan.

A pressão continuou e aos 17 minutos o zagueiro Daniel Marques derrubou Zé Carlos perto da grande área. O lance gerou muita reclamação da torcida, já que o atleta do Ceará já tinha cartão amarelo. O técnico PC Gusmão agiu rápido e substituiu o jogador, colocando Thiego no lugar de Daniel.

A melhor chance do time da casa foi aos 19 minutos quando Zé Carlos recebeu boa bola de Giovanni Augusto e ao invés de tocar, o artilheiro da Série B chutou rasteiro de longe, a bola explodiu no do pé da trave.

O clima do estádio era contra o árbitro Sandro Meira Ricci, e ficou pior quando ele expulsou o trinador Paulo Comelli. Irritado, o comandante do Tigre deixou o gramado carregado pelo atacante Gilmar, que estava no banco de reservas. Na descida para o vestiário ainda esbravejou:

— É uma palhaçada isso.

A expulsão do comandante parece que deixou o time do Criciúma confusa em campo. A partida ficou mais pegada e o número de faltas aumentaram. Abrindo chance para a única chance do Ceará na primeira etapa, com o experiente Magno Alves, que recebeu a bola dentro da área girou e chutou para fora.

SEGUNDO TEMPO

O segundo tempo começou com um lance pouco comum nesta Série B, Zé Carlos perdendo gol. O artilheiro recebeu a bola e ficou sozinho na frente do goleiro Dionantan, porém chutou em cima do arqueiro do Ceará. No rebote, o atacante driblou o goleiro e chutou rasteiro, porém o zagueiro Thiego já estava bem posicionada e tirou a bola em cima da linha.

Cinco minutos depois, na cobrança de escanteio o zagueiro Ozéia desviou a bola na primeira trave e abriu o placar para o Tigre. Festa no Heriberto Hülse. O lance empolgou o time que partiu para cima abrindo espaço para o time visitante.

Aos 27 minutos, Matheus Ferraz fez uma falta perigosa em cima do atacante Itamar. A cobrança foi próxima da meia-lua e Jucemar não desperdiçou a chance, com uma cobrança indefensável o volante empatou a partida para o Vovô.

Precisando da vitória, o Criciúma mexeu na equipe colocando André Gava no meio-de-campo e Gilmar no ataque. As alterações fizeram o Tigre mais ofensivo, porém com pouca precisão nos tiros a gol.

O Tigre pressionava e quando quase tomou aos 38 minutos. A zaga do Tigre falhou e entregou a bola nos pés de Robert, o atacante do Ceará errou na potência e a bola foi para fora.

Aos 42 minutos, Gilmar recebeu a bola na ponta direita e dentro da área chutou em cima do gol, no rebote o atacante do Tigre chutou por cima. Essa parecia ser a última chance do jogo, porém Zé Carlos tinha que se redimir do gol perdido no início do segundo tempo.

Faltando 22 segundos para terminar o jogo, o artilheiro Zé Carlos aproveitou o cruzamento de Éric e fuzilou o goleiro Dionantan garantindo a vitória do Tigre e a ponta provisória da tabela.

FICHA TÉCNICA

CRICIÚMA

Michel Alves; Éric, Ozeia, Matheus Ferraz e Marlon; França, Fransérgio (Diogo Oliveira), Giovanni Augusto (André Gava) e Válber (Gilmar); Lucca e Zé Carlos

Técnico: Paulo Comelli

CEARÁ

Dionantan; Apodi, Luizão, Daniel Marques (Thiego) e Márcio Careca; João Marcos, Juca, Eusébio e Magno (Robert); Mota e Magno Alves (Itamar)

Técnico: Paulo César Gusmão

Gols: Ozéia, aos 12 minutos do 2º tempo. Juca, aos 27 minutos do 2º tempo e Zé Carlos, 48 minutos do 2º tempo
Amarelos: Daniel Marques (CE), Márcio Careca (CE), Thiego (CE) Mota (CE), Marlon (C), Fransérgio (C), Matheus Ferraz (C) e Zé Carlos (C)
Arbitragem: Sandro Meira Ricci, auxiliado por Clóvis Amaral da Silva e José Javel Silveira.
Local: Estádio Heriberto Hülse, em Criciúma
Público: 11.518
Renda: R$ 175.635,00