Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Woody e Domingos acelerando aos 80

02 de outubro de 2015 0
Reprodução

Todas as Mulheres do Mundo – Foto: Reprodução

Dois mestres da comédia contemporânea de costumes no cinema estão chegando aos 80 anos em plena atividade: DOMINGOS DE OLIVEIRA fez 79 na última segunda-feira; WOODY ALLEN vira octogenário no dia 1º de dezembro. Tanto o brasileiro quanto o americano são conhecidos pelos filmes que tratam do amor, da vida, da filosofia e de outros temas fundamentais de maneira humorada, inteligente e crítica – com a leveza e a profundidade de um papo de amigos na mesa do bar.

Contracapa é fã de ambos – e convocou outros ilustres admiradores dos cineastas para responderem a pergunta: “Qual filme do Domingos e qual do Woody você mais gosta?”. Os entrevistados se dividiram quanto ao título predileto do nova-iorquino; já o longa preferido da filmografia do carioca foi quase uma unanimidade: o clássico Todas as Mulheres do Mundo (1966).

Crimes e Pecados - Foto: Fox, Divulgação

Crimes e Pecados – Foto: Fox, Divulgação

Manhattan - Foto: Divulgação

Manhattan – Foto: Divulgação

JOSÉ PEDRO GOULART, diretor

Meu Woody Allen favorito são dois: durante a semana, o mais niilista de um superniilista,CRIMES E PECADOS (1989); no final de semana, uma escorregadela romântica do cara, MANHATTAN (1979). Do Domingos, sempre – não só aos domingos –  TODAS AS MULHERES DO MUNDO. Nesse caso, o título é autoexplicativo.

BÁRBARA PAZ, atriz

De Woody Allen: MEIA-NOITE EM PARIS (2011). Filme inteligente: queremos sempre ter vivido outra época, o que passou deve ter sido mais interessante, queremos sempre estar em outro lugar. Nunca estamos satisfeitos com o que temos. Sou fascinada por esse filme porque sou saudosa de tempos passados, de algo que nunca vivi: uma pintura, uma fotografia, um filme, uma poesia, um amor…. De Domingos de Oliveira: Todas as Mulheres do Mundo. Quem nunca quis ser Leila Diniz? Domingos em seu estado supremo de felicidade com a vida.

Meia-noite em Paris - Foto: Paris Filmes, Divulgação

Meia-noite em Paris – Foto: Paris Filmes, Divulgação

 JORGE FURTADO, diretor

Todas as Mulheres do Mundo é meu filme brasileiro preferido, o que mais revi, sempre com grande prazer. Emocionante, inteligente, apaixonado, divertido e inventivo, tudo o que um filme deve ser. ANNIE HALL (1977, que ganhou no Brasil o bisonho título NOIVO NEURÓTICO, NOIVA NERVOSAé a primeira grande criação de Woody Allen, ali está a semente de tudo o que ele fez depois. É impressionante a quantidade de boas cenas, de grandes ideias, de ótimas frases.

Esses dois filmes têm muitas semelhanças: a criatividade da linguagem, a mistura de formas narrativas, os momentos de narração off, de animação, o fluxo de tempo da história descontínuo _ e os dois contam a história de um cara muito apaixonado por uma mulher e fazendo de tudo para conquistá-la. Detalhe: o filme do Domingos foi feito 10 anos antes.

Annie Hall - Foto: MGM, divulgação

Annie Hall – Foto: MGM, divulgação

MARTHA MEDEIROS, escritora

Do Domingos, não vi tudo, mas gosto muito de JUVENTUDE (2008). Três velhos amigos na casa dos 70 anos (o próprio Domingos, Paulo José Aderbal Freire Filho) passam um fim de semana juntos numa casa fazendo um inventário de seus ideais perdidos. É incomum ver a passagem do tempo ser analisada pela ótica masculina. Filme sensível e divertido. Frase marcante: “Existem três idades: a juventude, a maturidade e o ‘você está ótimo’”. Quanto ao Woody Allen, não pode haver maior sacanagem comigo do que pedir para eleger um só, mas fico com Crimes e Pecados, quando o diretor se aprofunda na questão da moralidade humana. Não canso de rever. Frase marcante: “Somos a soma das nossas decisões”.

Juventude - Foto: Pressphoto, divulgação

Juventude – Foto: Pressphoto, divulgação

Leia também
Feira do vinil de Porto Alegre
Veja as fotos de Raquel Tolardo de lingerie
Contracapa Jazz Festival

CARLOS GERBASE, diretor

SEPARAÇÕES (2002), do Domingos, e INTERIORES (1978), do Woody. Porque são filmes sobre dramas cotidianos que crescem até virar épicos emocionais – e continuam cotidianos.

E na sua opinião, quais são os melhores filmes dos dois cineastas?

Separações - Foto: Videofilmes, Divulgação

Separações – Foto: Videofilmes, Divulgação

Envie seu Comentário