Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de outubro 2006

Gre-Nal? Só na sexta-feira

31 de outubro de 2006 2

O Gre-Nal é domingo. O quarto e último do ano. Houve empate em todos os clássicos da temporada e apenas dois gols marcados em mais de 270 minutos. O Grêmio, por outro lado, se saiu melhor. Um dos empates garantiu o título ao tricolor no Beira-Rio.

Mas o empate, desta vez, pode ser uma derrota para os dois, caso o São Paulo desabe da ponta de cima – algo pouco provável. Mas antes de falar em Gre-Nal é preciso esperar as performances de Grêmio e Inter contra Figueirense e Botafogo, respectivamente.

Hoje ainda é difícil avaliar qualquer coisa. Não se sabe nem os times que Abel e Mano vão colocar em campo. Na sexta, pelo menos, já será possível visualizar melhor o nosso grande clássico.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

A volta do Barcelona

29 de outubro de 2006 2

Iniesta faz o segundo gol e vibra/Manu Fernandez, AP
O provável futuro adversário do Inter no Japão, o Barcelona, ganhou na rodada do final de semana do Campeonato Espanhol. Fez 3 a 0 no Recreativo, no Camp Nou.

A vitória deixou o Barça como líder isolado com 19 pontos. Foi a sexta vitória no Espanhol e em todas o time marcou três gols A boa notícia para os fãs locais, má para os colorados gaúcho, foi a boa atuação de Ronaldinho.

 Ele marcou duas vezes, uma delas de pênalti. Mas também correu, driblou e repetiu jogadas que o consagraram. Terça-feira, o Barcelona espera o Chelsea, pela Liga dos Campeões. Busca a revanche, já que perdeu o primeiro jogo em Londres, por 1 a 0.

A derrota no clássico espanhol não afetou o Barcelona. O time jogou bem uma semana depois de levar 2 a 0 do Real Madrid, no Estádio Santiago Bernabeu. A torcida apoiou, não vaiou. Já esqueceu a derrota no clássico. 

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

São Paulo vai tranqüilo

29 de outubro de 2006 1

O São Paulo fez o mesmo que Inter, Grêmio e Santos fizeram no meio da semana. Marcou três pontos sábado. Ganhou e se manteve na ponta sem sofrer, sem suar. Ainda faltam sete rodadas para o final do Brasileirão, mas o tricolor paulista se mantém sete pontos distante do Inter, o segundo colocado.

 A folga é boa, tranqüilo, e não oferece estresse no momento. O próximo jogo do São Paulo, no entanto, no meio da semana, preocupa. E muito. A Ponte Preta é considerado clássico paulista, de segunda grandeza, mas clássico. Vai incomodar mais do que o Figueirense, que exibiu uma fragilidade impressionante.

Em 90 minutos nunca buscou a vitória. Foi um time encolhido, mesmo jogado em Florianópolis. Além da Ponte, o São Paulo recebe ainda Botafogo, Atlético-PR e Cruzeiro no Morumbi. fora os jogos longe de São Paulo..

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

A decadência de Adriano

25 de outubro de 2006 1

Adriano: muita festa, pouco treino/Luca Bruno, AP
O prejuízo da Inter é incalculável. Seu melhor jogador, centroavante de R$ 200 milhões, foi afastado do clube e enviado, sem escolta, ao Rio de Janeiro. A direção do clube italiano não sabe mais o que fazer.

Adriano perdeu a motivação para jogar futebol. Sua vida estava centrada nas baladas e nas mulheres em Milão. Nos treinos, ele era o último da fila. Nos jogos, não incomodava mais os zagueiros. Nem marcava mais gols. Até seus companheiros começaram a reclamar.

O atacante de quase 1m90cm de altura, mas muito acima dos seus 92 quilos, tem apenas 24 anos. Numa só temporada na Itália fez 23 gols em 37 jogos. Nesta, 2006/2007, não marcou nenhum.

 Sua decadência no futebol assusta. Fora, ele está rico. Pode se aposentar hoje mesmo.

Postado por Zini, POrto Alegre

Bookmark and Share

Grêmio não vence o Flu desde 1997

25 de outubro de 2006 2

O Grêmio recupera três titulares, o lateral-direito Patrício, o zagueiro William e o volante Jeovânio, mas perde o seu melhor jogador, Hugo. Sofre mais ao não contar com o técnico Mano Menezes no banco de reservas. O treinador foi suspenso por 30 dias.

Wellington sai também, mas aí o lucro é gremista, mesmo que Bruno Telles ainda esteja devendo um atuação que o garanta como titular da lateral esquerda.

No lugar de Hugo, entra Rafinha que deixa o Grêmio mais frágil. Seja no aspecto da pegada, da organização ou das conclusões. Rafinha, que jogou bem contra o São Paulo, é um jogador baixo demais, que cai demais, frágil no choque. Mas pode funcionar se o Grêmio acertar a jogada de contra-ataque.

Aliás, o tricolor gaúcho não vence o Fluminense desde 1997 no Brasileirão. No último, ajudou a enviar o tricolor carioca para a Segunda Divisão. Hoje, o Flu ocupa a 16ª colocação, dois pontos acima da zona de risco. Os dois times já fizeram 49 jogos, com 20 vitórias do Flu, 18 do Grêmio. Os empates foram 11 empates.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Outro clássico

25 de outubro de 2006 1

O Juventude pode jogar até sem oito titulares no Beira-Rio. Assim, vem passear em Porto Alegre. Mesmo com os 11 titulares, mesmo completo, teria pouca chances. Seu retrospecto como visitante é pífio: em 15 jogos como visitante, perdeu 12 , ganhou duas, empatou uma.

O grande Juventude dos clássicos históricos com o Inter não é mais o mesmo. Caiu, ficou menor, montou e desmontou times. E agora sente o cheiro ruim do rebaixamento. O Inter, pelo contrário, cresceu. Entra em campo como Campeão da América. Uma Libertadores no armário, às vezes, faz a diferença.

Na ausência Fernandão, para citar um craque, o Inter repete o time que venceu a Ponte Preta sem suar, fácil, tranqüilo, passeando em São Paulo. Wellington Monteiro é o único que sai. Vai ser bom para observar Maycon.

Com 53 pontos, com uma distância de sete do São Paulo, o Inter ainda acha que tem gás para encostar no líder. Vai depender dele mesmo, do seu fôlego.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Abel na França

24 de outubro de 2006 2

Abel Braga precisa ser valorizada. Ele é campeão da América. Quem levanta a Taça Libertadores muda de patamar. Abel é agora notando como um vencedor.

Seu mercado de trabalho aumentou. A França o quer. O Monaco é um dos bons times franceses. Tem dinheiro, prestígio, bons jogadores e já disputou uma final da Liga dos Campeões – foi superado pelo Porto, que tinha Carlos Alberto, hoje afastado do Corinthians.

O Monaco é administrado pela familia Rainier, comandada pelo príncipe Alberto de Monaco. Os Rainier são donos do Principado de Mônaco e comandam os cassinos da região.

Sem Abel, o Inter deve tentar Geninho, talvez repatriar Paulo Autuori. Muricy está fora de qualquer cogitação, assim como Cuca ou Tite.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

STJD é uma piada

24 de outubro de 2006 2

Engraçado o STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva). Não é sério. Não pode ser.

Leão, técnico do Corinthians, chamou um juiz de ladrão. Foi absolvido.

O santista Zé Roberto fez um gol, comemorou na frente da torcida do Corinthians e provocou os fãs. Foi absolvido.

Futebol brasileiro, às vezes, é assim. Sem lógica, sem sentido.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Ronaldinho no banco

24 de outubro de 2006 1

Ronaldinho é o melhor jogador do mundo. Não há dúvida. Só que o melhor jogador do mundo atravessa uma fase onde ele não aparece como o número 1. Nem o número 15.

O jornal esportivo catalão %22Sport%22 descobriu numa pesquisa que:

 1) 69% dos torcedores acham que o brasileiro deveria sentar no banco de reservas

2) 31% querem que ele continue como titular.

Na mesma pesquisa, 79% dos torcedores pedem o argentino Saviola no lugar do islandês Gudjohnsen, que assumiu o posto de Eto%27o, machucado e que só volta ao comando do ataque em 2007.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Perigo na faixa da Libertadores

24 de outubro de 2006 1

O Grêmio perdeu Hugo. Joga duas vezes sem o seu melhor e mais criativido jogador. O canhoto que pode definir com uma jogada um jogo, qualquer jogo.

Sem Hugo, contra Fluminense (Rio) e Figueirense (Olímpico), o Grêmio perde 50% da sua criatividade e 50% da sua força ofensiva. Hugo fez uma bobagem. Trocou tapas com o zagueiro domingo, do Santos. Mas três jogos parece uma pena pesada demais. Ele não merecia. Um jogo estava bem.

A vaga da Taça Libertadores da América correr perigo. Está ameaçada. Hugo, Lucas e Léo Lima são os únicos jogadores do Grêmio que não têm reservas porque estão acima da média dos outros jogadores tricolores. São craques.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

71 Segundos

24 de outubro de 2006 44


O texto que você vai ler abaixo é de um capítulo inédito do meu livro 71 Segundos, O Jogo de Uma VidaA tarde em que o Grêmio jogou, ganhou e foi campeão com sete jogadores, que já está disponível nas livrarias de Porto Alegre, numa edição da editora gaúcha L&PM. 

A sessão de autógrafos do livro será no dia 30 de outubro (segunda-feira), às 19h30min, no Pavilhão de autógrafos da 52ª Feira do Livro de Porto Alegre, na Praça da Alfândega, no centro da Capital. Todos os jogadores do Grêmio que levantaram a taça no ano passado e ainda continuam no Olímpico, mais os dirigentes, devem estar presentes no lançamento oficial

O livro recupera a tarde/noite do dia 26 de novembro de 2005, dia em que o Grêmio venceu o Náutico com apenas sete jogadores, gol do garoto-prodígio Anderson, ganhou o título da Série B e voltou ao planeta da Série A.

Não é uma obra sobre a toda a campanha do Grêmio na competição, nem uma repetição sobre o que você já viu, leu ou ouviu. 71 Segundos, O Jogo de Uma Vida… começa no momento em que os jogadores tomam o ônibus no hotel da Praia da Piedade, em Recife, logo após o almoço, e termina com os mesmos jogadores voltando ao apertado e ruidoso vestiário do Estádio dos Aflitos, momentos depois da histórica jornada.

A chegada tumultuada, o vestiário sabotado, a guerra dentro de campo, a loucura das torcidas, as indecisões do juiz, os pênaltis, as expulsões, o gol, o final extraordinário.

Espero que você goste e compre. Eu gostei de escrever 71 Segundos, O Jogo de Uma Vida … nas minhas férias e rápidos finais de semana de folga. O livro foi todo escrito e reescrito na praia de Ibiraquera, ao lado do Rosa, no litoral catarinense. Quando eu tirava os olhos do laptop preto de tela surpreendentemente ampla, via, pela larga janela, as águas da Lagoa de Cima se abrindo como um espelho de cristal. Prontas para refletir algo. como uma grande história, por exemplo.

Ah, estava esquecendo o principal, parte do capítulo inédito de 71 Segundos, O Jogo de Uma Vida… começa agora:

(…) Paulo Pelaipe e o lateral Patrício levaram um susto com o gemido que ouviram, bem atrás de uma porta. O som lembrava alguém ferido, talvez muito machucado. Em seguida, veio o grito:
- Ahahahahaaaaa!
Aí, um estrondo. Domingos havia acertado a porta de madeira do vestiário, uma das internas, com uma certeira voadora. A porta rachou bem no meio e o marco soltou. Empunhando o marco da porta com as duas mãos, como um tacape, Domingos começou a quebrar tudo que encontrava pela frente. Primeiro as pias, depois os espelhos, os bidês, os bancos, as torneiras, os canos e os chuveiros. Batia com o pedaço de pau e gritava:
- Estão nos roubando, estão nos roubando.
A destruição e a crise demoraram mais de um minuto. Então, Domingos se acalmou do estado de choque em que se encontrava e teve um acesso de choro no miúdo vestiário embaixo das arquibancadas. Lá em cima, milhares de pessoas pulavam e dançavam. O estádio sacudia. A classificação parecia certa, definida. No Mundão do Arruda, o Santa Cruz começava a volta olímpica, uma taça apareceu no meio dos jogadores e 60 mil pessoas, a 3 quilômetros dos Aflitos, exultavam:
- É campeão, é campeão.
Na marca do pênalti, Djalma Beltrami ainda tentava recuperar autoridade contestadas e, em pensamento, fazia uma promessa: %22Este jogo vai chegar ao fim, vai chegar ao fim%22.  Mas logo falou aos que tentavam intimidá-lo:
- Vocês não perderam ainda. Tem que bater o pênalti.
Marcel começou a cavar um buraco na cal bem na frente do juiz. Usou o bico da chuteira como pá. Chutava e levantava leivas, terra e areia.
O lateral Ademar foi finalmente escolhido para a cobrança. O goleiro Galatto ficou sabendo através de um repórter de uma rádio de Recife, que ainda disse:
- Olha, ele sempre bate cruzado.
Outra se aproximava e alertava.
- O Ademar bate forte no canto.
Pereira puxou Galatto e alertou:
- Não dá atenção. Eles querem te enlouquecer
.
(…)

Postado por Luiz Zini

Bookmark and Share

O preço de um goleiro

23 de outubro de 2006 1

A casa do Chelsea em Londres/San Tan, AP
Petr Cech fraturou o crânio num jogo da Premier League. Lesão grave, séria, que ainda o mantém no hospital. Ela já caminha, mas ainda está no quarto.

Os médicos prefere esperar mais um pouco antes de anunciar uma data para a volta do número 1 do Chelsea Cech é um dos grandes goleiros da Europa. Tanto que o Chelsea tenta para o seu lugar o melhor do mundo, Gianluigi Buffon, que joga a Série B italiana com a Juventus.

 Ofereceu 40 milhões de euros ao time de Turim. A Juventus que anos atrás buscou Buffon no Parma por 54,1 milhões de euros disse apenas %22não%22.

Postado por Zini, Zero Hora

Bookmark and Share

Ronaldinho no El Pais

22 de outubro de 2006 1

Daniel Ochoa de Olza, AP
Leia o que o jornal espanhol El Pais, um dos melhores da Europa, escreve sobre a atuação de Ronaldinho no clássico em que o Real Madrid bateu o Barcelona por 2 a 0:

(…) Después de este susto despertó el Barcelona, que volvió a recuperar el sentido y liderado por un genial Messi, que tomó el relevo del desaparecido Ronaldinho, ausente y que parece una caricatura de sí mismo, pasó a controlar el choque. (…)

Os elogios, desta vez, são para Robinho, um dos melhores em campo e que recebeu os maiores aplausos dos 80 mil espectadores que loytaram o Estádio Santiago Bernabeu.

Mas o melhor em campo foi Guti, segundo a mídia espanhola. Messi foi o destaque do Barcelona.

 

Postado por Zini, POrto Alegre

Bookmark and Share

United ganha e lidera

22 de outubro de 2006 1

Scholes faz o primeiro do United no clássico/Dave Thompson, AP
O Manchester United pisa firme na liderança. Bateu o Liverpool no maior clássico da Inglaterra. Fez 2 a 0, gols de Scholes e Ferdinand. O Chelsea é segundo, depois da 10ª rodada.

O United superou o Liverpool em tudo. Na técnica, na tática, na garra e nos gols.

 A torcida do United está enlouquecida. A média de público em seu estádio, o lendário Old Trafford, passa dos 67 mil a cada jogo do Campeonato Inglês.

 Não há clube no mundo colocando tanta gente em seus estádios. Ninguém gosta tanto de futebol quanto os ingleses, que inventaram o jogo.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Empate com gosto de derrota

22 de outubro de 2006 2

André Dias segura Hugo no Olímpico/Nabor Goulart, AP
O empate serviu ao São Paulo, líder desde a 12ª rodada do Brasileirão. Ajudou o Inter, novo vice-líder. Agradou até o Santos, terceiro colocado. Só não interessou ao Grêmio, quarto na tabela, mas ainda na zona da Taça Libertadores da América 2007.

O Grêmio perdeu a grande oportunidade de se manter em segundo lugar e se aproximar um pouco mais do São Paulo. Começou perdendo, levou um gol de Danilo logo no primeiro minuto, sofreu duas bolas no poste e só foi se recuperar depois da primeira metade do primeiro tempo. Aí começou a martelar o São Paulo, dominou o jogo, Hugo garantiu o empate no começo da segunda etapa, mas faltou futebol para alcançar o 2 a 1.

O Grêmio terminou o jogo com sete reservas. Alguns eram reservas dos reservas, como Escalona, Aloísio e Paulo Ramos. Faltou ao time força ofensiva. A maioria das situações de gol nasceram de chutes de fora da área.

 Um total de 47.648 pessoas assistiram o jogo no Olímpico. Deixaram o estádio com a clara sensação de que o São Paulo dificilmente vai perder o título e que, se o Grêmio jogasse com os seus titulares, o resultado teria sido outro.

O título está longe. A Libertadores nem tanto.

Postado por Zini, Zero Hora

Bookmark and Share

O fator Renan

22 de outubro de 2006 1

Esperava pouco do Inter que viajou ao centro do Brasil. Levou seus reservas, alguns eram reservas dos reservas. Jogadores que jamais haviam jogado juntos. Fiquei surpreso. O Inter ganhou da Ponte Preta (2 a 0) como quis e e quando quis.

Não jogou bem. nem precisou. Melhor ainda, voltou de São Paulo com três pontos. Menos de 24 horas depois foi premiado com o empate do Grêmio, que subtraiu um ponto do São Paulo, mas não avançou na tabela. O Inter é o novo vice-líder. O título do Brasileirão não é uma miragem.

Mas o melhor do jogo foi o goleiro Renato. Vejo nele um goleiro de grande futuro. Sua colocação é uma das suas qualidades. Ele sempre parece bem colocado, usando o centro do gol como referência. Assim, não precisa fazer vôos e defesas pirotécnicas. Dá segurança ao time.

Outra qualidade que eu notei é a saída de bola de Renan. Ele faz a defesa, segura a bola e faz o time jogar imediatamente. Não retém a bola em demasia, não olha para os lados e levantas as mãos pedindo calma como a maioria dos goleiros. A bola nas suas mãos é quase um contra-ataque.

Renan é o melhor goleiro gaúcho. Deve encostar nos melhores do país em pouco tempo. Basta Abel querer, basta deixá-lo jogar.

Postado por Zini, Zero Hora

Bookmark and Share

O frágil Barcelona

22 de outubro de 2006 1

Robinho comemora o segundo gol em Madrid/Daniel Ochoa de Olza, AP
O Real Madrid venceu o Barcelona no Estádio Santiago Bernabeu. Fez 2 a 0 – Raúl, aos 3 minutos do primeiro tempo, e Van Nistelrooy, aos 6 minutos do segundo. A vitória deixa o Madrid com 14 pontos, dois atrás do rival e do Valência.

O resultado já é do novo Real Madrid, que começa a ser montado por Fabio Capello, com os brasileiros Roberto Carlos, Émerson e Robinho entre os titulares.

Depois de dois anos jogando em alto nível, o Barcelona caiu um pouco. Ronaldinho não está na sua melhor forma. Eto%27o, machucado, faz muita falta. O Barcelona sente falta dos gols do camaronês. Perdeu seu matador.

 A derrota no clássico ( sétima rodada) instala a primeira crise séria no Barcelona em duas temporadas. Dias atrás, a equipe tropeçou em Londres. Foi derrotado pelo Chelsea (1 a 0).

Faltando mesmo de dois meses para a decisão do Mundial Interclubes, o Barcelona está fragilizado. Seu melhor jogador está em má fase, o goleador só volta em 2007 e o time não consegue jogar bem duas vezes seguidas.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Como o Real Madrid vê o Barcelona

18 de outubro de 2006 1

Van Nistelrooy é sinônimo de gol/Felice Calabro, AP
O Inter vê o Barcelona como um fantasma. Seus torcedores têm medo do futebol de Ronaldinho e cia. Quem não tem? Agora, neste momento de transição, o temor aumenta. O Inter ainda costura um novo time. O Barcelona tem o seu.

Mas a agência EFE, da Espanha, ouviu o diretor esportivo do Real Madrid, Pedj Mijatovic. Ele disse algo interessante. Leia:

– Eles (Barcelona) certamente não estão tão fortes como nos dois últimos anos, mas é algo normal. Suportar este ritmo por três ou quatro anos é impossível. Além disso, conseguiram títulos importantes e isto sempre deixa você um pouco relaxado, embora os jogadores digam que não.

Mijatovic acha, como muitos na Espanha, que o Barcelona vai entrar em decadência depois de duas temporadas no topo. Só não sei se é vontade, desejo, de alguém ligado ao Real Madrid, ou é uma profunda análise do futebol do atual campeão europeu?

Ah, domingo tem Real Madrid e Barcelona, em Madrid. Com Van Nistelrooy e Ronaldinho, mas sem Ronaldo, suspenso.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

O drama do Barcelona

18 de outubro de 2006 1

Rijkaard deve estar pensando em Eto`o/Alastair Grant, AP
Chelsea e Barcelona correram na tela de plasma de 42 polegadas da redação de Zero Hora. Vi parte do jogo ao lado dos colegas, mas não totalmente atento como mandam os grandes jogos. O telefone toca, alguém pede algo, e a atenção se vai, se espalha na sala tomada por gente apressada e computadores.

 O Chelsea foi melhor, superior, poderia ter feito mais. Um a zero foi pouco. Makelele brilhou e Drogba, além do gol, incomodou a defesa adversário como um verdadeiro centroavante. Atacante que o Barcelona não teve, não terá nos próximos jogos, talvez nem no Japão, no Mundial Interclubes. Ronaldinho afundou outra vez e o Barcelona sentiu demais a falta de Eto%27o – que só volta em 2006. É outro time sem ele, parece sem a mesma fome de gols de antes. Entra menos na área, circula, roda e foge da zona do gol.

 O Barcelona teve boa posse de bola. Mas com três baixinhos no time, Deco, Messi, Giuly, parou na força e na disposição do adversário. O jogo foi em Londres e 40 mil pessoas lotaram Stamford Bridge.

 A vitória coloca o Chelsea perto da próxima fase da Liga dos Campeões, com nove pontos em três jogos. O Barcelona tem quatro e divide o segundo lugar com o Werder Bremen (Alemanha), que venceu o Levski Sofia por 2 a 0, com um gol do ex-santista Diego.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Outro jogo, outro Grêmio

17 de outubro de 2006 1

O ritmo intenso do Brasileirão dificilmente permite que os técnicos repitam o mesmo time duas vezes seguidas. O Grêmio que venceu o Palmeiras, perdeu do Santos e superou o São Caetano foi três vezes diferente.

 Será quatro vezes no jogo de domingo, quando recebe o São Paulo no Estádio Olímpico. Três titulares estão fora:

Patrício, William e Jeovânio. Os três farão falta. Patrício sai da lateral. Talvez o time ganha rapidez na saída de jogo e uma jogada de linha de fundo melhor, com Alessandro. Mas, defensivamente, o Grêmio perde.

William deixa a zaga. Sai a segurança, a regularidade. Pereira é bom jogador, mas não vem jogando. O veterano Maidana seria uma aposta arriscada. Os mais de 30 anos demoram um pouco até pegar ritmo de jogo depois de longas lesões.

Jeovânio tem o bote mais perfeito do meio-campo tricolor. É rápido no desarme, gosta de fazer o policiamento da sua intermediária nos contra-ataques dos adversários. Sandro é mais lento, mas combate bem, é um líder e sabe jogar para o time.

Falta mesmo, está fazendo Léo Lima.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Goleiros de risco

17 de outubro de 2006 1

Hilário, terceiro goleiro do Chelsea/Tom Hevezi, Ap
O futebol inglês não é o melhor do mundo, nem o pior. Mas é o mais corajoso, onde os jogadores colocam a cabeça na ponta da chuteira em defesa dos seus times. Agora, uma nova onda de lesões afetou os goleiros das ilhas:

1) O tcheco Petr Cech, do Chelsea, teve um afundamento no crânio durante uma partida contra o Reading, no final de semana. Ele sai de cena por meio ano.

2) O seu reserva, o italiano Cudicini, machucou a cabeça, depois de uma entrada de Ibrahima Sonko, no mesmo jogo.

3) Mark Schwarzer, do Middelsbrough, sofreu uma fratura no rosto, após um violento choque com Dean Ashton em abril.

4) Shay Given, do Newcastle United, sofreu uma cirurgia após uma falta de Marlon Harewood, em setembro. Você pode achar que tudo não passa de coincidência.

Dois dos principais técnicos da Inglaterra, José Mourinho (Chelsea) e Arsene Wenger (Arsenal), não entendem assim. Acreditam que os jogadores entram para arrebentar mesmo e não estão nem aí com a saúde dos colegas de trabalho. Já pediram providências aos responsáveis pela federação inglesa.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Muricy fala demais

16 de outubro de 2006 2

Muricy Ramalho é um bom técnico. Está entre os treinadores de ponta do Brasil do começo do século. Treina o São Paulo, talvez o maior clube do país. Já trabalhou no Inter e em outros times de menor expressão. Muricy ainda é um técnico em busca de um grande título. Por enquanto, em mais de 15 anos de carreira, suas faixas de campeão são apenas regionais.

 São destaques seus títulos paulista, com o agora decadente São Caetano, e gaúcho, com o agora ascendente Internacional. Com o São Paulo, ao menos na Libertadores 2006, fracassou.

O treinador, nos últimos tempos, tem falado demais. Tem saído do túnel e tocado em outros assuntos. Técnico de futebol tem o direito de falar qualquer coisa em qualquer lugar. Mas sempre que um deles tira o foco do seu time, dos assuntos de campo, sai bobagem. As mesmas que Muricy falou do Grêmio, dos seus torcedores. Pedindo ao policiais que fiquem atentos aos torcedores gremistas.

Foguetes estourados de madrugada não é um problema do clube. É caso de polícia. Não é o técnico que vai resolver. Não mandar resolver. Grêmio (51 pontos) e São Paulo (59 pontos), domingo, no Olímpico, válida pela 30ª rodada da competição, já começou.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Fifa anuncia seus 30 melhores

12 de outubro de 2006 1

Kaká, boa aposta para número 1 do Planeta/Sang Tan, AP
A Fifa anunciou a sua lista anual dos melhores jogadores de futebol do mundo. O bicampeão Ronaldinho está entre os 30 selecionados. Ao contrário dos dois últimos anos, o atacante do Barcelona não é o favorito. Não existe favorito na relação. Falta um número 1.

 Ronaldinho fracassou na Copa da Alemanha. Perdeu pontos, prestígio e não aparece nem mais entre os titulares da nova Seleção Brasileira do técnico Dunga. Seleção onde nunca conseguiu emplacar uma série de boas apresentações. No jogo mais recente, contra o Equador, começou no banco.

Outro brasileiro da lista é Adriano. Não merece. Não tem futebol para tanto. É agora apenas uma opção de ataque na Inter de Milão. Deco, do Barcelona, é bom jogador, mas está fora de questão.

O quarto e último da lista brasileira não só merece estar entre os 30 como merece ser o número 1. Kaká teria meu voto. Ele é o melhor do mundo, basta compará-lo com qualquer outro jogador. Kaká faz gols, sabe driblar, passa a bola com precisa, bate faltas e ainda é um organizador. Mas Kaká não foi bem no Mundial da Alemanha, nem o seu Milan atravessa um momento excepcional.

 Talvez, os votos encontrem o zagueiro Cannavaro, campeão mundial pela Itália. Na Copa, o zagueiro italiano do Real Madrid mostrou quem é e o que joga. Mas nem sempre goleiros, zagueiros e volantes mais defensivos são reconhecidos neste tipo de premiação.

Os vencedores serão divulgados na festa do dia 18 de dezembro, em Zurique. Os 30 melhores jogadores;

 Adriano (Brasil) Ballack (Alemanha) Buffon (Itália) Cannavaro (Itália) Cristiano Ronaldo (Portugal) Cech (República Checa) Deco (Portugal) Drogba (Costa do Marfim) Essien (Gana) Eto%27o (Camarões) Figo (Portugal)

Gattuso (Itália) Gerrard (Inglaterra) Henry (França) Kaká (Brasil) Klose (Alemanha) Lahm (Alemanha) Lampard (Inglaterra) Lehmann (Alemanha) Nesta (Itália) Pirlo (Itália) Ribery (França) Riquelme (Argentina) Ronaldinho (Brasil)

Rooney (Inglaterra) Rosicky (República Checa) Shevchenko (Ucrânia) Thuram (França) Vieira (França) Zidane (França)

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

O pior São Caetano

11 de outubro de 2006 2

O Grêmio volta ao Boeing, toma o rumo de São Paulo outra vez. Não viaja ao litoral, joga a âncora no ABC paulista. Fica em São Caetano do Sul, onde já jogou, mas nunca ganhou. O São Caetano é a grande touca do Grêmio.

 O São Caetano do passado recente é miragem. Só vive na lembrança. O time de Dininho, César e Ademar não existe mais. O de hoje, que corre nas mãos de Hélio dos Anjos, não vence há 10 jogos no Campeonato Brasileiro e marcou somente um ponto no returno.

O São Caetano perdeu os últimos seis jogos. É o vice-lanterna, somando 26 pontos. O rebaixamento é logo ali. O Grêmio vai enfrentar o pior São Caetano da década. Pode vencer, tem tudo para quebrar um tabu no final da tarde de sábado.

Se o adversário está desesperado em busca de uma vitória em casa, o Grêmio precisa de uma vitória fora do Olímpico para embalar outra vez. O São Paulo já escapou do raio de visão tricolor. O Santos não pode escapar.

Postado por Zini, Zero Hora

Bookmark and Share

O engano consentido de Romário

10 de outubro de 2006 2

Romário não gosta de Pelé, Pelé não gosta de Romário. Os dois não se falam. Mas quando falam qualquer coisa, sobre qualquer assunto, sempre tem um microfone por perto.

 Romário disse que faltam 16 gols para o seu gol 1.000. A conta é dele, só dele e mais ninguém. Romário, 40 anos, não tem 1.000 gols. Pelé tem mais. Fez 1.281. As contas do Baixinho não fecham. Mas ele vai marcar mais 16 gols e fazer uma festa no dia do 16º. Os microfones e as câmeras que o acompanham desde o final dos anos 80 estarão por perto.

 Mas Romário, cá entre nós, merecia um adeus mais bonito, mais refinado. Algo do tamanho do seu futebol quase perfeito. O Tupy, que tentou contratar o atacante, não existe. Nem nos piores sonhos de um goleador que já foi de Seleção e campeão do mundo.

 Pelé deve estar rindo na inexpugnável altura dos seus mais de 1.000 gols.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share