Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de outubro 2007

Tcheco deixa o Grêmio na mão no Paraná

31 de outubro de 2007 16

Marcel teve a bola do jogo nos pés aos 37 minutos do primeiro tempo. Gol aberto, sem goleiro, ele baixou a cabeça, não viu Tuta entrando pelo meio da grande área e chutou desviado. O Grêmio perdeu a chance do 1 a 0, talvez da vitória, quando jogava melhor e estava mais organizado em campo. O Atlético parecia um adversário sem grande poder de reação. 

No segundo tempo, o Grêmio foi igual ao pior Grêmio dos jogos longe do Olímpico. Três meses sem vitória, apenas quatro vitórias distante da sua casa. Levou dois gols do Atlético PR e perdeu naturalmente a partida, especialmente depois da expulsão de Tcheco aos 17 minutos.

Tcheco recebeu o vermelho segundos depois do amarelo. O primeiro foi por reclamação. O segundo foi porque as reclamações não cessaram. Tcheco teve uma atitude primária, anti-profissional, ajudou o adversário e mudou a história do jogo. Depois de receber o amarelo, o jogador recua, jamais enfrenta o juiz. Não esqueça que antes do cartão Tcheco estava sumido em campo, longe da bola, plantado num lado do campo.

Wagner Tardelli é árbitro de segunda linha do futebol brasileiro. Tem sério problemas para controlar um jogo quando a disciplina exige uma postura mais decisiva. Tecnicamente é um juiz razoável. Ele deixou de expulsar o provocador Claiton, o agressivo Sandro Goiano e o descontrolado Diego Souza.

Após a expulsão do meio-campo, os gremistas perderam o controle e deixaram o futebol de lado. Nos 30 minutos finais, os paranaenses mandaram no jogo, tocaram a bola e ensaiaram um olé. Com a defesa sofrendo 12 gols nos últimos seis jogos, o Grêmio volta com zero ponto na bagagem e coloca em risco sua participação na Libertadores.

Mano Menezes disse na entrevista coletiva:

- Tcheco deixou o Grêmio na mão.

O desempenho fora de Porto Alegre não capacita o time ao mais importante torneio da América Latina. A equipe caseira não terá pernas para chegar ao G-4.

Após o jogo, uma briga envolveu jogadores dos dois times nas proximidades dos vestiários, especialmente Eduardo Costa e Claiton. Fica difícil escrever só a partir das informações das rádios, sem as imagens da confusão.

A nova derrota do Grêmio se transformou em caso de polícia

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Inter no caminho do Grêmio pela Libertadores

31 de outubro de 2007 2

O Inter tem uma missão possível. Vencer o Sport, quinta, no Beira Rio, somar três pontos, alcançar o seu 47º no Brasileirão. O colorado precisa afastar-se da zona do rebaixamento o mais rápido possível para não suar sangue depois.

Ainda lhe restam cinco jogos aos vermelhos, três em casa, dois fora. Sete pontos garantem matematicamente uma vaga para a Copa Sul-americana, o prêmio de consolação do campeonato brasileiro.

Depois do Sport, o Inter pega Vasco (F), Cruzeiro (C ), Palmeiras (C ) e Goiás (F). Por um destes caminhos que o só destino arranja, Cruzeiro e Palmeiras são inimigos mortais do rival Grêmio por uma vaga no G-4.

Vencendo os dois ou apenas empatando, o Inter pode ajudar o Grêmio, oferecer seis pontos, asfaltar o caminho do Tricolor até a Libertadores. Oferecer ao adversário histórico um presente de Natal antecipado.

Mas antes de ser ajudado pelo Inter, se é que será, o Grêmio precisa mostrar que tem apetite de Libertadores. Precisa ganhar uma partida fora de uma vez por todas. Trazer um ponto, simples pontinho, do Paraná, é obrigação. O decadente Atlético PR não assusta.

 

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Cerveja e bola

31 de outubro de 2007 1

Como a Copa do Mundo vem aí em quase de sete anos é bom saber quem são os patrocinadores, e mais ninguém, quem manda na competição. O exemplo do dia é russo.

Para receber a final da Champions League, o governo da Rússia precisa antes mudar a lei que proíbe anúncios de cerveja nos estádios. Uma empresa de cerveja patrocina o torneio. A atual legislação sobre publicidade também proíbe os anúncios de cerveja pela TV entre as 7h da manhã e as 10h da noite.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Nilmar, a volta, os gols e a Seleção

31 de outubro de 2007 4

O possível retorno de Nilmar domingo em São Januário é a boa nova colorada. O atacante é esperança de gols, uma pilha deles. Sempre, a cada 90 minutos. Ele volta aos poucos, com cuidado, busca a melhor forma perdida em 2007.

 Mas a informação não é boa só para o Inter. Nilmar em forte é candidato ao posto de atacante da Seleção Brasileira, uma vez recuperado, jogando o que pode e depois de amontoar gols, logicamente.

Se Pato é muito novo e Ronaldo é um veterano sem condições de encontrar a antiga forma, Nilmar é candidato forte ao cargo. Ainda mais que Vagner Love e Afonso jamais agradaram usando a camisa 9.

O atacante da Seleção precisa jogar muito, mais muito mesmo. As nossas últimas referências foram Careca, Romário e Ronaldo. Só lpara lembrar três gerações recentes.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Brasil é na Copa de 2014, sem palavras

30 de outubro de 2007 1

Andre Penner, AP
A imagem fala sozinha.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

As chaves da vitória em Curitiba

30 de outubro de 2007 1

Acredito que Mano Menezes anda sonhando acordado com a sua defesa. Afinal, em dois jogos o seu time sofreu cinco gols, três deles em campo, onde o Grêmio não costuma levar nem susto. Li que o técnico pensam em mudar seu esquema tático. Passado do esquema de dois (Léo e William) zagueiros para três (Léo, William e Matheus). Não creio. Mano é um pouco conservador. E Matheus nunca teve uma seqüência de jogos que lhe desse condições de buscar uma vaga entre os titulares.

 Lembre-se, o jogo com o Atlético PR é decisivo. Se o Grêmio trouxer um simples e perfeito ponto de Curitiba, nem falo em soberbos três, Mano e Paulo Pelaipe vão voltar ao Sul profundo soltando foguetes no Boeing da delegação.

Uma dúvida, uma só, que Mano não pode ter é no comando do ataque. Ninguém de sã consciência tira do time um centroavante que fez dois gols num jogo. Não pode. Não dá.

Jogando mais defensivamente, o Grêmio vai precisar de um contra-ataque. Marcel é mais jovem e rápido que Tuta. Corre mais, se movimenta e é capaz de puxar um ou outro contra-ataque mortal. Ele e Jonas, se resolver jogar o que sabe, são as chaves da vitória. A velocidade é o caminho. Nâo há outro.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Porto Alegre, capital da Argentina na Copa

30 de outubro de 2007 2

A magia de Paulo Coelho ajuda Brasil na FIFA/Steffen Schmidt, AP
Dezoito cidades brasileiras desejam receber jogos na Copa do Mundo de 2014. Porto Alegre é uma delas. A FIFA ainda não anunciou quantas subsedes serão oficializadas no Brasil. Na Alemanha, no Mundial de 2006, 12 cidades abrigaram as 64 partidas do torneio. A tendência é manter 12.

A competição promete trazer 500 mil turistas ao pais, dez por cento do que o país recebe atualmente nas contas de 2006. Torcedor de Copa é um pouco diferente do fã normal, aquele que acompanha o dia-a-dia do seu time e comparece aos estádios. Ele tem um poder aquisitivo maior, na média, viaja acompanhado, às vezes com mulher, filhos e parentes, muitas vezes em grupo, e é mais civilizados. Não conto aí os hooligans, óbvio.

Na Europa, a locomoção é mais fácil e mais cara. No Brasil será mais difícil e mais barata. Morei quatro anos na Inglaterra, viajei muito pela Europa, antes e depois, e conheço um pouco os seus habitantes. Eles adorariam viajar ao Brasil, ainda um país exótico (na cabeça deles), terra do Carnaval e da Amazônia.

Eles ficaram extremamente felizes e motivados se suas seleções jogassem do Rio de Janeiro para cima. As praias do Nordeste, mais o futebol, seriam atrações perfeitas, irresistíveis.

O Sul profundo, como Porto Alegre, deve receber vizinhos da Argentina, Uruguai e Paraguai. Se Florianópolis receber uma subsede, óbvio, que a prioridade dos argentinos será a ilha e suas praias. Caso contrário, Porto Alegre se perfilará como a capital argentina na Copa do Mundo do Brasil.

Porto Alegre pode ser transformada durante algumas semanas numa Buenos Aires em miniatura com legiões de pessoas vestindo azul e branco e gritando %22Argentina, Argentina…%22 nas nossas ruas. 

Até o vermelho Beira-Rio será azul e branco. Sim, às vezes é preciso pagar um preço para abrigar uma sagrada Copa do Mundo. E note que Messi ainda estará fora da lista dos grandes jogadores com mais de 30 anos.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

O Brasil pode superar a África numa Copa?

30 de outubro de 2007 2

Romário é atração na sede suíça da Fifa/Steffen Schmidt, AP
Antes do Pan, disputado no meio do ano no Rio e com sucesso, embora a competição seja desprezada pelos EUA, pátria dos melhores atletas do planeta, o custa do evento estava orçado em R$ 500 milhões. Seu preço saltou oito vezes mais, boa parte bancado com o dinheiro público, quando faltou verba para a conclusão de dezenas de obras, entre outras coisas.

O que é completamente errado. O governo deve investir seus recursos em outros lugares, especialmente em países atrasados. A Copa do Mundo no Brasil deve seguir o mesmo caminho se a iniciativa privada não fizer a sua parte outra vez. Na reta final, como no Pan, o governo pega o nosso dinheiro e despeja em diferentes lugares.

A FIFA foi precipitada ao escolher a África do Sul, sede em três anos. Está certo que o Mundial também é um investimento no país e o esporte é positivo em todos os sentidos, especialmente para os mais jovens. Mas a África do Sul poderia esperar mais um pouco. Talvez a união de alguns países europeus, organizados em nome de um Mundial da África, pudesse ajudar o país a fazer uma competição com muito mais segurança, com estádios mais qualificados e uma infra-estrutura melhor.

Claro que não poderemos esperar uma Mundial na África com um padrão alemão, inglês, europeu. Não há dinheiro para tanto. O país se encontra em outro estágio de desenvolvimento. A África é um continente que dificilmente dará certo num futuro próximo.

A pergunta é uma só: Que tipo de Mundial o mundo verá? Quando a bola rolar na África do Sul, os fãs do futebol serão remetidos imediatamente para a Alemanha, palco do último Mundial. Quatro anos não significam tempo algum na nossa memória. Associação entre África e Europa, e seus estádios, será na natural.

Como o Brasil não vai ser assim, oito anos depois da competição na rica Alemanha, segundo país que mais exporta no mundo. A nossa referência imediata será a África e toda a sua complicada realidade, onde o Primeiro e o Quarto Mundo se chocam todos os dias. Menos mal para o Brasil.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Copa do Mundo no Brasil é um perigo

29 de outubro de 2007 10

O custo de uma Copa do Mundo no Brasil pode superar os R$ 20 bilhões. Nas mãos dos brasileiros, seja ele de onde for, 20% vai se perder nos mares, rios, arroios e pingos da corrupção, no mínimo. O Brasil é um país corrupto. Não muito diferentes de todos, do Primeiro ao Terceiro Mundo. A corrupção só aumenta a medida que os corruptos descobertos não são punidos com o peso da lei.

A FIFA anuncia o Brasil como sede nas próximas horas. A segunda opção, bem distante, é o Canadá. O Mundial de 2014 só troca de lugar se o nosso país patinar na organização. O Canadá não tem tradição em futebol, mas tem dinheiro, segurança e organização. OS EUA vivem ao lado, podem ajudá-lo em tudo.

Você e eu, Joseph Blatter e Ricardo Teixeira, todos sabem que o Brasil não têm condições de organizar um grande mundial. Faltam bons, modernos e seguros estádios, segurança nas ruas, dia e noite, infra-estrutura, aeroportos, estradas, rodoviárias (trem não existe), entre outras coisas. Nós somos brasileiros, somos gente da terra, e sabemos que em oito anos um país não muda, não se arruma.

Claro que eu quero ver uma Copa no Brasil. En 1950, na primeira, eu nem era nascido ainda. Por outro lado, uma Copa do Mundo bem organizada, algo difícil por aqui, com gente honesta comandando, deixa uma herança fantástica ao país. Uma das melhores é uma série de novos estádios capaz de segurar legiões de torcedores com segurança e conforto por meio século.

Mas não espero, nem no sonho, uma grande Copa. Acho que a FIFA acertou em alterar as regras, que passam a valer já para o Mundial de 2018. As próximas sedes serão escolhidas como nas Olimpiadas. Vários países se escrevem e vence o melhor, o mais capacitado, organizado.  

Uma Copa correta precisa estra dividida assim: 1) O Governo Federal, com o apoio dos estaduais, cuida das estradas, cidades, aeroportos, etc. Trata de cronstruir, reformar melhorar tudo. 2) A iniciativa privada se encarrega de construir ou reformar estádios, hotéis, restaurantes, shoppings, etc,

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Messi é o novo dono da torcida do Barcelona

29 de outubro de 2007 4

Messi (E) é festejado pelos companheiros/Manu Fernandez, AP
Messi ocupou definitivamente o lugar que era de Ronaldinho no Barcelona – que venceu o Almeria (2 a 0), domingo, com um gol do argentino. Seja no time, seja no coração da torcida. O gaúcho anda sendo substituído em quase todas as partidas e não é mais um jogador %22intocável%22, um daqueles que pode jogar mal, que raramente sai no meio dos 90 minutos e que atua em todas as partidas.

Veja a opinião do diário catalão Sport, editado em Barcelona, hoje nas bancas e na rede:.

%22El juego de Ronaldinho ya no marca diferencias. Tan sólo Messi brilla con luz propia y se convierte en la referencia a nivel ofensivo. Hay seria preocupación por el mal momento de juego que atraviesa Ronaldinho. Tiene ganas de convencer pero no lo consigue, a veces incluso da la sensación de que es un freno para el equipo%22

E vai adiante: %22Cuando Rijkaard lo cambió por Messi, fue cuando el juego tuvo más chispa y velocidad. Ya debe ser dramático para el brasileño que le cambien antes que a (el mexicano) Giovani (dos Santos)%22

Nas nove partidas (mais de 810 minutos) disputadas na atual temporada do Campeonato Espanhol, Ronaldinho jogou apenas 385 minutos (47,5%). Fez dois gols. Na lista entre os melhores jogadores da América Latina que disputam o Campeonato Espanhaol, Ronaldinho é o 21º colocado. Sérgio Agüero, do Atlético de Madrid, é o primeiro. Messi é o segundo.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Palmeiras fica no G-4 e Flamengo se aproxima

28 de outubro de 2007 5

Diego Cavalieri fez uma defesa espetacular aos 47 minutos do segundo tempo. Colocou para escanteio uma bola cabeceada com perfeição por Romário quase na risca da pequena área. O goleiro salvou o Palmeiras (54 pontos), garantiu um ponto e manteve o seu time no agradável convívio com os quatro times do paradisíaco G-4.

O 2 a 2 com o Vasco foi muito bom. Os paulistas saíram soltando foguetes. Na rodada anterior, Santos (55), Cruzeiro (55) e Grêmio (54) perderam fora, mas o Palmeiras ganhou em casa. Longe de São Paulo, em São Januário, no Rio, buscou um ponto. No meio da semana espera o Juventude, o segundo pior time da competição, e assiste Santos, Cruzeiro e Grêmio jogando longe das suas sedes com, respectivamente, Náutico, Botafogo e Atlético PR.

O Palmeiras tem tudo para continuar no grupo dos quatro da Libertadores, cinco rodadas antes do jogo final. Ruim mesmo foi a expulsão de Valdívia. O chileno agrediu um adversário. Antes já havia desferido uma cotovelada num zagueiro do Vasco, numa jogada no interior da grande área.

A briga pelo G-4 ganhou um novo perigoso e decidido personagem. O Flamengo trouxe três pontos inestimáveis de Natal, somando 52. Um tropeço de Cruzeiro e Grêmio, no meio da semana, pode colocar o Flamengo no G-4, caso o Rubro-Negro vença o Corinthians no Maracanã. Não é uma tarefa impossível.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Josiel marca, Inter cai e balança na tabela

28 de outubro de 2007 7

O goleador Josiel afundou o Inter. Entrou voando pela grande área, ganhou de Índio e cabeceou certo, fazendo o gol solitário da derrota colorada no Paraná. Josiel foi o melhor em campo. Josiel é um atacante completo. É baixo, mas faz gol de cabeça. É hábil, sabe se movimentar, tem velocidade e não se contenta em ficar preso na zona da grande área. Jogaria certo no Inter e no Grêmio.

O Inter (44 pontos) não perdeu apenas a partida, não exibiu só erros antigos e um meio-campo burocrático, sem um mínimo de criatividade. Perdeu igualmente o seu posto na Copa Sul-americana, se aproxima perigosamente da pântano do rebaixamento, a três pontos do Corinthians (41 pontos).

Sem um meio-campo de duas funções, o que organiza e defende, o Inter ficou sem ação ofensiva, sem força no ataque contra o Paraná, um dos três piores times do Brasileirão. O Inter jogou pouco e não merecia nem o empate. Quando o veterano Christian aquece e aparece como salvação, pode apostar, o desespero chegou.

O Paraná correu muito, lutou e jogou como um time desesperado. Fez um jogo de exceção, apesar da má performance do adversário.

O Inter não vai mergulhar no fundo do poço imediatamente. O futuro desconheço. Entre o Inter e a faixa do quarteto da Série B, patinam outros três times: Náutico, Sport e Goiás. E o Sport é o adversário do Inter na próxima rodada, em Porto Alegre. É jogo de seis pontos. É um novo filme de terror no ano que parece interminável ao Inter.

O Colorado repete o Tricolor. Os dois desconhecem os caminhos da vitória quando jogam longe das suas residências. É um perigo, é um grande risco neste final de campeonato.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Valeu pelos três pontos, não pelo futebol

28 de outubro de 2007 11

Pode ter sido a sorte, a força física, a jogada aérea. Pode ter sido a soma de tudo. Certo mesmo, depois dos três pontos, foi a decepcionante partida do Grêmio (54 pontos). Nem os jogadores gostaram. A vitória sobre o Náutico (4 a 3) foi demorada, sofrida, de muitos erros técnicos e falhas individuais.

Todos (ou quase todos) deixaram o Olímpico aliviados, nunca felizes. O futuro da Libertadores ainda é um mistério, especialmente se o time continuar jogando o que jogou neste domingo. Nem o mais otimista dos torcedores do estádio ou da tevê enxergou bom futebol na partida gremista de sete gols e pilhas de erros.

Os três setores do Grêmio pareciam desmembrados, divorciados, em grande parte dos 90 minutos: a zaga falhou nos gols, os laterais não marcavam, nem apoiavam, os volantes não protegiam a defesa, os homens de criação não apareciam e os atacantes viviam isolados.

O Náutico saiu na frente, mas Tuta achou um gol por acaso. Foi cruzar, encontrou o empate.Depois o Tricolor fez 3 a 1, mas o bem organizado Náutico encostou depois de novos vacilos da defesa (3 a 3). Marcel garantiu o quarto gol, marcando o seu segundo na partida, depois de um excelente cruzamento de Luciano Marreta.

Com três gols de cabeça, o Grêmio continua na sua luta por uma vaga na Libertadores. Mas sua torcida está assustada. O Grêmio insistiu nas jogadas aéreas, evitou os passes, as aproximações, os ataques mais organizados. Ganhou na base da saúde e do tamanho dos seus jogadores, mas não é mais, desde muito, aquele time que encurralava o adversário no seu campo, retirava todos espaços ofensivos e atacava com oito e defendia com 11.

O maior problema do Grêmio foi sua defesa, que sofreu três gols. Faz cinco jogos que a defesa sofre gol. Léo e Anderson jogaram bem abaixo das suas médias. O saldo de gols no campeoanto é de apenas dois gols: 39 feitos, contra 37 sofridos. Todos os quatro integrantes do G-4 têm saldo de gols superior ao do Grêmio, quinto colocado. O mais próximo é o Palmeiras, com seis.

O número de vitórias pode definir uma vaga na Libertadores, assim como o saldo de gols. É hora de fechar a defesa, mas acertar o ataque. Depois de tantas mudanças, supensões e lesões, o meio-campo do Grêmio anda desarticulado. Não é mais o que vinha sendo.

 

 

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Grêmio e Inter e suas duas copas dominicais

27 de outubro de 2007 1

O domingo da dupla mais amada dos gaúchos é distinto. O quinto colocado Grêmio (51 pontos) luta em Porto Alegre pela doce vida do G-4. Empate é goleada, contra. Nada além da vitória interessa sob pena de perder o trem da Libertadores. É jogo de 40 mil pessoas no Olímpico.

O adversário vem do Nordeste, estados de salários baixos, de jogadores de quarta linha, mas o Náutico (43 pontos) anda surpreendendo, roubado pontos de gente boa fora de casa e chega em busca de um ponto, no mínimo. Sua meta é a Copa Sul-americana.

O alvo do Inter, pasme, neste ingrato final de 2007, é a Copa Sul-americana também. O Colorado (44 pontos) pisou o ano como um dos favoritos ao título nacional. Não passou nem perto. Esteve mais perto da B do que do caneco da A. Fracassou na luta pela Libertadores e ainda busca uma idéia de futebol, um time digno da sua torcida.

O Paraná é candidato fácil ao rebaixamento, terceiro pior time da competição, 34 pontos. Time por time não é páreo, não assusta o Inter – apesar do sempre perigoso Josiel. Só que o Paraná é um time desesperado, imprevisível e ainda joga em casa ao lado de uma torcida que respira por aparelhos. Será um bom teste para o novo time do Inter, de boas atuações nos últimos jogos.

Postado por Zini, Porto Algere

Bookmark and Share

Manchester é a capital mundial do futebol

27 de outubro de 2007 4

Eu vi e revi Real Madrid e Barcelona. Assisti Milan, Inter, Chelsea, Arsenal e Liverpool. Liguei a tevê nos campeonatos nacionais e na Champions League. Gravei na retina horas de futebol neste início de temporada 2007/2008 na Europa. Posso dizer agora, sábado de quase 30 graus, que nada se compara ao Manchester United.

O melhor futebol do mundo da atualidade está concentrado no quadrado de grama do Estádio de Old Trafford, o Teatro dos Sonhos da cidade de Manchester, na Inglaterra. Ninguém tem um quarteto como Cristiano Ronaldo, Rooney, Tevez e Anderson, coadjuvados por Scholls, Giggs, Nani, Rio Ferdinand, Vidic, entre outros.

Em mais uma atuação acima da média da média dos grandes clubes europeus, o United fez 4 a 1 no Middlesbrough, de um discreto Fabio Rochemabck. Outra vez Rooney (um gol) e Tevez (dois gols) brilharam. Fizeram tabelinhas, jogadas pessoais, driblaram, passaram, usaram o calcanhar e deixaram suas marcas na partida que levou o United (26 pontos) ao primeiro lugar. O Arsenal (25) joga amanhã (Liverpool) e pode recuperar a ponta e ainda tem um jogo a menos.

O ex-gremista Anderson voltou a atuar de volante, posição que já é sua entre os titulares, desta vez ao lado de um volante de verdade, Heargraves, ex-Bayern de Munique e da Seleção Inglesa. Apesar de toda a sua qualidade técnica, Anderson está aprendendo a jogar de um toque só. Toca, se desloca e recebe. O gaúcho está mais solto e começa a segurar um pouco mais a bola, acreditando nas suas jogadas individuais, na velocidade e no drible para a frente, em direção ao gol adversário.

A dupla Rooney/Tevez anda jogando tanto, dando tão certo, que ninguém nota a tarde/noite na qual Cristiano Ronaldo faz uma partida apenas razoável. O português é o melhor jogador do United, mas a dupla começa a fazer sombra, encantar os fãs, fazer a cabeça dos críticos mais exigentes.

A grande surpresa do dia não foi a volumosa vitória do United ou a baixa performance de Cristiano Ronaldo. Foi os 6 a 0 que o Chelsea enfiou no Manchester City, de Elano. Não será surpresa também se amanhã o Liverpool despachar o Arsenal, em Anfield, e subir na tabela.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Romário, Espinosa e o banco de reservas

26 de outubro de 2007 3

O Baixinho no banco, antes do campo/Ricardo Moarais, AP
Romário sai da área técnica da beira do gramado depois de pouco mais de 50 minutos e procura vaga no carente time do Vasco. Seu novo técnico é um homem que não gosta de polêmica, Valdir Espinosa.

O treinador gaúcho gosta de uma boa conversa e acerta tudo numa mesa de bar se for caso, não o de Romário que detesta álcool. Espinosa pode deixar o Baixinho olhando o jogo acomodado no banco de reservas, esperando os últimos 20 minutos de um jogo do Brasileirão.

O problema é que aos 41 anos, Romário não acrescenta mais nada ao time. Pode até complicar o futuro de Espinoso no clube. Para o seu bem e dos fãs, o jogador de futebol precisa saber exatamente a hora de pendurar as chuteiras. Lucram os dois.

Espinosa estréia domingo contra o Palmeiras, às 18h10min, no Rio. Uma vitória carioca ajuda o Grêmio no Brasileirão, time do coração de Espinosa, segundo o próprio. Palmeiras é um dos que lutam por uma vaga definitiva no G-4 2007.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Mano acredita em Tuta. E você?

26 de outubro de 2007 3

Nós últimos 12 pontos, quatro rodadas do Brasileirão, (Atlético MG. Palmeiras, Goiás e Flamengo), o Grêmio levantou apenas quatro – duas partidas em casa, no calor das arquibancadas do Olímpico. Os outros oito correram pelo ralo, ficaram nas mãos de inimigos diretos por uma das preciosas vagas do invejado G-4.

O Grêmio precisa desesperadamente da vitória contra o Náutico, domingo, ás 16 horas – na real, 15h, pois o horário de verão joga contra todos os clubes que atuam no meio da tarde. Até mesmo um empate segura a sua corrida rumo ao campeonato mais importante da América.

Ainda não sei a escalação, não conheço os 11 favoritos de Mano. Sei apenas que Tuta precisa ficar no banco, pela lógica dos últimos jogos. Está na hora de aproveitar Marcel outra vez. Claro que Tuta pode fazer dois três gols e enterrar o Náutico. Não duvido. Ele já fez assim.

Mano acredita nos gols de Tuta. mas é você? Será Marcel, mais rápido, ágil e jovem, não está pedindo passagem? 

O problema é que Tuta não consegue garantir uma boa média de gols. Ele faz dois hoje e depois fpassa três jogos, quatro, sem fazer nenhum. Bom centroavante não age assim. Não mesmo. Bom centroavante segura uma média de dois, três gols a cada quatro jogos.

Por outro lado, é justa uma queixa de Tuta. A de que ele está quase sempre isolado no ataque gremista. Verdade. Tuta precisa de bola na grande área. Não é jogador de velocidade, do drible, de movimentação. Ele é matador.

Se a bola não chegar (e não tem chegado), ele não vai fazer. Os homens de meio-campo precisam oferecer oportunidades ao centroavante. Jonas, que é bomm jogador, mas não andam bem, precisa fazer o mesmo.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Dez anos sem Maradona na boa grama verde

25 de outubro de 2007 2

Aos 36 anos, cinco dias antes de completar 37, Dom Diego Armando Maradona, deixou o futebol num 25 de outubro, 10 anos atrás. Em 21 temporadas, Maradona jogou em seis equipes: Argentinos Juniors, Boca Juniors, Newell%27s Old Boys, Barcelona, Sevilla e Napoli.

Seu grande e inesquecível time foi no Napoli, mas ele foi maior, porém menor do que Pelé, na Seleção Argentina. Com a camisa azul celeste jogou 91 vezes. Só em Copas do Mundo foram 21 partidas.

Seu jogo definitivo foi contra a Inglaterra com o sol forte do México torrando seus miolos, um 22 de junho de 1986, quatro anos e oito dias após a rendição argentina para os ingleses na Guerra das Malvinas.

Memorável jornada de dois gols:

1º) Driblou quase todo o time da Inglaterra e fez o gol mais espetacular da história de todas as Copas.

2º) Marcou o célebre gol com a mão.

Dentro de campo, ele será sempre um mito, eterno. Fora, um ser humano como qualquer um de nós, com erros e acertos.

Salve Maradona, o segundo na mitologia do futebol depois do Rei Pelé.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Ronaldo só volta em 20 dias

25 de outubro de 2007 5

Os que imaginam que Ronaldo possa ser outra vez o 9 dos sonhos da Seleção Brasileira precisa esperar mais um pouco. Algo como mais um mês ou, com um pouco de sorte, menos de 20 dias. O Fenômeno, alguns cravam um ex antes do adjetivo, está machucado outra vez, de acordo com o Milan. Antes era a perna esquerda, agora é no músculo da direita.

Aos 31 anos, o atacante que já foi o número 1 do mundo e o melhor que eu já vi atuar, ainda não jogou uma só partida na atual temporada 2007/2008. Ronaldo não tem uma boa seqüência de jogos desde a Copa da Alemanha, disputada na metade do ano passado. Mundial onde ele não foi bem, onde jogou acima do peso.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Tuta perdeu a fome de gol

24 de outubro de 2007 9

No Estádio Olímpico, ilhado entre os repórteres, Mano Menezes falou:

 – Não vou tirar Tuta por decreto.

Centroavante sai do time por si só. Não precisa da assinatura de ninguém, nem do técnico, muito menos do presidente ou da torcida. Quando o centroavante começa a fazer um número menor de gols que o previsto, quase insignificante, a reserva o chama naturalmente. O banco o atrai como ímã.

É o caso de Tuta. Longe do gol, sem sacudir as redes, Tuta está definitivamente abrindo espaço para Marcel. Nem é o caso de avaliar quem é melhor ou pior no momento do Tricolor, que só piorou depois do trágico empate com 2 a 2 com o Atlético MG em Porto Alegre. É hora do gol e ponto final, já que o Náutico vem aí e a vitória é caso de sobrevivência.

 

 

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Ronaldinho ou Eto`o. Quem fica na reserva?

24 de outubro de 2007 1

Sem brilho, Ronaldinho parou na defesa do Rangers/Jon Super, AP
Causou indigestão ao Barcelona o 0 a 0 com o Rangers, em Glasgow. Os escoceses comemoram empate com vitória, terça-feira, os espanhóis passaram mal depois do jogo da Champions League.

Não se livraram da marcação nem no aeroporto, tamanha a determinação do adversário em campo. O Rangers postou nove jogadores na entrada da área. Atacou pouco, marcou como nunca. Nem o vento das charnecas escocesas passaria por aquela zaga.

A imprensa de Barcelona aproveitou para atacar Ronaldinho sem dó, dizendo que já faz tempo que o brasileiro perdeu o sorriso e que os torcedores não têm mais esperança na sua recuperação. Continua dizendo que a estrela de Ronaldinho apagou.

Agora, o brilho é de Messi. O argentino apaga todos em sua volta, faz esquecer os demais E os jornais da Catalunha ainda questionam: será que Ronaldinho continuará como titular absoluto depois do retorno do goleador Eto%27o?

A decepção não estanca no gaúcho. Thierry Hanry é outro alvo. O francês não está jogando nem um terço do que sabe, do que fez em gloriosas jornadas no Arsenal.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Uma dupla de atacantes extraordinária

23 de outubro de 2007 5

Tevez e Rooney, uma dupla que vale ouro/Andriy Lukatsky, AP
Um inglês e um argentino unidos, no mesmo time, formam a melhor dupla de atacantes do futebol mundial da atualidade. Usando a camisa do Manchester United, Rooney e Tevez estão fazendo gols, tabelas e assistência a cada jogo do United em estádios sempre lotados. Dá gosto vê-los jogar.

Eu ligo a tevê todos os sábados só para assistir a dupla, que ainda conta com a assessoria nota 10 de Cristiano Ronaldo, de Anderson, de Scholes e de Gigs. Tomo meu café na frente da televisão, quase hipnotizado pelo talento dos dois atacantes. Baixos, porém fortes. Atarracados e corajosos, sem um pingo de medo dos gigantes da defesa adversária. Hábeis e solidários.

Fazia anos que eu não via dois atacantes tão rápidos e letais atuando em dupla, se deslocando em todas as zonas de ataque, partindo para cima dos zagueiros e fazendo gols de todos os tipos.

Os fãs do Manchester United chamam Carlito Tevez de %22The Lion%22. Hoje a dupla enfrenta o Dynamo, na gelada Kiev.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Romário acredita no impossível

23 de outubro de 2007 3

Falta fôlego ao técnico Celso Roth na reta final das competições. Ele assume os times, começa bem, mas raramente consegue completar um trabalho. Roth trabalha muito, se esforça, motiva, porém sempre fica faltando alguma coisa. Sua demissão não foi surpresa.

Surpreendente foi a rápida decisão dos dirigentes Vasco, sempre liderados pelo nefasto Eurico Miranda. Oferecer o cargo de técnico ao jogador Romário, 41 anos, é um ato impensado. Romário sempre foi um jogador antipático aos treinadores, nunca respeitou esquemas táticos.

Romário dizia que as preleções dos treinadores entravam por um ouvido e saiam pelo outro. Pelo soberbo futebol que mostrou em quase toda a sua longa (e interminável) carreira, Romário sempre colocou os técnicos em segundo plano.

Não vejo Romário como uma comandante de grupo, um motivador, um tático. Muito pelo contrário. Mas vamos deixar o homem trabalhar, observá-lo na beira do gramado. Antes, é impossível fazer uma avaliação final.

Romário disse que só pretende ajudar. Não deseja ficar muito tempo na função no clube. Sua primeira missão é vencer o América, do México, por uma diferença de três gols amanhã em São Januário. Só assim seu time continua na Copa Sul-americana.

Será que os jogadores do Vasco vão chamar o treinador de professor Romário?

Postado por zini

Bookmark and Share

Bandidos camuflados de torcedores

22 de outubro de 2007 3

Ao conversar com o qualificado repórter de ZH, Diego Olivier, o comandante do 1º Batalhão da Brigada Militar, Ângelo Antônio Vieira da Silva, classificou de bandidos os torcedores do Inter que apedrejaram os torcedores do Juventude, domingo, depois do jogo, nas proximidades do Beira-Rio.

São bandidos, sim. Eu não tenho dúvida alguma. Torcedor não se comporta assim, sejam colorados ou gremistas. Está certo o comandante. Domingo foram os vermelhos. Os azuis já fizeram o mesmo. Os bandidos dos estádios são iguais, independentemente das cores que usam.

Os bandidos devem ficar na cadeia – e por longo tempo. Futebol é um esporte familiar. Pai, mães, filhos, tios, tias e avós precisam de paz dentro e fora dos estádios. Precisam vestir tranqüilmente as camisas dos seus clube sem medo de agressões.

O futebol inglês varreu os bandidos, os hooligans, dos seus estádios. Hoje dá gosto ver um jogo na Inglaterra. A tevê prova aos que ainda não puderam ver um jogo nos domínios da rainha Elizabeth II.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Tolerância zero com Robinho em Madrid

22 de outubro de 2007 3

Schuster está de olho em Robinho/Manu Fernandez, AP
Nem tanto a balada no Rio, mas a ausência de um treino do Real Madrid, sexta-feira, custou R$ 49 mil ao jogador Robinho. Valor é pequeno, quase insignificante, dado o seu salário mensal.

O pior chegou junto com a multa. Um definitivo aviso que o clube não vai mais tolerar as escapadas noturnas do ex-santista. O Real Madrid está cansado de Robinho. Não vai mais tolerar atos de indisciplina do brasileiro.

Robinho quase foi vendido no começo da temporada. Recém contratado, o técnico alemão Bernd Schuster não deixou, contava com o jogador e acreditava no seu pontencial. Leio que o treinador está desistindo. Por outro lado, Robinho nunca foi titular. Mas uma opção de segundo tempo sentada no banco de reservas.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share