Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de fevereiro 2008

Ronaldinho mira o topo outra vez

29 de fevereiro de 2008 8

Ronaldinho voltou a falar e disse que quer jogo/Manu Fernandez, AP
Ronaldinho passou boa parte de 2008 (quase 60 dias) sem olhar para a impressa. Estava na reserva, jogava como um jogador comum e o Barcelona, mal na tabela, desconfiava que o gaúcho desejava respirar novos ares, especialmente o do norte da Itália (Milão).

Aproveitando o lançamento de mais um produto que utiliza o seu apelido como como chamariz, Ronaldinho voltou a olhar para os microfones. E disse, segundo informações da Agência EFE:

– Ainda sou muito jovem (27 anos) e me imagino muitas vezes mais lá (na premiação da Fifa).

Ronaldinho não desistiu de jogar, nem vai desistir em breve, como muitos insinuaram, dada a sua displicência em campo. Ele quer mais. Deseja voltar ao topo, craque diferenciado que é.

Ele parece que não está contente com os dois títulos de melhor do mundo (2004 e 2005). O camisa 10 do Barcelona acredita que a temporada de 2007/2008 ainda pode reservar os títulos da Espanha e da Europa ao seu clube.

Até pode se ele jogar o que sabe e o Real Madrid patinar na ponta da tabela do Campeonato Espanhol. Dois pontos separam os dois times. Ronaldinho precisa ter vontade. Motivado, ele tem um repertório de jogadas único, inigualável no planeta. Motivado e em forma.  

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Os quatro gols de Perea ganham o mundo

28 de fevereiro de 2008 31

Veja o que a agência DPA, da Alemanha, falou da atuação de Perea na quarta-feira passada.

Futbol-Brasil Colombiano Perea marca cuatro goles y se convierte en ídolo

 Porto Alegre (Brasil), 28 feb (dpa) – Huérfano de grandes ídolos desde que Ronaldinho abandonó el club para irse a Europa, en 2000, el equipo brasileño de Gremio festejó hoy el nacimiento de un nuevo %22rey%22, el delantero colombiano Edixon Perea, quien anoche marcó cuatro tantos en un partido válido por la Copa de Brasil.

Un día después del encuentro, que terminó con la victoria del Gremio por 6-0 sobre el modesto Jaciara, el delantero brasileño Soares, compañero de ataque de Perea, fue generoso en elogios para su colega colombiano.

 %22Perea estaba iluminado%22, resumió Soares, el autor del tanto que selló la victoria por goleada que le aseguró al Gremio el pase a la segunda fase de la Copa de Brasil. El delantero brasileño aseguró que la lluvia de goles marca el inicio de una nueva etapa y el fin de los cuestionamientos a Perea, quien no había logrado marcar en los cinco primeros partidos que disputó por el Gremio: %22Todos estamos felices por él. Cuando un atacante no marca goles, el técnico lo saca del equipo%22.

Perea estaba igualmente feliz por el fin de la sequía: %22En los últimos partidos no logré marcar, pero así es la vida de un atacante. Hoy, finalmente, tuve las oportunidades y anoté cuatro%22, dijo, al final del partido. Además, reveló que esa no fue la primera vez que logró esa hazaña: %22Yo ya marqué cuatro goles en un partido de la selección de base de Colombia. Ahora, habrá que seguir entrenando para seguir así%22. dpa re an

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

A Copa do Brasil, a Dupla e os estrangeiros

28 de fevereiro de 2008 14

A final da Copa do Brasil será numa quarta-feira, 11de junho, talvez no Olímpico, quem sabe no Beira-Rio. Porto Alegre já foi capital da Copa do Brasil cinco vezes. A Dupla avançou, superou a primeira fase da edição 2008, ao lado de outros 18 clubes – ainda falta a definição de mais 12. Precisa ganhar outras cinco fases para estacionar na grande decisão.

O Inter liquidou o Nacional nos primeiros 90 minutos. O Grêmio precisou de 180 para afugentar o Jaciara e ainda perdeu um técnico no caminho. Os dois times gaúchos treinaram usando camisa de jogo. Sofreu mais o Inter porque precisou cruzar o Brasil numa viagem cansativa.

Os dois jogos foram treinos com iluminação de jogo. A exigência foi mínima. Perea foi um dos destaques da jornada. Fez quatro gols. Ótimo, mas o bom centroavante precisa seguir uma média. O colombiano não pode fazer chover gols num dia e ficar uma seqüência de partidas sem balançar as redes adversárias. A matemática perfeita do bom centroavante soma gols a cada dois, três jogos.

Na Paraíba, os gols do Inter foram distribuídos entre quatro. Alex, o melhor jogador do Inter na temporada e o melhor em atividade no futebol gaúcho, marcou outra vez. Sua regularidade impressiona.

A surpresa foi o gol de pé direito do canhoto Guiñazu. O batalhador homem do meio-campo colorado não tem familiaridade com o interior da grande área. Se começar a marcar com naturalidade, a sua utilidade ao time do Inter dobra. Faz dele um jogador de futebol ainda mais interessante..

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Copa do Brasil: o exemplo do Asa de Arapiraca

27 de fevereiro de 2008 5

A Copa do Brasil é o único campeonato onde se pode avaliar a realidade do futebol do país longe das grandes capitais. Não dá bola só aos grandes e ainda descarta os quatro classificados para a Libertadores. Oferece oportunidade aos pequenos, ao Interior, ao Brasil que circula longe do dia-a-dia da tela do Jornal Nacional, onde até um Criciúma ou um Paulista conseguiram em noites heróicas erguer a taça, ingressar na Taça Libertadores da América –e depois sumir.

A Copa do Brasil ajuda a revelar jogadores. Apresenta as promessas, recupera quem perdeu nome e espaço ainda no começo de carreira em times de ponta. É uma competição difícil, complicada, disputada no sistema mata-mata e que não obedece lógica alguma.

Um segundo de desatenção nos primeiros 90 minutos pode custar a derrota e a desclassificação prematura. A vergonha.

O Grêmio venceu quatro vezes, uma delas dirigido por Tite, um treinador que nunca mais conseguiu ganhar nada. O Inter ganhou uma só, sob o comando do hoje aposentado Antônio Lopes. Um dos melhores técnicos do país, Vanderlei Luxemburgo, sete títulos paulistas e cinco brasileiros, ergueu a Copa uma só vez em 10 participações.

O grau de dificuldade da competição se mede aí. Luxemburgo sempre dirigiu times com os mais qualificados jogadores do país. Luxemburgo é uma lembrança e um alerta. Um dos maiores vexames da Copa do Brasil nasceu nas suas mãos: a queda do seu fornido Palmeiras no Palestra Itália para o Asa, de Arapiraca, em 2002, ainda na primeira fase da competição. Um típico caso de um grupo que desdenhou os adversários.

Os adversários da Dupla da última quarta-feira de fevereiro, Jaciara e Nacional, devem estar se mirando no exemplo do Asa. Discutido, observando, vendo e revendo o DVD.

Grêmio e Inter precisam usar a prepotência de Luxemburgo como um espelho a ser quebrado. A rodada parece fácil, definida. O Palmeiras também entendeu assim um dia. O fiasco é avaliado hoje como um dos maiores da longa história do clube.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Futebol rico, pobre fã

26 de fevereiro de 2008 3

Drogba (E) é um dos astros do milionário Chelsea/THANASSIS STAVRAKIS, AP
Os ingleses, milhares deles, estão possessos com os milionários que compraram seus clubes. Os novos donos, ricos antigos ou recentes, usam os clubes, paixão, amor, fé, razão de ser de milhões, como se fossem pacotes de ações na bolsa de valores.

Os clubes são números, dígitos que sobem e descem, prontos para serem vendidos nos momentos de alta. Os fãs do Liverpool observam atônitos seu time lotado de craques desabar enquanto dois norte-americanos brigam e ameaçam vender o glorioso Reds, agora afundado em dívidas, para um grupo de negociantes árabes.

As ações dos clube estão na bolsa de valores da City londrina. Compra quem tem mais dinheiro. Dono de uma fortuna avaliada em R$ 23 bilhões, o russo Román Abramovich já investiu US$ 1,1 bilhão no Chelsea em cinco temporadas. Mandou no futebol inglês, mas jamais chamou a Europa de sua, nunca o mundo.

O Chelsea, ou Abramovich, perde U$ 200 milhões por ano. Só o trio Drogba, Lampard e Terry levanta cerca de US$ 100 milhões por ano. Um dia o russo vai fechar a torneira. E aí?

No Brasil os clubes ainda estão na órbita de dirigentes apaixonados pelos seus times. Enxergam tudo como paixão, não como negócio. Muitas famílias ricas dominam o futebol no país. A maioria ainda vive no passado, não enxergou o futuro, jamais pensou no amanhã e assina empréstimos com o seu próprio aval.

Os grandes clubes se sustentam vendendo jogadores e com as cotas da Globo. Muito estão quebrados, devendo o que não podem, graças a péssimas gestões, passado por corruptos até amadores.

Os pequenos clubes vivem como dá, passando o chapéu todos os meses na frente de empresários regionais e de prefeituras. Não há plano, não há idéia, uma luz.

O futebol brasileiro ainda está amarrado, agarrado ao seu passado. A corda é grossa e o nó foi molhando. Quem será que pode desatá-lo?

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Há um bom zagueiro disponível na Europa

26 de fevereiro de 2008 10

Os jornais da Espanha dão como certa a saída de Fabiano Eller do Atlético de Madrid. A decisão é do clube, que alega falta de qualidade. Eller jamais conseguiu uma boa seqüência de jogos na capital espanhola. Afundou junto com o time que, primeiro pensou no título, depois numa vaga na Champions League, agora se entrar na Copa da Uefa vai respirar mais tranqüilo no final do ano.

Eller fracassou na Europa. Está desvolorizado. O clube brasileiro que correr pode levar o zagueiro, um bom zagueiro, mas nada muito especial. Tanto que não aprovou no Atlético, um time acostumado a freqüentar a metade da tabela na Espanha.  

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Marcelo Grohe ainda precisa dizer quem é

25 de fevereiro de 2008 11

Vítor continua no hospital 24 horas depois da lesão renal que o tirou do jogo em Bento Gonçalves. Vítor fica mais dois dias de cama, fica mais de um mês longe do gol tricolor.

De toda a longa série de contratações do Grêmio em 2008, o goleiro era o mais regular. Jogou mais que todos os outros, claro. Conseguiu atuar numa série de partidas, ganhou confiança, segurança e garantiu a camisa número 1 com sobra.

Mas ainda precisa jogar mais para ganhar a confiança real da torcida. Mostrar mais. Mostrar que é (se é que é) um ser superior como todo o goleiro que vive acima da média. Comum é o volante trombador, o zagueiro zagueiro. Goleiro precisa jogar de mão dadas com o sobrenatural, só assim consegue produzir os milagres naturais da sua profissão de elite.

Desce Vítor, sobe o reserva Marcelo Grohe. O jovem Grohe, que se machuca muito, ainda é um goleiro em formação. Deve ter aprendido algo com Saja, especialmente na reposição de bola, rápida e com qualidade, um dos pontos altos do goleiro argentino.

O atual estágio de Grohe ainda é um mistério, pois não joga. Será possível observar a sua evolução nas próximas quatro semanas. Seu futuro no clube será decido em oito jogos, talvez um pouco mais. É sua grande chance.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

Bola parada define jogo mesmo sem treino

25 de fevereiro de 2008 14

As férias afastaram o meu foco do futebol. Voltei hoje, mas ontem consegui ver o Grêmio em Bento pela tevê, que não via desde o Carnaval. Observei dois gols de bola parada (jogada que define jogo mesmo sem treinamento), muita força defensiva, correria, disposição e uma vitória apertada, 2 a 1 contra o Esportivo.

Não vi jogada pelos laterais, pelas pontas, nada de criatividade no meio-campo e os atacantes completamente isolados na frente, sem a mínima assessoria. Não é um Grêmio que promete o que eu vi na Serra, mesmo sabendo que titulares, com Roger e Eduardo Costa, estiveram ausentes.

O Grêmio exibiu duas dedicadas linhas de quatro homens e mais dois atacantes perdidos no ataque. Uma tática antiga, batida, que só dá certo com determinados tipos de jogadores, não com todos, e com muito treinamento, muito.

Depois de três semanas longe da bola, notei que William Magrão continua jogando bem, marcando, passando e fazendo gols, que Paulo Sérgio não tem futebol para ser titular, que a irregularidade de Anderson Pico é a de sempre, que a criatividade no meio-campo inexiste e que os atacantes continuam longe do gol e das redes.

A surpresa é que com todos os defeitos assinalados acima, com um time novo, desentrosado, mudando jogadores, ainda sem um time titular, com um segundo técnico em menos de 50 dias, o Grêmio é dono da melhor campanha do Gauchão.

E eu que pensei que o Inter iria passear no Gauchão, já que seu time é do ano passado, joga junto e se conhece. Preciso ver o Inter. Sua evolução não está sendo a esperada, pelo menos é o que me falam nos primeiros cafés da Redação da ZH. Vou ver.

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share

O mistério Roger do verão gaúcho

07 de fevereiro de 2008 17

Treino engana. “Jamais confie em treino. Espere os primeiros 30 minutos de um jogo valendo alguma coisa. Aí, sim, tenha certeza, você já pode dizer alguma coisa sobre determinado jogador”. As palavras de Sir Alex Ferguson valem por uma vida de observador de futebol.

 Assim, esqueça o Roger dos treinos do verão no Olímpico. Quando muito, anote seu momento físico, sua boa forma (ou não). Roger precisa mostrar que é o que era em 90 minutos. Antes, não, nunca, jamais. Treino é exercício, se faz bem, se faz mal.

 O gremista Roger tem apenas um caminho a seguir na sua aguardada estréia. Exibir o elogiado futebol que o levou ao Benfica, depois o trouxe ao Corinthians, onde foi campeão brasileiro. Qualquer outra bola quadrada bota fogo no pavio da desconfiança.

 Roger joga, joga muito, até o quero-quero da goleira da esquerda das cadeiras do Olímpico sabe. Falta saber qual o Roger que o Roger de fevereiro de 2008 vai exibir, o craque ou a celebridade?

 Não esqueça, por outro lado, que Roger não joga uma partida de futebol desde o ano passado. E jogador precisa de seqüência de jogos.

 

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share