Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 7 setembro 2008

Seleção nunca precisou tanto de Ronaldinho

07 de setembro de 2008 15

Ronaldinho precisa tomar um lugar de comando no time, superar sua posição de coadjuvante/Roberto Candia, AP

Nunca o Brasil precisou tanto de Ronaldinho Gaúcho como hoje contra o Chile. Raras vezes a Seleção esteve em sexto lugar numa classificação pré-Copa do Mundo, uma posição que afasta os pentacampeões do Mundial da África.

O que se sabe, o que se vê, é que Ronaldinho não está na sua melhor forma, joga escondido pelo lado esquerdo e não faz nenhuma força especial para sair do lugar ou tirar a Seleção do atoleiro.

O que se nota também é o diálogo entre Dunga e Ronaldinho é torto, enviesado. Dunga é uma experiência que não deu certo. Oferecer o cargo de treinador da Seleção ao ex-jogador que nunca foi técnico

 

O gaúcho do Milan jogou bem abaixo do que pode e sabe nos Jogos Olímpicos, onde o Brasil saiu com um inaceitável terceiro lugar. Ao jogadores faltam vontade, determinação, superação. O presidente Lula notou a ausência de empenho,falou e foi duramente criticado pelo goleiro Júlio César que, depois, se desculpou, pressionado pela CBF.

Os jogadores não agem como grupo sólido e unido em busca de um objetivo, atuam apenas como individualidades. Sem um coletivo encorpado, Dunga se vale das individualidades, que não andam funcionando. De longe parece que muitos jogadores só aceitam a Seleção porque os seus contratos com patrocinadores são naturalmente turbinados depois d e cada convocação.

Nas Eliminatórias da África do Sul 2010, Ronaldinho jogou quatro vezes e ajudou a somar oito insuficientes pontos. Sem o ex-número 1, foram dois jogos, com um mísero ponto positivo. Com a ausência de Kaká, o melhor jogador brasileiro, com Robinho, que pedala, pedala e não consegue jogar, o experiente Ronaldinho precisa assumir o papel de líder da Seleção – o que eu acho praticamente impossível depois destes anos todos.

Ele, que sempre foi coadjuvante com a camisa amarela, precisa, de uma vez por todas e perto dos 30 anos, jogar como jogaram Ronaldo e Rivaldo, por exemplo. Eles eram donos da Seleção. Era vencedores acima de tudo. Ronaldinho, ao contrário da dupla, não parece ter nascido para brilhar na Seleção. O seu negócio é jogar esplendidamente em times.

 

Postado por Zini, Porto Alegre

Bookmark and Share