Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

O ano de Messi - e do Barcelona

29 de dezembro de 2009 3

Messi atuou em 66 partidas na temporada e foi fundamental nos seis títulos conquistados pelo clube catalão em 2009.

Com justiça, o argentino foi eleito pela Fifa o jogador do ano. Um reconhecimento oficial para o que os olhos de todos já haviam confirmado.

O conceituado jornal esportivo francês “L’Équipe”, por exemplo, apresentou a sua habitual seleção do ano. Obviamente, Messi está nela, como em tantas outras.

Mas é bom atentar ainda para o grande momento do time do Barcelona (não só como time, mas também individualmente): dos 11 escalados pelo jornal, além de Messi, mais quatro jogam no Barcelona: Andrés Iniesta, Xavi Hernández e Yaya Touré, além de Daniel Alves, o único brasileiro da relação. Os outros são o goleiro Iker Casillas (Real Madrid), os defensores Vidic (Manchester United), John Terry (Chelsea) e Patrick Evra (Manchester United), o meia Michael Essien (Chelsea) e o atacante Didier Drogba (Chelsea).

Tanto Cristiano Ronaldo quanto Kaká estão fora da lista. O Real Madrid da dupla ainda não convenceu.

Bookmark and Share

Comentários (3)

  • juliano diz: 29 de dezembro de 2009

    temporada 2009 ou 08/09, lá é diferente o calendário hein

  • Heloísa Pires diz: 30 de dezembro de 2009

    Zini! Eu fiquei meio perturbada com a homenagem que fizeram ao Ghiggia no Maracanã. Confesso que não entendí os meus sentimentos quanto a isso. Ao mesmo tempo que me parece haver justiça com o jogador, que fez um dos gols mais importantes do século passado naquele palco, me parece também não haver justiça com o nosso derrotado goleiro,estigmatizado que foi até o fim dos seus torturantes dias. Parece que perdemos o rumo da história,já que sempre pranteamos aquele maldito gol que nos relegou a um indesejado vice-campeonato. Lembro-me do meu padrasto que não vibrava com as Copas de 58, 62 e 70,e nem com as demais, pois ficara decepcionado com a Copa de 1950. Entendo que se a homenagem passasse em branco, o Ghiggia não iria se sentir magoado, vez que, além de não esperar esse presente dos brasileiros, ele devia compreender o sentimento nacionalista que se apossou de todos nós, com a má lembrança daquele fatídico final de Copa. No entanto, não posso deixar de ver com bons olhos essa distinção não preconceituosa que se estabeleceu com a homenagem. Condecorar o inimigo, é para poucos. Acho que vou me conformar diante de tão bela ação. Depois,talvez, aplaudir. Vou vibrar!… E mais feliz ainda vou ficar, se essa homenagem tocou bem fundo o coração do meu treinador, deixando o Fossati mais à vontade para trabalhar no Brasil, entusiasmando-se para dar muitas alegrias à uma fração vermelha da torcida brasileira!…

  • heliomar paz diz: 30 de dezembro de 2009

    esse messi não joga nada, é como adriano no time do flamengo que perde mais gols do que o kleber perereira parece uma hiena correndo dentro de campo ele dá é muita sorte com as jogadas, por falar em jogador ,onde anda o alex meia esquerda que jogou na seleção e nunca foi lembrado pelo odunga que insiste com ocabeça de bagre gilberto silva.

Envie seu Comentário