Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Soweto, vuvuzelas e o Brasil

03 de junho de 2010 4

Atrás de uma das goleiras do estádio de Soweto, do outro lado do muro, 22 adolescentes, camisas amarelas contra vermelhas, disputavam um jogo pegado, mas sem um só assistente. Todo o mundo que se interessava por futebol nesta parte do distrito de Soweto, 1,3 milhões de almas, estava concentrado no treino físico do Brasil.

Não havia espaço para outro jogo na atenção de ninguém. Milhares de pessoas ocuparam as cadeiras do pequeno estádio, talvez 3 mil. Foi o primeiro treino aberto do Brasil em Joanesburgo.

A segunda Seleção no coração dos sul-africanos estava em Soweto e a festa tinha local e hora para começar, perto das 16h. A recepção foi espetacular.


Centenas de pessoas esperaram o ônibus da delegação brasileira no portão de entrada do estádio. Cantaram, agitaram bandeiras, dançaram e tocaram as vuvuzelas. A polícia fez um linha de homens para evitar uma aproximação do ônibus dos jogadores.

Dentro do estádio o clima era de festa de título. Os jogadores receberam um carinho inesperado. Foram recebidos como campeões, como se fossem sul-africanos, como se tivessem nascido em Soweto.


No treino, os reservas se movimentaram com a bola, um toque cada, e receberam aplausos, gritos e cantos. As vuvuzelas tocaram sem parar. Aumentaram depois que começou o rachão. Cada jogada era recebida com um grito de exclamação, cada chute, drible, merecia novos “ooooohhh”.

Os fãs do futebol brasileiro, que só conhecem os jogadores da TV, jamais esquecerão a tarde do dia 3 de junho de 2010, oito dias antes da abertura da Copa do Mundo. Eles viram seus heróis de perto. Pagaram seu tributo ao som das vuvuzelas.

Bookmark and Share

Comentários (4)

  • Rafael diz: 3 de junho de 2010

    Eu acho que nós brasileiros não temos a dimensão que a Seleção Brasileira tomou.

  • Admir José Gomes diz: 3 de junho de 2010

    Para eles a chegada de seleções é o máximo, especialmente o Brasil, com qual são identificados. É verdde que o embaixador – Ronalidnho Gaúcho – não está na seleção, mas convenha so vuvuzelas é a coisa mais chata que pode existir, bota mau gosto nisto, pois ninguém aguante ouvir isto nos jogos da televisão. Outro coisa a salientar, apesar do omismo do Dunga, creio que está faltando muito ainda para tentar o hexa.

  • Marco Martins Vieira diz: 3 de junho de 2010

    Viva o chamado “terceiro mundo” nessa confraternização via futebol aliás “primeiro mundo” em termos de comunicação efraternidade entre povos… Bravo Soweto nossos irmãos da África.

  • aantoniocarlos diz: 4 de junho de 2010

    tudo isto me deixa triste pois é tão facil iludir o miseravel. Tanto na Africa como em qualquer parte do mundo, usam as pessoas simples humildes para de forma como objetos, abrilhantar este espetaculo de midilcridade que só visa engordar os abastados de forma extravasante. Pobre povo que esta sendo manipunilado por um falso brilho o vassionando esta seleção de hipocresia chamada seleção brasileira. Por que nao mostra a outra realidade da Africa que é a miséria. E saber que continuaremos a presenciar isto com outras Africas que despontarão em sequencia.

Envie seu Comentário