Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Problemas do Grêmio na Libertadores: longas viagens e altitude

23 de dezembro de 2015 3

Não são apenas os três adversários estrangeiros, o Grêmio precisará lutar contra a altitude, a logística e as distâncias na fase de grupos da edição 2016 da Copa Libertadores da América.

O tricolor jogará na vizinha Argentina. Não é o grande problema. Mas precisará se deslocar até o México, enfrentar a altitude do Equador. Viagens longas são inimigas do futebol. O desconfortável, demorado e sacolejante avião pode atrapalhar o jogo de qualquer equipe. Acertar a logística das viagens será tão importante como organizar o sistema tático.

Os três adversários do Grupo 6 não estão entre os melhores times, os mais competitivos da América do Sul. Mas são extremamente difíceis quando atuam em seus estádios. Vencer os três jogos na Arena será fundamental para o futuro do Grêmio no torneio. A estratégia é conquistar três pontos em Porto Alegre, carregar um ou dois empates fora e alcançar a classificação para as oitavas de final. Não há outro caminho.

Campeão da Libertadores em 2014, o San Lorenzo perdeu o treinador, Edgardo Bauza, hoje no São Paulo, e poderá perder também dois ou três titulares de um time histórico. Um deles, Bufarini, esteve na mira do Grêmio no ano passado. Os argentinos liquidaram os gremistas na fase mata-mata do torneio de 2014.  Não exibem mesmo grupo campeão e competitivo de dois anos atrás. Está em transição e sem dinheiro para grandes contratações.

A LDU é uma equipe escudada pela altitude e joga nos 2,8 mil metros de altitude da capital Quito. É tradicional na Libertadores, campeã em 2008, experiente e guerreira, Foi superada pelos tricolores na primeira fase do torneio em 2013 nos pênaltis na Arena, num jogo dramático. Marcelo Grohe salvou a pátria. A LDU exibe outro time, claro, e bem menos qualificado, sem grandes estrelas.

O Toluca é um tradicional símbolo do futebol mexicano, dez vezes campeão nacional, e atua acima dos 2,6 mil metros de altitude. É hoje um time irregular, não tem a mesma potência do rival Tigres. No seu apertado estádio, o Nemesio Diez, sempre lotado, ocupado por 22 mil mexicanos, é um adversário temível. 

Na bola, o Grêmio pode superar o trio, especialmente na Arena. Fora, só bom jogo não vai bastar. Será necessário encontrar outras forças, como superar a altitude, a grande inimiga dos times brasileiros acostumados aos piques ao nível do mar.

Bookmark and Share

Comentários (3)

  • trueman diz: 23 de dezembro de 2015

    ‘Dificuldade” é não estar na LA 2016. VAMO GRÊMIO!!!

  • Renato diz: 23 de dezembro de 2015

    Acredito que estás cometendo um erro. O maior problema do Grêmio nesta Libertadores é o próprio Grêmio. Nenhum time consegue ganhar uma Libertadores com time meia-boca. E o time do Grêmio é bem meia-boca. Se analisarmos friamente, veremos que a diferença entre o Grêmio e Corintians no Brasileiro foi absurda. De lá para cá, o time só foi diminuído, nada se somou até agora e pelo jeito vai ficar com isto. Pela lógica já podemos imaginar que ficará no mínimo atrás do Corintians. E ainda, por azar, pega o grupo mais equilibrado da LA. Aquela possibilidade de reforçar o time quando passar de fase já fica sob risco. Penso ser difícil passar já na primeira fase. Se quizerem algo, tem que entrar com o time pronto, ou então, que se contrate algum oftalmo para deixar os olhos dos jogadores cheios de sangue….

  • paulo diz: 24 de dezembro de 2015

    Com um time sem meio de campo, onde esta diretoria pensa que vai chegar? Meio de campo com Douglas é piada de mau gosto, né? No mínimo o Grêmio teria de ter 4 jogadores que enxerguem mais longe que seus umbigos e com passe certo, é pedir demais? Com esse timeco atual não passa da fase de grupo, infelizmente.

Envie seu Comentário