Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Juventude"

Chega de medalhão

13 de dezembro de 2016 0
Bruno Alencastro / Agencia RBS

Bruno Alencastro / Agencia RBS

Aprovo a contratação de Antônio Carlos Zago. Já que o Inter, após o fracasso no Brasileirão, quer apagar a imagem da arrogância e da soberba, o ideal é apostar em um treinador novos, sem antigos vícios e pronto para um grande desafio. É hora de colocar a casa em ordem e trabalhar bastante. E, para isso, Zago mostrou-se pronto na coletiva desta terça-feira.

Prevendo o que estava para acontecer, a direção do Inter agiu rápido e trouxe um treinador acostumado com a nova realidade que o colorado irá enfrentar. Antônio Carlos Zago foi um grande zagueiro com passagem pelos quatro grandes de São Paulo, pela Roma e pela Seleção Brasileira. Como treinador, atuou em clubes pequenos, teve uma passagem relâmpago pelo Palmeiras e, para decolar de vez, foi buscar aperfeiçoamento na Europa. Depois de estagiar na Roma e no Shakhtar, assumiu o Juventude e conseguiu recuperar um pouco do prestígio do time de Caxias o reconduzindo à Série B do Brasileirão.

Zago é um técnico emergente. Tem experiência na coordenação técnica, pois já exerceu essa função e é um treinador com metodologia atualizada e um profissional participativo. O seu perfil parece ser o ideal para esse momento de reconstrução do Internacional. Não gosta de treino coletivo, nem de rachão. No Juventude seus treinamentos chamaram a atenção pelo aproveitamento quase uniforme de todo grupo. Ou seja, praticamente todos receberam o mesmo trabalho e a mesma orientação, dando  impressão de que todos poderiam ser utilizados a qualquer momento. Ou seja, conseguiu ter um grupo mobilizado o tempo todo.

No Juventude, com o pouco que tinha, conseguiu crescer bastante. Assumiu o comando na metade de Série C em 2015 e quase chegou à segunda fase. E 2016, precisou montar um novo time e alcançou o vice-campeonato gaúcho. Destacou-se na Copa do Brasil despachando o Coritiba e o São Paulo e só parou nas quartas de final quando foi eliminado pelo Atlético Mineiro nos pênaltis. Mas considero o acesso para a Série B o trabalho mais importante e consistente de Zago no Juventude. Afinal, esse era o desejo que  a Papada mais desejava e o treinador conseguiu.

Com um time modesto e com poucos recursos financeiros, realizou um trabalho de qualidade, E, mesmo sendo paulista, montou um time que tem o espírito competitivo do futebol gaúcho. Talvez isso seja exatamente o que está faltando ao Inter. Esse time aguerrido, de força na marcação, boa consistência defensiva  e velocidade no ataque pode ser o novo desenho colorado. Resta saber com que peças ele vai contar. Pois, depois do rebaixamento pra a Série B, o plantel do Inter está desacreditado e desvalorizado e nessa hora é preciso de muito critério para não liquidar um grupo que tem boas peças individuais, mas que não teve qualidade coletiva.

Dourado foi a melhor notícia colorada em Caxias 

28 de fevereiro de 2016 3

Um Gauchão que surpreende

22 de fevereiro de 2016 0
 Crédito: Diogo Sallaberry/Agencia RBS

Crédito: Diogo Sallaberry/Agencia RBS

Já se foram cinco e faltam ainda oito rodadas. Mas o Gauchão já começa a apresentar algumas tendências. A mais evidente é a de que o Juventude vai participar da segunda  fase. O time montado por Antônio Carlos Zago , além de ter Brenner, o artilheiro do campeonato com sete gols, surpreende pela regularidade e com cem por cento de aproveitamento já encaminhou vaga para a próxima etapa.

Outras boas surpresas são São José, com 13 pontos, e o São Paulo, com 12. O Zequinha já passou pela Dupla Gre-Nal e fez quatro pontos em seis e , além disso, foi o responsável pelo melhor desempenho de um time diante dos grandes da capital com uma grande atuação na vitória de. 2 a 0 sobre o Grêmio além do goleiro Fábio, conta com um quarteto final de qualidade com Diego Torres, Clayton, Jô e Heliardo e o técnico China Balbino vive uma situação incomum. Pois desde que assumiu o comando do time no ano passado durante as Copinhas, nunca perdeu.

O São Paulo tem quatro vitórias e cinco jogos. Só perdeu para o Juventude . Faz uma excelente largada. Não sei se vai chegar na fase eliminatória, mas pelo menos já não precisa mais se preocupar com o rebaixamento. Talvez precise de mais cinco pontos em oito jogos para seguir na Primeira Divisão. Tem boas chances de classificação, mas ainda precisa enfrentar Grêmio e Inter.

Por outro lado, alguns times decepcionam. O Cruzeiro é um deles. Tento que Antônio Carlos Zaluar, considerado o melhor técnico do Gauchão do ano passado, já pediu o boné e Ben-Hur Pereira assume o comando. O Veranopois também vai mal. Ainda não venceu e Luis Carlos Winck está sob pressão.

O Brasil também patina. Perdeu pro Grêmio na estréia e vem de quatro empates seguidos. Talvez o grupo, que foi guerreiro na conquista da vaga para a Série B do Nacional, precise ser reavaliado, pois com a mudança de patamar, o Xavante passou a ser o time a ser batido e todos os adversários fazem uma mobilização semelhante a dos jogos contra Dupla Gre-Nal quando cruzam com o Brasil.

Naturalmente, duas vagas para a segunda fase são de Gremioe Inter. Outra, certamente, será do Juventude. São Paulo e São José estão encaminhados. Então, teoricamente, restam três. Aposto que Ypiranga e Brasil irão se recuperar e aí sobrará só um lugar para as eliminatórias. E nessa briga, tudo é possível. Não da nem pra descartar o Cruzeiro, hoje lanterna do campeonato.

DE OLHO NOS GRINGOS

07 de março de 2015 0

De olho na liderança do Gauchão, o Inter sobe a Serra neste domingo para enfrentar o Juventude, no Alfredo Jaconi. O time de Caxias mostrou recuperação e~, desde que vestiu o novo uniforme laranja, não perdeu mais. Parece que Pícolli conseguiu estabilizar as coisas e o mau começo de campeonato já é passado. No Inter essa estabilidade ainda não aconteceu. Uma prova disso foi a maneira como aconteceu a vitória sobre o Emelec , quarta-feira, pela Libertadores.

Adriana Franciosi/Agência RBS

No jogo de Caxias, as atenções da torcida colorada estarão voltadas para dois gringos. O primeiro será Lisandro López que fará a estreia. E o outro, Diego Aguirre que prometeu um Inter competitivo, mas que continua longe desse objetivo.  Mesmo que utilize o time reserva, o treinador será cobrado pelo desempenho, pois até agora não conseguiu dar um padrão de jogo ao time que repete falhas, principalmente no sistema defensivo, tanto quando se fala dos titulares, quanto do time misto.

Quanto a Lisandro López, além de ganhar mais qualidade técnica, o Inter ganha um alternativa para montar um esquema diferente desse 4-2-3-1 que não decola. Pois, se o argentino mostrar um bom rendimento imediato, Diego Aguirre será praticamente obrigado a escalá-lo numa dupla de ataque ao lado de Nilmar e, por consequência, o esquema com apenas um atacante deixará de ser a principal alternativa. Outro aspecto sobre a ascensão de Lisandro López é que caso ela ocorra, Rafael Moura cada vez mais deixará de ser chamado.

 

A LUZ ALTA DE FELIPÃO

24 de fevereiro de 2015 0

Tá certo que o Grêmio vive uma grave crise financeira que obriga a direção a fazer muitos sacrifícios em nome do futuro do clube. Essa pobreza está afetando diretamente a formação do time e os reflexos já estão sendo notados com a fraca campanha no Gauchão. Com o empate de ontem com o Juventude, o tricolor passou para a modesta  oitava colocação com dez pontos e completou três jogos sem vencer dentro de casa.

Foto: Ricardo Duarte/Zero Hora

Mas, apesar de toda crise, o Grêmio pela sua grandeza precisava, naturalmente, ocupar uma posição melhor. Até agora, o time venceu apenas os três times que estão na zona de rebaixamento: União Frederiquense, Avenida e Passo Fundo. O que é muito pouco diante da estrutura do clube onde  o salário de apenas um jogador  tem praticamente o mesmo valor de uma folha de pagamento da maioria dos times do interior.

Esse rendimento abaixo do esperado passa por muitas decisões de Felipão. No jogo de ontem, por exemplo, não deu pra entender a escalação do lateral Marcelo Hermes no meio-campo. Sabendo-se que o Juventude jogaria fechado, superlotando a faixa central, o melhor não seria ter uma alternativa mais ofensiva ? Outra pergunta é: o que aconteceu com Walace para perder a condição de titular ? A grande revelação gremista do ano passado, atualmente, é reserva de Araújo, que, por sua vez, é reserva de Marcelo Oliveira.  Porque Lincoln foi arquivado ?  E Éverton, porque não recebe uma sequência de jogos ?

E projetando o Gre-Nal de domingo, Felipão disse que também vai com time misto. Segundo o treinador, basta colocar mais dois garotos da base que o Grêmio teria um mistão. Percebe-se que isso foi uma ironia diante das carências gremistas e que foi uma luz alta para a direção que não contrata, mas ao mesmo tempo foi uma crítica a qualidade do time que tem justamente em Felipão o seu responsável.

 

ARÁNGUIZ

18 de fevereiro de 2014 0

O Inter tem sete vitórias e um empate no Gauchão. O único jogo sem vitória foi o Gre-Nal. Contra os demais times , tem 100% de aproveitamento. Se esperava muito do confronto contra o Caxias no sábado, mas não deu pra saída. O time de Abel fez 4 a 0, mesmo apresentando algumas falhas na marcação. Hoje, o adversário é o Juventude, teoricamente, o time mais forte do nosso interior. Teoricamente, pois ele não  faz uma grande campanha, tanto que ainda não conseguiu nem vencer dentro de casa.

Foto: Felix Zucco/Zero Hora

Mas se o Juventude não está bem, isso não é problema do Inter. O objetivo no Estádio do Vale é vencer e continuar mostrando evolução. E, quem sabe, um ajuste melhor do sistema de marcação que apresentou alguns problemas no sábado passado. Abel  Braga mantém a postura ofensiva e descarta a utilização de um segundo volante  ao lado de Willians. Até porque o outro volante é Aránguiz, a grande surpresa do Inter deste ano. O chileno não é um volante tradicional. Ele é um jogador competitivo, de muita qualidade técnica e com uma enorme facilidade para se somar ao ataque. Com esse diferencial, Abel está certo em não prender o jogador. Mas, mesmo que seja um jogo de Gauchão, algum ajuste precisa ser feito para que não se corra o mesmo perigo enfrentado contra o Cruzeiro e, sábado passado, diante do Caxias.

JUVENTUDE CAMPEÃO NO MARACANÃ

27 de junho de 2013 0

Em 1998, o Juventude realizou uma façanha regional ao conquistar o Campeonato Gaúcho, acabando com uma longa hegemonia da Dupla Gre-Nal. E no ano seguinte, o Papo rompeu fronteiras e sagrou-se campeão da Copa do Brasil, o maior título de sua história. A taça foi garantida no Maracanã, no dia 27 de junho, há exatos 14 anos, no empate em 0 a 0 com o Botafogo.

Na campanha da Copa do Brasil, o Juventude realizou onze jogos. Venceu seis, empatou 4 e perdeu um. Marcou 25 e sofreu nove gols. Confira, fase por fase, o retrospecto na competição:

Primeira Fase

04/03 – Mané Garrincha – 5 x 1 Guará

Segunda Fase

17/03 – Laranjeiras – 1 x 3 Fluminense

07/04 – Alfredo Jaconi – 6 x 0 Fluminense

Oitavas de Final

27/04 – Alfredo Jaconi – 2 x 0 Corinthians

30/04 – Pacaembu – 1 x 0 Corinthians

Quartas de Final

12/05 – Alfredo Jaconi – 2 x 2 Bahia

19/05 – Fonte Nova – 2 x 2 Bahia (pênaltis: Juventude 4 x 1)

Semifinal

26/05 – Alfredo Jaconi – 0 x 0 Inter

04/06 – Beira-Rio – 4 x 0 Inter

Final

20/06 – Alfredo Jaconi – 2 x 1 Botafogo

27/06 – Maracanã – 0 x 0 Botafogo

FICHA TÉCNICA

Botafogo 0 x 0 Juventude

27/06/1999 – Maracanã/Rio de Janeiro

Arbitragem: Antônio Pereira da Silva(GO)

Público: 101.581 pagantes

BOTAFOGO – Wagner, Fábio Augusto(Leandro Ávila), Bandoch, Jorge Luís e César Prates; Júnior, Reidner, Caio(Rodrigo) e Sérgio Manoel; Bebeto(Felipe) e Zé Carlos. Técnico: Gílson Nunes

JUVENTUDE – Émerson, Marcos Teixeira, Índio, Pícoli e Denis; Roberto, Lauro(Kiko), Flávio Campos e Mabília(Gil Baiano); Maurílio e Márcio Mexirica(Alcir). Técnico: Walmir Louruz

INTER E JUVENTUDE NA DECISÃO

03 de maio de 2013 0

Inter e Juventude decidem domingo a Taça Farroupilha,  o returno do Gauchão. Para o time de Dunga, a vitória vale título antecipado. Para o de Lisca, a possibilidade de adiar a decisão e provocar a realização de mais dois jogos. Na história do Campeonato Gaúcho, o Inter tem 41 campeonatos e o Juventude, um.

JUVENTUDE 1998

O único título do Juventude foi conquistado em 1998 numa final justamente contra o Inter. No primeiro jogo, dia  31 de maio , no Alfredo Jaconi, o time caxiense venceu por 3 a 1.  Christian abriu o marcado para o Inter aos 4 do primeiro tempo e Flávio Campos, atual técnico do Lajeadense, empatou aos 18. No segundo tempo, o mesmo Flávio fez 2 a 1 aos 12 e Lauro fechou o placar aos 23. No jogo de volta, dia 07 de junho, o Inter precisava de uma vitória simples para provocar o jogo-extra, mas não saiu do 0 a 0. Com o resultado, o Juventude ficou com a taça.

INTER 0 X 0 JUVENTUDE

07/06/98 – Beira-Rio

Arbitragem: Carlos Simon

Público: 34.934 pagantes

INTER – André, Denílson, Lúcio, Régis e Espínola; Ânderson, Odair(Claiton), Marcelo Rosa(Luís Carlos) e Fernando(Fabiano), Paulinho Diniz e Christian. Técnico: Celso Roth

JUVENTUDE – Humberto, Borges Neto, Capone, Índio e Édson; Marcão, Flávio Campos, Lauro(Jardel) e Sandro Fonseca; Rodrigo Grall(Mabília) e Sandro Sotilli. Técnico: Lori Sandri.

INTER 2008

Na decisão de 2008, o Juventude também venceu o jogo de ida no Jaconi. No dia 27 de abril, numa falha de Fernandão, Maicon fez o único gol da partida aos 47 minutos do segundo tempo. Uma semana depois,dia 04 de maio, no Beira-Rio, o Inter deu o troco e aplicou 8 a 1, a maior goleada na história do confronto. O detalhe do jogo foi o último gol colorado marcado pelo goleiro Clemer, em cobrança de pênalti.

INTER 8 X 1 JUVENTUDE

04 de maio de 2008 – Beira-Rio

Arbitragem: Carlos Simon

Público: 38.210 pagantes.

Gols: Danny Moraes 25/1, Fernandão aos 29 e aos 31/1m Alex 37/1, Fernandão 4/2, Nilmar 9/2, Índio(contra) 11/2, Índio 32/2 e Clemer (penalti) 46/2.

INTER – Clemer, Bustos(Jonas), Índio, Orozco e Marcão; Danny Moraes, Guiñazu, Alex(Andrezinho) e Magrão; Fernandão(Iarley) e Nilmar. Técnico: Abel Braga

JUVENTUDE – Michel Alves, Elvis(Leandro Cruz), Nunes, Laerte e Márcio Goiano(Zezinho); Hércules(Maycon), Juan Perez, Lauro e Hélder; Ivo e Mendes. Técnico: Zetti.

NO JACONI, JUVENTUDE NÃO PERDE HÁ 46 JOGOS

25 de abril de 2013 0

Sábado, diante do Grêmio, o Juventude defende uma invencilidade de 46 jogos dentro do Alfredo Jaconi. São 30 vitórias e 16 empates. A última derrota em casa acontceu no dia 24 de abril de 2011 quando  o time caxiense perdeu para o Inter por 2 a 1. Bolatti e Tinga marcaram para o Inter e Fred, de falta, marcou para  o Ju. Falcão era o técnico colorado e Pícolli, do Juventude.

No confronto contra o Grêmio, o Juventude não perde há quatro jogos. A última vitória gremista aconteceu em 2010. No dia 04 de abril, em Caxias do Sul, o tricolor venceu por 2 a 1 com dois gols de Jonas. Gustavo descontou para o Ju. Na sequência foram quatro jogos no Alfredo Jaconi com um empate e três vitórias do Juventude.

1) 10/07/10 – Amistoso – EMPATE  2 X 2

2) 30/03/11 – Gauchão – JUVENTUDE  3 x 2

3) 29/01/12 – Gauchão – JUVENTUDE 2 x 1

4) 09/02/13 – Gauchão – JUVENTUDE  2 x 1

AS QUARTAS DE FINAL

16 de abril de 2013 0

Confira o resumo sobre os oitos times classificados para as quartas de final do returno do Gauchão contando o desempenho ao longo de todo campeonato.

Melhor ataque: Inter  34

Melhor defesa: Inter e Lajeadense 10

Pior ataque: Veranópolis 13

Pior defesa: São Luiz 18

Artilheiro: Diego Forlán (Inter) 9

Menos perdeu: Lajeadense 1

Mais perdeu: Veranópolis 7

274 gols e 127 jogos (média de gols : 2,15)

Média de público: 1.657