Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de maio 2009

Nada de jogar a toalha

31 de maio de 2009 2

A derrota de Floripa na briga para sediar jogos da Copa de 2014 não chega a ser nenhum espanto. Eu disse isso (que seria muito difícil haver jogos aqui) no dia seguinte ao anúncio da Fifa de que a Copa seria no Brasil, em 31 de outubro de 2007. Pra quem não lembra, republico aí abaixo a opinião que escrevi no Santa daquele dia.
O que me chateou de verdade foi que o projeto catarinense, de certa forma, perdeu para o fortíssimo lobby político do Nordeste. O projeto de Natal (RN), que derrotou o da Capital nos instantes finais, é belíssimo. Já estive na capital potiguar e posso dizer, em termos de beleza e potencial turístico, ambas caminham lado a lado. Floripa é mais relevante nos índices econômicos e sociais, e até mesmo para o país, mas ao que tudo indica pesou a proximidade de Natal com a Europa (há voos diretos de lá para Portugal e Espanha quase que diariamente, e com duração de 5, 6 horas). Aliás, sobre lobby, a turma do Nordeste é imbatível. Emplacaram todas as quatro cidades candidatas, uma façanha memorável. Nesse sentido, temos muito o que aprender ainda.
Dito isso, viro a página e não acho que seja hora de jogar tudo que foi dito até agora no lixo. O próprio presidente Josep Blatter disse na cerimônia deste domingo, nas Bahamas, que as cidades alijadas terão uma espécie de compensação, pois uma Copa do Mundo, o maior dos eventos esportivos, não tem apenas jogos de futebol. E como Floripa ficou de fora realmente nos instantes finais, como Belém na briga com Manaus para ser a sede amazônica, é certo que Santa Catarina ganhará algum tipo de prêmio de consolação.
É aí que entra o foco a partir de agora, inclusive para cidades como Blumenau. Com jogos no RS e no PR, já podemos desde já nos prepararmos para servir de bases para grandes seleções. Vou citar dois exmplos bem óbvios, mas podem haver outros tantos: a Argentina pode ficar em Florianópolis (ou porque não em Balneário Camboriú?), cidades com uma colônia portenha imensa. E Blumenau deveria começar a pensar desde já, como eu já escrevi lá em 2007, em formas de usar sua tradição para atrair a seleção da Alemanha.
O domingo de certa forma foi de tristeza, mas não deveria. Santa Catarina segue firme para estar inserida no contexto da Copa de 2014. Sem jogos, mas com toda a condição de ficar com parte do bolo que o país ganhará em turismo, em investimentos, em desenvolvimento em geral, com o Mundial. Até porque, como pretendo mostrar em posts futuros, algumas cidades receberão no máximo três jogos na Copa, e de seleções de nível inferior. Ficar sem jogos é desanimador, mas aconselho a ninguém jogar a toalha. Ainda há muito a ganhar.

 

Artigo publicado no Santa em 31 de outubro de 2007

QUE VENHA A ALEMANHA!

RODRIGO BRAGA
Editor de Esportes

Como brasileiro e apaixonado pelo futebol, não tenho dúvidas de que o país só tem a ganhar com a Copa. Não aceito o argumento raso de que o Brasil tem outras prioridades, como saúde e educação. Uma coisa não deve excluir a outra.

Deixemos de lado a felicidade de ver a Copa voltar ao país do futebol após 64 anos e vamos nos concentrar em fatos. Copas do Mundo ou Olimpíadas ultrapassam, e muito, a esfera esportiva. Se bem aproveitadas, são capazes de transformar países, deixar em pouco tempo um legado que levaria décadas pelas vias normais.

Basta lembrar o que os Jogos Olímpicos de 1992 fizeram com a até então decadente Barcelona, hoje uma das mais vibrantes cidades do mundo. Estive no Pan do Rio, em julho, e de lá virão exemplos do que fazer (a organização foi impecável, derrubando o mito de que brasileiro não consegue fazer eventos como esse) e do que não fazer (a gastança desmedida e sem transparência do dinheiro público).

E o que nós aqui do Vale temos a ver com isso? Floripa quer pleitear jogos, apesar de que, honestamente, penso que tem poucas chances diante da força do lobby de outras capitais, sobretudo do Nordeste)

Mas é certo que não serão só as 12 cidades-sede que lucrarão com a Copa. Sugestão: a seis anos e meio do Mundial, por que nossas lideranças não formulam um projeto para ser a casa da seleção alemã? Há tempo para buscar parcerias e viabilizar a infra-estrutura. Ao abrigar o time da Alemanha, atrairíamos torcedores, jornalistas e tudo mais que cerca a Copa.

Arrisco a dizer que, fazendo isso, o Vale lucraria mais do que conseguiu em eventos turísticos nos últimos 20 anos, incluindo aí a Oktoberfest. 

Postado por Braga, levantando plaquinha

Os maiores salários do futebol brasileiro

30 de maio de 2009 2

Fim de mês, você aí esperando o salário pingar na conta e só pensando como vai fazer para que ele dê uma esticadinha pelo menos até dia 15, e olhe lá. Então o blog aproveita para lhe mostrar um pessoal que não perde o sono com isso não. Levantamento recente da Revista Placar revelou os maiores salários do futebol brasileiro. Ronaldo Fenômeno, óbvio, lidera com sobras, seguido pelo Imperador Adriano, que estreará neste domingo, ambos recém repatriados da Europa (aliás, como a maior parte da lista). Outros vão deixar os torcedores com mais raiva ainda, pois são reservas de luxo ou não tem jogado para merecer nem 10% do que embolsam todo mês. Bom, segue a lista dos Top 30:

1° Ronaldo*    Corinthians    R$ 1.133.000
2° Adriano**    Flamengo    R$ 362.000
3° Nilmar***    Internacional    R$ 360.000
4° Fred    Fluminense    R$ 350.000
5° Leandro Amaral    Fluminense    R$ 280.000
6° Kléber    Cruzeiro    R$ 280.000
7° Thiago Neves    Fluminense    R$ 270.000
8° Edmílson    Palmeiras    R$ 240.000
9° Rogério Ceni    São Paulo    R$ 230.000
10° Washigton    São Paulo    R$ 220.000
11° Marcos****    Palmeiras    R$ 200.000
12° D`Alessandro    Internacional    R$ 200.000
13° Léo    Santos    R$ 200.000
14° Fábio Costa    Santos    R$ 200.000
15° Lúcio Flávio    Botafogo    R$ 185.000
16° Kléber    Internacional    R$ 180.000
17° Maxi López    Grêmio    R$ 180.000
18° Souza    Corinthians    R$ 175.000
19° Kléber Pereira    Santos    R$ 174.000
20° Fábio    Cruzeiro    R$ 173.000
21° William    Corinthians    R$ 150.000
22° Kléberson    Flamengo    R$ 150.000
23° Carlos Alberto    Vasco    R$ 150.000
24° Mozart    Palmeiras    R$ 140.000
25° Léo Moura    Flamengo    R$ 130.000
26° Acosta    Náutico    R$ 125.000
27° Keirrison    Palmeiras    R$ 120.000
28° Diego Souza    Palmeiras    R$ 120.000
29° Marcelinho Paraíba    Coritiba    R$ 120.000
30° Tcheco    Grêmio    R$ 120.000

*80% do valor é pago pelo patrocínio da manga e do calção do uniforme
**162 mil do Flamengo + % na venda dos produtos da Olympikus, nova fornecedora do material esportivo
***130 mil + um milhão de euros em parcelas anuais
****Pode chegar a R$ 300.000

Postado por Rodrigo Braga, chorando no contracheque…

Palpites do Brasileirão (3)

29 de maio de 2009 5

É como diz aquela propaganda: sou brasileiro e não desisto nunca. Mesmo após os fiascos das últimas tentativas, cá estou eu, mantendo a promessa de toda sexta-feira postar aqui os palpites do Brasileirão, incluindo os jogos principais da Série B. Se quiser confiar, boa sorte. Se preferir inverter tudo para jogar na loteria, a vontade. E se ainda quiser opinar e mandar as próprias apostas, o espaço é livre. Vamos lá:

Sábado

Coritiba 2 x 3 Goiás

O Coxa vive um dilema, pois quer vencer a primeira no Brasileiro, mas também precisa poupar forças para a missão complicada que tem na quarta, contra o Inter, pela Copa do Brasil. E o Goiás em campo é sempre garantia de muitos gols.

Atlético-MG 2 x 1 Santo André

O time paulista já não é mais surpresa, e jogando no Mineirão não deve ter moleza. Ainda mais que o Galo pode assumir a liderança, ao menos provisória, em caso de um triunfo.

Botafogo 4 x 1 Sport

O time pernambucano vai ao Rio enfiado numa crise daquelas, ainda na ressaca da eliminação na Libertadores e que culminou com a saída do técnico Nelsinho e do meia Paulo Baier. Prenúncio de goleada do alvinegro, que terá a volta de Lúcio Flávio, no Engenhão.

Domingo

São Paulo 2 x 0 Cruzeiro

Após se enfrentarem na quarta pela Libertadores – vitória celeste por 2 a 1 no Mineirão –, as equipes fazem um ensaio da decisão da vaga nas semifinais da Libertadores, dia 17, também no Morumbi. No Brasileiro o time mineiro vai bem, o tricolor busca a primeira vitória. Sob pressão, deve conseguir.

Santos 3 x 0 Corinthians

Clássico de um time só na Vila Belmiro. Focado totalmente na Copa do Brasil, o Corinthians mais uma vez só terá reservas em campo, contra um Santos embalado e sedento por uma revanche após a derrota na final do Paulistão.

Flamengo 2 x 1 Atlético-PR

Jogos festivos costumam ser um desastre. O Flamengo armou uma reestreia de gala para o Imperador Adriano e deve ter o Maracanã lotado o empurrando. Sorte dos cariocas que o adversário começa a competição como seríssimo candidato ao rebaixamento. E para completar, Adriano deve deixar o dele.

Vitória 1 x 1 Grêmio

Ano passado o Vitória goleou o Grêmio nas rodadas finais do Brasileirão e tirou do tricolor as chances de ficar com o título. Esse ano, a situação é um pouco diferente, e com força máxima o time gaúcho deve garantir ao menos um pontinho no sempre complicado Barradão.

Náutico 3 x 1 Fluminense

O tricolor carioca encara a pressão pelos péssimos resultados, o embalado Náutico e de quebra o pior gramado da competição, o dos Aflitos. Se uma derrota pode derrubar o técnico Carlos Alberto Parreira, é bom ele começar a procurar emprego novo.

Barueri 1 x 2 Palmeiras

O Verdão flerta com uma crise interna. Luxemburgo está de mal com a torcida, insatisfeito com o elenco e, aparentemente, não fala a mesma língua que a diretoria. Tudo explodiu após o empate em casa com o Nacional, quinta, que complicou a equipe na Libertadores. Em uma situação como essa, nada como enfrentar o caçula da competição, que ainda por cima é freguês de carteirinha.

Internacional 2 x 0 Avaí

Uma coisa é certa: o líder, invicto e favorito ao título Internacional tem fama de tropeçar nas pequenas pedrinhas. O rival do Avaí, o Figueirense, cansou de aprontar no Beira-Rio. Resta saber se o Azurra conseguirá manter a tradição. Vai encarar um mistão colorado, mas na fase que andam os gaúchos, isso está longe de ser uma boa notícia.

Série B/Sábado

Paraná 1 x 1 Vasco

Mais preocupado com a semifinal da Copa do Brasil, o Vasco terá só reservas em Curitiba. É a chance do volante blumenauense Paulinho – este confirmado – e até do zagueiro Rafael Morisco, também ex-Metrô, mostrarem serviço. Mas a tarefa não será das mais fáceis.

Postado por Rodrigo Braga, da redação

Torcedor não é bobo

29 de maio de 2009 0

Gosto muito de futsal, o que não chega a ser nenhum assombro. De vez em quando até vou assistir a jogos pela região, incluindo os do futsal de Blumenau. Porém, tem me incomodado o chororô recente quando o assunto é o baixo público nos jogos da AD Hering, de volta à elite estadual.

Nem vou entrar no mérito que o meu parceiro Cláudio Holzer já bem abordou, o dos horários esquisitões dos jogos. Neste sábado a equipe estará em quadra no Galegão às 9h30min, horário de tomar café da manhã. Para mim, o problema é outro.

Torcedor pode adorar esporte, tudo o mais, mas não é bobo. O blumenauense, em especial, é competitivo, e até pela cultura vitoriosa dos Jasc odeia esse papinho de entrar para competir. E a direção do futsal da cidade fez uma opção clara: montar um time comum, para no máximo brigar para seguir na elite. Não discuto se está certo ou errado, e muito menos quero diminuir a intenção de apostar na base, o que sempre tem seu valor. Só acho que, ao fazer esta escolha, está vedado o direito de pleitear mais público nos jogos.

A Malwee tem uma estrutura invejável e, claro, caríssima. Mas boa parte dela é paga pela multidão de seguidores que o time de Falcão e Lenísio arrasta aqui, no Nordeste, na China, em qualquer lugar. Conheço bem as dificuldades que as equipes encontram para buscar apoio financeiro, mas isso não pode inviabilizar planos mais ousados. Com um time forte, montado com intenção de brigar por títulos, com uma, duas ou três estrelas para atrair as atenções, garanto: vai faltar lugar no Galegão.

Como está hoje, já posso até antecipar que os jogos só terão público digno quando os adversários forem Malwee, Joinville, times que são atração por si. Isso se Blumenau chegar à próxima fase, claro. Para ver jogadores comuns, contra adversários mais comuns ainda, entendo perfeitamente os torcedores que preferem evitar o deslocamento e o gasto de ir até o Galegão e assistem a jogos de torneios de bairros que acontecem aos montes todo final de semana. De graça.

Aos dirigentes, fica o conselho: sem oferecer, não há como cobrar. Para que o público vá, o primeiro passo precisa ser dado por vocês.

Postado por Rodrigo Braga, da redação

Ando em péssima fase

27 de maio de 2009 2

Agora é oficial: estou em crise com os meus palpites de futebol. Começou no fim de semana, quando só acertei um dos 10 jogos da rodada do Brasileirão. Desempenho pífio. Nesta quarta fiz todo uma contextualização, mas cravei no Manchester. Outro fracasso. O Barcelona deu uma aula de futebol eficiente e vistoso, ganhou com absoluta justiça a Liga dos Campeões. O Barça é um timaço, se cuidem os brasileiros que ainda sonham em conquistar a Libertadores e enfrentá-lo no Mundial, no fim do ano.

Como consolo, pelo menos acertei que Messi é muito melhor que o firulento Cristiano Ronaldo. Em mais uma final o rei do marketing pipocou, enquanto o argentino mostrou que merece ser o melhor do mundo da vez.

Mas não fugirei do meu fracasso como palpiteiro. Estou sob pressão. Se as coisas não mudarem até o final de semana, prometo trocar de bola de cristal…

Postado por Rodrigo Braga, da redação

Engorda a lista

26 de maio de 2009 2

O meia Cristiano, do Metropolitano, que iria, mas não vai mais para um time desconhecido da Alemanha, jogará a Série D do Brasileiro pela Chapecoense. Além dele, também defenderá o time do Oeste, do técnico Mauro Ovelha, o goleiro Tiago Chitão, formado na base do Verdão. Com isso engorda a lista de jogadores que defenderam o Metrô no Catarinense empregados nas competições nacionais.

Postado por Rodrigo Braga, da redação

Quem leva?

26 de maio de 2009 0

Serei breve no meu palpite sobre a final da Liga dos Campeões, nesta quarta. No quesito estrelas da festa, o argentino Messi é melhor do que o português Cristiano Ronaldo. Mas na soma de todos os fatores o Manchester United é mais time que o Barcelona. Digo isso porque no futebol nem sempre (ou quase nunca) o time que encanta vence o adversário que sabe se posicionar melhor em campo. E, para completar, além de quase perfeito taticamente o time inglês também sabe jogar bonito.

Postado por Rodrigo Braga, da redação

Craque é o empresário!

25 de maio de 2009 0

Obina, o eterno gordinho, já não é melhor que o Eto`o para a torcida do Flamengo. Por isso, o atacante foi emprestado nesta segunda-feira ao Palmeiras/Divulgação XPress Brasil

Ainda bem que o Edgar, editor-chefe aqui do Santa, me deu um empreguinho há quase sete anos. Fico pensando o que seria de mim se precisasse ser vendedor de alguma coisa, tipo cara-a-cara com o cliente. Deus me livre! Devo ser o pior vendedor que já habitou o Planeta Terra. Nem suco no deserto eu seria capaz. Provavelmente o pobre cliente decidiria procurar por outro e morreria de sede.

Talvez por isso eu admire tanto empresários de futebol. Sim, os admiro, podem acreditar. Principalmente aqueles que são os verdadeiros craques da relação, pois conseguem fazer milagres com jogadores de pelada casados x solteiros. Meu ídolo nesse segmento é o empresário do Belletti. Nem sei o nome dele, mas o cara é um gênio. Até hoje o Belletti, um tremendo pereba, só jogou em time grande na carreira: São Paulo, Cruzeiro, Atlético-MG, Barcelona (fez o gol do título da Liga dos Campeões de 2006, lembram?) e atualmente desfila sua ruindade pelo Chelsea. Inacreditável. Ah, sem falar que foi campeão do mundo com a Seleção em 2002.

Mas o empresário do Belletti ganhou concorrência de peso. Só pode ter sido obra de um cracaço das negociações o empréstimo do Obina para o Palmeiras. Obina!! A torcida rubro-negra um dia já cantou que ele era melhor que o Eto`o, em tom de chacota, mas teve quem acreditou. Inclusive ele. Agora que a piada perdeu a graça e ninguém no time carioca mais dá risada de ter um eterno gordinho apanhando da bola lá na frente, entrou em cena o empresário. Só pode! Eis que Obina troca o Flamengo pelo Palmeiras de Vanderlei Luxemburgo, na teoria um upgrade na carreira, uma vez que poderá jogar a Libertadores. E ainda tem gente que não acredita em milagres…

Em tempo: Obina chega ao Palmeiras para ocupar a vaga do meia Evandro, que vai para o Atlético-MG. O blumenauense não foi bem no alviverde paulista, há tempos vinha sendo hostilizado pela impaciente torcida do Palestra. Os novos ares devem fazer bem a ele: a pressão no Galo é menor e, além disso, o time mineiro tem uma curiosa tradição de recuperar jogadores que foram mal no eixo Rio-SP. O atacante Diego Tardelli, ídolo atual do clube, que o diga.

Postado por Rodrigo Braga, da redação

Dois meses sem futebol

25 de maio de 2009 6

Nesta segunda-feira cinzenta Blumenau completou dois meses sem futebol profissional. Coisas de um calendário que vira as costas aos pequenos, além de uma estrutura que evolui, sim, mas que ainda tem muitos degraus a transpor.

São dois meses, mas ainda serão outros tantos, pois, na melhor das hipóteses, o Metropolitano só voltará a campo em meados de novembro, para disputar a deficitária e enfadonha Copa Santa Catarina. Se abrir mão dela, então, o jejum aumenta um pouquinho mais e vai até o início de 2010, quando começa o Catarinense.

Dois meses de jogos para 10 de inatividade. Um absurdo. Enquanto essa equação não for revertida, fica ainda mais difícil falar em grandes patrocínios, parcerias, coisas do tipo. Só mesmo um abnegado investe para ter sua marca escondida por 10 meses no ano. Mas podem ter certeza, de abnegados o céu pode até estar cheio, mas lá no topo da pirâmide do futebol eles são raros, para não dizer que não existem.

Um alento: já que não pode ir a campo, ao menos o Metrô faz o que pode nos bastidores. A questão do estádio próprio está andando, e em breve poderá ter novidades.

Postado por Rodrigo Braga, da redação

Abre o olho, Marinheiro

25 de maio de 2009 0

Datas redondas costumam ser cruéis com clubes de futebol. São raros, por exemplo, os que no tão aguardado ano do centenário conseguem erguer algum troféu. Mas os 90 anos do Marcílio Dias estão sendo especialmente melancólicos para a torcida de Itajaí. Depois da humilhação do rebaixamento no Catarinense, restava a esperança de um bom papel na Série C do Brasileiro, torneio no qual conseguiu se manter graças a uma campanha surpreendente no ano passado. Mas a derrota em casa para o Caxias, domingo, acendeu o sinal de alerta. Com um elenco limitado e a eterna crise financeira, o Marinheiro é presa fácil no grupo mais complicado da competição (maldade da tal tabela regionalizada, que para cortar custos forma chaves fortíssimas no Sul e verdadeiras piadas no Norte/Nordeste).

Do jeito que vão as coisas, infelizmente só um milagre tira o Marcílio do rebaixamento para a Série D.

Postado por Rodrigo Braga, da redação