Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de novembro 2009

Ressuscitaram a Taça das Bolinhas!

30 de novembro de 2009 49

A Taça das Bolinhas, que a CBF não deu ao Fla em 1992 por não considerar o clube pentacampeão nacional. E agora, o Fla será ou não hexa?/Divulgação

Foi só o Flamengo assumir a ponta do Brasileirão, domingo, para o assunto mais chato do futebol brasileiro nos últimos 20 anos voltar a dar as caras. Como será campeão no próximo domingo, e de fato será (só alguém que “não bate bem” para achar que o Grêmio fará alguma força, mesmo que pudesse, para tirar o título do Fla e dar ao Internacional), a velha discussão voltou às rodas de conversa, as tradicionais ou as mais modernas, pela internet.

Afinal, o Flamengo será penta ou será hexa?

Tudo por causa da maldita Copa União de 1987, o campeonato que é o espelho do que já foi a bagunça no nosso futebol (acredite, se você acha ruim hoje, naquela época era muito pior). O Flamengo ganhou, mas oficialmente não levou. Para a CBF, o campeão daquele ano foi o Sport. Uma baderna, fruto de muitos caciques querendo mandar para pouco índio. Os resultados nos enchem os ouvidos até hoje.

Aquele foi (ou teria sido) o quarto título nacional do rubro-negro. Em 1992, veio o quinto (ou seria quarto?), e o capitão Júnior chegou a erguer a Taça das Bolinhas, que desde que o Brasileirão nasceu, em 1971, era prometida ao clube que a conquistasse três vezes consecutivas ou cinco alternadas. O Fla pleiteou, a CBF, de birra, negou. E a taça passou anos e anos trancada em um cofre.

Em 2007, o São Paulo tornou-se pentacampeão brasileiro de fato e reacendeu a polêmica ao solicitar à CBF a tal Taça das Bolinhas. Flamenguistas protestaram de todas as formas, só faltou greve de fome, e a CBF, como sempre, resolveu como lhe convinha: não resolveu. Até hoje empurra a decisão com a barriga. Em 2008, o tricolor paulista ganhou de novo, tornou-se hexa e o primeiro tricampeão consecutivo, mas nada de Taça das Bolinhas no Morumbi.

Agora, de repente, o Brasileirão mais equilibrado que já existiu caiu no colo da turma de Adriano. E o rubro-negro sairá da fila de 17 anos por merecimento, é bom que se diga, pois sobretudo no returno, quando todos viveram em uma gangorra, o rubro-negro foi o mais regular. E regularidade nos pontos corridos costuma render taça.

Bastou isso para o fantasma da Copa União voltar com força. Os flamenguistas, claro, querem ser hexa (équiça, para alguns…). Os rivais se apressam em lembrar do asterisco (*) que está lá, todo formoso, enfeitando o campeonato de 1987. O Sport, rebaixado nesse ano, promete processar (hã?) quem declarar o time carioca como seis vezes campeão brasileiro a partir de domingo.

E quem ainda tem um pouquinho de paciência para aturar o assunto, até consegue se divertir com a critividade do torcedor na defesa dos argumentos pró e contra.

O blog, óbvio, não deixaria de fazer esta “consulta popular” por aqui.

Para você, torcedor, no domingo o Flamengo será penta, hexa ou nenhum dos dois? Essa última é para quem acredita em papai noel, coelho da páscoa, político brasileiro de ficha limpa e gremista dando o sangue para tirar o Inter da fila de 30 anos no Brasileiro, fechando com chave de ouro o centenário do arquirrival…

Postado por Rodrigo Braga, de casa

Acompanhe Metropolitano x Figueirense B

29 de novembro de 2009 7

Postado por Rodrigo Braga, da redação

Silas merece a Ressacada de pé domingo

27 de novembro de 2009 7

Silas decidiu nessa quinta-feira que não ficará no Avaí em 2010/Ricardo Duarte

Agora é oficial: Silas não ficará no Avaí. O que já era muito provável tornou-se certeza nessa quinta-feira.

Silas encerrou um ciclo vitorioso no Avaí. Escreveu o nome dele na história do clube. E como tenho certeza que será um treinador de muito sucesso, sempre será lembrado o começo promissor no Leão. Como Felipão no Criciúma.

Aliás, dizem que as trajetórias de Silas e Felipão têm mais em comum: o destino pós-SC: como Felipão, Silas estaria indo para o Grêmio. Ele nega, por enquanto. só fala no tal estágio no Real Madrid. Mas deve ir mesmo para o tricolor gaúcho.

É sem dúvida um desafio maior, como ele proprio falou. Para a torcida do Avaí, resta um último agradecimento: lotar a Ressacada domingo, contra o Santos, e aplaudir de pé o treinador, além de todo o elenco que construiu essa campanha no Brasileiro.

O jogo pode valer pouco em termos de tabela, mas ganhou enorme importância para o clube. Não é mais apenas a despedida da torcida, o último jogo na Ressacada. É o fim de uma Era. Um casamento feliz, sem dúvida.

Postado por Rodrigo Braga, de casa

Acompanhe os lances de JEC x Metrô na Arena

26 de novembro de 2009 2

Postado por Rodrigo Braga, da redação

Minha seleção do Brasileirão (2) - a CBF concorda

24 de novembro de 2009 20

Teve muita gente que xingou minha seleção do Brasileirão 2009 (confira ela aqui), mas eis que nesta terça-feira a CBF divulgou os finalistas do Prêmio Craque Brasileirão 2009 e… surpresa!

Este blogueiro emplacou os seus escolhidos em 12 das 14 categorias. Nada mal, ein!

Ficaram de fora da minha seleção apenas o volante Jonílson (Atlético-MG), o que eu até acho justo, pois de fato Maldonado (Flamengo) e Pierre (Palmeiras) são melhores, mas como passaram muito tempo contundidos, entre eles optei pela regularidade do jogador do Galo. Paciência.

E o Marquinhos, do Avaí, que não entrou como meia. Aqui o critério foi muito parecido, mas parece que os companheiros de imprensa e os boleiros que também votaram não pensaram assim. Cleiton Xavier é melhor que Marquinhos? Pra mim é, mas não jogou nem metade do campeonato. E o Diego Souza caminhava para ser o craque do Brasileirão até poucas rodadas atrás, mas aí teve uma queda assombrosa de rendimento (pra variar, depois que voltou da Seleção…) e tornou-se o símbolo da queda do Palmeiras, que de virtual campeão pode nem ir à Libertadores. Na minha opinião, é injusto premiar um jogador desses.

De qualquer forma, 12 em 14 está bom demais. Resta agora saber quantos levarão o troféu. Aguardemos.

A lista dos finalistas divulgada pela CBF:

Goleiro
Bruno (Flamengo)
Marcos (Palmeiras)
Victor (Grêmio)

Lateral-direito
Jonathan (Cruzeiro)
Léo Moura (Flamengo)
Vítor (Goiás)

Zagueiro pela direita
André Dias (São Paulo)
Chicão (Corinthians)
Danilo (Palmeiras)

Zagueiro pela esquerda
Miranda (São Paulo)
Réver (Grêmio)
Ronaldo Angelim (Flamengo)

Lateral-esquerdo
Armero (Palmeiras)
Júlio César (Goiás)
Kléber (Internacional)

Volante pela direita
Hernanes (São Paulo)
Pierre (Palmeiras)
Willians (Flamengo)

Volante pela esquerda
Guiñazu (Internacional)
Maldonado (Flamengo)
Sandro (Internacional)

Meia-direita
Cleiton Xavier (Palmeiras)
Diego Souza (Palmeiras)
Souza (Grêmio)

Meia-esquerda
Conca (Fluminense)
Marcelinho Paraíba (Coritiba)
Petkovic (Flamengo)

Primeiro atacante
Diego Tardelli (Atlético-MG)
Fernandinho (Barueri)
Fred (Fluminense)

Segundo atacante
Adriano (Flamengo)
Iarley (Goiás)
Ronaldo (Corinthians)

Treinador
Andrade (Flamengo)
Celso Roth (Atlético-MG)
Silas (Avaí)

Revelação
Fernandinho (Barueri)
Giuliano (Internacional)
Paulo Henrique (Santos)

Árbitro
Héber Roberto Lopes
Leonardo Gaciba
Paulo César Oliveira

Craque da galera
Conca (Fluminense)
Hernanes (São Paulo)
Petkovic (Flamengo)

Postado por Rodrigo Braga, de casa

Comentários de Brusque x JEC, pela Copa SC

23 de novembro de 2009 1

Postado por Rodrigo Braga, da redação

Avaí: agora é festejar e pensar em 2010

22 de novembro de 2009 11

Flamengo tinha a chance de assumir a ponta diante de um Maracanã com mais de 80 mil torcedores, mas sentiu a pressão e não saiu do 0 a 0 com o Goiás. A 2 rodadas do fim, 4 times têm chances de ser campeão/Maurício Val/Vipcomm

A necessidade do Santo André falou mais alto e o Avaí perdeu no ABC: 4 a 2. O sonho de ir à Libertadores agora é apenas isso mesmo: um sonho. Bem distante.

Motivos para lamentar? Não encontro nenhum. A campanha do Avaí já é fantástica faz tempo. Agora é terminar da melhor forma possível, preparar uma festa do tamanho da façanha do time para o último jogo na Ressacada, domingo que vem, contra o Santos, e depois pensar exclusivamente em 2010. Um ano que tem tudo para ser ainda mais feliz para a torcida azurra.

De Avaí, era isso. Não posso deixar de falar da reta final do campeonato. A rodada foi eletrizante. Derrota do São Paulo contra um Botafogo jogando como nunca (Jobson em noite de Garrincha). Flamengo sentindo o peso da possibilidade de virar líder e só empatando com o Goiás (que também há muito não jogava tão bem). E o Internacional, quem diria, voltando ao páreo de fato. Pode até terminar a próxima rodada, a penúltima, na liderança. E até o Palmeiras, moribundo, voltou a ter chances. Simplesmente fantástico! E depois tem quem não ache campeonato por pontos corridos emcionante. Me poupe!

E na parte de baixo! Deus meu! O Fluminense segue em estado de graça, por alguns instantes chegou a sair da zona de rebaixamento, mas a virada do Botafogo o mandou para lá outra vez. Já começo a achar que os dois cariocas trocarão de lugar com os dois paranaenses, Atlético-PR e Coritiba, e eles que se virem pra decidir quem cai. O Flu, eu sei que vou ouvir muito por isso, dá pinta, mas muita pinta, de que não cai mais não.

Postado por Rodrigo Braga, da redação

Blumenau perdeu os Jasc. Bom para Blumenau!

21 de novembro de 2009 17

Presidente da FMD, Sérgio Galdino (D), cumprimenta o prefeito da Capital, Dário Berger, pelo título conquistado. Esporte é assim mesmo, mas Blumenau também volta vencedora ao largar na frente no resgate pela essência dos Jasc, que há tempos se perdeu/Divulgação Mafalda Press

Blumenau perdeu os Jogos Abertos de Santa Catarina, que terminaram neste sábado em Chapecó.
Tragédia?
Não para mim.
E nem para a cidade. Explico:
A melhor coisa que podia acontecer a Blumenau era perder os Jasc, tirar esse peso das costas. A tal da hegemonia esportiva não vale mais um centavo furado, mas pesa. Pesa muito. Nesse fim de semana, por exemplo, ouvi gente dizendo que foi uma derrota política do prefeito. E outra: apareceu até uma estatística para me informar que JPK é apenas o sétimo prefeito da cidade a ser derrotado em um Jasc!
Repito. Pra mim, tudo balela.
Há muito tempo os Jasc perderam o brilho. No ano que vem, quando completam 50 anos, deveriam ser completamente repensados para não apagar de vez o ideal do brusquense Artur Schlösser. O excesso de importados, essa praga que começou nos anos 90, quando eu ainda participava dos Jasc, está matando a competição.
Esse ano tivemos alguns absurdos, como Hugo Hoyama. O mesatenista deve ser incapaz de localizar Chapecó no mapa, muito menos de dizer o que aquela estátua enorme faz bem no Centro da cidade. Mas foi a estrela da delegação anfitriã (até acendeu a pira na abertura, outro absurdo). Bom, ele foi lá e fez o que sabe: jogar ping-pong (vão me xingar…) e perder pra um chinês qualquer. Sim, porque tivemos um chinês nos Jasc! Aliás, no Pan 2007 eu aprendi que torneios de tênis de mesa são disputados por chineses de várias nacionalidades: é o chinês da Argentina, o chinês da Austrália, o chinês da Finlândia… Nos Jasc, tinha o chinês manezinho, os donos da casa não contavam com a astúcia dos ilhéus!
É só um exemplo, tivemos “importados” por todos os lados. Não em Blumenau.
A cidade, do alto de suas 39 conquistas em 49 edições, fez o que dela se esperava: vanguarda. Abandonou as importações e levou o que é fruto dos programas de esporte na base por aqui. Perdeu? Paciência. Perder ou ganhar os Jasc tem cada vez menos relevância. O importante deve ser revelar atletas, estimular a base. Esse é o espírito da competição e precisa ser resgatado. Porque pra mim chega a ser constrangedor ver atletas como os da Malwee, do time de basquete de Joinville (ganhou e se esforçou para convencer que se importava com aquilo) ou da Cimed (esses não foram), disputando Jasc contra Palmitos, Braço do Trombudo, Capinzal e ganhando por 200 pontos de diferença. Ou então nadadores olímpicos e de mundial nadando uma piscina na frente dos outros (isso Blumenau fez, trouxe a Julinha Volkmann).
Os Jogos Abertos de Santa Catarina são, por regra, amadores (no sentido bom dessa palavra). Essa essência se perdeu em algum lugar. Blumenau volta vitoriosa de Chapecó ao largar na frente nessa corrida para resgatar a essência dos Jasc. E agora que se livrou desse encosto chamado hegemonia (alguns poucos vão reclamar, e só), espero que os dirigentes sigam esse caminho, que mais adiante certamente será vitorioso, tanto nos Jasc quanto na revelação de novos talentos locais. Além disso, tem aquela: Blumenau pode fazer isso porque mesmo que custe perder 30 Jasc seguidos, ainda assim continuará sendo a cidade mais vezes vencedora.

Antes de terminar, duas considerações importantes:

1 - Óbvio que não quero aqui tirar o mérito da conquista de Florianópolis. A Capital vive um momento iluminado no esporte. De patinho feio antes, hoje tem dois times de futebol fortes no cenário nacional, uma equipe campeão brasileira de vôlei, futsal forte e vários atletas de alto nível em outras modalidades. Alcançou o que Blumenau ainda não achou a receita para fazer. Partir da base para a formação de times realmente de alto nível, para ter projeção nacional e internacional. Fica aqui registrado os parabéns e a dica: Blumenau tem o que aprender com o trabalho que vem sendo feito em Floripa.

2 - Também é preciso registrar que o que ocorreu em Blumenau há exato um ano influenciou de certa forma no resultado nos Jasc. Muitas equipes ficaram sem verba e até sem local para treinar 2009 inteiro. Tudo que conquistaram pode ser colocado na conta da superação que faz parte do blumenauense. Por isso, parabéns também!

Postado por Rodrigo Braga, de casa

Não precisava ser assim, Figueira

21 de novembro de 2009 19

Time de Rafael Coelho não foi nem sombra na derrota em casa para o Duque de Caxias daquele que chegou às portas do acesso com uma bela reação no returno. Aí não tem jeito, fim de sonho/Ricardo Duarte

Acabou. E não foi como os alvinegros sonhavam. A Série B vai continuar fazendo parte da vida do Figueirense em 2010. Faz parte do jogo, perder, ganhar, essas coisas. Só não precisava ser como foi o desfecho. Triste.

Perder em casa para o remendado time do Duque de Caxias não estava no script. Foi uma tarde de pesadelo no Scarpelli. O Figueirense em nenhum momento foi o time em que muitos momentos da competição deu pinta de que subiria. Foi, em tempo integral, aquele que em outra parte considerável das 37 rodadas até aqui decepcionou a torcida.

No fim das contas, é merecido o acesso de Ceará, Guarani e Atlético-GO, que neste sábado se juntaram ao campeão Vasco, que teve a faixa carimbada pela Portuguesa. Aliás, a Lusa e o Figueira serão os times do quase, tiveram a porta do acesso batida na cara. Chegaram perto, mas nessa altura isso nada importa.

O Figueirense não teve um bom ano, isso é fato. Sucessão de trapalhadas extra-campo que se somam desde a campanha do rebaixamento no ano passado. O acesso, se viesse, coroaria um trabalho que não foi digno dele, e quando digo isso não me refiro aos jogadores e nem ao técnico Márcio Araújo. Estes fizeram o que podiam, e na base da superação foram até onde foram. Nem preciso dizer isso, inclusive. A torcida sabe muito bem a quem aplaudir e a quem criticar nesse momento. Fez isso ao fim do jogo.

A campanha do Figueirense na Série B, de reação no returno, pecou em dois momentos cruciais (e nem conto a derrota desse sábado). Para este blogueiro, as derrotas para Ponte Preta, em casa, e América-RN, fora, determinaram a permanência na Segundona. Lições que agora precisam ser digeridas, entendidas e corrigidas. Ano que vem é logo ali.

Agora é ter paciência, porção alvinegra da Ilha. 2009 definitivamente foi azul por essas bandas. Aliás, a festa (e o estoque de piadas) não tem hora pra cabar pra essa turma. 

Postado por Rodrigo Braga, de casa

Palpites do fim de semana

21 de novembro de 2009 8

Rodadas decisivas tanto na Série A quanto na Série B do Brasileiro. Está ficando mais difícil palpitar. De qualquer forma, vamos lá. Quem quiser, como sempre, concorda, discorda ou então apenas manda os próprios palpites.

Atlético-PR 1 x 1 Cruzeiro

Corinthians 3 x 1 Náutico

Santo André 2 x 2 Avaí

Atlético-MG 2 x 1 Internacional

Sport 3 x 2 Fluminense

Botafogo 1 x 3 São Paulo

Flamengo 2 x 0 Goiás

Vitória 1 x 1 Barueri

Santos 2 x 1 Coritiba

Série B

Figueirense 3 x 0 Duque de Caxias

Juventude 1 x 1 Atlético-GO

Vasco 1 x 1 Portuguesa

Postado por Rodrigo Braga, de casa