Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de dezembro 2009

Blog em merecido recesso. Até 2010!

27 de dezembro de 2009 7

Gente, cabe aqui um breve até logo. Este blogueiro, que nas horas vagas é editor do Santa – hehehe – entra neste domingo em curtas, porém aguardadas e merecidas, férias. 

Como pretendo de fato descansar, o blog dará um tempinho também. Terei de me controlar, admito, pois este espaço virou meu xodó desde o primeiro post, lá no dia 12 de maio. De lá para cá, ganhei muitos leitores fiéis, que fizeram o blog ter um crescimento admirável nestes meses. O que muito me orgulha.

A todos vocês, meu muito obrigado e o desejo de um ótimo ano, no qual mais uma vez espero ter a honra da parceria de vocês, trocando opiniões e tudo o mais que este maravilhoso mundo pontocom nos permite. E voltarei com novidades, prometo, afinal temos pela frente o primeiro Catarinense do blog, que promete emoções fortes, e, é claro, a Copa do Mundo de 2010.

É isso, minha gente. Um ótimo 2010 e até 12 de janeiro.

Postado por Rodrigo Braga, de saída

Eis minha lista dos 10 maiores jogos de 2009

25 de dezembro de 2009 7

Virada do Brasil contra os EUA, que valeu o título da Copa das Confederações, em junho, na África do Sul, merece estar na lista dos top 10 do ano que está terminando/André Penner/AP

O Yahoo! Brasil divulgou nesta semana _ confira link aqui _ uma lista com vários destaques de 2009. Nada mais natural para a época, inclusive. No quesito futebol, apareceram, na opinião do site, os 10 principais jogos do ano que está terminando. Não concordei com todos, apesar de admitir que é uma bela lista, e por isso tentei montar a minha própria (as mudanças são poucas). Mas como a memória já apresenta sinais claros de fadiga a dois dias das férias, posso ter esquecido de algum. Por isso, pra variar, peço a colaboração dos leitores. Vamos à lista, então:

Palmeiras 1 x 1 Corinthians (8/3 – Paulistão)
Paulistão, primeiro gol de Ronaldo pelo Corinthians, já nos acréscimos do clássico em Presidente Prudente. O gol, além de histórico, garantiu ao Timão a possibilidade, que seria confirmada mais tarde, de ser campeão estadual invicto.

Chelsea 4 x 4 Liverpool (14/4 – Liga dos Campeões)
Um jogaço fantástico. O Liverpool fez 2 a 0, o Chelsea virou para 3 a 2, deixou o adversário virar outra vez para 4 a 3, mas conseguiu o empate no finzinho para avançar às semifinais da Liga. De tirar o fôlego! E o curioso é que, uma semana depois, o Liverpool esteve envolvido em outro 4 a 4 que merecia vaga nessa lista, este contra o Arsenal, pelo Inglês, em jogo no qual o russo Arshavin marcou os quatro gols do time londrino.

Brasil 3 x 2 EUA (28/6 – Copa das Confederações)
Todos queriam ver o grande jogo do ano, Brasil x Espanha, uma prévia daquela que muitos imaginam será a final da Copa de 2010. Mas os espanhóis mantiveram a tradição e amarelaram na semifinal da Copa das Confederações diante da aplicação tática dos EUA. Erro que a Seleção de Dunga quase cometeu também, permitindo que os americanos abrissem 2 a 0 (cabia até mais) no primeiro tempo da final, em Johanesburgo. Mas, na etapa final, o time de Dunga resumiu em 45 minutos a bela temporada que teve, virando para 3 a 2 (dois de Luís Fabiano e um do capitão Lúcio) e ficando com o título.

Real Madrid 2 x 6 Barcelona (2/5 – Espanhol)
Não bastasse tudo o que significa a mítica rivalidade enre os dois gigantes da Espanha, o que o Barcelona fez em pleno Santiago Bernabéu foi realmente mágico. Num ano que terminou perfeito para o Barça – ganhou tudo o que disputou –, essa foi a cereja do bolo. Goleada histórica por 6 a 2, em tarde mágica de Lionel Messi (2 gols) e, principalmente, de Xavi, que deu passe para quatro tentos catalães.

Argentina 2 x 1 Peru (10/10 – Eliminatórias)
Um tango dramático em todos os sentidos. A sucessão de lambanças de Maradona no comando da seleção argentina levaram a essa situação vexatória: um tropeço em casa, diante do lanterna Peru, poderia deixar os hermanos de fora da Copa de 2010. E os argentinos venciam por magro 1 a 0 até os 44 do 2º tempo, quando um temporal caiu sobre Buenos Aires e quase ninguém viu o Peru empatar o jogo. No desespero, toda a nação argentina se atirou ao ataque e o trombador e questionado Martín Palermo, impedido, aos 48 minutos, salvou a pátria (no fim os peruanos ainda tiveram um pênalti não marcado). Maradona, aliviado, deu peixinho no gramado encharcado. A vaga na Copa viria quatro dias depois, em outra vitória dramática, contra o Uruguai, no Centenário.

Corinthians 3 x 3 Botafogo (23/8 – Brasileirão)
Em um Brasileirão que ficou marcado por muitas lambanças da arbitragem, esse jogo parece resumir tudo. No Pacaembu, teve de tudo: um jogão, afinal foi 3 a 3, e muitos erros (foram quatro em lances de gol, só pra ficar nos mais importantes). Teve até gol de mão validado. Uma vergonha!

França 1 x 1 Irlanda (18/11 – Eliminatórias)
A França precisou, literalmente, de uma mãozinha do atacante Henry para se garantir na Copa do Mundo. Na repescagem europeia contra a Irlanda, venceu em Dublin por 1 a 0, mas em casa deixou o adversário repetir o placar e levar a decisão para a prorrogação. Nela, Henry dominou escandalosamente a bola com a mã e tocou para Gallas fazer o gol da classificação. O lance quase gerou um incidente diplomático e a Fifa cogitou, sim, anular o jogo. No fim, sobrou apenas um puxão de orelha no atacante espertinho e o choro irlandês.

Cruzeiro 2 x 3 Fluminense (1/11 – Brasileirão)
Onde começou, enfim, a arrancada sensacional que salvou o Fluminense do rebaixamento iminente no Brasileiro? Pra mim, apesar de a invencibilidade que salvou o tricolor ter começado algumas rodadas antes, foi neste jogo, no Mineirão, que o time acreditou que ainda era possível escapar. O Flu não podia perder, e foi para o intervalo levando 2 a 0 e um vareio de bola de um Cruzeiro embalado, que sonhava com título. No segundo tempo, o time carioca se atirou ao ataque de forma suicida e deu certo. Fred, torcedor assumido do Cruzeiro, deu show, mas não comemorou. O Flu virou para 3 a 2 e calou o Mineirão lotado. No fim, segurou o resultado como quem defende um filho, e comemorou como título o resultado. Emocionante, sem dúvida.

Coritiba 1 x 0 Internacional (3/6 – Copa do Brasil)
Poucas vezes lembro de ter visto uma pressão tão intensa de um time sobre outro. Na semifinal da Copa do Brasil, no frio de zero grau de Curitiba, o Coxa precisava reverter a vantagem de 3 a 1 que o Inter trazia do jogo do Beira-Rio. Logo, precisava de um 2 a 0. Passou a semana jurando que dava e a torcida foi junto. No jogo, muita pressão, mas gol só aos 30 da etapa final. Dali em diante, ataque contra defesa e o time gaúcho se defendendo com bravura. Duas demonstrações distintas de raça, mas o Colorado acabou levando a melhor. Foi para a final, onde seria derrotado pelo Corinthians. E o Coxa, que saiu de campo aplaudido, mal sabia o que lhe aguardava no Brasileirão…

Botafogo 3 x 2 São Paulo (22/11 – Brasileirão)
O Flamengo foi campeão, com méritos, mas provavelmente foi esse jogo que decidiu o título. Na antepenúltima rodada, o São Paulo podia arrancar para o tetra, bastava afundar um moribundo Botafogo no Engenhão. E o alvinegro, desesperado, ainda contava com a curiosa torcida dos rubro-negros. No jogo, o Fogão saiu na frente, tomou a virada mas, na base da superação, virou outra vez e venceu nos minutos finais, naquele que para muitos foi o mais emocionante jogo do Brasileirão. Festa alvinegra e rubro-negra (o Flamengo perderia naquela rodada a chance de liderar ao tropeçar no Goiás), decepção tricolor. A lamentar apenas que, mais tarde, o herói daquele jogo, o atacante Jobson (2 gols e atuação que só não foi perfeita porque foi expulso no fim) tenha sido flagrado no antidoping.

Postado por Rodrigo Braga, da redação

Dupla ex-Ibirama no América de Romário e Bebeto

23 de dezembro de 2009 6

Com Romário de cartola e Bebeto na condição de técnico estreante, o América-RJ tem tudo para ser a sensação do Campeonato Carioca de 2010. E o time rubro, que tem uma legião de fiéis torcedores, está se reforçando para ao menos retribuir às expectativas que tem gerado. Quarta-feira, apresentou um pacotão com nove reforços. Entre eles, duas figuras bem conhecidas aqui no Vale, sobretudo em Ibirama.

O meia Lenílson, 26 anos, chega com a responsabilidade de ser o maestro do Ameriquinha. Depois de brilhar no Catarinense desse ano com a 10 do Atlético de Ibirama (para muitos, este blogueiro inclusive, foi o melhor do Estadual), o cabeludo (fã de abdominais) foi disputar o Brasileirão pelo Barueri, mas teve poucas oportunidades. Terminou a temporada defendendo outro América, o de Natal, na Série B. Agora, no Carioca, terá a chance de recuperar o bom futebol que mostrou por aqui.

O outro que vai jogar sob o comando da dupla do tetra é o atacante Paty, que também teve boas passagens pelo Vale _ além do Atlético de Ibirama, onde foi muito bem, também jogou no Metropolitano.

Por falar no Metrô, um detalhe importante: o técnico Roberval Davino revelou aos seguidores dele no Twitter que o clube andou sondando um jogador que acabou acertando com o América de Romário. Aliás, segundo ele, não só um, mas quatro. Seria o Lenílson? Se foi, e deve ter sido, o Verdão perdeu uma bela oportunidade, certamente.

Postado por Rodrigo Braga, da redação

Renê Weber foi a melhor opção para o Figueirense?

22 de dezembro de 2009 9

Renê Weber foi apresentado nesta terça e vai comandar o Figueirense no Catarinense 2010/Hermínio Nunes

Após muito suspense, o Figueirense anunciou nesta terça-feira Renê Weber como o treinador para a temporada 2010.

Confesso que o nome me causou surpresa, não estava entre os especulados nos últimos dias. De qualquer forma, trata-se de uma aposta da direção alvinegra. Os cartolas elogiaram o perfil do comandante, que tem no currículo passagens pela Seleção Sub-20 e em várias oportunidades trabalhou com categorias de base. No profissional, ultimamente ele era auxiliar de Paulo Autuori no Grêmio e em voo solo só consigo lembrar de uma pouco inspirada (e curta) passagem pelo Criciúma em 2007, quando o Tigre caiu da Série B para a Série C do Brasileiro.

Faço a mesma pergunta de quando da chegada de Péricles Chamusca ao Avaí: Renê Weber foi a melhor opção para o Figueira?

Sempre é preciso dar tempo ao menos para que o técnico mostre trabalho, mas algumas conclusões é possível tirar dessa escolha: 1) O alvinegro não investirá muito no Estadual e vai aproveitá-lo para testar algumas opções das categorias de base. 2) Que Weber vem como aposta para o Estadual, que, e apenas que, se der certo, fica para a Série B.

Qualquer um sabe que, mesmo vendo futebol de longe, sem conhecer a rotina da administração de um clube, mas que algum dia já brincou no computador em joguinhos que simulam isso, como Fifa Manager ou Brasfoot, por exemplo, sabe direitinho o quão deficitários são os estaduais. Os clubes são obrigados a criar soluções mais baratas para atravessar este período, e aproveitam para investir em apostas, tanto dentro de campo quanto no comando técnico. Se der certo, ótimo. Se não der, bola pra frente e no Brasileiro começa tudo outra vez, aí com orçamento um pouco mais generoso.

É isso?

Postado por Rodrigo Braga, da redação

Trio do Metrô de malas prontas para o Japão

21 de dezembro de 2009 19

Destaques do Metrô na Copinha, Amaral Rosa (E) e Rafael têm proposta para defender time da primeira divisão japonesa em 2010/Jandyr Nascimento

Empresários japoneses, acompanhados pelo ex-jogador Cesar Sampaio, estão em Blumenau desde hoje cedo. Passaram a tarde acompanhando o treino da equipe, no Sesi, e nesta terça-feira estarão pela manhã no CT da Itoupava Central.

Observaram, confirmando informações apuradas pela equipe do Santa ainda na quinta da semana passada, a dupla de zaga do time, Amaral Rosa e Rafael. A novidade é que, não eles, mas outros empresários da terra do sol nascente, teriam interesse também no atacante Ricardo Lobo.

Amaral e Rafael estão de malas prontas para jogar no Montedio Yamagata. Não é um dos grandes do país (ficou em 14º lugar na última J-League), mas sem dúvida é uma boa oportunidade, financeiramente falando, para os dois, destaques do Metrô no vice-campeonato da Copa SC e, na opinião deste blogueiro, candidatos fortes a melhor dupla de defesa do próximo Catarinense.

Sem falar na chance de crescimento profissional, pois não parece tão difícil se destacar por lá e despertar interesse de clubes maiores. Nem se compara, por exemplo, com a aventura anterior de Rafael, no inexpressivo Gaz Metan, da Romênia, de onde ele pediu desesperadamente para voltar correndo ao Brasil.

Já o atacante interessaria ao Tochigi soccer, lanterna da Segundona japonesa (não caiu porque por lá não há Série C). No caso dele, a ideia é um empréstimo por um ano e a decisão está nas mãos do jogador. Lobo tem até esta terça para dizer se topa ou não a aventura nipônica

Sampaio _ ex-jogador de vários clubes e da Seleção _ apressou-se em dizer que veio apenas trazer os japoneses (jogou muitos anos no país e tem bons contatos lá), uma vez que está ligado ao Rio Claro-SP, desde que deixou o Mogi-Mirim-SP e desfez a sociedade com Rivaldo na empresa CSR, que entre outras coisas agencia atletas.

É óbvio que o clube precisa de dinheiro e não há outra forma que não vendendo atletas que se destacam. É triste para a torcida, mas impossível condenar a direção por isso. É quase uma questão de sobrevivência, infelizmente. No caso dos zagueiros, o clube tem contrato longo com ambos. Amaral Rosa renderia 50% do valor de uma eventual negociação aos cofres verdes. Se Rafael sair mesmo, o clube dividirá os mesmos 50% entre a MIP, empresa que gere o Metrô atualmente, e o grupo antigo de empresários que iniciou o trabalho há quase oito anos. Ou seja, a grana de fato para o Verdão seria menor.

Mas, se perder mesmo dois ou três jogadores titulares agora, sobretudo a dupla de zaga, considerada pelo técnico Roberval Davino como parte da espinha dorsal do elenco para o Catarinense, o Metropolitano precisará trabalhar rápido para repor, ou então tirar da manga um ótimo plano B.

O primeiro nome será confirmado nesta terça-feira. Trata-se do atacante Erivelton, que já treinou nesta segunda e deve assinar hoje. O jogador veio do Guarani e é indicação do técnico Roberval Davino.

Vamos aguardar o desenrolar da história.

Postado por Rodrigo Braga, da redação

Proibir álcool nos estádios é a solução?

18 de dezembro de 2009 39

Todos querem, e eu também, a paz nos estádios, seja em Santa Catarina, em São Paulo, na Bahia ou no Uzbequistão.

Decisões como a dessa sexta-feira, que ratificou a proibição de bebidas alcoólicas nos estádios durante o Catarinense refletem mais uma tentativa de frear a escalada da violência. Se tem essa finalidade, é louvável e válida a tentativa. Mas fico aqui me questionando:

Será que é a solução?

Confesso, não tenho opinião formada mesmo sobre o tema, certamente polêmico. Costumo achar que proibir algo nunca é a melhor solução, pois quem quer fazer, proibido ou não, sempre arrumará um jeito. O cara que hoje enche os canecos e cria confusão nas arquibancadas, provavelmente o continuará fazendo. Vai beber antes de entrar e começará a encher o saco ainda mais cedo. E a imensa maioria, que vai ao jogo para se divertir e tomar uma cervejinha, acabará prejudicada por uma medida que não separa os bons dos ruins.

Por outro lado, respeito o argumento ds autoridades, que enxergam a diminuição da violência toda vez que ocorre essa restrição de bebidas alcoólicas. Como eu disse, tenho dúvidas mesmo se é uma boa ou não essa medida.

Alguém quer opinar?

Postado por Rodrigo Braga, da redação

Extra! Extra! Beijo causa doping em francês!!!

17 de dezembro de 2009 7

Richard Gasquet alegou que cocaína encontrada na urina dele era resultado de um beijo com uma jovem (que não é nenhuma dessas da foto, ein) durante uma festa. E a julgar pela imagem, o rapaz anda sempre bem acompanhado/Divulgação

Essa é para aqueles, como este blogueiro, que acham que já viram de tudo, mas sempre estão errados.

Nesta quinta-feira, a temida Corte Arbitral do Esporte _ CAS _ decidiu não punir o tenista francês Richard Gasquet, que no começo deste ano, durante o Masters de Madri, teve cocaína (benzoilecgonina, para ser mais exato) detectada em um exame antidoping.

Vamos aos fatos:

Gasquet, nº 52 do ranking mundial, alegou (vejam só) que a presença da droga na urina dele foi resultado de beijos trocados com uma jovem (uau!), identificada apenas como Pamela, em uma festa.

E não é que deu certo!

Segundo a decisão do CAS, a quantidade de cocaína metabolizada por Gasquet era tão pequena que só poderia ser resultado de uma exposição fortuita. Ou seja, pode mesmo ser verdade (mas que beijo foi esse, ein!).

A ITF (Federação Internacional de Tênis) e a Wada _ agência mundial antidoping _ já recorreram, por não acreditarem na inusitada justificativa apresentada pela defesa do atleta francês.

De qualquer forma, fiquem atentos, atletas em geral. Agora até exagerar nos beijos de procedência duvidosa pode criar problemas (vai sobrar o quê?). Mas para quem cair no antidoping daqui pra frente (alô, Jobson!), eis uma ótima desculpa.

Postado por Rodrigo Braga, da redação

Alguém já arrisca um palpite para o Catarinense?

17 de dezembro de 2009 57

A um mês do início do Catarinense 2010, todas as equipes estão se mexendo. Algumas já treinam, outras ainda estão na etapa de planejar e montar o elenco. O blog aproveita para lançar uma pergunta aos leitores, sempre participativos:

Alguém aí arrisca palpite ou ainda é cedo demais?

Por exemplo: o Avaí terá time para manter a supremacia conquistada em 2009?

O Figueirense vai reagir após um ano ruim?

O Joinville, que termina o ano bem e aparentemente com a melhor base já formada, pode brigar pela taça?

Criciúma, voltará a ser forte?

A Chapecoense, outro time que termina 2009 bem encaminhado, vai confirmar a condição de nova força do Estado?

Outros times, sobretudo os do Vale, podem surgir como surpresa?

E a vaga na Série D, tem favorito?

Algum time já pinta com jeitão de candidato a saco de pancadas?

E, por fim, é possível arriscar um candidato a craque do campeonato?

Perguntas, perguntas… quem quiser opinar, espaço aberto.

Postado por Rodrigo Braga, da redação

Minhas dúvidas sobre a punição ao Coritiba

16 de dezembro de 2009 28

O Coritiba recebeu punição máxima pela barbaridade protagonizada por alguns ogros fantasiados de torcedores no Couto Pereira na última rodada do Brasileirão, contra o Flu, após a confirmação do rebaixamento em pleno ano de centenário.

O clube vai pagar multa de R$ 610 mil e cumprirá perda de 30 mandos de campo em competições da CBF (Copa do Brasil e Brasileiro). Significa dizer que, mesmo que vá à final da Copa do Brasil, o Coxa passará toda a Série B e mais alguns jogos da temporada 2011 jogando longe de Curitiba.

Uma punição, de fato, severa em termos de futebol brasileiro. O clube, e a grande maioria da torcida (os de fato torcedores) terão de pagar pelo erro de uns poucos. Mas precisava ser assim, um castigo com jeito de basta. Só fiquei pensando em algumas questões, quem sabe os amigos leitores do blog possam me ajudar a entender:

1 - Qual a chance de o clube, de fato, cumprir integralmente esta punição? Sabe como é, no Brasil tudo se ajeita e logo virão os efeitos suspensivos, recursos, e no fim vira tudo cesta básica. Desconfio.

2 - O Coxa, o clube, vai pagar o pato sozinho? Ou seja, os palhaços que provocaram aquela barbárie serão punidos com a mesma severidade? Alguns estão presos, é verdade, mas torço para que não tenha sido mais uma operação da polícia com jeitão de espetáculo pirotécnico para a TV, que depois de poucos dias acabam em nada. O clube merece sim ser punido, mas os verdadeiros culpados precisam seguir presos, ser julgados e, se for o caso, condenados. E o principal: cumprirem a eventual pena. Só assim vou acreditar que alguma coisa mudou.

3 - E a dúvida que mais me aflige: e se não fosse o Coritiba? O Coxa é um time simpático, porém grande apenas regionalmente _ em termos nacionais, mesmo campeão em 1985, é um clube de médio para pequeno. Será que estão aproveitando para fazer de Cristo um clube que não tem tantas condições assim de se defender? Repito, a punição é justa, só o que me intriga é isso. Lembro de vários casos iguais ou até piores de violência nos estádios, envolvendo clubes maiores, e a punição não passou nem perto dessa (quando houve alguma, claro). O que nos leva para a quarta e última dúvida:

4 - O caso do Couto Pereira passará a servir de exemplo para confusões futuras? Torço para que sim, pois aí os bandidos infiltrados nas organizadas pensariam duas vezes (se é que eles conseguem) antes de fazer coisas do tipo. E até os clubes tomariam mais cuidado – quem sabe até alguns deixariam de acobertar as organizadas.

Me ajudem aí. Aguardo por respostas.

Postado por Rodrigo Braga, da redação

Quem foi a maior decepção da história da F-1?

15 de dezembro de 2009 17

Andretti nos dias atuais, como chefe de equipe na F-Indy. Como companheiro de Senna na McLaren no início dos anos 90, o norte-americano foi uma decepção total/Divulgação Andretti Green

No fim de semana coloquei no ar o post do Ayrton Senna, apontado por uma pesquisa da revista inglesa Autosport, que ouviu pilotos e ex-pilotos da F-1, como o maior de todos os tempos na categoria mais famosa do automobilismo.

Pois bem, muita gente comentou, e até se emocionou com os vídeos do tricamepão mundial. Baseado naquele post, pensei o seguinte: Se Senna foi o melhor, quem foi o pior piloto que já passou pela F-1?

Explicando: partindo de uma quase certeza de que para estar na F-1 o cara não é barbeiro (pelo menos penso que é assim), o “pior” nesse caso poderia ser traduzido melhor como decepção, alguém que chegou lá e não deu conta do recado.

Conto com a participação e os votos de vocês, que certamente lembrarão de muitos outros nomes que nesse momento não me ocorrem. Entre os que lembro, a maior decepção, para mim, foi o norte-americano Michael Andretti.

Ele chegou à categoria no começo dos anos 90 cheio de pompa, pelos resultados expressivos que havia conquistado na Fórmula Indy e, principalmente, pelo sobrenome que carregava, um dos mais importantes do automobilismo mundial (o pai, Mario Andretti, esse sim brilhou na F-1 nos anos 70).

Michael veio para ser companheiro de equipe de Senna na Mclaren, mas foi uma tremenda decepção. Não se adaptou, apanhou do carro (que naquela época já não era bom, o talento de Senna que o levava à frente) e acabou dispensado. Um tremendo vexame.

Alguém aí lembra de outro?

Postado por Rodrigo Braga, da redação