Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts do dia 18 março 2010

Os 23 da Copa. Os meus e os do Dunga

18 de março de 2010 16

Copa chegando e a ansiedade aumenta. Pra mim, que sou vidrado em Copa, é assim. Já é tempo de fazer as famosas listas de convocação, de favoritos, essas coisas. Não ficaria de fora, e quero ouvir (no caso, ler) a opinião de todos os amigos do blog. Nessa primeira, vai ser assim: vou listar os 23 que EU convocaria para a Seleção que vai à África do Sul. Depois, a lista abaixo terá os 23 que eu acho que o DUNGA vai chamar, ou seja, a que vale. Não deixem de participar, opinando ou mandando a própria lista:

A minha lista de convocados:

Goleiros – Júlio César, Victor e Renan (chamaria um novato, já pensando em 2014).

Laterais – Maicon, Daniel Alves e Michel Bastos (como acho todas as opções da esquerda péssimas, chamaria apenas um, o menos pior no momento, por obrigação, e deixaria o Daniel Alves como reserva das duas laterais _ e olha que ele ainda pode jogar no meio-campo).

Zagueiros – Lúcio, Juan, Luisão e Thiago Silva (apesar de considerar o Miranda um ótimo zagueiro, a fase nem tão boa como de anos anteriores o fez perder lugar para o promissor Thiago Silva na hora decisiva).

Volantes – Felipe Melo, Ramires, Kléberson e Denílson (praticamente todas as opções aqui me dão calafrios, exceção feita ao garoto do Arsenal, mas ao menos deixaria de fora o Gilberto Silva e o Josué. O garoto Sandro, do Inter, é outro nome interessante, mas na tentativa de equilibrar experiência e juventude acabaria o excluindo. Felipe Melo, apesar da péssima fase, tem crédito pelo que jogou em 2009).

Meias – Kaká, Elano, Júlio Baptista e Diego (aqui o Kaká é a única convicção. Júlio Baptista e Elano, apesar de não gostar, reconheço o valor deles. E o Diego, apesar de meio sono, poderia ser uma boa opção para reserva. Sim, eu não chamaria o Ronaldinho Gaúcho, os motivos já expliquei em outros posts).

Atacantes – Luís Fabiano, Robinho, Nilmar, Adriano e Neymar (aqui, praticamente manteria as opções do Dunga. Em caso de contusão de uma das certezas, ou de o Adriano continuar vacilando fora de campo, cogitaria nomes como Grafite ou Fred. Pato precisa colocar a cabeça no lugar e já pensar em 2014. E sim, levaria o Neymar na vaga aberta pela opção de apenas um lateral-esquerdo. Tá na cara que o garoto é promissor e merece a mesma chance que o Ronaldo teve em 1994 e o Kaká em 2002, de pegar experiência antes de assumir papel importante na Seleção no futuro. E, coincidência ou não, nesses anos o Brasil foi campeão).

A lista do Dunga (na minha opinião)

Goleiros – Júlio César, Doni e Victor (ele adora o Doni, vamos ter que engolir).

Laterais – Maicon, Daniel Alves, Michel Bastos e André Santos (Dunga é pragmático, mesmo admitindo que as opções na esquerda são ruins, vai querer um titular e um reserva em cada posição).

Zagueiros – Lúcio, Juan, Luisão e Thiago Silva (aqui tudo igual, surpresa só se alguém se machucar).

Volantes – Gilberto Silva, Josué, Felipe Melo e Ramires (todos da confiança do técnico e discípulos do jeito Dunga de jogar bola. Se bem que o Ramires e o Felipe são um pouquinho melhores).

Meias – Kaká, Elano, Júlio Baptista e Kléberson (Dunga enxerga o Kléberson como meia, o que não é errado, apenas um ponto de vista diferente que deixa o meio-campo com cara de extensão da volantolândia. Nas demais, tudo igual). 

Atacantes – Luís Fabiano, Robinho, Nilmar e Adriano (todos de confiança do treinador. Mas se o Imperador bobear, a paciência do Dunga acaba e ele leva o Grafite).

Noite de papéis trocados

18 de março de 2010 9

Quem diria, papéis trocados na Copa do Brasil. A Chapecoense, lanterna do returno do Catarinense e com um pé na cova do rebaixamento, surpreendeu e bateu o Atlético-MG, de Vanderlei Luxemburgo, por 1 a 0 no Índio Condá. O time foi raçudo e não teve medo do Galo, mas é cedo para dizer se foi efeito da chegada do técnico Guilherme Macuglia, o que daria esperança aos torcedores para uma reação no Estadual. No mínimo, no entanto, vai com moral para a decisão contra o Brusque, domingo, no Augusto Bauer.

Aliás, aqui cabe um parênteses: o companheiro Rodrigo Santos, da Rádio Cidade, de Brusque, informa ter escutado declaração do presidente da Federação Catarinense, Delfim Peixoto, a uma rádio de Chapecó, de que não é vontade da FCF ver a Chapecoense na Segunda Divisão. Como assim? Se o Delfim, que estava no Índio Condá, de fato falou isso, seria bom vir a público se explicar melhor. De qualquer forma, o Brusque que abra o olho com a arbitragem na guerra que será o jogo de domingo.

Bem, voltemos à Copa do Brasil.

A Chapecoense segue na condição de franco-atiradora, claro. Vai ao Mineirão no sugestivo dia 1º de abril podendo empatar ou perder por 1 gol, desde que marque. É possível avançar, mas o Galo ainda é favorito.

Agora, a Ressacada.

Por pouco, muito pouco, o Avaí, líder absoluto no Catarinense e cada vez mais favorito ao bi, não passou pelo vexame da eliminação precoce daquele que é o principal objetivo do clube no ano. A torcida comemorou aliviada o empate em 1 a 1 com o Coritiba, com o gol de Vandinho (belo gol, aliás) aos 43 da etapa final. Mas o resultado foi péssimo, quase uma catástrofe.

O Leão foi mal, mostrou nervosismo excessivo durante os 90 minutos. Fico imaginando se as declarações do volante Andrade, de que o Coxa é maior que o time catarinense, apesar de estar na Segundona, causaram esse estrago no controle emocional do elenco. Será?

Para não colocar no lixo o grande projeto de 2010, o Avaí vai precisar mostrar no Couto Pereira (é, STJD…) que grandeza histórica não ganha jogo, diferente da grandeza do presente. Empate em 2 a 2, ou mais, dá a vaga ao Leão. Não é tão difícil, mas que o Avaí se enrolou nos próprios erros e pode pagar caro por isso, não resta dúvida.