Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts do dia 23 março 2010

A sinceridade de Henry

23 de março de 2010 2

Sabem o Henry, aquele carrasco do Brasil em 2006? (o Roberto Carlos não lembra porque estava ajeitando o meião…). Sim, o da mão boba que livrou a França do fiasco de não ir à África do Sul e que disse na saída do gramado “se o juiz não viu azar o dele, então o lance foi legal”.

Sim, ele mesmo. E não é que o Henry teve mais um ataque de sinceridade crônica. Na onda, bem chatinha, aliás, dos jogadores que fazem média com os ex-clubes e não comemoram gols, essas coisas, o francês radicalizou. Deu declarações a um jornal inglês dizendo que não só não pretende comemorar caso marque pelo Barcelona, time atual dele, contra o Arsenal (onde jogou por oito anos e é ídolo até hoje), pelas quartas de final da Liga dos Campeões, como, se depender dele, isso nem corre o risco de acontecer.

Sim, reproduzo aqui as palavras de Henry:

“Eu não quero jogar contra o Arsenal, simples assim. O laço que eu tenho com a torcida do Arsenal eu nunca terei em qualquer outro lugar. Porque eu não acredito que vou jogar por um outro time por tanto tempo. Já estou ficando velho”.

Fiquei de cara!

No cenário atual do futebol, demonstrações como essa (no Brasil também são insuportavelmente comuns) soam cada vez mais falsas. Além disso, levanto a discussão: e os dirigentes, companheiros de time e torcedores do atual clube dele, no caso o Barcelona, como ficam? Como deveriam se sentir diante de tais palavras? E, se por uma dessas ironias da bola, o Henry jogar e perder um pênalti, quem sabe até um decisivo, que elimine o Barça da briga pelo bicampeonato e coloque o time do coração dele nas semifinais?

Casos como esse aí, hipotético, sobram. Lembram do Edmundo pelo Cruzeiro contra o Vasco, no começo dos anos 2000? Disse que não queria jogar, foi a campo e bateu um pênalti de forma ridícula (se bem que isso sempre foi marca registrada do Animal…). Há também os casos daqueles que fazem média mas, na hora da verdade, não decepcionam a atual torcida e quem paga o salário atual. Rapidamente me vem à cabeça o caso do Fred, ano passado. Fez juras de amor eterno ao Cruzeiro, mas em campo detonou o time celeste em pleno Mineirão, jogando pelo Flu (coitado do Cruzeiro, ein, se deu mal nos dois exemplos). Resultado tão importante que, caso o atacante tivesse feito o famoso migué e não jogasse pra valer, o Fluminense teria sido rebaixado no Brasileirão e todo aquele esforço apoteótico na reta final não teria valido de nada.

Amor e profissionalismo. No futebol, está cada vez mais difícil conciliar. Nos resta esperar para ver o que fará Thierry Henry. Alguém arrisca um palpite?

Palpites da rodada. E do clássico

23 de março de 2010 9

Rodada quente, cheia de jogos decisivos no Catarinense. Além, é claro, do clássico da Capital, que não bastasse a rivalidade vale a liderança do returno. Vamos aos palpites, então. Quem quiser participar, já sabe como.

Atlético Ibirama 2 x 1 Brusque

Rivalidade regional na veia. Mas apesar da necessidade desesperada do Brusque, o Atlético é mais time e leva essa.

Juventus 2 x 2 Imbituba

O óbvio aqui seria apostar em vitória do Zimba, até porque é muito superior ao Juventus. Mas como eu gosto de complicar, desconfio que o Moleque Travesso aprontará mais uma.

Metropolitano 2 x 1 Joinville

O Metropolitano vai mordido, após as críticas pesadas que recebeu pós atuação bisonha no Scarpelli. Além disso, no Sesi a história tem sido outra, e o JEC do Mauro Ovelha vai todo remendado. Dá Metrô, mas será preciso jogar muito mais.

Avaí 1 x 1 Figueirense

Esse é o famoso jogo do palpite triplo. Mas como aqui não é Loteca, nada de ficar em cima do muro. O Avaí é favorito, afinal joga em casa e é líder. Mas tem aquiela coisa: clássico é clássico… e a garotada do Figueira não vai deixar barato. Vou de empate, mas com uma ressalva: se houver vencedor, penso que este se torna o favorito ao título do returno.

Chapecoense 3 x 2 Criciúma

Desespero total do Verdão do Oeste. Qualquer resultado que não seja vitória complica demais a situação do time. Vai ter que ser com espírito de Copa do Brasil, e o Criciúma vai naquela de franco-atirador, o que vier é lucro. Chapecoense é favorita.