Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts do dia 28 março 2010

Figueira toma as rédeas

28 de março de 2010 16

Quem lê o blog desde o começo do Catarinense vai lembrar que eu já disse aqui que era improvável que o Figueirense não reagisse e brigasse pelo título do returno. Com as derrotas de Avaí e Imbituba, o alvinegro manteve a ponta conquistada com a goleada de sábado sobre o Juventus. Além da liderança, o alvinegro joga, nesse momento, o melhor futebol do campeonato. E numa hora importante, decisiva.

A derrota do Avaí não chega a ser nenhum assombro, foi um grande jogo na Arena. Nos palpites, disse que o JEC, mesmo sem muitos objetivos nesse returno, poderia engrossar o jogo, principalmente pela rivalidade. E foi o que aconteceu. Vitória de um time que joga muito bem em casa, empurrado pela torcida que joga junto mesmo. De quebra, o tricolor voltou à briga por vaga nas semifinais. E se deixarem chegar, aí no mata-mata são outros 500… O Leão, apesar de um único ponto nas últimas rodadas, está perto das semifinais. Se vencer o Atlético, sábado, em casa, se garante.

Em Ibirama, um Metropolitano relativamente diferente daquele que andava envergonhando a torcida longe de casa. Infelizmente, no entanto, o resultado foi o mesmo: derrota para o Atlético. Mas aí faz parte desse esporte apaixonante que é o futebol. Perder lutando jamais envergonhará torcida. Foi um clássico de gols esquisitos, quatro deles no primeiro tempo. E o Trípodi fez de tudo: gol a favor, gol contra e cometeu pênalti. Mas ao menos não se omitiu. No fim o time deu uma cansada nítida (não é cornetagem, mas não seria o trabalho do demitido Sinclair já fazendo falta?) O Atlético foi premiado pela insistência e virou aos 49 da etapa final. Resultado normal de jogo também, azar de um, sorte de outro. Na tabela, o Metrô tem duas decisões no Sesi agora: Brusque e Avaí. Se vencer, está nas semifinais. E se o time finalmente jogou com raça fora de casa, é hora de a torcida, enfim, parar de envergonhar também. Os dois próximos jogos são para lotar o Sesi, sem desculpas esfarrapadas. Para o Atlético, as chances de ir às semifinais existem, mas são um pouco mais complicadas.

E a Chapecoense, ein? No jogo que poderia decretar o vexame do rebaixamento, lutou como deveria ter feito em todo o campeonato. Pergunto: será que os afastamentos de sexta-feira (que deverão evoluir para dispensas nesta semana), surtiram efeito? O Verdão está vivo, tirou do Imbituba a chance de ser líder do returno (e complicou demais a vida do time do Sul, que agora fecha com dois jogos fora de casa), e por fim mandou para Brusque uma pressão gigantesca.

Se o Brusque já precisava demais vencer o Criciúma nesta segunda, no fechamento da rodada, agora então virou questão de sobrevivência. Se conseguir a vitória, precisará de apenas mais uma nas duas rodadas finais (visita o Metrô e recebe o Imbituba), independente do que fizer a Chapecoense nos jogos contra Figueirense, em casa (complicadíssimo) e Joinville fora (outra pedreira). Para tristeza da imensa torcida do Oeste, a situação da Chapecoense ainda é muito perigosa. Talvez a reação tenha vindo tarde demais. Ainda mais se o Brusque fizer o que o Verdão não fez: bater o Criciúma em casa.