Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de maio 2010

Participe do Bolão da Copa do Santa

31 de maio de 2010 40

Você é bom de palpite?

Nos bolões com os amigos é sempre quem acerta mais resultados?

Então seja criativo e faça como o Grafite, fique com a última vaga na convocação do Santa para a Copa da África do Sul.
Sucesso na cobertura da Copa de 2006, o Bolão da Copa está de volta em 2010. E com uma novidade: você vai poder participar. Serão 10 pessoas escolhidas para dar palpites nos jogos da primeira fase do Mundial. Nove já estão convocadas, entre personalidades de Blumenau e região. E a última vaga será do leitor do Santa e do santa.com.br que enviar aqui no blog, até sexta-feira, a resposta mais criativa para a pergunta:

“Por que eu mereço ser convocado pelo Santa para a Copa 2010?”

A melhor resposta (só vale pelo blog), escolhida pela editoria de Esporte do Santa, dará ao autor a vaga no Bolão, que neste ano dará ao campeão uma camisa oficial da Seleção Brasileira. Então não marque bobeira e participe!

Os clubes mais endividados do Brasil (2)

31 de maio de 2010 24

Ano passado o blog já havia publicado uma lista (confira aqui) com o Top 20 dos clubes mais endividados do país. Mantendo a tradição, portanto, tem lista nova, fresquinha, e com novidades. A consultora Crowe Horwath RSC divulgou um novo estudo, referente ao ano de 2009.

Nele, o “G-4 fiscal” é formado exclusivamente por clubes cariocas (nossa, que surpresa!), mas o título trocou de mãos em relação ao ano anterior. Ainda analisando a lista como um todo, os 25 clubes analisados somam uma assustadora dívida de R$ 3 bilhões (1,38 milhões de Euros), um aumento de 11% em relação ao ano anterior. Claro, aqui é importante ressaltar que nem sempre endividamento significa que tudo está perdido. Mas, na maioria dos casos, é exatamente isso mesmo. A Crowe Horwath RSC analisou os dados financeiros e patrimoniais que os clubes brasileiros apresentaram em seus balanços referentes a 2009.

Confira abaixo a posição dos clubes com as 25 maiores dívidas em 2009:

Clubes    Valor (R$ milhões)
1º Fluminense    329,2
2º Vasco    327,4
3º Botafogo    317,4
4º Flamengo    308,3
5º Atlético-MG    285,8
6º Santos    181,0
7º Internacional    147,5
8º Grêmio    137,3
9º Palmeiras    117,0
10º Portuguesa    116,9
11º Guarani    116,3
12º Corinthians    99,8
13º Cruzeiro    97,7
14º Vitória    86,5
15º Ponte Preta    82,9
16º São Paulo    66,2
17º Bahia    54,6
18º Goiás    49,6
19º Náutico    49,4
20º Coritiba    49,1
21º Paraná        29,0
22º Sport    28,9
23º Figueirense    12,5
24º Juventude    12,4
25º Atlético-PR    1,3

Ficou surpreso? Se sim, conte aí o que mais lhe surpreendeu.

Zico e Fla juntos outra vez

30 de maio de 2010 7

O casamento já vinha sendo preparado desde o ano passado. Neste domingo, finalmente, Zico confirmou o retorno ao Flamengo, agora como homem-forte do futebol.

A volta da união é boa para ambos, Flamengo e Galinho. Zico perambulou pela periferia europeia treinando clubes de médios para pequenos do Velho Continente. Inegavelmente fracassou. Depois de tantos convites rejeitados, enfim percebeu que era hora de voltar ao clube que o transformou no que é. Mas Zico, inteligente que é, sabia que esse retorno não poderia ser como técnico. Seria arriscado demais.

Rogério Ceni, o maior ídolo da história do São Paulo, já cogitou várias vezes ser presidente do clube depois que parar de jogar. Mas jamais fez a mesma projeção para técnico do clube. Segundo Rogério, “jamais aguentaria ouvir a torcida o chamando de burro”. E torcedor é assim, passional, imediatista. De nada adianta a biografia da pessoa. Se é o técnico, e o time vai mal, é burro e pronto. Por isso, Zico jamais voltaria ao Flamengo como técnico. Evitou uma mancha na biografia e aceitou um desafio ainda mais valioso.

Sim, é aí que o Flamengo sai ganhando. Profissionalizar o departamento de futebol é o primeiro passo de um clube que quer, enfim, merecer a condição de profissional. Só de lembrar os nomes que passaram pelo cargo na Gávea nos últimos anos, dá até um arrepio. Zico vai na contramão deles em todos os aspectos, e isso é ótimo. Tem tudo para, a médio ou longo prazo, conseguir fazer do rubro-negro uma potência também em termos de organização.

E seria ótimo se o exemplo fosse seguido por outros clubes, sobretudo os co-irmãos do Rio.

JEC é campeão do turno da Copinha

30 de maio de 2010 28

Sim, temos o outro jogo ainda, eu sei.

Também sei que o time do Brusque é bom e já mostrou nas semifinais ser capaz de façanhas pouco prováveis.

Mas cá entre nós: como diria o ditado, um raio não cai duas vezes no mesmo lugar. E não vai ser dessa vez que vai cair.

O Brusque bobeou. Talvez empolgado pelo que fez contra a Chapecoense, esqueceu que podia administrar uma vantagem em 180 minutos. Aí, deixou de jogar com cautela na Arena para partir pra cima, jogar de igual para igual. Corajoso, como esse time já mostrou que é mesmo, mas deu azar de pegar o time da casa em uma tarde inspirada. Até o Lima, que andava sumido, de o ar da graça e fez logo quatro, mostrando que Copinha é com ele mesmo.

Com a sapatada de 5 a 2 desse domingo, vai precisar vencer por três gols mais uma vez no Augusto Bauer, quinta-feira. O estádio estará cheio, até porque é feriado, a pressão a favor vai existir. Mas, como eu disse, ficou muito difícil, para não dizer impossível.

Primeiro, porque o ditado já ensinou a lição do raio. E, segundo, porque o JEC não é a Chapecoense. O negócio é pensar no returno, porque essa vaga na final da Copinha já tem dono. Como no Catarinense, o JEC vence o turno e espera pelo adversário na final. A torcida tricolor só espera que o desfecho não seja o mesmo: queda de rendimento no returno e participação pífia na final.

Empate sem graça na Ressacada

29 de maio de 2010 4

A verdade é que nem todo empate é igual. No post anterior, classifiquei de “aceitável” o empate do Figueirense com o Brasiliense, no DF. Afinal de contas, após jogar mal mais de 90 minutos, achou o 1 a 1 aos 47 da etapa final. Ruim, mas bom.

Já esse 0 a 0 do Avaí com o Vitória, na Ressacada, não tem jeito, é ruim mesmo. Não estava nos planos, mesmo sendo o rubro-negro baiano um time bem interessante. Jogo feio, com raros lances de perigo. Um deles foi de Roberto, no primeiro tempo, quando acertou a trave. Depois disso, ele próprio quis enfeitar demais vários lances. Ou seja, faltou simplicidade, fez falta no placar.

O Leão tem 8 pontos em 5 jogos, o que é razoável. Tem jogo bem complicado quarta-feira, contra o Ceará, no Castelão, e depois recebe o Flu no fim de semana antes da parada para a Copa. Parece inegável que o time ainda não engrenou, nos resta projetar qual será o Avaí do pós-Copa do Mundo.

Figueira se salva nos acréscimos

29 de maio de 2010 2

A previsão era de jogo equilibrado. E foi. Porém, nivelado por baixo. Brasiliense e Figueirense fizeram um jogo ruim neste sábado, no Distrito Federal. Menos mal que, diante de um time recheado de refugos de clubes da Série A, o time catarinense conseguiu evitar a terceira derrota seguida com um gol do zagueiro João Felipe já aos 47 do segundo tempo, na base do abafa.

No fim das contas, um resultado aceitável o 1 a 1, mas o time voltou a se apresentar muito mal. Lento, burocrático, com poucas opções inteligentes de criação. E na frente um atacante que até aqui só jogou com o nome. Marcelo Nicácio, artilheiro da Série B no ano passado, está devendo para a torcida alvinegra. Neste sábado, apanhou tanto da bola que chegou a irritar.

O plano inicial de fazer gordura antes da parada para a Copa já naufragou. Então que entre em ação o plano B: somar o que der nos jogos que restam (terça-feira contra o ASA, no Scarpelli, e sábado contra a Ponte, em Campinas) e depois aproveitar a parada de mais de um mês para fazer os ajustes necessários para brigar pelo acesso. E nessas primeiras rodadas eles já se mostraram maiores do que se imaginava inicialmente.

Palpites do fim de semana

28 de maio de 2010 10

Fim de semana chegando, os palpites aqui do blog não poderiam faltar. E dessa vez vão de brinde os pitacos do Figueira na Série B e do primeiro jogo da final do turno da Copa SC. Quem quiser, já sabe como participar.

Flamengo 1 x 2 Grêmio

Duelo de times que ainda não se encontraram neste Brasileirão. Mas a situação rubro-negra parece um pouco mais complicada, por isso acredito que o tricolor possa aprontar no Maraca.

Palmeiras 2 x 2 Prudente

Curiosamente, o Palmeiras será mandante na ex-casa do Grêmio Prudente, a Arena Barueri. Em campo, o jogo promete ser bem movimentado, já que o Prudente já mostrou ter um time interessante, e o Verdão precisa reagir de uma vez por todas.

Avaí 2 x 1 Vitória

Jogo perigoso para o Leão da Ilha na Ressacada. O Vitória, finalista da Copa do Brasil, é um time rápido e de ataque insinuante. A defesa é vulnerável, e talvez aí esteja a chave do sucesso azurra no jogo. Pelo fator casa, aposto no Avaí. Mas será osso duro de roer.

Corinthians 2 x 3 Santos

Clássico no Pacaembu. O Corinthians é líder e joga em casa, mas não convenceu muita gente ainda que pode embalar. O vice-líder Santos aposta na garotada para botar o rival no bolso mais uma vez no ano. Deve conseguir.

Guarani 0 x 2 São Paulo

A boa arrancada do Bugre neste início de Brasileiro atende por três nomes: Roger, Mazola e Renan. O problema é que eles foram emprestados pelo adversário desse domingo, e por contrato não poderá estar em campo. Não bastasse isso, o tricolor está embalado por uma sequência de boas atuações.

Internacional 2 x 1 Atlético-PR

O Inter é semifinalista da Libertadores, mas no Brasileiro joga mal e está na zona de rebaixamento. Resultado: o técnico Jorge Fossati, que nunca foi lá uma unanimidade, foi demitido na sexta-feira. Sem técnico e flertando com a crise, o colorado tenta reagir contra o perigoso Atlético-PR, no Beira-Rio. Apesar da tremenda cara de empate do jogo, apostarei em vitória, sofrida, dos gaúchos.

Atlético-MG 2 x 2 Fluminense

Talvez esteja no Mineirão o grande jogo da rodada. Dois times que, apesar dos resultados oscilantes, têm mostrado futebol de qualidade. Além disso, é mais um capítulo da clássica rivalidade entre Luxemburgo e Muricy. Pelo equilíbrio, vou de empate.

Ceará 1 x 2 Cruzeiro

O Ceará começou muito bem na volta à elite. Vai botar uma pressão tremenda no Cruzeiro, que inegavelmente tem time melhor e tem jogado bem como visitante. Acho que dá Raposa.

Botafogo 1 x 0 Vasco

Desde a chegada de Celso Roth, o Vasco jogou razoavelmente bem na derrota para o Avaí e conseguiu uma virada heróica contra o Inter, que animou o clima em São Januário. Mas já pega pela frente um clássico contra um Botafogo que vive momento melhor e e favorito, até por jogar no Engenhão.

Atlético-GO 3 x 1 Goiás

Clássico dos goianos desesperados. O Atlético, penúltimo, tem retrospecto melhor no confronto recente com o Goiás, lanterninha. Além disso, atualmente tem um time um pouquinho melhor. Ou seja, tricolor vence e derruba o técnico Leão, que fará pouca falta, registre-se.

Brasiliense 2 x 1 Figueirense

Parada complicada para o Figueira, que vem de duas derrotas consecutivas e já começa a sofrer os primeiros questionamentos. Vencer em Taquatinga seria fundamental, mas o adversário também briga na parte de cima da tabela. E vive momento melhor. A reação vai ter que esperar.

Joinville 2 x 1 Brusque

Após classificações épicas na quinta-feira, JEC e Brusque começam a decidir o turno da Copa Santa Catarina. Duelo bem equilibrado, de duas equipes que têm boas campanhas até aqui. Nesse primeiro jogo, vejo o fator casa fazendo a diferença a favor do tricolor. Mas nada que decida o confronto por antecipação.

Brusque e JEC tiram a vaca do brejo

27 de maio de 2010 27

Pouca gente acreditava. Mesmo com os melhores times desse turno da Copinha, Brusque e Joinville deram uma tremenda vacilada nos jogos de ida. O time do Vale tomou 4 a 1 em Chapecó, o JEC levou 2 a 0 do Tigre no Sul. Estava difícil, mas o que se viu nesta quinta-feira foi daquelas noites inesquecíveis para as duas torcidas.

Brusque e Joinville foram heróicos, tiraram a vaca do brejo e farão a final do turno. Primeiro jogo na Arena, fim de semana. Decisão no Augusto Bauer na outra quarta, dia 2 de junho.

O Brusque, especialmente, foi fantástico. Poucas vezes na vida vi um time reverter um 4 a 1 do primeiro jogo. Me lembrou, guardadas as proporções, aquele Santos de 1995, que na semifinal revertou um 4 a 1 do Fluminense enfiando 5 a 2 no segundo jogo, no Pacaembu. E detalhe, todos os gols do 3 a 0 do Bruscão foram na etapa final, num espaço entre os 18 e os 29 minutos. Rafael Xavier, duas vezes, e o bom garoto Valdo mostraram que impossível é só uma palavra no dicionário. Apoteose no Augusto Bauer, noite realmente para ficar na história do clube.

Na Arena, esforço recompensado do JEC, mas não chegou a ser tão inacreditável assim. Até porque o tricolor é bem superior ao Criciúma, que ainda está se ajeitando após um começo de ano tenebroso, o que faz do 2 a 0 que garantiu o time do Norte um resultado até certo ponto normal.

Agora, as finais. Imprevisíveis, na minha opinião. Mas que sejam dois jogos como os dessa noite. Seria pedir demais?

O Grupo F da Copa

27 de maio de 2010 2

Na série das análises dos grupos da Copa 2010, chegou a vez do Grupo F, uma das babas dessa primeira fase do Mundial. Caminho livre para a atual campeã Itália até as oitavas de final. Confiram:

Grupo F – Uma baba

A Itália tem tradição quando o assunto é fazer uma primeira fase sofrível, avançando na bacia das almas. Mas dessa vez acho que nem com muito esforço os atuais campeões do mundo conseguirão manter a escrita. O Grupo F, ao menos no papel, é um presentão para a envelhecida Azurra. Em bom português, uma baba.

E a Itália precisava mesmo dessa mãozinha. Nesses anos todos de futebol aprendi uma coisa: nunca despreze a força de Itália e Alemanha, mesmo quando eles pareçam galinhas mortas. Mas o time italiano de 2010 tem poucas diferenças em relação ao que conquistou o tetra em gramados alemães. Uma delas, e a mais preocupante: está quatro anos mais velha.

Ainda assim, é favorita com sobras. Pode até, com muito esforço, sofrer nos jogos contra Paraguai e Eslováquia, mas vencê-los é quase uma obrigação. Duelo nesta chave, se é que teremos um, só na segunda rodada, quando paraguaios e eslovacos decidem quem fica com a segunda vaga. No papel, o time sul-americano é melhor e, portanto, está em vantagem. Mas não pode desprezar os europeus, os únicos estreantes em Copas entre as 32 seleções. Porém, nem tão novatos assim.

A Eslováquia representa uma escola duas vezes vice-campeã mundial, a Tchecoeslováquia (em 34 e 62). Barraram no baile, inclusive (ou melhor, nas Eliminatórias), a agora vizinha República Tcheca, bem mais frequente em Mundiais e com jogadores mais famosos. Méritos para estar lá, portanto, eles têm. Resta saber se conseguirão surpreender.

A quarta força do grupo nem pode ser chamada de força. A Nova Zelândia só está na Copa porque a Austrália mudou-se de mala e cuia para a Federação Asiática. Time bom por lá é o de rúgbi, os All Blacks. Os do futebol até usam o mesmo apelido, mas nem com muita dança maori conseguiriam meter medo em alguém. São muito candidatos a perderem os três jogos, tomando piaba em todos. Qualquer coisa diferente disso já podem se dar por satisfeitos.

Quem passa – Itália e Paraguai

E deu Silas. De novo

26 de maio de 2010 55

No terceiro round do duelo criador x criatura em 2010, deu Silas outra vez contra o Avaí. Pela segunda vez. No Olímpico, um Avaí excessivamente assustado levou uma piaba de 3 a 0 do Grêmio. Não que perder para o tricolor gaúcho em seus domínios seja algum demérito. Pelo contrário, poucos durante o Brasileirão vão tirar pontos do Grêmio lá. Tampouco perder a invencibilidade, o que é uma tremenda bobagem (todo mundo, em algum momento, vai perder).

Mas questão sempre é: pior do que perder é o fazer jogando mal. E o Leão da Ilha definitivamente não jogou bem nesta quarta-feira, bem diferente daquela 3 a 1 da Copa do Brasil, por exemplo. Cochilou no primeiro tempo e, quando abriu o olho, Jonas já tinha botado a bola duas vezes na rede. Até melhorou um pouquinho nos últimos 45 minutos, mas nada muito além de alguns chutes de longe. O Grêmio de Silas, mesmo sem fazer muito esforço, apenas administrou, ainda fez o terceiro com Fábio Rochemback no fim e conquistou a primeira vitória no Brasileirão.

Ao Avaí de Chamusca, resta assimilar a derrota no Olímpico, mas não a forma como ela ocorreu. Garimpar pontos fora de casa nesse Brasileirão é primordial para quem almeja alguma coisa. Se for em um jogo onde a derrota é previsível, então, melhor ainda. Não foi dessa vez. Sábado, na Ressacada, contra o rápido e perigoso Vitória (que está onde o Leão sonhava, na final da Copa do Brasil, e que nesta quarta venceu o Atlético-MG por 4 a 3, em um jogaço), a obrigação dos três pontos é toda do Avaí.