Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

O vexame italiano e suas razões

24 de junho de 2010 2

Ao fazer as análises dos grupos da Copa, meses atrás, lembro bem de ter falado sobre a Itália que era um time envelhecido, sem chances de título, mas que passaria às oitavas por ter tido a sorte de cair no grupo mais fácil entre os oito. No mata-mata, sim, teria vida curta.

Errei.

E errei porque a tragédia italiana foi ainda maior do que se podia imaginar. Nem o mais pessimista dos torcedores da Azurra poderia pintar um quadro tão vexatório: eliminação na primeira fase num grupo que mais parecia uma colônia de férias. E na última posição. E sem vencer ninguém, nem a Nova Zelândia, que tem bombeiros e contadores no time. E que ainda sim esteve a um gol da classificação.

Foi a pior campanha da rica história italiana nos Mundiais (só menor que a brasileira, e talvez empatada com a dos alemães). E tem explicações: uma delas, o envelhecimento do time campeão em 2006. Marcello Lippi resolveu apostar em jogadores que nos último quatro anos só jogaram com a fama de campeões do mundo, como Cannavaro, Zambrotta, Gattuso, Iaquinta, e por aí vai. Outros dois que até poderiam fazer a diferença, como o goleiro Buffon e o meia Pirlo, se machucaram e pouco puderam ajudar. Enquanto isso, jovens promessas como o atacante Balotelli, o meia Rossi e outros ficaram na Itália.

As histórias de Itália e França, as finalistas de 2006, são parecidas em 2010. E por isso o caminho não poderia ser outro que não o da eliminação precoce e vergonhosa para ambas. A diferença, talvez explicada pela diferença de tradição entre Itália e França, a Azurra lutou até os instantes finais, mesmo aos trancos e barrancos, para seguir viva na Copa. E quase conseguiu, um chute de Pepe no último lance poderia ter dado a vaga. Seria uma tremenda injustiça, e aí muita gente estaria falando da mística da camisa italiana, blá, blá, blá…

Times como os que italianos e franceses levaram à África do Sul não tinham como ter vida longa numa Copa marcada pela aplicação tática extrema. É isso que explica jogos tão ferrenhamente equilibrados (e muitas vezes chatos) e o sucesso de times como Japão, Eslováquia, Coreia do Sul e Estados Unidos, já garantidos nas oitavas. Com muita disciplina, estão refazendo o mapa do futebol mundial.

Itália e França, essas Itália e França, faziam parte do passado do futebol. Foram embora por estarem deslocadas. E não farão falta alguma.

Comentários (2)

  • Eduardo M diz: 25 de junho de 2010

    O motivo do fracasso italiano ? Oras…

    Qual é o principal time da Itália desde a Copa de 2006 ? A Inter , certo ?

    Quem é o técnico do time há umas três temporadas ? Um portugues
    Quem é a força defensiva do time ? Julio Cesar , Maicon e Lucio , todos brasileiros…
    Tem o Eto , o Sjneider , o Milito , o Zanetti e por ai vai…
    Quem é italiano ?
    NINGUÉM

    Na Inglaterra , outra decepção , que até pode vencer a Alemanha , mas não jogou nada até agora , a situação é a mesma. Nos quatro grandes do país , nenhum goleiro , por exemplo , é ingles. Ai eles precisam recorrer a goleiro de time tipo Ipatinga…
    Quem é o técnico da seleção ? Um italiano…Nos 4 grandes , nenhum deles é ingles tb…

    E por ai vai…

    Do blogueiro: É exatamente isso, Eduardo. E tem quem não enxergue. Abraço

  • Eduardo M diz: 27 de junho de 2010

    Braga ,

    Acabou mais um sonho para os ingleses , que sempre entram badalados na Copa e perdem como sempre…

    Muitos estão dizendo que essa é a pior Copa dos europeus como um todo. Pode ser. Mas essa Copa trás duas grandes e boas surpresas para nós : ESPANHA E ALEMANHA.

    O que elas tem de comum ? O que as diferencia dos outros dois gigantes , Italia e Inglaterra ?

    Simples. Ambas renovaram suas seleções e possuem como titulares jovens jogadores de times de ponta de seus paises , como o Bayern , o Barcelona e o Real.

    A Europa tem 3 paises que tradicionalmente são exportadores de jogadores e sempre montam boas seleções ,que são a Holanda , Portugal e a França.

    A França foi mal nesse mundial sim , talvez até mais por culpa de sua desorganização interna do que outra coisa. Mas se pegarmos o histórica dela nas ultimas oito Copas ( desde 1982 ) , temos eles por quatro vezes entre os semifinalistas. Apenas como comparação , o Brasil ficou , de 1982 até 2006 , apenas 3 vezes entre os quatro melhores.

Envie seu Comentário