Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts do dia 27 junho 2010

Enfim, a Copa que todos nós queremos

27 de junho de 2010 0

Escrevi o texto abaixo para a edição impressa do Santa desta segunda-feira. Como lá houve cortes, o publico aqui na íntegra:

Alemanha e Inglaterra, enfim perdi o fôlego nessa Copa. Jogaço, não só o melhor da edição sul-africana, provavelmente um dos melhores entre todos os Mundiais. Sem exagero.
Times ofensivos, grandes jogadas, dribles, lançamento (até sem querer), golaços e, para completar, um erro de arbitragem para ser lembrado daqui a 100 anos. Por ironia, o troco alemão pela bola de Hurst que não entrou na final da Copa de 1966. Essa de Lampard, e seria um golaço, entrou mais que uma régua escolar. E o árbitro uruguaio Jorge Larrionda não viu. Os uruguaios são mesmo os personagens dessa Copa. Para o bem ou para o mal.
A Inglaterra empataria o jogo após sair perdendo por 2 a 0, e não adianta agora ficar aqui dizendo se o jogo mudaria ou não. O fato é que, no segundo tempo, a Alemanha fechou a conta em dois contra-ataques de se botar em aula de escolinha de futebol. O time alemão é fantástico, o melhor da Copa. Jovem e talentoso, trata a Jabulani como ninguém. Pode até não ganhar nada, pois a garotada oscila demais. É um elenco que está sendo preparado para a Euro 2012 e a Copa de 2014, mas que pelo jeito pode estourar antes disso. O jogo contra a Argentina, sábado que vem, será simplesmente fantástico. Quem viver, verá.
Quanto aos ingleses, tradição mantida: chegam com muita banca e mostram pouco. Uma Copa decepcionante de uma geração da qual muito se esperava. Foi a despedida pela porta dos fundos em Mundiais de Gerrard, Lampard, Terry e outros menos protagonistas. Destaques nos marqueteiros clubes ingleses, bajulados por parte da mídia que sempre endeusa o que vem da Europa em detrimento dos sul-americanos, mas incapazes de fazer uma seleção decente. Rooney, que mal chutou ao gol em quatro jogos (jogou machucado, é verdade), poderá se redimir em 2014. Se os súditos da rainha estiverem lá, claro.
Um jogo digno de Copa. Que mostrou que a temida Alemanha está no páreo. E que, felizmente, o futebol resiste bravamente aos retranqueiros.