Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Metropolitano larga bem na Série D

17 de julho de 2010 4

O jogo foi um horror, mas quem se importa? A torcida do Metrô certamente não. Seria mesmo difícil que um jogo com frio e chuva, 250 heróis nas arquibancadas e ainda por cima longe, em campo neutro, fosse grandes coisas. E não foi mesmo.

Aí nesse caso importante era vencer, e isso o time blumenauense fez no clássico regional contra o Marcílio Dias, que abriu a Série D do Brasileiro neste sábado congelante no Orlando Scarpelli, em Floripa (O Marcílio, mandante, cumpria perda de mando ainda referente ao ano passado). Fez 2 a 0 e somou os primeiros três pontos. Primeiro objetivo cumprido.

Sim, porque a ruindade do jogo explica um pouco o tamanho da tarefa do Verdão. Primeiro, ganha tranquilidade para trabalhar mais e melhorar para os próximos jogos, duas decisões, em casa, contra Iraty e Pelotas. E como aproveitou a vantagem de jogar em campo neutro na largada, agora precisa dar sangue nesses jogos para vencer as duas no Sesi (além de dar uma torcidinha por um empate dos rivais no jogo que fecha a rodada, domingo) e praticamente garantir a classificação. Sim, porque paranaenses e gaúchos, em tese, são os favoritos da chave se levarmos em conta o que fizeram em seus respectivos estaduais.

Ou seja, além de dever de casa do elenco do Metrô, os próximos dois jogos são obrigação para o torcedor do time. Torcida que decepcionou no Estadual e na Copinha, mas que agora precisa enfim dar as caras e empurrar a equipe para a próxima fase. Depois, não adianta nada reclamar nas ruas ou pela internet se o time não foi longe. É agora a hora de fazer a diferença. Vamos ver.

O torcedor do Marinheiro, claro, não gostou nada do que viu. O jejum de quase um ano sem ver o time jogando pra valer acabou com uma atuação decepcionante e desordenada. Eu diria que avançar no torneio não é impossível, mas é bem complicado. O foco, da torcida, inclusive, tem que permanecer no grande objetivo da temporada: a volta para a elite do Catarinense. A caminhada começa em duas semanas, e até lá há tempo para melhorar o que se viu neste sábado.

Comentários (4)

  • Márcio Serafini diz: 17 de julho de 2010

    Como é que pode um time ficar 340 dias sem jogar????
    Quando o Brasil terá um calendário de verdade, não só para 40 clubes?

    Do blogueiro: Pois é. Abraço e boa transmissão aí.

  • Eduardo M diz: 17 de julho de 2010

    E o São José , de Porto Alegre , que começou vencendo o Operário e está no grupo do Joinville ? Sabe algo dele ? Se não me engano era o time dirigido pelo Argel no gauchão desse ano , certo ?

    Com relação ao calendário do futebol brasileiro , pode não ser o ideal , mas avançou e muito nos ultimos anos. Se olharmos para uma década atrás , no final dos anos 90 , tudo praticamente se resumia a série A e com viradas de mesa. A série B era um verdadeiro buraco negro , regionalizada e sem a menor divulgação. Hoje , o panorama é outro. A série B está consolidada , tanto no formato quanto no número de participantes. Falta ainda um retorno financeiro maior , mas é bom lembrar que aumentam a cada ano os pacotes de ppv vendidos.

    Até a série C já começou a ser formatada para seguir por suas proprias pernas. Já é o segundo ano com esse formato e apenas 20 times. Apesar de ainda estar regionalizada , não duvido que num futuro próximo , teremos a série C seguindo o mesmo modelo de disputa das series A e B.

    Do blogueiro: É sim, fez um bom Gauchão. E sobre o calendário, concordo.

  • fiedler diz: 18 de julho de 2010

    Pois é , 340 sem jogar e quando faz a primeira partida que significa a volta aparecem 250 torcedores … Como querem um time de ponta ?… Nas custas dos outros ?… Agora vamos ver Blumenau , se quer ou não quer futeból na cidade , o time é razoavel , o técnico sabe das coisas , os dirigentes estão aí carregando o fardo , agora só falta o torcedor pelo menos lotar o Sesi , sendo assim tudo dará certo … Saudações …

  • emerson diz: 18 de julho de 2010

    Parece que ano que vem teremos uma série C de pontos corridos. A movimentação é grande nesse sentido.

Envie seu Comentário