Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Figueira leva o vice de brinde na Série B

27 de novembro de 2010 1

Em jogo de festa, o importante, claro, é a festa.

Portanto, meu comentário era o mesmo quando o jogo estava 2 a 1, será o mesmo com a vitória por 4 a 2. Os 90 minutos de bola rolando no Scarpelli foram apenas um dos atrativos da grande festa que o Figueirense preparou para festejar, merecidamente, a volta à elite. Grande público, homenagens, comemorações e… jogo. Pra melhorar, com vitória e de brinde o vice-campeonato da Série B, já que o Bahia tropeçou no outro jogo de festa (em pleno Morumbi, para todos os “baianos paulistas”, perdeu para o Bragantino por 2 a 0). Melhor para o Furacão, que ficou na posição que de fato mereceu nesta Série B ao longo de todas as 38 rodadas. Justo. Ficou melhor para a festa que rolou pós-jogo.

Sobre o jogo, basta dizer o seguinte: como o Figueira é muito melhor que o Paraná (basta ver a classificação), o resultado foi normal. Quando forçou, no segundo tempo, o time catarinense buscou a virada. Podia até ter feito a goleada clássica, em pênalti que o goleiro Wilson atendeu aos pedidos da galera e foi bater, mas mostrou que como batedor de pênalti é mesmo só um baita goleiro (prova disso foi a defesa que fez nos acréscimos). Bateu mal e o goleiro paranista catou. E a torcida? Aplaudiu, claro. Era festa. Valia tudo. Pra compensar, Pedro Carmona fez um gol de placa no fim, pra fechar a passagem do Figueirense pela Série B da melhor forma possível.

Agora, é festejar, claro, mas já pensar em 2011. Que os erros que levaram o Figueirense à Série B em 2008, e que não deixaram ele retornar já em 2009, não se repitam mais. Planejamento para a próxima temporada, com Catarinense e Brasileirão, precisa ser muito bem feito. Tem muita gente boa nesse elenco que conquistou o acesso (Reinaldo e Willian deveriam ficar), jovens revelados que ainda podem dar muitas alegrias ao torcedor alvinegro. Mas para a Série A, e para tentar quebrar a hegemonia do rival Avaí no Estadual, é preciso mais. O Figueira sabe disso, conhece o caminho.

Ah, e um pedido da torcida no Scarpelli merece ser avaliado com carinho pela diretoria: a permanência do técnico Márcio Goiano, que tem identificação com o clube e mostrou que o Figueira acertou em cheio ao apostar nele. Aliás, alguém aí lembra que a temporada começou com Renê Weber?

Comentários (1)

  • Eduardo M diz: 28 de novembro de 2010

    Fala Braga ,

    O meu sumiço nesses dias deve-se a uma rápida ida a Porto Belo , onde fiquei de quarta até hoje pela manhã. Assisti o jogo do Figueira num bar na rua principal de Porto Belo , recheado de torcedores do Furacão , salvo o dono do bar , o Zeca , torcedor do Avai.

    Figura das mais simpáticas o Zeca. O seu bar , “Futebol , Chopp e Video “, é decorado com camisas e bandeiras de times de vários cantos do país , mais o Penarol e o Boca , sempre presentes de seus frequentadores.

    É urgente a sua ida ao bar , já que não tem uma camisa do Metropolitano por lá. De SC , marcam presença o Figueira , Avai , Criciuma , JEC e Brusque.

    Foi uma ida rapida , já que a minha epsosa tinha problemas de familia para resolver. Mas em março iremos com mais tempo , uns 20 dias. Aí , o pulo a Blumenau será , como de praxe , obrigatorio.

    E para minha surpresa , o voo direto Navegantes-Rio levou apenas 1 hora e cinco minutos.

    Vamos acompanhar a rodada…

Envie seu Comentário