Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts do dia 17 março 2011

Enquanto isso, na Copa de 2014...

17 de março de 2011 12

Li nesta quinta-feira:

Projeto de reforma do Maracanã pode ultrapassar R$ 1,1 bilhão após descoberta de problemas no teto do estádio.

Lembrando que o estádio principal da Copa de 2014, que sediará a final, tinha custo inicial de R$ 400 milhões, depois revisto para cerca de R$ 700 milhões.

Lembrando também que o Maracanã passou por duas grandes reformas recentes, e caríssimas, para os jogos do Mundial de Clubes de 2000 e para o Pan-Americano de 2007.

Apesar de todo o discurso de que haverá seriedade nas reformas e construções dos estádios para a Copa, é muito difícil acreditar. A cada dia, os envolvidos dão mais razão aos céticos.

E isso, de forma alguma, tem a ver com falta de patriotismo. Muito pelo contrário.

Ainda sobre episódios recentes envolvendo a Copa de 2014, vocês viram que o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, andou por Brasília nos últimos dias tentando barrar a criação de uma CPI da CBF? Isso não os remete a algo? Vou refrescar a memória dos amigos:

Em 8 de julho de 2010 (dia que foi lançada na África do Sul oficialmente a Copa brasileira), postei aqui uma brincadeira muito inteligente de um grande parceiro, o jornalista gaúcho Márcio Serafini, do Jornal Pioneiro, de Caxias do Sul (relembre o ótimo post aqui).  Sem muitas esperanças de que a coisa vá andar nos trilhos, como eu, ele projetou uma sucessão de desastres até 2014. E não é que algumas, apesar das críticas que recebemos na época, começam a ganhar corpo?

A mim não surpreende. E a vocês?

Noite de empates catarinenses

17 de março de 2011 13

Noite de empates em cima da hora. Um bom para o Avaí, outro amargo para o Figueira e, digamos, sem gosto para o Brusque, diante das circunstâncias.

Primeiro, o Catarinense:

Jogo interessante no Augusto Bauer. Duas equipes interessadas em atacar, mas o estado do gramado atrapalhou bastante. O Figueirense saiu na frente com esse bom Héber, e poderia ter ampliado até. O Brusque tem uma defesa muito vulnerável, é impressionante como permite aos adversários chegar na cara do gol.

Mas no segundo tempo, empurrado pela torcida, começou a ensaiar uma pressão. O Figueira administrava bem até, mas cá entre nós, administrar 1 a 0 é um risco tremendo. O castigo (e o prêmio ao Brusque pela insistência) veio aos 48, num chute muito feliz do zagueiro Vinícius. Fim de papo, o alvinegro segue sem vencer fora e perdeu a chance de liderar. O Brusque segue naquela, não engrena. É o lanterna do returno e flerta com a zona de rebaixamento. Pra quem investiu pra sonhar até com título, é preciso abrir o olho.

Lá no interior mineiro, o Avaí mais uma vez não foi bem. Errou demais e não fosse o gol de Rafael Coelho já aos 42, seria uma derrota lamentável diante de um frágil Ipatinga. No fim, o 1 a 1, marcando gol fora, não é de todo ruim, o Leão nem deve ter dificuldade para avançar no jogo da Ressacada. Mas que está faltando algo nesse time do Avaí, isso está. O time não passa confiança.

PS: No jogo de Brusque, faltou comentar um fato curioso. O ônibus que levaria a delegação alvinegra de volta a Floripa quebrou na estrada, e o elenco precisou esperar, em condições precárias, até que um novo transporte viesse socorrê-los. Noite longa.