Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Sobre os finalistas do Catarinense

28 de abril de 2011 6

Pronto, fim de férias fora de época (praticamente uma micareta). O blogueiro está de volta, e nesse primeiro post para atualizar a situação dos três finalistas do Catarinense sob meu ponto de vista:

Primeiro, quem está só de camarote, esperando pela definição do adversário na final. O Crociúma confirmou Edson Gaúcho para o lugar de Guilherme Macuglia. Achei uma boa solução da diretoria. Faz tempo que digo aqui que o Tigre precisava cuidar agora para não ser mais uma vítima da síndrome do campeão do turno. Garantido na final, fez um returno no sonolento e, independente de quem seja o campeão do returno, pegará um adversário que vem atropelando, enquanto o Tigre, digamos, entra frio.

Posto isso, a escolha do técnico foi positiva. Sem analisar as razões de Macuglia para sair (só acho que, hoje em dia, trocar o futebol catarinense pelo interior gaúcho é burrice, sem falar que, sob todos os aspectos, o Criciúma é muito maior que o Caxias), a solução encontrada pode evitar essa acomodação. Edson Gaúcho chega para ligar o Tigre na tomada a tempo de entrar energizado nas finais. Tem identificação com o clube e pode criar essa onda (com a ajuda da torcida) para que o time entre ao menos em condições de igualdade com o adversário, que por ter ganho o returno uma semana antes já entrará mordendo. Só não sei se para a Série B (aposto no Tigre como candidato seríssimo ao acesso) foi uma boa escolha. Mas vá lá, Edson Gaúcho já levou o Tigre à elite uma vez e merece esse voto de confiança.

A Chapecoense, pelo que construiu até o momento, é favorita na final contra o Avaí, domingo, no Índio Condá que estará apinhado de torcedores. Mas favoritismo, muito menos campanha, garantem algo agora. O que vale são os 90 minutos em campo e o time verde precisará lutar contra o que esse tal favoritismo pode pesar contra. Já disse aqui outras vezes: Mauro Ovelha, um técnico que há tempos é merecedor de um título importante, nunca esteve tão perto de acabar com a sina de vice-campeonatos (são dois com o Ibirama, 2005 e 2006, e os dois últimos, ambos contra o Avaí, pela própria Chapecoense em 2009 e pelo JEC em 2010). Vencer os próprios traumas me parece o grande desafio desse momento para Ovelha e a Chapecoense. É favorita, sim, mas o Figueirense também era na semana passada.

E aí chegamos ao Avaí. O time azul sempre teve pecha de favorito ao título sem em nenhum momento nesse Catarinense merecê-la. Até domingo, quando mandou pras cucuias o Figueirense em pleno Scarpelli. O Avaí ressurgiu ali, encarnou finalmente a força de quem briga pelo tricampeonato estadual. E colocará tudo isso em prova no jogo do Índio Condá. Na estreia do returno, tomou um vareio de bola lá. Aliás, perdeu os dois jogos para o Verdão no Estadual. Mas agora inegavelmente a realidade é bem diferente. Se jogar bola para se impor, mesmo no caldeirão adversário, tem chances consideráveis de levar o returno e entrar muito forte na final.

E, estando na final do Catarinense, tem ainda o fator Copa do Brasil a ser levado em conta pelo Avaí. O Leão vai encarar o São Paulo, um dos favoritos ao título, e nesta quinta a CBF definiu que o primeiro jogo será na quarta, dia 4, no Morumbi, e a decisão dia 12, quinta-feira, na Ressacada. Dividir-se neste momento decisivo, onde me parece impossível priorizar algo, as duas coisas são muito importantes, pode pesar contra o time da Ilha? Na Copa do Brasil tem ainda a questão das punições pela pancadaria ao final do jogo com o Botafogo na Ressacada. E aí o primeiro jogo diante do tricolor no Morumbi não me pareceu bom negócio. O São Paulo respeita o avaí e o fator Ressacada e sabe que tem uma chance de ouro de, diante de um adversário muito desfalcado, construir a classificação em casa. Ou seja, ao Avaí resta jogar no Morumbi para trazer a decisão para Floripa. tudo isso, em tese, entre as finais do Estadual. Se a Chapecoense permitir, claro.

O Criciúma me parece o grande beneficiado disso tudo.

Comentários (6)

  • Eduardo M diz: 28 de abril de 2011

    Braga ,

    Brasileirão chegando e as previsões parecem se confirmar. Devemos mesmo ter a melhor e mais disputada edição da competição em anos , ou melhor , em muitos anos. Vários jogadores de alto nivel repatriados e promessa de mais outros tantos na janela do meio do ano.

    E o cenário para o futuro é ainda mais animador. O novo contrato com a Globo está triplicando os valores recebidos pelos clubes pelos direitos de transmissão. Alguns , como Flamengo e Corinthians , irão receber o mesmo que os maiores gigantes europeus recebem pelas suas competições nacionais. Outros , como São Paulo , Vasco , Santos e Palmeiras estarão recebendo quase isso. Não custa lembrar também que os valores de patrocinio de camisa e fornecedores de material esportivo também estão em patamares europeus. Perdemos ainda nas receitas de licenciamento dos produtos e nas receitas geradas pelo evento “Dia do Jogo” , além , é claro , daos direitos de Tv da Liga dos Campeões.

    Mas clubes como Flamengo , Corinthians , São Paulo e Inter já deverão mostrar faturamento superior a 100 milhões de euros em 2012 , o que os colocará no G25 du futebol mundial. Outros , como Palmeiras , Vasco , Gremio , Cruzeiro e Santos , quase lá.

    Esse reforço financeiro se refletirá e muito no continente sul-americano. Os times argentinos estão numa crise financeira digna do futebol brasileiro no começo do século 21. O abismo financeiro entre nós e os hermanos só tende a aumentar. Os direitos de TV do campeonato argentino foram comercializados por 100 milhões de euros por temporada e isso graças a TV estatal , já que a privada não pagaria esse valor. Ou seja , a Globo irá pagar somente a Flamengo e Corinthians por temporada o equivalente a toda a cota de TV do futebol argentino.

    Some-se a isso a enorme diferença nas cotas de patrocinio. Um Boca e um River estão felizes com os R$ 9 milhões que recebem por ano cada um. O Flamengo recebe R$ 10 milhões apenas pelas sua mangas e rejeitou R$ 20 milhões da Oi pelo patrocinio master. O Corintians recebe R$ 34 milhões por todos os espaços da camisa , o São Paulo recebe R$ 30 milhões por seus patrocinadores e o Vasco , R$ 26 milhões. E ainda tem as receitas dos fornecedores de material esportivo , onde na Argentina , o clube que mais arrecada é o Boca , cerca de R$ 7 milhões da Nike. Aqui no Brasil , o Flamengo leva R$ 22 milhões para casa , o Corinthians , R$ 17 milhões , o São Paulo , R$ 15 milhões e o Fluminense , R$ 10 milhões.

  • Eduardo M diz: 28 de abril de 2011

    E o Carlos Alberto ????

    O pior é que é mais um caso em que a imprensa gaucha marcou um ponto negativo. Basta reler os textos dos jornalistas Luis Zini , Nando Gross , Mario Marcos e outros para ver o quanto a sua contratação foi festejada por lá. Enquanto isso , os comentaristas de outras praças metiam o pau na inacreditavel contratação do Gremio. Sabe o que os torcedores do Gremio fizeram ???

    Chamaram os comentaristas que criticaram a contratação de tudo…

    Hoje , se você entrar nos blogs dos jornalistas gauchos , verá como mudou a opinião. Deles e dos torcedores.

    É preciso ser menos torcedor e mais comentarista…

    Mas pedir isso para a imprensa do RS é dificil

    Do blogueiro: Eu fui um que critiquei a contratação no primeiro dia, pelo Twitter. Hoje apenas levantei a plaquinha “Eu já sabia”.

  • ricardo diz: 28 de abril de 2011

    estava bem até a última frase…
    pq o criciuma é favorecido se a Chapecoense ta jogando muita bola?
    Só é favorecido se jogar contra o avai

    Do blogueiro: Leia de novo e vai entender.

  • Eduardo M diz: 28 de abril de 2011

    Braga ,

    O mais legal agora é tentar adivninhar o futuro do Carlos Alberto. É claro que ainda tem dirigentes que irão atrás dele. Mas o ciclo nos grandes clubes , acho eu , se fechou.

    Sabe onde vejo ele ? No Bahia. Sim , o tricolor baiano mostra nesse primeiro semestre que não tem time e muito menos elenco para se manter na elite do brasileirão. Até porque acabo de ler que a direção do Bahia está louca para contratar o atacante Jóbson. Ficaria perfeito. Carlos Alberto , Jóbson e Souza…

    Depois cai , fica uma década na segundona e não sabe o motivo…

  • Ricardo – TIGRAO diz: 29 de abril de 2011

    O técnico não poderia ter sido contratado em melhor hora… mudanças irão ocorrer! O time sonolento do returno não voltará! Vamos ter muita pegada, ainda mais com a filosofia do Edson Gaucho! O fato novo está implantado… jogadores agora terão que suar muito para terem suas vagas no time titular e isso é um otimo estimulante..

    Sobre a final de domingo… Chapecoense deve ficar com a vaga e o Mauro Ovelha continuará a sua sina de VICE!

  • Anderson diz: 1 de maio de 2011

    Eu acho que burrice é trocar Criciúma, por estar na série B e somente isso, Avaí ou Figueirense pelo interior gaúcho. O resto, é tudo a mesma porcaria. A única vantagem que vejo em um treinador trabalhar no futebol catarinense é que a diferença entre os demais clubes de Avaí e Figueirense não é tão abissal como é no interior gaúcho em relação a dupla grenal. Acredito que em outras épocas, em que Avaí e Figueirense ainda eram participantes de divisões inferiores do campeonato brasileiro, se a dupla grenal disputasse o catarinense a hegemonia seria a mesma, como ocorre no RS. Hoje em dia, a dupla da capital catarinense é mais competitiva, mas é só isso.

Envie seu Comentário