Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 27 abril 2012

Caso Oscar é temerário para o futebol

27 de abril de 2012 30

Como a maioria dos frequentadores do blog já sabe (e os que não sabiam saberão agora), sou torcedor do São Paulo, literalmente, desde o berço. Até hoje evitei dar opinião (ao menos oficial, aqui no blog) sobre o Caso Oscar, uma das grandes vergonhas do futebol nacional atualmente.

Mas, como diz aquela música, agora resolvi falar… Se você aí acha que por eu ser são-paulino (parte envolvida), minha opinião não vale de nada, nem perca tempo na leitura. Pra quem quiser debater, vamos adiante:

O Caso Oscar não envolve apenas uma briga entre jogador, São Paulo e Internacional. Seus desdobramentos estão criando um precedente temerário para o futebol brasileiro, cada vez mais entregue aos desejos dos empresários da bola.

No último desdobramento, o jogador acabou beneficiado por uma liminar trabalhista que lhe dá o direito de, como qualquer trabalhador, atuar onde bem entender. Perfeito, quanto a isso não há qualquer contestação. Mas acontece que Oscar, influenciado pelos empresários, saiu “fugido” do Morumbi. Ganhou guarida no Colorado, o que mostra como nossos clubes defendem seus próprios interesses… Jogar onde quer, tudo bem. Mas o clube que ficou pra trás deve ser ressarcido por isso. Do jeito que está acontecendo, é golpe.

Ridículo é ver as duas partes comemorando cada decisão dos tribunais como um gol. Ou os argumentos absolutamente ridículos que aparecem, inclusive em parte da imprensa que não consegue se despir do traje de torcedor. No fim das contas, só quem perde é o futebol brasileiro e seu histórico de formação de jogadores. Quem ganha (e só eles) são os empresários, cada vez mais poderosos.

Não há santinhos na história. O São Paulo sempre usou do expediente de buscar jogadores nas bases alheias se aproveitando de brechas contratuais. Nesse caso, prova do próprio veneno. Além do que, cometeu sim um erro primário no contrato do jogador (que também cometeu com outros jogadores que também chegaram a ser aliciados por esses empresários, como o volante Casemiro e o lateral Henrique Miranda, que acabaram desistindo de pular fora, e o meia Lucas Piazon, que acabou negociado com o Chelsea).

O Inter quis bancar o esperto e tirar proveito da situação, que provavelmente num belo dia também vai sofrer (e não vai poder reclamar, diante dos argumentos que usa agora). Sem falar que se o jogador e seu staff fizeram isso uma vez, provavelmente ali adiante farão novamente, e aí a conta vai sobrar pros agora beneficiados. Oscar não tem opinião própria, foi envolvido nesse turbilhão por confiar cegamente (e de forma burra) nos empresários, estes sim os espertalhões de todo o caso.

O precedente que está aberto (não que eu ache que a situação durará muito tempo), de que o jogador tem o direito de jogar onde bem entender e ponto final, no caso específico do futebol vai criar o seguinte cenário:

1) Empresários, que já mandam e desmandam nas bases, vai ter ainda mais força para manipular jovens promessas e arrancá-las de clubes formadores para lucrar os levando para onde bem entenderem. E os clubes ficam a ver navios…

2) Clubes ricos e poderosos, como São Paulo, Santos, Corinthians, o próprio Inter, vão fazer uma “limpa” nas divisões de bases de clubes menores, levando os jogadores que quiserem com a oferta óbvia de uma projeção e um glamour muito maior.

Ou seja, para quem vai sobrar a conta? E o Brasil, que já não forma mais meias talentosos na base por causa da influência nefasta dos empresários (que querem jogadores taticamente perfeitos para mandar para a Europa), também não vai mais ter interesse em investir na formação.

E você aí, mero torcedor que só enxerga futebol com paixão e hoje está comemorando os desdobramentos desse caso emblemático, um dia ainda vai chorar. E se arrepender… A não ser que você seja empresário de jogador, claro…

PS: A minha solução para o Caso Oscar é o jogador atuar pelo Inter, sim, ou onde bem entender, mas que jogador (leia-se empresários dele) e o novo clube que escolher façam o ressarcimento justo ao São Paulo, sem querer tirar vantagem financeira da situação. Não existe de fato a menor condição de o jogador voltar ao Morumbi (eu, como 99% da torcida, não quero ele de volta nem pintado de ouro). E talento que é (com os pés, porque na cabeça não tem nada…) precisa estar em campo.

Também sobre o tema, recomendo a leitura dos blogs do Paulinho e do Rica Perrone , opiniões lúcidas e com as quais eu concordo quase que na totalidade.