Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Coluna do Braga no Santa - 27/6/2012

27 de junho de 2012 1

Coluna publicada nesta quarta-feira no Jornal de Santa Catarina:

Futebol é tão óbvio
Quem um dia inventou que o futebol é “uma caixinha de surpresas”, como diria o Capitão Nascimento, é um fanfarrão. O futebol é óbvio, para os que conseguem ler nas entrelinhas. A imprevisibilidade dele que encanta é que um time fraco pode vencer um time muito superior, o que raramente ocorre em outros esportes. Mas até isso tem lá seus segredinhos.
Sábado, estava eu, entre um cochilo e outro no sofá, tentando resistir ao péssimo Espanha 2 x 0 França, pela Eurocopa. Jogo enfadonho, pra ser econômico nos elogios. E tentava entender por que a atual campeã do mundo é tão superior aos demais, sem encantar, sem firula, quase sem nada.
A resposta, que também serve para a espinha dorsal da Fúria, o Barcelona, é tão óbvia que até dói: a Espanha joga futebol igual ao que todo mundo aprendeu na escolinha, mas nunca botou em prática.
O time espanhol, além de ter uma geração de qualidade, não rifa a bola, não cruza da linha de fundo de cabeça baixa, não toca ao companheiro só pra se livrar da responsabilidade. Enquanto a Fúria botava em prática tudo isso, a França fazia ao contrário: chutão, jogadas sem pensar, correria desordenada. Resultado, deu um chute a gol em 90 minutos, ainda assim sem perigo algum.
Agora, pensem comigo: quantos times que vocês conhecem fazem o mesmo que os franceses fizeram no sábado? Que não colocam em prática um mísero e surrado fundamento do futebol? Pois é, quase todos, né? A Espanha, ainda que isso dê sono em quem assiste, faz o óbvio com competência, por isso domina o cenário atualmente. Fará igualzinho contra Portugal, hoje, nas semifinais. E só não vencerá se o gajo Cristiano Ronaldo estiver endiabrado.
Onde está mesmo a tal caixinha de surpresas?

Pocotó, pocotó
Por falar em obviedade, o Celso Roth é líder do Brasileirão com o Cruzeiro! Ótimo nas arrancadas, o final, bom, esse todo mundo sabe como é: queda de rendimento, posição intermediária no fim do campeonato e provável demissão. É caso para ser estudado pela Nasa.

Torcedor desrespeitado
Leitores mandaram e-mail à coluna para reclamar das cadeiras do Sesi no jogo contra o Juventude, domingo. Segundo eles, sujas e sem condições adequadas. Detalhe: quem comprou o direito de sentar-se ali, pagou por isso R$ 60.O que já justificaria almofadas em cada assento, não poeira. Conversei com a direção do Metropolitano, que já estava ciente do problema e garantiu ter procurado o Sesi para que o episódio não ocorra mais nos jogos do clube. Tomara, o torcedor precisa ser tratado com respeito.

Espantoso
Com decepcionantes 1.243 pagantes no domingo, o Metropolitano ainda ostentou o maior público da rodada de abertura da Série D. Meu Deus!

Sem folga
O Metrô não entra em campo na próxima rodada e ganhou duas semanas de descanso (como se precisasse). Além dos treinos até enfrentar o Brasil de Pelotas, dia 8, não custa nada dar uma secadinha. Nesta quarta-feira, por exemplo, seria bom a galera torcer pelo Xavante, que precisa de uma combinação de resultados para avançar à fase final da Segundona gaúcha. Explico: se conseguir, entendo que vai priorizar a volta à elite estadual, o que pode facilitar as coisas no jogo do caldeirão Bento Freitas. E domingo, na 2ª rodada, também não seria nada ruim se o Xavante segurasse o Juventude, no Alfredo Jaconi. Daria ao Verdão a chance de disparar na ponta do grupo.

Comentários (1)

  • Serginho_JEC diz: 29 de junho de 2012

    Você tem razão em partes, aconselho a jogar na loteca. rssrs

Envie seu Comentário