Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

A trajetória de Maurinho até o Internacional

25 de janeiro de 2013 0

Reportagem assinada por mim e publicada na edição desta sexta-feira do Jornal Zero Hora, que conta a história da passagem do atacante Maurinho, agora destaque do Inter no início de temporada, pelo futebol do Vale, e também a conturbada ida para a Bielo-Rússia:

Surge um novo Damião no Beira-Rio? Se dentro de campo o estilo não é o mesmo, ainda que a função também seja fazer gols, a trajetória do camisa 9 até cair nas graças dos colorados tem muitas semelhanças com a de Maurinho, o xodó da vez no Inter. Os dois gols na quarta-feira contra o Cerâmica, o bom início de temporada no time sub-23 _ que mereceu elogios da comissão técnica de Dunga _ são o surpreendente desfecho de uma jornada cheia de percalços, mas que ele nunca escondeu a inspiração: seguir os passos de Leandro Damião.

Aos 22 anos, Maurinho, natural de Canoas, teve um 2012 que mereceria virar enredo de filme. Do XV de Outubro de Indaial (que também revelou o então garoto Leandrão), foi levado a vizinha Blumenau para jogar o Catarinense pelo Metropolitano. Marcou seis gols e levou o time a uma improvável liderança. Virou ídolo, mas na mesma semana (início de março), a da véspera de um confronto decisivo com o Figueirense, recebeu a notícia que havia sido negociado com o Dínamo Minsk, da Bielo-Rússia (o que motivou protestos da torcida). Mal teve tempo de se despedir dos companheiros e embarcou. Começava o calvário de Maurinho.

Não bastasse a dificuldade de aterrissar de uma hora para outra na gelada Bielo-Rússia, os cartolas do Leste Europeu resolveram não cumprir com parte do combinado. Não pagaram os US$ 500 mil ao Metropolitano (o clube hoje move ação na Fifa contra o Dínamo para receber o dinheiro) e, sem oportunidades, o garoto sofreu por meses: treinou separado do grupo e chegou a ser emprestado a um clube da terceira divisão da Polônia, praticamente amador. Aí, pediu socorro.

Com ajuda do “paizão” Josélio Kresch, técnico e dirigente do XV de Indaial, conseguiu a rescisão com o Dínamo Minsk e voltou ao Brasil no começo de junho. Josélio o resgatara também em outro momento difícil, cerca de um ano antes, quando teve problemas extracampo na passagem pelo Comercial-MS.

_ Trato-o como um filho, quando ele pediu ajuda, dizendo que lá na Polônia estava muito difícil, não tive como não interferir _ disse Kresch.

De volta ao XV, Maurinho chegou a fazer um jogo pelo clube na Segundona do Catarinense. Até que em outubro, quando parecia improvável que o enredo tivesse um final feliz, surgiu a oportunidade de empréstimo ao Inter. O contrato atual dá a preferência ao colorado para comprar 60% dos direitos do atacante _ os 40% restantes pertencem ao XV.

E assim, marcando gols e caindo nas graças da torcida, Maurinho vai tornando real um sonho que revelou em entrevista ao Jornal de Santa Catarina, em março de 2012, quando surgiu no Metropolitano:

_ Sonho em jogar no Inter, time do meu coração e do meu pai. E também quero chegar à Seleção. O Damião é um exemplo pra mim.

Envie seu Comentário