Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Blumenau se contenta em ter os Jasc

06 de março de 2013 17

Blumenau deve mesmo ser a próxima sede dos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc), em novembro. Terça-feira, em reunião na Capital, só faltou bater o martelo. A Fesporte escolheu, ainda que a cidade não tenha oficializado a candidatura (e nem o fará), mas a definição ficou para segunda-feira. Mera formalidade. Na semana que vem mesmo, a cidade já deve começar a montar o planejamento e a estrutura para a competição.

Tem quem comemore. Eu não.

Acho o Jasc, e não é de hoje, uma competição moribunda, fora de foco e que não atrai interesse algum. É uma festa do esporte, ok. Mas aí, como desenvolvimento do esporte catarinense, a Olesc e os Joguinhos Abertos se tornaram muito mais importantes nos últimos anos. Algumas pessoas me confirmaram nos últimos dias o que eu já desconfiava: Joinville abriu mão de sediar os Jasc (e gastar um dinheiro sem retorno) para investir em projetos da base, sim, como é o discurso oficial por lá. Mas também para dar suporte aos projetos da cidade para atrair seleções que estarão no país em 2014 para a Copa do Mundo. Marketing mais do que garantido, visibilidade mundial, milhares de turistas de alto poder aquisitivo, as vantagens eu poderia ficar enumerando o dia todo. Floripa faz o mesmo, Balneário Camboriú briga para também tirar proveito da oportunidade histórica.

Enquanto isso, Blumenau, nestes cinco anos e meio desde o anúncio do Brasil como sede da Copa, jamais moveu uma palha. Pelo jeito, por aqui preferimos receber os Jogos Abertos, de interesse para a população próximo do zero, igualzinho ao retorno econômico _ atletas se alojam em escolas, não em hotéis, o que ainda atrapalha o calendário escolar da cidade. No máximo, lucraremos com maior venda de X-Salada nas lanchonetes.

Parabéns! Para quem pensa pequeno, está ótimo.

*Texto publicado na coluna desta quarta-feira no Jornal de Santa Catarina

Comentários (17)

  • Tiago Ghisi diz: 6 de março de 2013

    Está Certo Braga, os atletas que disputam hoje em dia, são muitos trazidos de fora do estado, de que adianta formar atletas nas cidades catarinenses se chega nos joguinhos e contratam tudo de fora, só para gastar mais, acho que ja deu para bola do jasc, ou ultilizam atleas do estado ou deu.

  • Glauco Foltran diz: 6 de março de 2013

    Prezado Rodrigo,

    Como já conversamos, o que precisa mudar é a forma de realizar os JASC. Importante, o evento é. Você fala em Joguinhos e Olesc, e esses atletas após estourarem a idade vão competir no quê se não for os Jogos Abertos? Nem todos terão oportunidades de equipes de alto nível. Em SP e no PR os Jogos Abertos continuam em alta. As televisões paulistas transmitem os Jogos Abertos, e os atletas, mesmo os não conhecidos são valorizados. SC tem que se aproveitar disso. Blumenau insiste em dar crédito ao futebol, que é falido na cidade. Ou vai me dizer que 1000 pessoas no SESI é público para futebol? O esporte amador é mais que isso, neste momento tem milhares de crianças treinando alguma modalidade na escolas e centros de formação. Olha o impacto social disso, muito maior que o futebol. E quanto a questão de Joinville, eu questiono? Que tipo de investimento a cidade vai atrair num estado que sequer terá Jogos. EM Curitiba, que é sede, já está dificil. Quero ver para crer. Milhares de turistas? Aonde? Em joinville para ver projetos…de atração das equipes da Copa do Mundo?? Duvido!

  • Glauco Foltran diz: 6 de março de 2013

    E outra coisa Rodrigo!! Você viu o que está acontecendo com a OLESC e Joguinhos? Temos atletas de Blumenau, formados com muito suor aqui, que com 16 ou 17 anos, estão recebendo propostas de 600 a 800 reais por mês para irem para outras cidades!! Só no Handebol, perdemos este mês, 3 atletas de base, por cortes que a cidade fez para nao priorizar JASC e sim a base. Não adiantou, estamos perdendo a base também!! Nos EUA, o esporte escolar e o alto rendimento, não importa em que nivel, é valorizado e a mída dá suporte. No BRasil é só cabeça para futebol, que aliás está recheado de valores negativos para a juventude, como corrupção, noitadas de jogadores, mortes e brigas nos estádios, etc. Enquanto que o esporte olímpico amarga a boa vontade da mídia para aparecer um pouco mais…e com isso conseguir patrocinadores! Blumenau tem um campeão mundial juvenil de uma modalidade, nem sequer sai a foto do menino no jornal, na página ao lado, aparece a foto gigante do jogo treino do Metropolitano lá no interior!! Como se diz: para nós, que lutamos pelo esporte de Blumenau há anos…é de chorar em alemão!!

  • Celso diz: 6 de março de 2013

    Nossa cidade sofre do mal de “PENSAR PEQUENO”. Vc tem toda razão o JASC está moribundo faz tempo. A Blumenau de HJ pensa muito pequeno. Ficam contentes com migalhas. FALTA EMPRESÁRIOS QUE TENHAM COMPROMETIMENTO COM A CIDADE. Hoje não se vê mais empresário na politica. Isso está prejudicando muito BLUMENAU. A TEXFAIR já se fala que ira para Balneário Camboriu e ninguém abre a boca. A ELETRO AÇO ALTONA INDO embora e a PREFEITURA se silência e não faz nada para reverter. BLUMENAU PRECISA SE ABRIR PARA O MUNDO E NÃO SE FECHAR EM SI MESMA. NÃO SEI SE ESSE JOVEM PREFEITO VAI TER CONDIÇÕES PARA MUDAR ISSO.

  • jefferson Duarte diz: 6 de março de 2013

    Olá!. Realmente a questão politica é mais forte. quem pensa pequeno será pequeno é por isso que nossa cidade não se apresenta como opção à situações mais valorozas como citado pelo Braga.
    Questiono quais serão as contra partidas do poder público?

  • JV diz: 6 de março de 2013

    Sobre um projeto para ter uma selecao, na copa de 2014 – esta totalmente descartado de ter uma cidade de Sc…primeiro as cidades devem contratar uma empresa credenciada a fifa…mais de 500 mil o custo, levantar todas as vantagem e esses repassar aos Paizes…e nao tem a garantia de isso ser realizado, pela naba que passa as prefeituras, jogar dinheiro fora ninguem quer.

  • Roberto diz: 6 de março de 2013

    Muito engraçado Glauco Foltran ! Então, quer dizer que o mundo todo tá errado, e só nós blumenauenses, estamos corretos ! Futebol não pode ter auxílio, mas ajuda do dinheiro público para realizar os JASC que já não tem atrativo nenhum , então pode ! Por que será que nenhuma cidade mais quer realizar os JASC ?

  • Juliano Russi diz: 6 de março de 2013

    Bom dia Rodrigo,

    Concordo com tudo que o leitor Glauco Foltran escreveu nos seus dois posts. E digo mais, mesmo correndo o risco de ser repetitivo: não é o evento que é moribundo ou que não desperta interesse. Pra mim, um dos problema é que boa parte da imprensa perdeu a vontade de divulgá-lo. Alguns jornais preferem dedicar boa parte da sua editoria de esportes ao Futebol, com fotos e manchetes de capa do Flamengo, porque vende mais. Alguns programas de TV preferem gastar seu tempo mostrando a namorada do Neymar, seus penteados ridículos e seus dribles geralmente improdutivos a mostrar matérias sobre bolão, punhobol, ginástica artística, porque o Neymar rende mais uns pontinhos na audiência. Mesmo o tempo de TV e o espaço de jornal dedicado a vôlei, basquete e futsal é infinitamente menor se comparado ao futebol.

    Com relação a Copa do Mundo, sinceramente, por mais que eu concorde com teus argumentos, todo esse dito benefício é em boa parte intangível e subjetivo. E principalmente, dura muito pouco. Milhares de turistas, que nem sei se serão milhares, virão e gastarão. Bom, beleza. Só que uma hora o dinheiro acaba e um mês depois ninguém mais fala disso. E esse dinheiro todo é tão pouquinho se comparado aos bilhões de reais de dinheiro público que está se gastando pra construir estádios que depois ou serão entregues de mão beijada pra clubes como o Corinthians e/ou que vão virar imensos elefantes brancos. Ou seja, a conta ainda fica negativa. Ah, mais vai ficar um legado em estradas, hospitais, aeroportos, hotéis. Bom, como tem sido amplamente mostrado por jornalistas sérios, isso aí vai ser tudo maquiado pros 30 dias da Copa e depois volta a ser tudo como era antes.

    Eu penso no esporte como uma coisa que traz reflexos a longo prazo. E não só dinheiro. São em competições como Olesc, Joguinhos e Jasc que vez por outra surgem expoentes de diversas modalidades. Guga, Xuxa, Ana Moser, Eduardo Fischer, Marcelo Greuel, Sérgio Galdino, Fabiana Gripa. Uns mais famosos, outros menos, mas todos de alguma forma serviram e servem de exemplo pra que muita criança se interesse por uma modalidade, queira praticar, etc. O clube que frequento já tem 4 quadras de tênis (adhering). E assim é o Vasto Verde, o Guarani, o Tabajara. Temos é verdade apenas uma quadra pública (Parque Ramiro) mas toda semana alguém berra (com razão) pra que se construam outras quadras. Somos o país do tênis? Não. Porque então esse interesse recente? Porque, entre outras coisas, há 20 anos atrás surgiu um guri magricela e de cabelo enrolado que treinou aqui em Blumenau, em Gaspar, que disputou joguinhos e jasc por Brusque, depois por outras cidades. Aí cresceu na carreira, ganhou Roland Garros três vezes e é hoje um ídolo e um exemplo pro mundo inteiro, dentro e fora das quadras.

    Eu acho sinceramente que algumas coisas poderiam ser diferentes nas competições que a Fesporte organiza. Principalmente no JASC. Algumas modalidades poderiam ter o número de participantes reduzidos, outras poderiam ser disputadas de forma diferente. Talvez tirar uma modalidade aqui, adicionar outra ali. Mas acabar com o evento é um absurdo. Volto a dizer, ele não deixou de atrair interesse. Pra mim, algumas pessoas perderam o interesse em divulgá-lo.

    Olha o que Chapecó fez anos atrás. Colocou as modalidades coletivas com a participação do time da casa pro horário nobre, depois das 18:00. Os ginásios invariavalmente estavam cheios. Em certos dias, a Rádio Chapecó chegou a transmitir 5 eventos simultâneos. Enquanto o narrador principal estava no Futsal Feminino (!!!), haviam repórteres fazendo pontas de linha no Handebol, no Volei, no Basquete e até no Punhobol.

    Dá pra melhorar, fazer diferente? Claro que dá. Mas aí todo mundo precisa pegar junto: poder público, iniciativa privada, atletas, técnicos, imprensa. Acharia muito válido se fosse fomentada uma campanha, um debate, uma troca de idéias entre representantes de todas essas classes pra que juntos se achassem formas de manter a competição e oxigená-la. Fica a dica.

    Do blogueiro: Mas Juliano, meu caro. É claro que investir em esporte é muito mais importante. Mas investir mesmo, na base, formar atletas, formar equipes fortes que disputem torneios relevantes e por isso atraiam a atenção do público e da mídia. Simples assim. Os Jasc não são nada disso, muito pelo contrário. Blumenau voltou a contratar atletas pra ganhar pontos nos Jasc, me explica aí onde está a relevância disso, a não ser pra meia dúzia diretamente envolvida? Tu és um guri muito interessado e inteligente, e que aliás me deve uma visita aqui na redação. Quando tu conhecer melhor a rotina diária do jornalismo, tu vai entender (e concordar) porque modalidades menores e torneios sem interesse como os Jasc morreram para a mídia. Se os Jasc um dia voltar às origens, de revelar atletas e coroar o trabalho de uma temporada toda da base daquela cidade, aí, quem sabe, ele volte a empolgar. Quem sabe. Abraço

  • david rage agains’t the system diz: 6 de março de 2013

    Não acho que o JASC deva ser deixado de lado, haja visto a importância que tem no contexto sócio/cultural. O esporte, não importa a modalidade, nunca dever ser enterrado ou deixado de lado. O JASC precisa ser revigorado e repensado. E quanto a candidatura a Sub-sede da copa para alojar seleções, realmente Blumenau nunca se quer teve intenções, talvez pelo fato de pensar pequeno como vc mesmo colocou, concordo com vc!! E concordo com muitos outros acima, Blumenau se continuar do jeito que está, vai fracassar!! perderá empresas e investimentos, cenário este que poderá ser revertido só após a duplicação da BR-470, mas daí talvez ja será tarde. Por essas e outras que ja me mudei da cidade apara o Balneário para a casa da minha mãe, mesmo tendo que trabalhar em BNU ainda… triste para o povo de BNU

  • Moacir diz: 6 de março de 2013

    Já escrevemos nesse espaço sobre a importância dos JASC, como bem disse o Glauco, não podemos deixar morrer essa competição, uma das soluções seria fazer a competição a cada 2 anos, aí seria difícil as cidades contratarem os “aventureiros” por um período mais longo, ou estipular um critério de que o atleta precisa residir na cidade por um período maior, mas como no Brasil sempre dá-se um jeito de burlar as regras, fica mais complicado.
    Outro fato que já acontece a mais tempo na cidade é a velha ladainha de que está sendo priorizado o esporte de base, preocupa-nos o trabalho do prefeito de buscar recursos para o futebol profissional, vendo um estádio que apenas 0,5 % da população de Blumenau comparece e lembrando o passado de ginásios lotados, só não tinha mais gente porque a praça esportiva não comportava.
    Em resumo, Blumenau precisa voltar ao antigo padrão que é o de campeoníssimo de jogos abertos , que já revelou atletas como Ana Moser , vários no futsal , Splitter e outros mais e deixar o futebol para os aventureiros de plantão.

    Do blogueiro: Eu sou favorável a um debate sobre o futuro dos Jasc. O incentivaria e participaria com gosto.

  • rodrigo_braga diz: 6 de março de 2013

    Eu sou favorável a um debate sobre o futuro dos Jasc. O incentivaria e participaria com gosto.

  • Roberto diz: 6 de março de 2013

    Pessoal de Criciúma, Floripa, Joinville, Chapecó ! Se vocês sempre perguntam para nós blumenauenses, porque a cidade nunca foi campeã no futebol, basta ler os comentários acima ! É simples assim , todo estado quer ser campeão no futebol , e Blumenau quer ser campeã dos JASC

  • Ricardo B. diz: 6 de março de 2013

    Concordo que os JASC precisam de debate, mas é preciso reconhecer sua importância, principalmente para municípios pequenos. Eles mobilizam milhares de atletas e professores nas fases micro e regional, os quais, com mínima ou nenhuma chance de classificar, mantém vivo o esporte amador da cidade. Eu mesmo já participei várias vezes no Futsal por um município pequeno, e só o fato de poder treinar e disputar os micro já era uma festa. Isso deve permanecer vivo.

    Do blogueiro: Concordo

  • RENATO diz: 6 de março de 2013

    Acho melhor termos praticas esportivas em Blumenau como JASC do que este tal de Stammtisch aonde os jovens ficam enchendo a cara e se mostrando nas ruas da Cidade aonde beber e coisa normal.

  • Adair diz: 6 de março de 2013

    Eu penso que os Jasc devem ser a cada 4 anos como se fosse uma Olímpiada, talvez os custos seriam bem menores, o interesse aumentaria por conta da espera de 4 anos e os jovens atletas teriam mais tempo para se aprimorar. De 2 em 2 anos aconteceriam os jogos regionais e anualmente os joguinhos abertos e os microrregionais. Como a prática esportiva é iniciada bem cedinho, muitas vezes antes dos 10 anos de idade, fazer Jogos Abertos todos os anos é desnecessário e cansativo, é só analisar as Olímpiadas, a juventude ficaria assim anciosa e mais interessada em disputar os Jasc.

  • Paulo diz: 6 de março de 2013

    Lamentável a falta de conhecimento e, acima de tudo, a falta de tato demonstrada pelo colunista.
    A Constituição Federal, em seu artigo 217, a LEI Nº 9.615, DE 24 DE MARÇO DE 1998 e a LEI n.º 9.808, de 26 de dezembro de 1994, para citar apenas algumas, legitimam as manifestações esportivas no Brasil e em Santa Catarina, e definem também que o esporte amador e o esporte profissional devem ser regidos por legislações diferenciadas, com recursos específicos e distintos.
    Esquece o colunista que apenas em 2012 Santa Catarina teve 12 atletas convocados para os Jogos Olímpicos de Londres, a maioria deles participantes dos Jogos Abertos de Santa Catarina. A lista de Catarinenses Olímpicos é extensa, e os JASC foram parte da caminhada de quase todos.
    Quanto à participação dos atletas nos JASC, existe um regulamento específico para tal, e recomendo a leitura ao colunista, pois há efetivamente tratamento diferenciado para atletas Catarinenses de nascimento.
    Jogar com o regulamento não é exclusividade dos municípios de Santa Catarina.
    Peço que faça um levantamento de quantos Brasileiros estiveram em seleções nacionais de futebol na última copa do mundo, e de quantos medalhistas olímpicos de 2012 eram efetivamente nascidos nos países que representavam.
    Quanto às prioridades de Joinville, prefiro não comentar o que não conheço. Sei, porém, que o investimento necessário para abrigar uma Seleção Nacional de Futebol em 2014 é imenso, e a cidade que desejar receber alguma equipe em 2014 terá que gastar muito dinheiro para tal. “Milhares de turistas de alto poder aquisitivo” em Santa Catarina por conta da Copa do Mundo é no mínimo improvável, além de um exagero.
    Existem em Santa Catarina 17 instalações aprovadas pelo Comitê Rio 2016 para receberem equipes em trabalho de aclimatação e treinamento pré-Jogos Olímpicos. Três delas estão em Blumenau e ainda em 2013 haverá mais uma etapa de seleção na qual pretendemos incluir mais instalações de nosso município.
    Quanto a destinar recursos dos JASC à saúde, sei que as peças orçamentárias, em todas as esferas do Poder Executivo, destinam recursos à saúde, à educação, ao esporte e a cada uma das áreas de atuação de maneira específica e não há a previsão de converter recursos de uma área para a outra. Não é impossível, porém.
    Quanto à movimentação financeira que envolve os Jogos Abertos de Santa Catarina, recomendo também um estudo mais aprofundado. O Esporte, como um todo, é responsável por mais de 4% do PIB (Revista Isto é Dinheiro). Recomendo também um olhar mais detalhado ao movimento econômico anual dos municípios-sede dos JASC nos últimos anos para verificar que ganha o prestador de serviços, o chaveiro, a farmácia, o posto de combustível, a locadora de automóveis, o supermercado, a padaria e toda uma rede de apoio às delegações que participam. A taxa de ocupação nos hotéis aumenta bastante (Dirigentes estaduais, equipes da FESPORTE, pais e parentes de atletas, imprensa, etc… hospedam-se sim na rede hoteleira)
    Ganham todos, até o vendedor de x-salada.

    Do blogueiro: Meu caro, ou você não conseguiu entender uma linha sequer do que escrevi (o que é grave, recomendo tentar ler outra vez ou voltar para a escola), ou então quis mesmo deturpar tudo. Não entrarei no mérito, mas se você está satisfeito com o que citou aí acima, parabéns, faça bom proveito. Abraço

  • Roberto diz: 6 de março de 2013

    É isso aí Paulo ! É tão bom sediar os JASC , economicamente falando, que todas as outras cidades desistiram ! Puxa, como nós blumenauenses somos inteligentes, né ?

Envie seu Comentário