Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts na categoria "Handebol"

De que ainda valem os Jogos Abertos?

08 de novembro de 2012 3

Começaram esta semana, em Caçador, os Jogos Abertos de Santa Catarina. Ao mesmo tempo que os Jasc me despertam admiração, pelo valioso trabalho de fomentar o esporte amador em todos os cantinhos do Estado ao longo desses 52 anos, me entediam profundamente pela forma como ainda são disputados os Jogos.

Quem me lê há mais tempo sabe: não é de hoje que os Jasc deixaram de ser interessantes. Blumenau, felizmente _ e deixando a modéstia de lado me sinto parte dessa decisão, de tanto que enchi o saco _, conseguiu romper com aquela neura de ganhar a competição a todo custo, a tal manutenção da hegemonia que, acreditem, num passado nem tão distante ajudava a definir os rumos políticos da cidade.

Eu fui atleta dos Jasc. Antes disso, fui admirador dos desfiles em carro aberto dos campeões. Mas Blumenau cresceu, tomou outros rumos, por que eu deveria achar normal o esporte daqui viver como há 20, 30 anos?

Hoje, os atletas blumenauenses são novamente vanguarda, como quando defendiam a hegemonia e ficaram 23 anos sem perder. Vão aos Jasc com o resultado do trabalho de base, seja ele bom ou não. Ganhar, nesse caso, importa ao competidor, claro, e só. A cidade ser campeã é insignificante. Os outros ainda vão entender isso.

Blumenau não ganhará mesmo os Jasc de Caçador, nem precisaria eu estar aqui torcendo contra.

Floripa é favorita ao tetra (será o oitavo título, precisará de mais 32 para se tornar a maior vencedora). Joinville também tem chance, até Itajaí deve ficar à frente dos blumenauenses _ o trio investiu pesado em atletas de fora. Da minha parte, resta dizer que cada um faz o que bem entende com a sua política e o seu dinheiro.

Se há algo em termos de esporte que Blumenau deva invejar na Capital e na maior cidade do Estado, não é a classificação nos Jasc. E sim o fato delas terem projetos fortes, em parceria com a iniciativa privada, que formam times que brigam por títulos importantes, nacionais e internacionais, projetam os nomes das cidades e formam uma geração de atletas através da idolatria.

É isso que Blumenau precisa buscar. E os Jasc, insisto, precisam de uma reformulação corajosa, que valorize de fato a produção esportiva de cada cidade.

Por que o Mundial de Handebol se foi?

24 de maio de 2011 11

Texto publicado na edição desta terça-feira no Jornal de Santa Catarina:

Previsível

Desde o anúncio, em 2009, Santa Catarina em nenhum instante levou a sério a organização de um evento do porte do Mundial de Handebol. O fim da paciência da Federação Internacional, que vetou o Estado e transferiu a competição para São Paulo, foi um desfecho previsível.

Todos têm parcela de culpa: governo estadual, que empurrou com a barriga; cidades envolvidas, que esperaram tudo cair do céu. Blumenau, por exemplo, tanto bateu o pé para ser sede mas até ontem não havia definido o local dos jogos. É uma lição, sem dúvida.

Fora isso, há o prejuízo para o Estado. Sim, porque o Mundial de Handebol é uma competição de custo baixo, pelo tamanho que tem, e de retorno alto (estima-se lucro de até seis vezes o valor investido). Sem falar na projeção das cidades em mercados importantes, como Europa e Ásia, onde em alguns países o handebol é tão popular quanto o futebol. Turistas que viriam, ou a simples exposição de SC pela TV.

Perdemos isso. E porque não conduzimos o processo com seriedade.