Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts na categoria "Catarinense 2010"

Os planos do Atlético de Ibirama

07 de junho de 2011 7

Em meio ao Brasileirão, um post mais para os leitores do Vale e sobre alguém que anda meio sumidão do blog:

Leandro Damião hoje é uma estrela no Internacional. Cotado para estar na Copa América com a Seleção Brasileira, o colorado já esfrega as mãos com a possibilidade de uma transação gorda na janela europeia de agosto. E não só o clube gaúcho. Dono de 30% dos direitos do atacante, formado no clube quando ainda era Leandrão, Genésio Ayres Marchetti já faz planos de reestruturar o Atlético de Ibirama com o dinheiro, que não será pouco (semana passada o Inter recusou proposta do inglês Tottenham de R$ 27 milhões, o que já renderia R$ 8,1 milhões ao empresário). O clube do Alto Vale, que abriu mão da vaga no Catarinense 2011 (e graças a isso permitiu à Chapecoense ser campeã estadual), retornará aos gramados no segundo semestre, para a disputa da Divisão Especial do Estadual.
Abaixo, o blog reproduz entrevista que Marchetti concedeu ao jornalista Diogo Olivier, do jornal Zero Hora, e que está na edição desta terça-feira do jornal gaúcho.

Marchetti: “O credor sou eu”

Genésio Ayres Marchetti, 73 anos, é uma espécie de dono não apenas do Atlético, mas de Ibirama inteira. Não é bem assim, é claro, mas depois de ser prefeito por dois mandatos e bancar o time local, é o que dizem deste bem sucedido empresário do ramo madeireiro e  construção civil. Genésio é dono de 30% de Leandro Damião. Quando o atacante do Inter for vendido, um rio de dinheiro desaguará sobre o Clube Atlético Hermann Aichinger, nome oficial da equipe que formou o centroavante. O que Genésio, todo poderoso do clube, fará com tanto dinheiro em uma cidade de 17 mil habitantes? Os planos são ousados.

O que o senhor fará com tanto dinheiro?
Em primeiro lugar, vou pagar contas. O Atlético tem que se recuperar. Não é fácil bancar um clube sem recursos, de um centro pequeno. Mas tem um lado positivo

Qual é?
É que o credor sou. Agora, se alguns no clube que não gostam de mim fizerem alguma safadeza, o que não acredito, eu pego o dinheiro e vou embora. Mas não quero que o Atlético morra. Eu amo este time.

Com 30% da venda de Damião tudo se resolverá, certo?
Em parte. Mas temos 30% do passe do Julinho (lateral-esquerdo do Avaí) e do Arlan (nota do blogueiro – lateral-direito, ex-Ibirama e Metropolitano, que estava no Vaduz, da Suíça, clube para onde foi agora o lateral-esquerdo Rafinha, ex-Metrô). Com estes três e o Damião imagino juntar uns 10 milhões de euros. Multiplica por 2,3 (valor do euro): estamos falando de R$ 23 milhões. Isso é uma enormidade para um clube de cidade pequena.

E depois de pagar as contas?
Quero subir a capacidade do nosso estádio, de 4 mil para 10 mil pessoas, entre outras benfeitorias. Calculo que só isso vai custar uns R$ 5 milhões. O plano é crescer como um todo. Vamos montar um time para subir este ano (o Atlético está na Segundona catarinense) e, depois, fixar um projeto nacional a partir da Série D nacional. Aí o custo de tudo será maior.

Como assim?
Hoje a gente fica hospedado em hotel duas estrelas, mas com o crescimento vamos pular para três ou quatro. Os jogadores vão ganhar mais. Me liga em dois anos e tu vais ver como estaremos. De resto, fico feliz pelo Damião e por tê-lo acolhido. É um rapaz sensacional. Merece tudo de bom que a vida der a ele. Mas me liga em dois anos para ver aonde estará o Atlético.

Siga o Blog do Braga no Twitter:

Metrô e Brusque: pedreira na Série D

21 de abril de 2011 3

É só em agosto, mas seria recomendável começar a pensar com carinho desde já. Brusque e Metropolitano vão representar Santa Catarina no Brasileiro da Série D. Ambos precisarão passar por reformulação grande até lá, uma vez que não foram bem no Estadual.

Santa Catarina tem uma peculiariedade. Aqui, sete dos 10 participantes do Estadual estão em alguma série do Brasileiro. É muita coisa! Mas aí clubes que não foram bem entram no nacional contra clubes de outros estados que fizeram boas campanhas, mesmo pequenos, e por isso estão lá. Junte a isso a regionalização dos grupos, o que torna as chaves do Sul/Sudeste finais antecipadas.

Em resumo, a dupla do Vale terá pela frente uma tremenda pedreira, é bom se preparar o quanto antes para encará-la.

São vários os clubes já classificados para a Série D (dá pra conferir e acompanhar a situação neste blog que acompanha de perto a Quarta Divisão). Hoje, focando apenas nos grupos nos quais podem atuar os times do Vale, já estão garantidos:

RS - Juventude (rebaixado da Série C), Cruzeiro (campeão do interior no Gauchão) e Cerâmica (classificado na Copa Enio Costamilan 2010). Cerâmica ainda pode abrir mão da vaga.

SC - Brusque (classificado pelo Catarinense) e Metropolitano (classificado pela Copa SC 2010).

PR - Operário (melhor do interior no Paranaense). A segunda vaga será disputada entre Cianorte e Arapongas.

SP – Mirassol e Oeste (melhores no Paulistão).

São todos times fortes (alguns passarão por desmanche pós-estadual, naturalmente. Mas é obrigação da dupla do Vale se preparar para encarar como quem quer um lugar ao sol no futebol brasileiro. Se for pra “só participar”, aí com certeza não passam nem da primeira fase, e aí vale até repensar pra que jogar dinheiro fora. É melhor nem ir.

Catarinense 2011: quem vai? E quem cai?

31 de março de 2011 24

Chegamos à reta final do Catarinense 2011. Domingo, a antepenúltima rodada do returno, que já começa a definir quem segue adiante na briga pelo título e quem vai amargar o rebaixamento para a Divisão Especial em 2012.

Vocês aí tem palpites? Quem serão os quatro semifinalistas do returno? Arriscam uma ordem de classificação?

E na parte de baixo da tabela, quem vai cair?

As versões impressas do Jornal de Santa Catarina e do Diário Catarinense dessa quinta-feira trazem as contas do matemático Valmir Medeiros nas duas pontas da tabela. Para ajudar os leitores do blog nos seus palpites, reproduzo aqui os percentuais calculados por ele.

No rebaixamento, ele não leva em consideração por enquanto a possibilidade do Imbituba perder quatro pontos por escalação irregular do zagueiro Vitor Hugo contra o Criciúma, o que deve ser julgado na próxima terça-feira, dia 5. Dos times aqui do Vale, Metropolitano (42%) e Marcílio Dias (9%) ainda correm risco. O Brusque já escapou, e de quebra ainda tem chance de ir às semifinais do returno.

Por falar nas semifinais, A Chapecoense já está praticamente lá, confirmará a vaga se vencer o Marcílio, domingo, na Arena. As outras três vagas estão em disputa por seis times, contando inclusive o Concórdia, que faz um belo returno.

Há ainda a questão da vaga na Série D do Brasileiro em jogo. E ela já pode ser praticamente definida nesta domingo. Se o Metropolitano vencer o Imbituba, fora de casa, e, principalmente, se o Brusque bater o Concórdia no Augusto Bauer, a vaga no Brasileiro da Série D ficará muito perto do Metrô. Isso porque dessa forma o Brusque dificilmente seria ultrapassado pelos adversários nas últimas rodadas e ficaria com a vaga do Estadual, cedendo a que tem direito como campeão da Copa Santa Catarina de 2010 ao Metropolitano, melhor classificado naquele torneio entre os que disputam a vaga.

Saiu a tabela da Copa SC 2011

28 de março de 2011 21

A Federação Catarinense de Futebol (FCF) divulgou nesta segunda-feira a tabela de jogos e o regulamento da Copa Santa Catarina deste ano.

O torneio, bem esvaziado por não dar ao campeão vaga na Copa do Brasil, como em 2010, terá a participação de apenas seis times: Brusque, Chapecoense, Concórdia, Joinville, Marcílio Dias e Metropolitano. A Copinha começará dia 22 de maio e tem previsão de término para 10 de julho.

Conforme o regulamento, o torneio será dividido em três fases. Na primeira, os times se enfrentam em tuno único e o que somar mais pontos será considerado o campeão. Na segunda, as equipes voltam a se enfrentar com mandos invertidos e a que somar mais pontos fatura o returno. Os campeões de casa fase se enfrentam na decisão, com jogos de ida e volta.

Se um mesmo time faturar os dois turnos, classifica-se para a decisão o melhor colocado no índice técnico. Mais uma vez, o torneio servirá para definir o time que ficará com a segunda vaga catarinense na disputa da Série D do Brasileiro do próximo ano. Caso o campeão seja uma equipe que já está disputando quaisquer uma das divisões nacionais, a vaga fica com o melhor colocado subsequente.

Confira a tabela completa dos jogos da Copa SC 2011

Clubes tentam salvar a Copa SC

04 de março de 2011 2

As informações colhidas com a ajuda do repórter Everton Siemann:

Uma reunião no apagar das luzes desse feriadão tentou definir uma fórmula para manter a Copa Santa Catarina, candidatíssima a ser limada do calendário do futebol catarinense.

Na verdade, houve sugestões, mas ninguém bateu o martelo, ainda. Definição, mesmo, só depois da Quarta-feira de Cinzas (afinal, no Brasil o ano começa depois do Carnaval).

Certo mesmo é que Figueirense e Criciúma não toparam participar e estão fora, caso ela ocorra. Avaí e Metropolitano não disseram não, mas também não toparam de cara. Prometem estudar a viabilidade e responder na próxima semana se entram ou não. Se entrarem, o torneio começa dia 18 de maio (três dias após o fim do Catarinense) e terá duas chaves de quatro times, assim distribuídos:

Grupo A – Metropolitano, Marcílio Dias, Avaí e Joinville

Grupo B – Brusque, Chapecoense, Imbituba e Concórdia

Classificariam dois de cada, para semifinais e finais tradicionais. O campeão ganhará vaga na Série D do Brasileiro de 2012 (o que para Avaí, JEC e Chapecoense não vale nada). Bem diferente do ano passado, quando o Brusque garantiu pela Copinha a vaga na Copa do Brasil.

Caso Metrô ou Avaí, ou ambos, desistam de participar, a Copa SC seria jogada em chave única, todos contra todos. Também foi rejeitada a sugestão de limitar a participação a atletas Sub-23. Resta saber agora se é possível viabilizar financeiramente a competição. O Brusque, por exemplo, que só faria viagens longas, tem a ganhar?

Ter calendário preenchido é bom para clubes e torcedores. Mas é bom pensar bem antes para não se arrepender depois.

Palpites do fim de semana

13 de novembro de 2010 11

Oi, estou de volta.

E sem delongas, vamos aos palpites dos jogos do Brasileirão no fim de semana. Quem quiser, participe!

Brasileirão

Santos 1 x 2 Grêmio

Corinthians 1 x 1 Cruzeiro

Atlético-MG 2 x 1 Flamengo

Fluminense 2 x 0 Goiás

Internacional 1 x 1 Avaí

Guarani 0 x 0 Vitória

Atlético-GO 3 x 1 Palmeiras

Vasco 0 x 0 São Paulo

Atlético-PR 2 x 1 Prudente

Brasileiro Série B

Coritiba 2 x 2 Figueirense

Bahia 1 x 0 Portuguesa

Catarinense Divisão Especial

Atlético Tubarão 1 x 0 Marcílio Dias

XV de Outubro 3 x 3 Concórdia

Tudo (quase) como antes no Catarinense

05 de novembro de 2010 12

Nesta sexta-feira, saiu a tabela do Catarinense 2011.

A Chapecoense está de volta, apesar de rebaixada em campo meses atrás. Nem sequer passou pela Segundona, como o Marcílio Dias, por exemplo, que labuta atualmente para estar no mesmo Catarinão em janeiro.

Já falei bastante disso, não falarei mais.

Também foi ventilada ao longo da semana a bobagem de que o campeonato passaria de 10 para 12 times. Seria um show de horror, porque se com 10 já tem time que não jogaria a Liga da minha rua, imaginem com 12. Pelo menos isso foi mantido. Serão 10 times. Aliás, a fórmula será basicamente a mesma do campeonato anterior, apenas com alteração nas rodadas.

Ainda não viu a tabela? Então confira aqui:

http://fcfs.no-ip.org/fcf_sistema_principal/TABELA_POR_CAMPEONATO_WEB.asp?RowId=24000000

A primeira rodada, em 16 de janeiro, terá belos jogos: Joinville x Brusque na Arena, Metropolitano x Figueirense no Sesi (se bem que, em se tratando do Sesi, afirmar isso com tanta antecedência é temerário), Avaí x Chapecoense e Criciúma e Imbituba aguardando a definição do vice e do campeão da Segundona, respectivamente.

Mudança mesmo só na volta à condição de torneio de várzea da Copa Santa Catarina (se é que continuará existindo). Esse ano, por pressão dos clubes pequenos, ela deu vaga na Copa do Brasil (o Brusque levou). Ano que vem, as duas vagas catarinenses voltarão a ser definidas apenas no Estadual. Os chamados grandes fizeram valer a influência. Sobre isso, confesso não ter opinião firme. A verdade é que houve uma tentativa de fortalecer a Copinha, que fracassou. Em boa parte por culpa dos próprios clubes. Então, a volta da fórmula anterior me parece natural.

Agora vamos aguardar pelo Catarinense 2011. Que os times se preparem, sobretudo os menores, e que principalmente a arbitragem dê uma melhoradinha. Já estaria ótimo.

Todos nós viramos a mesa no Catarinense

23 de agosto de 2010 48

Já quero começar dizendo que é a última vez que pretendo falar do tema, os motivos ficarão claros ao longo do post.

Semana passada, a corte máxima da Justiça Desportiva brasileira deu uma de Poncio Pilatos e lavou as mãos no caso da virada de mesa no Campeonato Catarinense. Anunciou não julgar-se competente para opinar sobre o tema, deixando caminho livre para a decisão da Federação Catarinense de resgatar a Chapecoense da Segundona, na vaga do Atlético de Ibirama, o desistente conveniente. Não concordo, mas democraticamente respeito decisões tomadas por quem deve tomá-las. Portanto, pra mim é fim da linha, assunto morto e enterrado.

Mas, pra encerrar, deixarei aqui uma espécie de desabafo:

Há muitos culpados para que a virada de mesa tenha ocorrido e vá envergonhar o futebol catarinense, justamente em um momento brilhante dos nossos clubes dentro de campo. Vamos a eles, os culpados:

A Federação – É a maior culpada, claro. Frouxa, omissa, capaz de fazer um regulamento com uma brecha escandalosa, prato cheio para qualquer advogadozinho recém-saído das cadeiras da universidade. É tanta incompetência que dá até pra desconfiar de algo mais. Neste ano não fez só esta lambança, fez muito mais. Permitir uma virada de mesa embaixo do seu nariz foi apenas a maior delas.

A imprensa - Tem culpa também. Achou bonito tudo que aconteceu, como se nada fosse. Nós todos apenas demos uma reclamadinha protocolar e nada mais. Ou seja, deixamos a coisa esfriar e permitimos que o STJD (logo ele, de passado tão límpido) tomasse a decisão mais conveniente para ele: não tomar decisão nenhuma. Fomos bananas, precisamos reconhecer.

A Chapecoense - Parte da torcida do Verdão, de maneira até compreensível cega pela paixão clubística, me acusa de perseguir a instituição. É no mínimo superestimar este humilde blogueiro do interior. Mas a verdade é que não dá para absolver o clube no caso. Não pediu para virarem a mesa, não foi o causador da lambança. Mas tem culpa no cartório também. Não consigo aceitar argumentos do tipo: “a Chapecoense está apenas buscando seus direitos”. Que direito, cara-pálida? O time foi rebaixado dentro de campo, não houve nenhum fato excepcional que tivesse provocado a queda para a Segundona que não a ruindade do time no Catarinense. Portanto, o único direito legítimo (no caso um dever) era disputar a Divisão Especial em 2011 bem quietinha e subir honrosamente dentro de campo. Qualquer coisa que não isso é oportunismo barato, sim senhor. Ah, e pela milionésima vez, deixo claro que nada tenho contra a Chapecoense, contra Chapecó, contra as pessoas do Oeste, etc… Fosse qual fosse o clube envolvido no episódio, receberia aqui as mesmas críticas. Quem não quiser acreditar, paciência.

Bom, mas tudo isso é apenas opinião, não vai mudar nada. Quem comemorou a decisão do Tapetão pode seguir comemorando (lembram do estouro de champagne dos cartolas do Fluminense em 1996?). A verdade é que ninguém ganha com esta decisão. O futebol catarinense ficará manchado (já está) por este vexame, e a Chapecoense, queira ou não, estará voltando pela porta dos fundos. O time terá esta mancha no currículo eternamente, e os torcedores serão achincalhados pelos rivais a cada jogo pelos próximos 50 anos, no mínimo. E nada poderão argumentar.

Pra encerrar, deixo aqui aquela que sempre foi minha sugestão para tentar tornar menos vexatório este episódio. Já que não há o que fazer (o campeonato de 2011 não pode ter 9 times e promover um terceiro da Segundona atual seria tão errado quanto), que a Federação decidisse então por uma espécie de repescagem, tão comum nos campeonatos europeus, entre o terceiro colocado da Divisão Especial e a Chapecoense. Dois jogos no final do ano, com decisão em Chapecó. Quem vencesse, disputaria o Catarinense 2011.

Também não é brilhante, eu sei, mas ao menos a decisão seria dentro de campo, e não nos podres tribunais desportivos. Tenho certeza que muitos torcedores do Verdão do Oeste concordam com esta opção (alguns até já a apoiaram aqui no blog). Seria perfeito se a direção da Chapecoense propusesse esta “terceira via” à Federação, como demonstração de que não concorda com a volta via tribunais e decisões apoiadas em falhas de regulamento.

Porém, não sou tão ingênuo assim e sei que não vai acontecer. A não ser que a própria torcida (a parcela que não concorda com a virada de mesa), faça o pedido aos cartolas. Seria possível ou eu de fato vivo num mudo imaginário?

Brusque campeão da Copinha. E merecido

10 de julho de 2010 19

O Brusque é campeão da Copa Santa Catarina 2010. Título, como eu disse no post do meio da semana, mais do que justo e merecido. Se o Joinville tinha o elenco mais forte, o Brusque foi o clube que melhor entendeu a oportunidade que estava sendo dada na Copinha. Foi o melhor da competição durante todo o tempo, turno, returno e finais.

A Copinha foi disputada meio que na surdina, em plena Copa do Mundo. Mas dava um prêmio mais do que interessante a quem se dedicasse a ela: a vaga na Copa do Brasil em 2011. O Brusque se dedicou, planejou, montou elenco competente, trouxe peças importantes ao longo da competição e, por fim, mas não menos importante (pelo contrário), soube enxergar o potencial do técnico Joceli Dos Santos.

Muita gente não acreditou nele após a campanha surpreendente com o Imbituba no Catarinense. Estava praticamente acertado com o Metropolitano, que na hora h recuou por uma razão que eu sei qual foi, mas não vale nem a pena dizer aqui. Resolveram fazer uma aposta cega no Clebão (está onde mesmo?) que logo se mostrou equivocada. E Joceli, com seu estilo paizão, juntou suas coisas e parou em Brusque. Em pouco mais de 2 meses, fez um trabalho ainda melhor no Augusto Bauer. E agora, merece ou não ser reconhecido como um técnico de valor?

Esse título do Brusque tem muitos “culpados”. Além de Joceli e de uma diretoria competente e focada no clube, jogadores importantes do elenco que aqui vou resumir em apenas um nome: Rafael Xavier. Grande jogador, grande mesmo. E o time teve dignidade, pois muitos desses jogadores que se destacaram já entraram em campo neste sábado negociados com outros clubes (O JEC, inclusive). Está de parabéns o Brusque, que se consolida como a grande força do Vale do Itajaí. enquanto os rivais capengam, ele acumula quatro títulos nos últimos anos, incluindo ai o bicampeonato da Copa Santa Catarina. E pela segunda vez levantando o caneco em plena Arena “pé-frio” Joinville (aliás, deveriam mudar o nome pra Arena Mick Jagger…)

Pela dedicação e a seriedade com que tratou a competição (enquanto a outros faltou isso ou então competência mesmo), o Brusque bota mais uma taça na sala de troféus (o terceiro da Copinha) e garante vaga na Série D do Brasileiro e, principalmente, vai representar o Estado na Copa do Brasil em 2011. Calendário repleto graças ao trabalho bem feito. E repito: tudo absolutamente merecido. Desafio agora é manter as coisas boas e melhorar ainda mais. Desafio grande, pois será preciso muito mais recurso.

Ao JEC, resta a lamentação do que aqui mesmo já havia sido alertado: o time repetiu na Copinha o mesmo erro do Estadual. Começou arrasador, levando o turno e se garantindo na final, e depois caiu de produção no returno (eliminado na semifinal, como no Catarinense) e perdeu a final. Teve duas chances de ir à Copa do Brasil no ano que vem, perdeu as duas. Alguém até pode reclamar da questão da vaga na Copinha e não no Estadual (é justo reclamar, eu pessoalmente não concordo). Mas vale lembrar (como sempre) que todos os clubes assinaram, portanto…

Mas mesmo com o baque dessa perda de certa forma inesperada, o Joinville volta agora as atenções para a Série D, que já começa no final de semana. E, na minha opinião, entra no torneio não só como favorito ao acesso como também seríssimo candidato ao título. Só precisa parar de dar mole nos momentos decisivos.

Adendo 1: aos torcedores do Brusque entrarem aqui pra me xingar por aquele post da final do turno, recomendo antes ler tudo com muita atenção. Durante todo o momento eu ressaltei que o Brusque poderia fazer o que fez hoje. Não naquela final, mas nessa, a que valia de fato, poderia e fez. Leiam e confiram. Se ainda assim quiserem me xingar, aí tudo bem.

Adendo 2: Uma vergonha, não dá para qualificar de outra forma o que aconteceu (de acordo com os relatos que ouço) no fim do jogo na Arena. Refiro-me, claro, a agressão ao colega Rodrigo Santos, da Rádio Cidade de Brusque, pelo filho do presidente da Federação, o popular (e de ficha extensa) Delfinzinho). É preciso dar um basta nos desmandos dessa turma que se apropriou do futebol catarinense há décadas. Delfim disse não ter nada a ver com o caso, era só o que faltava. Tem sim a ver, tanto no campo profissional quanto no pessoal. O mínimo que se espera é que tome providências e venha a público dar a versão da FEderação (se é que há uma). E ao agressor, que o meu xará Rodrigo leva o caso à polícia, e até o fim, porque gente desse tipo só merece ser tratada dessa forma, no âmbito policial.

Brusque merece a Copinha

07 de julho de 2010 8

Pausa na Copa, a da África, para falar da Copinha, que também está na reta final.

Lembram quando eu falei, lá na final do turno, que o JEC já era campeão depois de tocar 5 a 2 no Brusque no primeiro jogo da decisão, na Arena? Quase fui virtualmente linchado aqui, mas no fim o JEC de fato levou.

Quem se lembra também deve puxar pela memória que na ocasião eu disse que o time do Vale era muito bom, acertadinho pelo Joceli dos Santos, e que ainda incomodaria no torneio. Bingo! O Brusque foi ainda melhor no returno, levou tirando o próprio JEC na semifinal e o Criciúma na final. Senhora campanha.

Pois bem, os donos da Copinha começaram a decisão nesta quarta, no Augusto Bauer. Quase íntimos já, pois este foi o quinto confronto no torneio. E o Brusque jogou melhor e mereceu o 1 a 0, gol do “Drogba brusquense” Rafael Xavier (baita jogador).

Agora as coisas são diferentes. 1 a 0 não garante a ninguém vantagem cômoda o suficiente para que o título seja favas contadas, como no caso anterior. Sábado, na Arena, qualquer um pode levar a taça, a vaga na Série D de 2011 e, a cereja do bolo, a condição de segundo representante do Estado na Copa do Brasil do próximo ano.

O JEC tem time, tem elenco e tem torcida para reverter a situação e ser campeão. Mas preciso dizer que o Brusque, pelo que fez até aqui, merece e muito essa taça e o que vem de brinde. No sábado a gente confere quem leva.